quarta-feira, 8 de dezembro de 2021

"Medicamentos Novos": 1866

Anúncio várias vezes publicado no "Boletim do Governo de Macau" ao longo do ano de 1866 sob o título "Medicamentos Novos".

Os seguintes medicamentos encontram-se em Macau, na pharmacia de Leopoldino de Figueredo, e em Hong-kong, na pharmacia franceza." 
Um deles era o Xarope de Hipophosphito de Cal (hipofosfito de cal), "recommendado para doenças de peito" curando "tosse", "suores nocturnos" e os "catarros ordinários".
Já as "Grageas de Cubebina" - substância extraída da semente seca da pimenta asiática - eram aconselhadas para os casos de "hemorragias ureticas ou gonorrehas" sendo "muito faceis de tomar".
Para a anemia anunciava-se o "precioso medicamento" denominado "Hypo-Phosphato de Ferro".

Leopoldino Augusto da Cunha Figueiredo era na época o "pharmacêutico civil" da repartição de Saúde Pública. 

Existiam na época outras "pharmacias".

terça-feira, 7 de dezembro de 2021

Bazar: "o quarteirão mais brilhante e animado da cidade chinesa"

O quarteirão mais brilhante e animado da cidade chinesa é o bazar. Trata-se de ruas estreitas cheias de lojas por onde circula uma multidão atarefada. Aqui, um carregador com uma vara ao ombro e, em cada uma das suas extremidades, uma carga suspensa; ali, uma jovem barqueira que passa rapidamente, a cabeça envolta num lenço de seda, mostrando uma longa veste e calças de algodão azul que deixam ver os seus belos pés nus que a moda não ousou mutilar. Mais além, uma velha senhora de pés aristocráticos, o que quer dizer semelhantes aos do casco de um cavalo calçado com um sapato. Ela marcha mancando e segurando um guarda-sol meio aberto que protege a sua cabeça cheia de cabelos grisalhos. Ou, então, encontra-se um jovem janota no seu robe azul, relógio à cintura, cabelos negros enfiados numa pequena touca, sapatos de seda de sola branca, ar ocioso e satisfeito, nariz empinado e leque na mão. Ou um sério burguês de barba grisalha com um rosto de tranquila beatitude, comodamente sentado numa cadeira que dois carregadores transportam o mais depressa que podem, gritando para arranjarem espaço e empurrando todos aqueles que não se afastam prontamente à sua passagem. 
Podem ser ainda dois operários semi-nus que, tomados de razões, brigam um com o outro, mas só depois de amarrarem as suas tranças à volta da cabeça para não darem qualquer vantagem ao adversário. Ou até mesmo incriminados que um guarda da polícia vai levar ao mandarim segurando-os pelo rabo-de-cavalo: não há qualquer receio que venham a fugir porque um chinês assim manietado pela trança sempre obedece à mão que o agarra.
A primeira vez que vi a grande rua do bazar acreditei que estava a ver uma decoração de ópera. Nunca tinha encontrado em nenhum outro lado esta estranheza de cores unida a estas bizarras formas. À direita e à esquerda, fileiras de colunas de madeira pintadas a vermelho sustentando toldos esculpidos. Depois, à frente de cada loja destaca-se um pilar carregado de alto a baixo, como um bastão de tinta da China, de inscrições em grandes caracteres. Aqui e ali, grossas lanternas cobertas de figuras grotescas e, dos dois lados da rua, as lojas que se abrem sem janelas e sem vidros a toda a sua largura, deixando ver a exposição de mercadorias e os detalhes do seu mobiliário. Existe normalmente um balcão atrás do qual o comerciante, com os seus pesados óculos sobre o nariz, passeia reflectidamente o pincel nos seus registos ou procura, com grandes gestos e modulando o melhor possível a sua voz monótona, fascinar a fantasia do seu cliente. Ao fundo, descobre-se um altar com a sua estátua pintada e dourada com pequenas velas que ardem, enquanto à entrada da porta se encontram alguns amigos sentados em cadeiras de bambu, falando sobre os negócios e os acontecimentos do dia, fumando através do longo tubo dos seus cachimbos.
As mercadorias estão dispostas na mais perfeita ordem e até com a aparência elegante das nossas lojas parisienses. No entanto, os objectos de arte e os mais dispendiosos vendem-se sobretudo na rua em que estamos alojados. O que melhor caracteriza o bazar é que se pode encontrar tudo, mas tudo o que é feito exclusivamente para a China sem qualquer influências europeias, desde a loja de estofos às lojas de comestíveis. O que permite surpreender os segredos dos hábitos quotidianos e íntimos da vida chinesa, conquanto a um nível pouco elevado já que os habitantes chineses de Macau geralmente possuem fortunas medíocres e a qualidade das mercadorias é, como em todo o lado, proporcional à riqueza dos consumidores.
Existem mesmo em algumas ruas lojas de ocasião que vendem um pouco de tudo como nas tendas a quatro soldos nas feiras das nossas aldeias: cachimbos, bastões, caixas de rapé, ábacos, pauzinhos para comer, guarda-chuvas, bússolas, leques, cintos, espelhos, pinturas grosseiras e milhares de objetos diversos. Encontram-se também comerciantes de velharias em cujas lojas se podem descobrir velhas divindades em madeira policromada, cobertas de pó e comidas pelos vermes, sentadas em tronos ou a cavalo em pássaros. Encontrei um dia numa destas lojas, bastante sombria e suja, um velho chinês que, dono da loja, tinha sentado no seus joelhos uma pequena criança. O único raio de luz que atravessava esta poeira e obscuridade iluminava directamente o rosto do velho que, como uma estátua de porcelana, abanava a cabeça, punha a sua língua de fora e revirava os olhos para entreter o petiz que ria.
Nas esquinas e nos cruzamentos depara-se com barbeiros, cozinheiros e vendedores de legumes que vendem as mercadorias no meio das ruas. O barbeiro rapa a cabeça do seu cliente com uma grande navalha triangular. O cozinheiro vende caldo, arroz e bolos sob o seu guarda-sol de papel oleoso. O vendedor de legumes, para além das couves, dos inhames, das abóboras e dos melões, tem também raízes de nenúfar, castanhas de água, raízes de bambu e brotos de feijão verde. Os frutos do mar vendem-se num barracão. Aí se encontram polvos, rãs, tartarugas, mexilhões, vermes do rio, peixes de todas as formas e cores, alguns com grandes barbas como os lagostins, outros com bicos achatados como os patos. Não é raro encontrar, transportados em caixas à vista, cães e gatos destinados a satisfazer a gastronomia dos pequenos comerciantes do bazar, enquanto ratos secos se encontram ao lado de pedaços de búfalo e de porco nas bancas dos carniceiros.
Theophile de Ferrière Le Vayer, Une Ambassade française en Chine. Jornal de Voyage. Paris: Librairie D Amyot, 1854 (o relato foi feito in loco em 1844)
Pintura - óleo sobre tela - vista da Praia Grande
primeira metade séc. 19 - autor anónimo


