sábado, 16 de fevereiro de 2019

Um 'lapso' na Porta do Cerco

Na década de 1990 aquando de obras de restauro da Porta do Cerco 'saiu' esta frase "Honrai a pátria que a pátria vos contempla" em vez de... "A pátria honrai que a pátria vos contempla".


Esta é a versão correcta e é a divisa da Marinha Portuguesa desde 1863 ano em que por ofício real é mandada afixar em todos os navios da Marinha de Guerra. Ainda hoje se mantém. Tratou-se de um 'lapso' grave mas que entretanto foi corrigido.

Portaria de 31 de Março de 1863:
“Manda sua Magestade El-Rei declarar ao Conselheiro, inspector do Arsenal de Marinha, que sendo muito conveniente estimular por todos os modos os brios patrióticos e os nobres sentimentos, há por bem ordenar que imediatamente faça aprontar e assentar, nos navios  que tenham tombadilho no vau deste, e nos outros, no ponto mais visível da tolda, a seguinte inscrição em letras de metal  bem visíveis “A PATRIA HONRAI QUE A PATRIA VOS CONTEMPLA” o que, pela Secretaria  d`Estado dos negócios da Marinha e Ultramar, se comunica o citado inspector para sua inteligência  e devidos efeitos.
Paço, 20 de Março de 1863 - José da Silva Mendes Leal”.
A localização da Porta do Cerco num mapa de 1834
Em 1574 foi levantada a Porta do Cerco. Os chineses receavam que os portugueses saqueassem o seu território e resolveram defender-se. Era aberta duas vezes por mês para que se procedesse à entrada e saída de bens. Tinha na sua parte superior residências para os guardas chineses. Anos mais tarde ruiu e foi reconstruída em 1674 ficando as residências num edifício anexo.
É aqui, nesta fronteira, que Macau se liga à China - 'por um cordão umbilical' chamado istmo da península. Até à década de 1980 passava-se literalmente por baixo deste arco para passar a fronteira. Hoje já não. Ainda assim, o monumento ainda existe e é considerado Património Mundial da Unesco.

Sem comentários:

Publicar um comentário