quarta-feira, 31 de outubro de 2018

Description of the City of the Name of God in China (1635)

Because some readers of this blog asked me to write something in english about Macau's history in the early days, for this post I choose some excerpts from Descrição da Cidade do Nome de Deos da China included in the book entitled Livro das Plantas de todas as Fortalezas, Cidades e Povoações do Estado da India Oriental... by António Bocarro in 1635. This book has also attached a relevant plan of Macau made by by Pedro Barreto de Resende. (image bellow).
Note: This is a free translation from the ancient portuguese (17th century). It's very interesting the description of Macau fortresse's by that time. Hope you like it!
Description of the City of the Name of God in China (1634)
The city of the Name of God is located twenty two degrees North, at the end of a peninsula on the Chinese coast. It is in the province of Canton, which is one of the fifteen local provinces of China. This piece of land is called Macao by the Portuguese and the locals. The peninsula is one league long and four hundred paces wide. The city is half a league long and in the narrowest and widest areas it is fifty paces and three hundred and fifty paces respectively. It is surrounded by two seas on the Eastern and Western sides. It is one of the most important cities in the East, thanks to its wealth and abundant, precious goods, as well as its inhabitants who are the wealthiest in this State.
In the year fifteen hundred and eighteen the Portuguese reached China for the first time, thanks to an embassy sent by King Manoel. They called at several ports of this kingdom but finally stopped at the port and island of Sancheu. It was in this city that they made the first settlement and it was also here that St. Francisco Xavier, second apostle to India and the city patron, passed away in 1552. In 1555, all transactions moved to the island of Lampacao. In 1557, they moved to this port of Macao where, thanks to trade and commerce, a numerous population developed. In 1585, under the rule of D. Francisco Mascarenhas, Viceroy of India, His Majesty upgraded it to a city with the title of 'Name of God'. His Majesty conferred upon it the colours of the Cross of Christ and other liberties similar to those of the city of Évora. This is the gate through which the apostle St. Thomas entered China, coming from India by sea. It is also through this gate that, brought by the missionaries of the Society of Jesus, the Gospel reached this empire, Japan and Cochin-China.
This city has eight hundred and fifty Portuguese and their children who are stronger and healthier than anybody else in the East. They all own six slaves, of whom the best nationalities are Caffres. The slaves paddle their small boats to the outlying islands to amuse themselves, but their owners have larger ones as well, which can be used for other purposes, such as their protection and for the service of His Majesty.
In addition to these Portuguese people, the city has other inhabitants, locals and Christian Chinese who are called 'Jurubassas' and form the largest community, and people of other nationalities, all of them being Christian. The Portuguese and the others have very good weapons, rifles, spears and so forth. Almost every Portuguese owns racks of six or twelve muskets and flints, and as many spears, which are used to decorate their houses as well because they are made of gold.
This city also has a lot of Portuguese sailors, pilots and boatswains (some married in Portugal, others still single) who sail between Japan, Manila, Solor, Makassar and Cochin-China. Over one hundred and fifty of these men do not want to go to Goa because they are afraid of either being caught for any crime committed, or recruited to work for His Majesty. There are many single and very wealthy merchants who are on the run for the same reasons
This city does have a Captain General who rules the Territory with help from one hundred and fifty soldiers, comprising two infantry captains and two second lieutenants, two sergeants, two corporals and an assistant, one magistrate and one bailiff. The magistrate earns one hundred thousand 'reis' paid in Malacca.
The city had also a bishop who passed away and is yet to be replaced, who earned two thousand 'xerafins' paid in Malacca.