segunda-feira, 6 de dezembro de 2021

O Atlas 'secreto' da VOC

Impressa em Amesterdão em 1753 esta carta intitula-se em holandês "Nieuwe Pas=Caart Strekkende van Pta Cataon tot Pta Lamtaon langs de kusten von Cochinchina, Tonquin, Quangsi en Quantung bewattende insgelyks het eiland Aynam en die van Macao met dieptens, havens en ankergronden".
É o equivalente a "Nova Carta de Navegação de Cantão a Lantao ao longo das costas da Conchichina, Tonquin, Quangsi e Quantung, cobrindo as ilhas de Aynam (Hainão) e Macau com informações de profundidades, portos e ancoradouros".
A carta foi feita e usada pela VOC (Companhia Holandesa das Índias Orientais) para navegação e comércio e surge no volume VI (1753) do Zee-Fakkel de Johannes II van Keulen, o chamado "atlas secreto" da VOC.
Durante dois séculos, de 1602 a 1799, a Companhia Holandesa das Índias Orientais (VOC: Vereenigde Geoctroieerde Oostindische Compagnie) dominou grande parte das rotas marítimas da Ásia e África. O mapeamento preciso dessas águas era essencial para uma navegação segura e bem-sucedida e a VOC tinha para o efeito o seu próprio departamento de cartografia. Durante os primeiros 150 anos estas cartas eram usadas apenas pelas embarcações da companhia de forma a minimizar o risco de espalhar o conhecimento à concorrência.
Detalhe da localização de Macau que na carta surge representado no canto superior direito.

domingo, 5 de dezembro de 2021

Casa para venda na Rua dos Culles: 1866

Para Venda
A casa nº 17 na Rua dos Culles, bem conhecida pelo seu tamanho e valor. O abaixo assignado receberá os offerecimentos, dos que a quizerem comprar, até o dia 15 de setembro.
Macau, 13 de agosto de 1866
Manoel Pereira
in Boletim do Governo de Macau, Agosto 1866

