sábado, 2 de fevereiro de 2019

A "Jornada" de António Albuquerque Coelho


António de Albuquerque Coelho (1682-1745) ocupou vários cargos no chamado império colonial português, tendo sido Governador de Macau e de Timor.
Na sua vida efectuou uma viagem de Goa até Macau que durou exactamente um ano e que ficou para a história pois um dos seus subordinados, o Capitão João Tavares de Velez Guerreiro, escreveu um livro sobre essa viagem de 30 de Maio de 1717 a 29 de Maio de 1718.
http://macauantigo.blogspot.com/2012/08/antonio-de-albuquerque-coelho-1682-1745.htmlO livro tem como título "Jornada, que Antonio de Albuquerque Coelho, Governador e Capitão General da Cidade do Nome de Deos de Macao na China, fez de Goa até chegar à dita cidade no anno de 1718: dividida em duas partes/escrita pelo Capitão João Tavares de Vellez Guerreiro".
As primeira edição foi feita em Macau logo em 1718 e seguiram-se mais duas edições:
- Jornada que o senhor Antonio de Albuquerque Coelho governador e capitam geral da Cidade do Nome de Deos de Macao na China, fes de Goa athe chegar a ditta cidade, pelo capitam Joam Tavares de Velles Guerreyro. Macau s.n.,1718
- Jornada, que Antonio de Albuquerque Coelho, Governador e Capitão General da Cidade do Nome de Deos de Macao na China, fez de Goa até chegar à dita cidade no anno de 1718 : dividida em duas partes / escrita pelo Capitão João Tavares de Vellez Guerreiro... Lisboa Occidental na Officina da Musica, 1732.
- Jornada de Antonio de Albuquerque Coelho, por João Tavares de Vellez Guerreiro, com uma carta-prefácio de J. F. Marques Pereira, Lisboa, Escriptorio, 1905.
Esta última tem a particularidade de incluir um prefácio de João Feliciano Marques Pereira (1863-1909), em homenagem a seu pai, António Feliciano Marques Pereira (1839-1881) que desempenhou funções administrativas e diplomáticas em Macau e noutras partes do Oriente.
A história do mandato de governador de Macau começa em Maio de 1717 quando o Arcebispo Primaz de Goa, D. Sebastião de Andrade Pessanha, substituto legal do Vice-Rei, Vasco Fernandes César de Menezes, que partira para o Reino, nomeou António de Albuquerque Coelho como Governador de Macau.
Albuquerque deveria embarcar no único navio que estava para partir mas estava sob o comando do seu inimigo Francisco Xavier Doutel, que levantou se fez ao mar na noite de 22 de Maio sem o avisar. Albuquerque decidiu então partir a pé com a sua comitiva até à outra costa da Índia, onde tencionava apanhar outra embarcação. Na sua comitiva seguiam o capitão João Tavares de Velez Guerreiro, que mais tarde descreveu a viagem, o ajudante Inácio Lobo de Menezes, mais dois portugueses, João Nunes e Pascoal Ribeiro, cinco cafres cativos e dois clarins.
Chegaram a S. Tomé de Meliapor (ocupada pelos portugueses) a 16 de Julho ao fim de percorrerem 2600 km. Como não conseguiram encontrar um navio que os levasse, Albuquerque comprou um, iniciando a viagem a 5 de Agosto. Seguiram rumo a Malaca, ao fim de dois meses atingiram Johor (no sul da Malásia) onde ficaram durante o inverno e só prosseguiram viagem a 18 de Abril de 1718. Doentes, foram obrigados a desembarcar na ilha de São João (Shangchuan, a cerca de 300 km de Macau) onde os chineses os trataram e encaminharam depois até Macau onde chegaram a 29 de Maio de 1718.
Albuquerque tomaria  posse do cargo no dia seguinte, 30 de Maio. Por essa altura, já estava em Goa um novo Vice-Rei, D. Luis de Menezes, 5.º conde da Ericeira e 1.º Marquês do Louriçal que lhe escreve uma carta com data de 6 de Maio confirmando-o no cargo onde ficou até 9 de Setembro de 1719. O Vice-Rei recebera indicação da Corte de Lisboa para um novo Governador, António da Silva Tello de Menezes. à espera da chegada do novo governador, Albuquerque fic
ou em Macau até 18 de Janeiro de 1720, data em que embarcou para Goa na fragata Nossa Senhora das Brotas.

Sem comentários:

Publicar um comentário