Santiago Fortress
With regard to fortresses, this city features the Santiago Fortress right at the harbour entrance. This fortress is one hundred and fifty paces long and fifty-five wide, forming a beautiful platform five fathoms above sea level, with a wall twenty-eight spans wide. Its height is measured up to the parapet which is only three spans above the platform. Therefore, it is very difficult to protect it from people and artillery fire. In the middle of the square there is a cistern in the rock which can hold three thousand barrels of water. There is enough accommodation for one captain and sixty men, and in the basements there is room for provisions and ammunition. At the entrance on the pagoda side, there is a large and nice house. This square is topped by another one where they keep heavy artillery as well. Facilities for the captain and soldiers are on the top square. This fortress by the shore features a wall along the hill ending in a house which served as sentry post when the Captain General used to live here.
Nossa Senhora do Bom Parto Fortification
This fortification is small and triangular. It is able to house ten or twelve cannons...
Nossa Senhora da Penha de França Fortification
This small fortification is located on a hill and houses two 'sagres' cannons, each of which fires seven-pound iron balls.
S. Francisco Fortification
This fortification is oval-shaped and features six metal cannons [...] Nearby there is a platform with a culverin on it which draws thirty five pound iron cannon-balls. This is the largest cannon in the city.
On Praia Grande there is a platform with a metal cannon which fires eighteen-pound iron bullets.
Nossa Senhora da Guia Fortification
Nossa Senhora da Guia Hill is the highest hill in the city and it features a fortification with five cannons on top... On this hill there are facilities for a company of soldiers and a water cistern. But as it overlooks the S. Paulo Fortress it is better to knock it down and the Chinese have agreed to do it for seven thousand taels.
S. Paulo Fortress
The most important fortress in the city is the S. Paulo Fortress, the residence of all Captain Generals. They also call it Madre de Deus, after the hill which overlooks the city; on its peak there is a wall twenty spans wide on foundations of marble up to six spans above ground level. Then the wall is made of earth and straw beaten by beaters; it is much more resistant than stone because it does not get so damaged (walls made of earth and straw are so hard that all houses in the city are built this way; in order to open windows in them after they have been built, they use iron picks and a lot of hard work is required). The wall gets narrower in proportion to their slope; the fortress is square and features a one hundred-pace square which is surrounded by walls as long as the square sides; in the four corners they form four strongholds like buttresses. Above, in the middle of the square, there are four rows of houses for generals and soldiers, a three storey tower with artillery on each level. Eighteen heavy artillery cannons are distributed among the four strongholds.
Inside the fortress there is a guard corps at the main entrance. One can go up to the hill by either side of the wall; hidden in the wall is ammunition enough to withstand any war (though not a siege of over two years in view of the large quantities of powder this heavy artillery requires, even though the city is able to produce it).
The situation in terms of food is not as good because the city depends on China and if the Chinese have anything against us they cut the supplies and there is nowhere else the Macau citizens can get the food. Supplies could be got in Cochin-China, a hundred leagues southeast of Macau, and also from some neighbouring islands since they only have cattle, pigs, chickens and some birds.
The city walls were nearly completed by D. Francisco Mascarenhas, the first Captain General who ordered the works. But being very suspicious, the Chinese had most of them knocked down, especially those facing China because they believed they had been built against them. Only those walls facing the sea were kept untouched; a palisade was also left on Cacilhas beach where the enemy had attacked the city. These walls are two fathoms high up to a parapet, and eight spans wide. However, as the ground level is different in several sections, the walls have different heights because they were supposed to run at the same level. The walls are made of earth and straw, a mixture which becomes very hard after compaction. The Praia Grande platform features an eighteen pound cannon and two 'sagres' cannons which use seven pound bullets in the S. Pedro stronghold, and an eighteen pound cannon in the S. João stronghold.
This artillery stock features four more twenty-five-pound metal 'trabuco' cannons, three seven-pound iron cannons, five bronze 'falcões' cannons, three bronze 'berços' cannons, two iron 'falcões' and one iron 'trabuco' which can be placed anywhere within the city. All in all, Macau has seventy-three cannons made of iron (not to mention those owned by individuals and His Majesty).
This city has one of the best iron and bronze foundries in the world, thanks to the Viceroy Count of Linhares, and it makes cannons for the state at very reasonable prices. This enables us to clear the Singapore Strait which is full of Dutch during the monsoon season.