sábado, 4 de dezembro de 2021

A Woman's Journey Round the World

Os viajantes do tipo turista como hoje conhecemos, no século 19, eram ainda uma ínfima minoria e eram, na esmagadora, maioria homens. Mas a história que seleccionei para o post de hoje é sobre uma mulher. Uma mulher que, já com mais de 40 anos, deu duas voltas ao mundo! A primeira entre 1846 e 1848 - passando por Macau - e a segunda entre 1851 e 1854. 
Viajava com pouco dinheiro. Muitas das vezes dividia pratos com os habitantes locais ou fazia refeições quando lhe ofereciam.; e para dormir, alojava-se em casas oferecidas pelos habitantes locais e chegou a dormir ao relento. À medida que foi sendo conhecida, as companhias de navegação e caminhos de ferro passaram a deixá-la viajar de graça.
Nascida na Áustria, Ida Laura Pfeiffer (1797-1858) foi até aos 45 anos uma dona de casa com um imenso desejo de viajar e conhecer o mundo. Um caso raro na primeira metade do século 19, mesmo na Europa.
Com os filhos já criados, vendeu a casa e o piano, e com esse dinheiro começou a viajar vindo a tornar-se uma exploradora e escritora de livros de viagens. A primeira que fez foi até à terra santa e no regresso passou para um livro as anotações do seu diário, o que lhe rendeu alguma notoriedade e dinheiro para prosseguir o sonho. 
Foi a primeira mulher a ser aceite como membro honorário nas conceituadas sociedades  de Geografia de Berlim e Paris e foi ainda laureada pelo rei da Prússia com uma medalha de ouro pela sua contribuição às artes e às ciências, tornando-se ainda membro das Sociedades de Zoologia de Berlim e de Amesterdão.
O registo da primeira viagem, Eine Frauenfahrt um die Welt (Viagem de uma mulher ao redor do mundo), foi publicado em Viena em 1850 em três volumes e depressa tornou-se um sucesso sendo traduzido em várias línguas. A tradução inglesa, A Woman's Journey round the World, foi publicada em Londres no mesmo ano.
"My Second Trip Around the World " foi o título do livro sobre a segunda volta ao mundo publicado em 1856.
No prefácio do primeiro livro pode ler-se:
I have been called, in many of the public journals, a “professed tourist;” but I am sorry to say that I have no title to the appellation in its usual sense. On the one hand I possess too little wit and humour to render my writings amusing; and, on the other, too little knowledge to judge rightly of what I have gone through. The only gift to which I can lay claim is that of narrating in a simple manner the different scenes in which I have played a part, and the different objects I have beheld; if I ever pronounce an opinion, I do so merely on my own personal experience.
Many will perhaps believe that I undertook so long a journey from vanity. I can only say in answer to this -whoever thinks so should make such a trip himself, in order to gain the conviction, that nothing but a natural wish for travel, a boundless desire of acquiring knowledge, could ever enable a person to overcome the hardships, privations, and dangers to which I have been exposed.
In exactly the same manner as the artist feels an invincible desire to paint, and the poet to give free course to his thoughts, so was I hurried away with an unconquerable wish to see the world. In my youth I dreamed of travelling - in my old age I find amusement in reflecting on what I have beheld.
The public received very favourably my plain unvarnished account of “A Voyage to the Holy Land, and to Iceland and Scandinavia.” Emboldened by their kindness, I once more step forward with the journal of my last and most considerable voyage, and I shall feel content if the narration of my adventures procures for my readers only a portion of the immense fund of pleasure derived from the voyage by
The Authoress. Vienna, March 16, 1850.
A autora chega a Macau em Julho de 1847. Tinha 50 anos. Seguem-se alguns excertos das suas impressões sobre o território onde destacou a visita à Gruta de Camões, os hábitos da população chinesa (do jogo ao comer com pauzinhos e a paisagem urbana marcada por igrejas e fortificações.
On the 8th of July we again reached the vicinity of Macao, and entered the Straits of Lema. Our course now lay between bays and reefs, diversified by groups of the most beautiful islands, offering a series of most magnificent and varied views.
On the 9th of July we anchored in Macao Roads. The town, which belongs to the Portuguese, and has a population of 20,000 inhabitants, is beautifully situated on the sea-side, and surrounded by pleasing hills and mountains. The most remarkable objects are the palace of the Portuguese governor, the Catholic monastery of Guia, the fortifications, and a few fine houses which lie scattered about the hills in picturesque disorder.
Besides a few European ships, there were anchored in the roads several large Chinese junks, while a great number of small boats, manned by Chinese, were rocking to and fro around us.
A year before my arrival in China, it would have seemed hardly credible to me that I should ever succeed in taking my place among the small number of Europeans who are acquainted with that remarkable country, not from books alone, but from actual observation; I never believed that I should really behold the Chinese, with their shaven heads, long tails, and small, ugly, narrow eyes, the exact counterparts of the representations of them which we have in Europe.
We had hardly anchored, before a number of Chinese clambered up on deck, while others remained in their boats, offering for sale a variety of beautifully made articles, with fruit and cakes, laid out in great order, so as to form in a few seconds a regular market round the vessel. Some of them began praising their wares in broken English; but on the whole, they did not drive a very flourishing business, as the crew merely bought a few cigars, and a little fruit.
Captain Jurianse hired a boat, and we immediately went on shore, where each person on landing had to pay half a Spanish dollar (2s.) to the mandarin: I subsequently heard that this imposition was shortly afterwards abolished. 
We proceeded to the house of one of the Portuguese merchants established there, passing through a large portion of the town on our way thither. Europeans, both men and women, can circulate freely, without being exposed to a shower of stones, as is frequently the case in other Chinese towns. The streets, which are exclusively inhabited by Chinese, presented a very bustling aspect. The men were in many cases seated out of doors in groups, playing at dominoes, while locksmiths, carpenters, shoemakers, and many others were either working, talking, playing, or dining in the numerous booths. I observed but few women, and these were of the lower classes. 
Nothing surprised and amused me more than the manner in which the Chinese eat; they have two little sticks, with which they very skilfully convey their victuals into their mouths. This process, however, cannot be so successfully practised with rice, because it does not hold together; they therefore hold the plate containing it close to their mouths, and push it in by the aid of the sticks, generally letting a portion of it fall back again, in no very cleanly fashion, into the plate. For liquids they use round spoons of porcelain.
The style in which the houses are built, did not strike me as very remarkable; the front generally looks out upon the courtyard or garden.
Among other objects which I visited was the grotto, in which the celebrated Portuguese poet, Camoens, is said to have composed the Lusiade. He had been banished, A.D. 1556, to Macao, on account of a satirical poem he had written, Disperates no India, and remained in banishment several years before receiving a pardon. The grotto is charmingly situated upon an eminence not far from the town.
As there was no business to be done, the captain resolved to put to sea again the next morning, and offered in the most friendly manner to take me as his guest to Hong-Kong, as I had only agreed for a passage as far as Macao. I accepted his invitation with the greater pleasure, as I had not a single letter to any one in Macao; besides which, it is very seldom that there is an opportunity of proceeding to Hong-Kong.
On account of the shallowness of the water, our ship was hove to at rather a long distance from the shore, where it was exposed to an attack from the pirates, who are here very daring and numerous. In consequence of this, every precaution was taken, and the watch doubled for the night.
As late as the year 1842 these pirates attacked a brig that was lying at anchor in the Macao Roads, murdering the crew and plundering the vessel. The captain had remained on shore, and the sailors had carelessly given themselves up to sleep, leaving only one man to keep watch. In the middle of the night a schampan - which is the name given to a vessel smaller than a junk - came alongside the brig. One of the rowers then came on board, pretending he had a letter from the captain; and as the sailor went near the lantern to read the letter, he received from the pirate a blow upon his head which laid him senseless on the deck; the rest of those in the boat, who had hitherto remained concealed, now scaled the side of the brig, and quickly overpowered the slumbering crew.
In our case, however, the night passed without any incident worth noting; and on the morning of the 10th of July, having first taken on board a pilot, we proceeded to Hong-Kong, a distance of sixty nautical miles. The voyage proved highly interesting, on account of the varied succession of bays, creeks, and groups of islands which we had to pass.
The English obtained Hong-Kong from the Chinese at the conclusion of the war in 1842, and founded the port of Victoria, which contains at present a large number of palace-like houses built of stone.
The Europeans who have settled here, and who are not more than two or three hundred in number, are far from being contented, however, as trade is not half as good as they at first expected it would be. Every merchant is presented by the English government with a plot of ground, on condition of his building on it. Many of them erected, as I before mentioned, splendid edifices, which they would now be glad to sell for half the cost price, or even very frequently to give the ground and foundations, without asking the smallest sum in return.
I resolved to stop only a few days in Victoria, as it was my wish to arrive at Canton as soon as possible. (...)

