terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

Primeira emissão de notas: 1906

As notas da primeira emissão do BNU de Macau foram feitas em Londres e entraram em circulação a 19 de Janeiro de 1906, com os valores faciais de 1, 5, 10, 20, 50 e 100 patacas. Na história das emissões do banco ficou conhecida como "Emissão Antiga Simples".
Tudo começou a 30 de Novembro de 1901 data em que foi assinado um acordo entre o governo português e o Banco Nacional Ultramarino que originou a criação da filial do banco em Macau e que seria inaugurada a 8 de Agosto de 1902. O BNU foi o primeiro e durante 71 anos o único banco europeu no território.
Não obstante a presença portuguesa em Macau remontar a meados do século 16, durante mais de 300 anos o Governo de Macau nunca emitiu moeda oficial. As trocas comerciais internas e externas realizavam-se com recurso às chamadas notas Pangtans e às moedas de prata e cobre, chinesas e estrangeiras.
Assim, com o objectivo de criar uma base fiduciária sólida, através do decreto de 20.2.1902 o Governo de Macau autorizou o BNU a emitir notas de curso legal, denominadas em Patacas, designação que se terá ido buscar à Pataca Mexicana, muito popular no Extremo Oriente.
Emissão de 10 patacas: frente e verso
Os modelos de notas criados para Macau seguiram a experiência de Hong Kong, nomeadamente as notas de 1, 2 e 5 dólares de Hong Kong, emissões do Hong Kong & Shangai Banking Corporation (HSCB), aceites em todo o sul da China, incluindo Macau.
As notas da primeira emissão do BNU de Macau foram feitas na empresa impressora londrina “Barclay & Fry, Ltd”. Entraram em circulação em 19 de Janeiro de 1906 e tinham os valores de 1, 5, 10, 20, 50 e 100 patacas. Entre as características pontuavam as assinaturas impressas do Governador e Vice-Governador do BNU e manuscritas do Gerente da Filial de Macau. O papel utilizado era de fraca qualidade e só as de 100 patacas apresentavam marca de água. Feita a emissão e distribuída por Macau não seria bem aceite e seriam precisas várias décadas para que a situação se alterasse.


Sem comentários:

Publicar um comentário