The city paid for the above-mentioned artillery, walls and fortresses without any contribution from the Royal Finances. At the time, it owned the Japan route almost entirely, especially the tax which now amounts to eight per cent of all goods sent to Japan; in former times that tax amounted to three or four per cent and the return was also very high.

terça-feira, 30 de outubro de 2018

“Descrição da Cidade do Nome de Deos da China” (1635) - Fortificações

Na continuação do post anterior, junto publico alguns dados biográficos sobre António Bocarro. Nasceu em 1594 e, depois de seguir estudos no colégio jesuíta de Santo Antão, embarcou para a Índia em 1622. Em Cochim teve problemas com a Inquisição, em virtude das suas origens judaicas, mas acabou por beneficiar da protecção de D. Miguel de Noronha, conde de Linhares, que tomou posse do governo do Estado da Índia em 1629 e que pouco depois o nomeou para o cargo de "cronista e guarda-mor" da Torre do Tombo de Goa. No exercício das suas funções, Bocarro preparou a "Década 13", extensa crónica dos feitos portugueses no Oriente entre 1612 e 1617, que pretendia continuar as obras de João de Barros e de Diogo do Couto, mas que permaneceu manuscrita na época. Além disso, redigiu também o "Livro das Plantas de Todas as Fortalezas, Cidades e Povoações do Estado da Índia Oriental", onde se faz um levantamento exaustivo das possessões portuguesas no Oriente. Bocarro teve nesta obra a colaboração de Pedro Barreto de Resende, secretário do conde de Linhares, que se encarregou de elaborar o conjunto de desenhos que ilustram o livro.
Regressemos então à descrição das fortalezas de Macau feita por António Bocarro.
Forte de Sanctiaguo
No tocante às fortificações, tem esta cidade logo na entrada da barra hum forte, que chamão o forte de S. Thiago, que tem cento e sincoenta paços de comprido e sincoenta e sinco de largo, com que faz hũa fermoza plataforma, que fica alevantada do mar sinco braças, com hum muro fundado em vinte e oito palmos de largo e acabado em dezacete; e esta dita altura he ate os parapeitos, que levantão so três palmos da dita plataforma, com que não podem guardar a gente nem artelharia, fazendo conta de lhe porem cestões na occazião de brigua. Está no meyo desta praça hũa cisterna, aberta no concavo da rocha, capas de tres mil pipas de aguoa, de que tem a mayor parte. As cazas que lhe ficão nas costas, pella banda de terra, são bastantes pera alojar hum capitão com secenta homens e, aqui, por baixo do chão, estão cazas de monições e mantimentos. Na entrada que tem pella banda da varela está hũa caza de quatro aguoas, grande e fermoza. E tem esta praça outra que lhe fica por cima, peguado com ella, a que se tolhe por quinze degraos, onde também está artelharia, e numa e noutra he groça, e no andar de cima estão as ditas cazas de gazalhado pera capitão e soldados. Deste forte, que está
na praya, fica lançada hũa cortina de muro ao alto do monte, que acaba em hũa caza, onde, quando aqui vivia o capitão-geral, fazia corpo de guarda. (...)

Baluarte de Nossa Senhora do Bom Parto
O outro baluarte he de Nossa Senhora do Bom Parto, hum baluarte pequeno, em forma de triangulo, capas de jugar dez ou doze peças de artelharia.  (...)
Baluarte de Nossa Senhora da Penha de França
Em Nossa Senhora da Penha de França, que fica num monte superior a este, está tambem feito hum baluarte pequeno, onde estão dous sagres de metal, que tira cada hum com bala de sete libras de ferro. (...)
Baluarte de Sam Francisco
O baluarte de Sam Francisco, que está em forma oval, tem seis peças de metal […] Ao pe deste baluarte de Sam Francisco está hũa plataforma onde está hũa culebrina, que tira trinta e sinco libras de pilouro de ferro, a mayor peça que há nesta cidade. (...) Na praya grande está hũa plataforma, que tem hum terço de canhão de metal, que tira bala de dezoito libras de ferro. (...)