A tradução do alemão tem algumas variantes consoante o país onde era impresso o livro. Veja-se o caso desta edição para os EUA em 1852, "A Lady's Voyage Round the World: A Selected Translation from the German of Ida Pfeiffer":
A year ago I should have little thought there was any chance of my becoming acquainted with this remarkable country not merely from books but in my proper person that the shaven heads and long tails and cunning little eyes as we see them in pictures and on tea chests would have presented themselves in living forms before me.
But scarcely was our anchor dropped before several Chinese already stood upon our deck while numbers of others appeared in boats surrounding us and displaying in pretty order fruits pastry and various kinds of beautiful works so that the space round the ship looked like a fair.
Some among them lauded in broken English the treasures they had brought but after all they got but little for their trouble for our crew bought only fruit and cigars.
Captain Jurianse now hired a boat and we rowed ashore but on landing the first thing we had to do was to pay half a Spanish dollar each to a mandarin. I heard that this abuse was shortly after abolished.
We had to go to one of the Portuguese houses of business and in doing so passed through a great part of the town for Europeans women as well as men can now go about freely here without as in other Chinese towns being exposed to the danger of being stoned.
In those streets which are exclusively inhabited by Chinese things looked very lively and bustling. The men were sitting in groups playing dominoes in the streets and in the shops of the locksmiths tailors shoemakers & c there was working gossiping gambling and dancing going on at once. I was greatly amused at the Chinese mode of eating with two little sticks which they manage with great adroitness it is only in eating rice that they seem to labor under difficulties as it will not hold together.
The plan is therefore to bring the vessel containing it as near as possible to the mouth which is held in readiness wide open and then dexterously shove a heap into the expectant aperture In performing this operation it happens of course often that a portion falls back again into the dish but that is of no consequence with fluid food they make use of China spoons.
My stay at Macao proved to be an exceedingly short one for as our captain found there was no chance of doing any business there he resolved to go to sea the next day but he kindly offered to take me with him as a guest. His invitation was so much the more welcome to me as I had not a single letter of introduction to Macao and the opportunities of going to Hong Kong are not at all frequent.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2021

Um Sonho Oriental

"Macau, um sonho oriental" é o titulo de um projecto musical, com texto de José Jorge Letria e música de Carlos Alberto Moniz, editado pelo IPOR – Instituto Português do Oriente em 1993.
Em 2014 voltaria a ser divulgados integrando o volume 17 da revista Povos e Culturas, do CEPCEP – Centro de Estudos dos Povos e Culturas de Expressão Portuguesa.
A história é protagonizada por um marinheiro português chamado Aires Vicente que parte de Lisboa rumo ao Oriente. “Velejámos, navegámos / passámos rios a vau / e vogando nos mares da China / lançámos ferro em Macau”. No fim, retorna ao país de origem, já que “não podem durar para sempre / as viagens de aventura / que o sonho navegante / só é sonho enquanto dura”.
Temas: “Não vás para o mar, homem”, “Rumando a Oriente”, “Aires Vicente, um marinheiro português”, “Os bens de Macau”, “Na Gruta de Camões”, “Luís Vaz de Camões”, “Frei Tomé de Jesus”, “O homem da ‘Peregrinação’”, “Com o Hai-Tu de Cantão (e Leonel de Sousa)”, “Um Leal Senado”, “Um homem vindo de longe (Sun Yat Sen)”, “Pessanha e Patrício”, “Bocage: o amargo riso”, “Venceslau de Morais” e “Regresso de Aires Vicente”.
Dos textos fazem ainda parte poemas de Miguel Torga, Li Bai, Qu Yuan e Camilo Pessanha, Sophia de Mello Breyner, Roberto Carneiro, Han Yu, Antero de Quental, uma antiga cantiga em patuá (autor anónimo) e um extracto da “Peregrinação”.
Deram voz artistas como Helena Vieira, Fernando Serafim, Lia Altavilla, Pedro Chaves, António Wagner Diniz, Alberto Lobo da Silva, Alberto Silveira, Paulo Bragança e Maria do Céu Guerra (narração), entre dezenas de outros músicos.





Sob o mesmo título - nome de um soneto de Antero de Quental - foi editado pelo IPOR um conjunto de 13 postais ilustrados da autoria do macaense Victor Marreiros.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2021

"Calendário luso-chinez"

Numa edição do Boletim da Província de Macau e Timor em 1873 um anúncio informa do "grande abatimento de preço" do "Calendário Luso-Chinez para o anno de de 1873". A tipografia embora não referida, era a Mercantil, a mesma que imprimia o referido boletim.

Na imagem abaixo uma edição de 1895 do "Calendario luso-chinez: de 25 annos* acompanhado dúm appenso das principaes festividades civis e religiosas da China", da autoria de Eduardo Marques, impresso na Typographia Mercantil.

* até ao ano de 1920.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2021

Sketch of the Typa and Macao: curiosidades

A primeira versão desta 'carta náutica' foi publicada no volume 3 da obra "A Voyage to the Pacific Ocean: Undertaken, by the Command of His Magesty (...)" cujo primeiro volume foi impresso em Dublin em 1784.
Excerto de um livro impresso em 1884 (2ª edição) pelo almirantado britânico "The China sea directory. Vol. 3." com indicações precisas sobre como chegar a Macau e lançar âncora junto à Taipa.
Typa Anchorage
The eastern entrance to this anchorage is between two high islands that on the south side named Ko ho or Apomi and that on the north side named Typa or Kuikong Ko lo is separated from the north east point of Montanha by a parrow gut with 19 feet water in it decreasing to 9 or 10 feet farther in towards the Typa The anchorage is between the west end of Typa island and the east end of Macarira island and affords secure shelter in 3 1/2 to 4 fathoms HM Ships Herald and Modeste refitted here during the operations in China in 1841.
Tides
In this anchorage and in Macao harbour it is high water full and change at 10h Om The springs rise 10 feet in the Typa they run 1 1/2 and 2 knots per hour when not influenced by the winds The ebb runs out of the Typa entrance but it sets across it when outside the points.
Directions
Vessels entering or leaving the Typa should weigh at half food In entering steer for the north extreme of Ko ho and pass it pretty close the deepest water being on this side the entrance Thence continue in mid channel for Juan point and when Village and East points of Typa island are in one haul to the northward and anchor near the west point of Typa with south point of Tylock open of south extreme of Typa Here the depth is 3 1/4 to 4 fathoms at low tide and vessels are sheltered from all winds by the high lands around the deepest water is near the west point of Typa on which is a fort the bay abreast at the east end of Macarira being shoal The watering cove is at the head of this latter bay and from the north point a reef of rocks with the sunken rock Pedra Mea projects nearly a quarter of a mile eastward In the fair channel leading to the anchorage the depths are only 8 to 10 feet at low tide but no injury can be received by grounding the bottom being remarkably soft.
A pouca profundidade das águas do estuário das águas que cercavam Macau criavam muitas dificuldades à navegação marítima sendo imprescindíveis múltiplas informações para que as embarcações de maior envergadura não ficassem encalhadas. 
Desde as profundidades, localização de baixios e rochedos, bem como das horas e alturas das marés tudo era importante e passou a fazer parte das publicações náuticas de forma sistemática desde o início do século 19. Para além da referida acima fica outro exemplo:
"India Directory, Or Directions for Sailing to and from the East Indies, China (...)" também de origem britânica e cuja segunda edição é de 1817.
Foi Alexander Hogg (1778-1819) quem desenhou esta 'carta'. Fez parte da terceira viagem de Cook a bordo do "Resolution" onde teve o cargo de comissário. 
Mas quem procedeu ao levantamento dos dados foi William Blight que tinha o cargo de Mestre no Resolution.
Na 'carta' mostra-se não só uma pequena planta da cidade bem como os arredores de Macau. Depois do capitão Cook morrer no Havai em Fevereiro de 1779 a tripulação prosseguiu a viagem tentando encontrar uma passagem pelo estreito de Bering. O intenso gelo do Ártico obrigou-os a fazer o regresso pelo oeste o que os levaria a Macau no final de 1779.
Sketch of the Typa and Macao foi o nome pelo qual ficaram conhecidos os mapas de Macau e da Taipa feitos na sequência da terceira várias viagens do capitão Cook. Escrevi "vários" porque foram feitas de facto inúmeras versões. Aqui ficam alguns exemplos.
A preto e branco, a cores, e em várias línguas...
Uma das curiosidades desta 'carta' é o facto de estarem assinaladas algumas fortalezas - Monte e Guia - embora sem legenda, bem como as muralhas da cidade. Destaque ainda para algumas indicações sobre os pontos mais elevados em termos de relevo: colinas da Guia, S. Paulo, Penha, Mong-Ha, etc...

terça-feira, 30 de novembro de 2021

"Love Lane"