Baluarte de Nossa Senhora da Guia
O monte de Nossa Senhora da Guia he o mais alto que há nesta cidade, por cuja cauza se fas no cume delle hum baluarte, que tem sinco peças. (...) Estão em cima neste monte cazas pera se poder alojar hũa companhia de soldados e também cisterna de aguoa mas, como fica cavaleiro ao forte de Sam Paullo, tem-se por milhor arraza-lo, como se pos ja em preço com os chinas, que se obrigão a o fazer por sete mil taeis. (...)
Forte de Sam Paullo
A força de mais concideração e importancia que ha nesta cidade he a de Sam Paullo, vivenda dos capitães-gerais, chamada por outro nome a Madre de Deos,'que he hum monte natural, eminente e cavaleiro a toda a cidade onde, no cume delle, está feito hum muro, começado no alicerce em vinte palmos de largura, com pedra marmor, ate que saye em sima da terra em altura de seis palmos, donde comessa a ser só de terra e qual, misturada com algũa palha batida com batedores tam fortemente que fica fortissimo, e pera a bateria muito melhor que se fora de pedra, porque não o abala tanto (sendo que fica tão dura a parede desta terra e qual, como se fazem todas as cazas nesta cidade, que, pera lhe abrirem as janelas despois de feitas, o fazem com muitos picões de ferro, com grande força e trabalho). Vão os ditos muros estreitando, pella medida de seu escarpe, ate ficarem em quinze palmos de groçura em sima, no andaimo dos parapeitos.
A altura deste muro he de sincoenta palmos, que he o mesmo que sinco braças. Está feito o dito forte em quadro perfeitamente, ficando-lhe em cima hũa praça de cem paços de cada lado, e tantos tem de comprimento cada lanço de muro, que vão a fazer nos quatro cantos quatro baluartes em forma de espigão como da planta se vê. Fica mais em cima, no meyo da dita praça, a que sercão quatro renques de cazas, hũas em que morão os Gerais e as tres pera os soldados, hũa torre cavaleira de tres sobrados, que em cada hum tem artelharia, em a qual e nos ditos quatro baluartes estão repartidas dezoito peças de artelharia de metal, toda groça. (...)
Tem este forte à porta, da banda de dentro, hum corpo de guarda. E por hũa e outra banda se sobe ao monte, que fica igual com o muro, e, no concavo delle, estão abertas cazas de munições, que tem bastantes pera qualquer guerra (mas não pera hum serco de mais de dous annos, a respeito da muita polvora que gasta esta artelharia groça, posto que podem ter materiais de que a vão fazendo, pellos muitos que há na terra). (...)
De mantimentos não he tão provida esta cidade, com aver na terra dentro muitos e bons e baratos, porque, como os esperamos da mão dos chinas, em tendo qualquer sentimento de nós logo no-los tolhem, sem terem aquelles moradores modo pera os irem buscar a outra parte, avendo-os em Cochimchina, que está de Machao cem legoas ao sudueste, e tambem algum nas muitas ilhas que sercão a pininsula onde está a cidade, de que as mais são abitadas, porem o que tem he so gado, porquo, galinhas e marrequas. (...)