The sea road carried around the cliffs from the East end of the Praya, past Cacilhas Bay, to the Barrier, is the favourite resort for pedestrian exercise but in addition to this, the new roads cut through the central portion of the Peninsula, afford several pleasant promenades. One of the older roads shaded by the dense foliage of bamboos and banians and leading nowhere in particular, has the appropriate title of Love Lane.*
But few wheeled vehicles and those small pony carriages are kept in Macao and the roads are hence maintained in repair without so much difficulty as in Hongkong.
Longer excursions and pic nics are occasionally made to the adjacent islands, the Valley of the Ringing Rocks being especially frequented.
Crossing the inner harbour to the lower end of Lappa island and landing at a small fishing village on the beach, visitors find a rude pathway winding eastward through the hills and follow the picturesque course of a little stream for about a mile until further progress seems barred by the rugged walls of a ravine down which a gigantic stream of granite boulders appears to have been hurled form ing a moraine strikingly similar to those which have resulted from glacial action in Switzerland and other Alpine regions.
The torrent of rocks at this spot has, however, most probably resulted merely from the disintegration of the softer matrix of alkaline felspar in which these masses of quartz rock were imbedded. Two of the boulders which here lie piled one above the other in huge confusion give out, when struck, a clear bell like sound due probably to their accidental poising in a favourable position. Hence the name by which foreigners know the valley. In Chinese it is called the Silver Gorge.
The granite composing the ringing rocks appears to contain a large proportion of hornblende differing from the ordinary syenite of the coast chiefly in its colour which has a red or purplish tinge probably due to the presence of iron. The Hot Springs of Yung Mak situated on the main island of Hiangshan, at a distance of about 20 miles NNW from Macao, are a subject of much interest and are frequently visited by excursion parties. (...)
in The Treaty Ports of China and Japan: A Complete Guide to the Open Ports of those Countries, together with Peking, Yedo, Hongkong and Macao, Hong Kong, 1867.
* Harriet Low também usou o termo "love lane" para descrever um passeio ao longo da praia da areia preta, perto da Porta do Cerco. Corresponde à antiga Estrada da Bela Vista, uma via marginal no sopé norte do Jardim da Montanha Russa, que ligava à Rampa dos Cavaleiros e à Praia do Bairro da Areia Preta

segunda-feira, 29 de novembro de 2021

Making fireworks is the biggest industry: 1961

"Making fireworks is the biggest industry in the Portuguese territory, of Macao, which adjoins Communist China near Hong Kong. The fireworks are shipped all over the world. Seated at low tables in the streets and alleys, thousands of children roll numerous containers for the gunpowder. They are paid a few pence for every 1000 cartridges. Their nimble fingers roll them in a flash and gum down the ends. These children often support the rest of the family with rice from the pittances they earn."
Fotolegenda publicada num jornal da Nova Zelândia a 27.9.1961 sobre a indústria de panchões.
Tradução:
“A produção de fogos de artifício é a maior indústria do território português, de Macau, vizinho da China Comunista perto de Hong Kong. Os fogos de artifício são transportados para todo o mundo. Sentadas em mesas baixas nas ruas e becos, milhares de crianças enrolam inúmeros cartuchos para a pólvora. Recebem alguns centavos por cada 1000 cartuchos. (...). Estas crianças costumam sustentar o resto da família com arroz com a ninharia que ganham." 

domingo, 28 de novembro de 2021

"Usai electricidade para cozinhação e aquecimento"

"Usai electricidade para cozinhação e aquecimento. Usai electricidade e tereis facilidade. Temos aparelhos garantidos para todos. As melhores facilidades. Prestações"
Slogans publicitários incluídos num documento da década de 1930. Ao que tudo indica trata-se do envelope onde a Melco enviava a factura da electricidade aos clientes. 
A “Macao Electric Lighting Co. Ltd.” (Melco) teve o exclusivo do fornecimento de electricidade a Macau entre 1906 e 1972. Os contratos eram normalmente feitos por um período de 30 anos. Por exemplo, em Novembro de 1933, a escritura de contrato de concessão do exclusivo de fornecimento de energia eléctrica à Cidade de Macau pela Melco prorrogou o prazo por 30 anos. O britânico Frederick Gellion era o gerente.

Nos primeiros anos de actividade a sede da empresa ficava nos nº 2, 2-A e 2-B da Rua Central. Outros anúncios aqui.
A Melco não só produzia e distribuía electricidade como também vendia e alugava electrodomésticos.

sábado, 27 de novembro de 2021

"Ultima Hora": 21 de Fevereiro de 1863... um "Sábbado"

"Ultima Hora
Ao mandar este ao prelo recebemos a mala d'Inglaterra de 10 Janeiro, e de Portugal até 28 de Dezembro, que hoje chegou a Hongkong no Vapor da Companhia Peninsular Emeu. As unicas noticias que podêmos dar é que SS Magestades e S Alteza o Snr. Infante D. Augusto continuam a passar de perfeita saude; e que S Magestade Imperial, a Imperatriz Viuva do Brazil, se acha quazi restabelecida.O Reino no mais perfeito socêgo; abrindo-se as camaras em poucos dias. O titulo concedido por S. Magestade a S. Exa. o Conselheiro Izidoro Francisco Guimarāes, é por Decreto de 10 de Dezembro - Visconde da Praia Grande de Macao. S. Exa. por Decreto de 3 de Dezembro, expedido pela Secretaria dEstado dos Negocios Estrangeiros foi nomeado Enviado Extraordinario e Ministro Plenipotenciario em Bangkok, Yeddo e Pekim. A Correspondencia de Portugal de 28 de Dezembro diz no seu artigo intitulado movimento de navios de guerra que Corveta a Vapor Sá de que se esperava em Lisboa em Janeiro, d'Inglaterra, virá para Macao com forças, seguindo depois para a India. As noticias estrangeiras da mala, e algumnas outras do Reino que encontrarmos nos jornaes recebidos, as daremos no nro. seguinte, por não termos agora tempo nem mesmo espaço."

in "O Boletim do Governo de Macao", 21.2.1863

sexta-feira, 26 de novembro de 2021

"An Historical sketch of the Portuguese settlements in China" de Long Si Tai

O sueco Anders Ljungstedt é considerado o autor da primeira edição de um livro sobre a história de Macau . Teve como título "An historical sketch of the Portuguese settlements in China" e foi publicado nos EUA em 1836.
Na base desta obra esteve uma outra, publicada em 1832 em Macau. Intitulava-se "Contribution to an Historical Sketch of the Portuguese Settlements in China and of the Papal Legates to China" (174pp) e teve uma edição limitada de apenas 100 exemplares para distribuição entre amigos.



Título completo:
"An historical sketch of the Portuguese settlement in China and of the Roman Catholic Churche and Mission in China. A Supplementary Chapter, Description of the City of Canton. Boston: James Munroe & Co, 1836.
No ano anterior, ainda na China, o autor levou a cabo a subscrição do livro a editar posteriormente.
Em 1893 o jornal Echo Macaense publicou em registo de folhetim a obra do sueco sob o título "Esboço Histórico dos Estabelecimentos Portugueses na China". Edição de 10.10.1893
Ljungstedt was born in 1759 in Linköping, southern Sweden, and he attended the country’s Uppsala University for a short period before being forced to withdraw due to a lack of funds.
In 1784 he travelled to Russia and worked as a teacher for the next decade before returning back to his homeland. Back in Sweden, he was hired by the country’s government and served as a Russian interpreter for King Gustav IV Adolf, who ruled from 1792 to his abdication in 1809, during the royal’s journey to Russia.
His move to Macao came about after Ljungstedt was hired by the Swedish East India Company, which took him to Guangzhou (Canton, China), where he stayed as a supercargo – a representative of the ship’s owner on board a merchant vessel, responsible for overseeing the cargo and its sale. The company, however, folded in 1813, so he began working as a merchant himself – a career he would follow until he died. Ljungstedt liked China and its climate so he stayed and settled in Macao, amassing a big fortune and sending a lot of money back to Linköping to help start a school for poor children.
Extremely interested in Macao’s he researched the city’s past thoroughly and published a work that went on to be of great historical importance: An Historical Sketch of the Portuguese Settlements in China and of the Roman Catholic Church and Mission in China and Description of the City of Canton. 
In this book he refutes the Portuguese claim that the Ming dynasty had formally ceded sovereignty over the territory.
During his life, the King of Sweden made Ljungstedt a Knight of the Order of Vasa – an honour awarded to Swedish citizens for their service to the state and society, especially in commerce, agriculture or mining – and in 1820 he was also appointed as the country’s first Consul General in China. 
He was painted by famous English artist George Chinnery during his days in Macao where he died on 10 November 1835 after never returning to Sweden since he set foot in China. He was buried in the Old Protestant Cemetery and, in 1997, the Avenida Sir Anders Ljungstedt was named in his honour, cementing this merchant historian’s place in Macao’s memory. The school he planned to his motherland Sweden was built and still exists.
Ljungstedt had a Chinese name: Long Si Tai. Long means dragon - a symbol of China, Si means thinking and Tai means peaceful.

Ljungstedt nasceu em 1759 em Linköping (sul da Suécia) e frequentou a Universidade de Uppsala por um curto período até ser forçado a abandonar o estudos devido à falta de dinheiro. Em 1784 viajou para a Rússia onde trabalhou como professor na década seguinte antes de regressar a casa. De volta à Suécia, foi contratado pelo governo do país como intérprete de russo para o rei Gustavo IV Adolfo - governou de 1792 até abdicar em 1809 -durante a viagem da realeza à Rússia. 
A mudança para Macau deu-se quando Ljungstedt foi contratado pela Swedish East India Company, que o levou para Guangzhou (Cantão, China) para ali representar os interesses comerciais da empresa - assegurava a gestão de uma embarcação em matérias d e importação e exportação. A empresa viria a fechar em 1813 e Ljungstedt estabeleceu-se como comerciante por conta própria, função que desempenhou até à morte. Estabelecido em Macau acumulou uma grande fortuna enviando muito dinheiro para Linköping, não só para a mulher (que nunca mais viu desde que saiu do país, embora esta tentasse juntar-se a ele) como para ajudar a construir uma escola para crianças pobres, promessa que fizera à mulher.
Extremamente interessado em Macau, pesquisou exaustivamente o passado do território e publicou uma obra que se tornou de grande importância histórica: "Esboço Histórico dos Assentamentos Portugueses na China e da Igreja Católica Romana e da Missão na China e Descrição da Cidade de Cantão". Neste livro ele refuta a versão oficial em voga até então de que a dinastia Ming havia formalmente cedido aos portugueses a soberania sobre Macau.
Ainda em vida, o rei da Suécia fez de Ljungstedt Cavaleiro da Ordem de Vasa - uma honra concedida aos cidadãos suecos por seus serviços ao estado e à sociedade, especialmente no comércio, agricultura ou mineração - e em 1820 foi nomeado o primeiro Cônsul Geral doa Suécia na China. 
O seu retrato foi pintado pelo famoso artista inglês George Chinnery durante os tempos em que os dois viveram em Macau, onde morreu a 10 de Novembro de 1835, sem nunca ter regressado à Suécia desde que foi para a China. Está sepultado no Cemitério Protestante. 
Desde 1997 existe em Macau a Avenida Sir Anders Ljungstedt, baptizada em sua homenagem. 
A escola que pretendia construir na sua pátria Suécia foi construída e ainda hoje existe.
O nome chinês de Ljungstedt era Long Si Tai. Long significa dragão (símbolo da China), Si significa pensamento e Tai significa pacífico.
Duas edições recentes: em cima de 2004 e em baixo de 1992
Teve também uma edição em língua chinesa em 1997