Os muros que tem esta cidade estavão quazy acabados por Dom Francisco Mascarenhas, o primeiro capitão-geral que teve e que lhe fez as mais destas obras, porem os chinas, como são tão desconfiados, fizerão derrubar grão parte delles, dos que estão pera a banda da terra, que hião correndo do dito forte de Sam Paullo, parecendo-lhes que contra elles he que se fazião; e assy ficarão só as que correm em frente do mar e da banda do poente e hũa tranqueira na praya de Cassilhas, onde dezembarcou o inimigo quando cometeo esta cidade. A altura destes muros he de duas braças ate os parapeitos e a largura fica sendo nelles de oito palmos, advertindo que, como o chão por onde vay correndo não he todo igual senão em partes dece e sobe, tambem assy fica sendo o muro, hora mais alto ora mais menos, pera ficar por sima correndo todo ao nivel. He feito da mesma materia que temos dito, de terra e qual entresachada algũa palha, e tudo muito acalcado, com que são muito fortes. Na plataforma que tem na praya grande está hum terço de canhão de dezoito libras e, noutros dous baluartes, hum chamado Sam Pedro, dous sagres cada hum, de bala de sete libras e, noutro chamado Sam João, hum terço de canhão de dezoito libras e hũa meya culebrina bastarda de oito, tudo pilouros de ferro. (...)
Em toda a dita artelharia referida tem mais quatro trabucos de metal de vinte e sinco libras cada hum, tres peças de ferro de sete libras, sinco falcões de bronze, tres berços de bronze, dous falcões de ferro, hum trabuco de ferro, que estão pera se porem onde for necessario. Ha na dita cidade de Machao setenta e tres peças de artelharia (afora muitas de particulares e de Sua Magestade) de ferro, que está feita. (...)
Porque tem esta terra hũa fundição das milhores que ha no mundo, assy de bronze, que antigamente tinha, como de ferro, que o Conde de Linhares Vizo-Rey lhe mandou fazer, onde se está sempre fundindo artelharia pera todo este Estado, em preço muy acomodado, que he o de que tem mais necessidade, donde todo elle se provera, a estar dezempedido o estreito de Sincapur, que continuamente nas monções está sercado dos olandezes, como atrásfica dito.
Toda a dita artelharia que tem esta cidade e obras de muros e fortes fez ella à sua custa, sem a Fazenda Real entrar nisso com couza algũa, em tempo que a viagem de Japão corria quazy por sua conta e particularmente os dereitos que chamavão o caldeirão, que são oje a oito por cento de todas as fazendas que vão pera Japão, e antiguamente erão a tres e a quatro, e ainda assy lhe rendião muito. ”

segunda-feira, 29 de outubro de 2018

“Descrição da Cidade do Nome de Deos da China” (1635)

Transcrição de alguns trechos (no português escrito no século 17) da “Descrição da Cidade do Nome de Deos da China” incluída no Livro das Plantas de todas as "Fortalezas, Cidades e povoações do Estado da India Oriental" de António Bocarro e que faz uma síntese da história de Macau até 1634. Neste livro está incluída a planta de Macau feita por Pedro de Resende (imagem abaixo) num total de 52 gravuras. O original está na Biblioteca Pública de Évora.
Pedro Barreto de Resende, foi funcionário da Matrícula Geral de Goa e secretário pessoal do vice-rei D. Miguel de Noronha. Esta planta foi concebida para ilustrar o "Livro das Plantas de todas as Fortalezas, Cidades, e Povoaçoens do Estado da India Oriental" (título original), que o cronista da Índia António Bocarro compilou em 1635 a pedido do rei Filipe III de Portugal (IV de Espanha).Existem várias variantes deste modelo (designado de "Pedro de Resende") que foram sendo feitas ao longo dos tempos. A título de exemplo, refira-se que este, a original, serviu de base à planta intitulada “Demonstração da Cidade de Machao” incluída no exemplar do "Livro do Estado da India Oriental" (1636) de Pedro Barreto de Resende, à guarda da Bibliothèque Nationale de Paris.