quinta-feira, 25 de novembro de 2021

"Improbable Alliance Rules Macao Outpost"

 

Excerto: "Col. Garcia Leandro, the 34-year-old governor, was sent from Lisbon by the junta a year ago last summer to negotiate the peaceful return of Macao to China. But he found Peking not yet ready to absorb Macao". 
Notícia do Times Daily - 11.12.1975. 
Inclui declarações do governador da altura, Garcia Leandro.

quarta-feira, 24 de novembro de 2021

Nossa Senhora da Madre de Deus por Ljungstedt

"An historical sketch of the Portuguese settlements in China and of the Roman Catholic Church and mission in China", da autoria do sueco Andrew Ljungstedt foi publicado em Boston (EUA) em 1836.
 É considerada a primeira história de Macau e antes de ver a luz do dia em formato de livro foi primeiro publicada como 'folhetim' num jornal escrito em inglês e publicado em Cantão entre 1832 e 1834, o The Chinese Repository.
Mais tarde foi traduzido para português com o título "Esboço Histórico dos Estabelecimentos Portugueses na China". Em 1893 o jornal Echo Macaense republicou o conteúdo também em formato de folhetim. Segue-se um excerto relativo à igreja consagrada a "Nossa Senhora da Madre de Deus", vulgo Ruínas de S. Paulo.
Desenho de George Chinnery antes do incêndio de 1834

William Heine 1854 (após o último incêndio ainda com sinos)

O sueco não só teve acesso a importantes fontes históricas como teve a a oportunidade de ver in loco a igreja antes do último incêndio que a destruiu por completo em Janeiro de 1835 deixando apenas a fachada. A descrição tem a particularidade de mencionar alguns dados sobre como era o edifício e dos quais não há registo fotográfico - tinha uma torre, sinos e um relógio - apenas algumas pinturas o registam, como as mostradas acima. 
Echo Macense 10.10.1893

S. Paulo — Tanto a egreja antiga que se queimou, como a nova, foi consagrada á “ Nossa Senhora da Madre de Deus.” O frontispício da egreja nova é toda de granito, e é mui bello. 0 engenhoso artista conseguiu animar e bellezar a architectura grega com objectos de devoção. No meio das dez columnas de estylo jónica ha tres portas que conduzem ao templo; dez columnas de estylo corinthio, collocadas em fileira, formam cinco nichos separados. No do centro, acima da porta principal, está uma figura de mulher, calcando o globo, o emblema de patriotismo humano, e em baixo lê-se o dístico Mater Dei. 
Em cada lado da Rainha do Céu, em lugares distinctos, estão quatro estatuas de santos jesuítas. Na divisão superior, está representado S. Paulo, e também está uma pomba, emblema do Espirito Santo. N’este edifício ha um relogio que dá quartos e horas; e a julgar por uma inscripção que existe na roda principal foi Luiz XIV que com elle presenteou o collegio dos jesuítas. 
Excerto do original
St Paul* 
By a private manuscript we are informed that Francis Peres and a few Jesuits had 1565 a house where they used to lodge those of their society who went by way of Macao to Japan. A church was coeval with their entrance in China it was burnt by an accident. 
The noble building commonly designated by the name of St Paul St Paolo was erected in 1602 as expressed by VIRGINI MAGNÆ MATRI CIVITAS MACAENSIS LUBENS TOSUIT AN 1662 an inscription engraved on a stone fixed in the western corner of the edifice. The old church was consecrated to our Lady, the mother of God "nossa Senhora da madre de Deos" and so is the modern.
The frontispiece, all of granite, is particularly beautiful. The ingenious artist has contrived to enliven Grecian architecture by devotional objects. In the middle of the ten pillars of Ionic order are three doors leading to the temple then range ten pillars of Corinthian order which constitute five separate niches. In the middle one above the principal door we perceive a female figure trampling on the globe the emblem of human patriotism and underneath we read Mater Dei.
On each side of the Queen of Heaven, in distinct places, are four statues of Jesuit saints. In the superior division St Paul is represented and also a Dove the emblem of the Holy Ghost. In this edifice is a clock which strikes quarters and hours and to judge from an inscription on the principal wheel Louis XIV made a present of it to the Jesuit college. 
*This venerated old edifice was consumed by fire in the night of the 26th or 27th January 1834