Planta de Macau (Séc. XVII) de Pedro Barreto de Resende. In "Livro das Plantas de todas as Fortalezas, Cidades e Povoaçȯes do Estado da Índia Oriental". (1634, António Bocarro)
“Descripção da Cidade do Nome de Deos da China” 
“A cidade no Nome de Deos está em altura de vinte e dous graos e meyo da banda do norte, sita na ponta austral duma pininsula, na costa do reino da China, à fralda do mar, na provincia de Quantão, húa das quinze em que se divide este grande reino do estado de Noanxan. Esta ponta da dita pininsula he chamada pellos nossos e pellos naturais Machao. Tem a pininsula hũa legoa de comprido e, no mais largo, quatrocentos paços. A cidade fica tendo meya legoa de comprimento e, onde mais estreita, sincoenta paços e, onde mais larga, trezentos e sincoenta. Fica participando de dous mares, do levante e ponente. He hũa das mais nobres cidades do Oriente, por seu rico e noblicimo trato pera todas as partes de toda a sorte de riquezas e couzas preciozas em grande abundancia, e de mais número de cazados e mais ricos que nenhuns que aja neste Estado. (...)
Do anno de mil quinhentos e dezoito, em que os portuguezes a primeira ves vierão a China, com hũa embaixada do serenissimo rey Dom Manoel, contratarão em varios portos deste reino e finalmente no porto e ilha de Sancheu, onde
esta cidade tomou seu primeiro principio e onde, no anno de mil quinhentos sincoenta e dous, faleceo Sam Francisco Xavier, segundo Apostolo da India e padroeiro desta cidade.
E, no anno de mil quinhentos sincoenta e sinco, se passou o trato a ilha de Lampacao. E, no de mil quinhentos sincoenta e sete, se passou pera este porto de Machao onde, com o trato e comercio, se foi fazendo hũa populoza povoação. E, no de mil quinhentos oitanta e sinco, sendo Vizo-Rey da India Dom Francisco Mascarenhas, foi feita cidade por Sua Magestade, com titolo do Nome de Deos, dando-lhe por armas a Crus de Christo e outras liberdades, de que goza com previlegios da cidade de Evora. He porta por onde veyo da India à China por mar o Apostolo Sam Thome e por onde, nestes tempos, o Sancto Evangelho, levado pellos relegiozos da Companhia de Jezu, entrou nestes reinos e no de Japão e Cochimchina, com grande gloria sua e aumento de sua Igreja. (...)
Os cazados que tem esta cidade são oitocentos sincoenta portuguezes e seus filhos, que são muito mais bem despostos e robustos que nenhuns que aja neste Oriente, os quaes todos tem, huns por outros, seis escravos d'armas, de que os mais e milhores são cafres e outras nações, com que se concidera que, assim como tem balões que elles remão, pequenos, em que vão a recrear-ce por aquellas ilhas, seus amos poderão também ter manchuas mayores, que lhe sirvarão pera muitas couzas de sua concervação e serviço de Sua Magestade. (...)
Alem deste numero de cazados portuguezes tem mais esta cidade outros tantos cazados, entre naturais da terra, chinas christãos, que chamão Jurubassas, de que são os mais, e outras nações, todos christãos. E, assy os portuguezes como estes, tem suas armas muy boas, de espingardas, lanças e outras sortes dellas, e raro he o portuguezes que não tem hum cabide de seis ou doze mosquetes e pederneiras e outras tantas lanças, porque os fazem dourados, que juntamente lhe servem de ornamento das cazas. (...)
Tem alem disto esta cidade muitos marinheiros, pilotos e mestres portuguezes (os mais delles cazados no reino, outros solteiros), que andão nas viagens de Japão, Manilha, Solor, Macassa, Cochimchina. Destes, mais de cento e sincoenta (e alguns são de groços cabedais, de mais de sincoenta mil xerafins), que por nenhum modo querem passar a Goa, por não lançarem mão delles ou as justiças por algum crime ou os Vizo-Reys pera serviço de Sua Magestade. E assy tambem muitos mercadores solteiros, muito ricos, em que militão as mesmas razões. (...)
Tem mais esta cidade capitão-geral, que governa as couzas de guerra, com cento e sincoenta soldados, em que entrão dous capitães de infanteria e outros tantos alferes e sargentos e cabos de esquadra e hum ajudante, hum ouvidor e hum meirinho, que administra justiça. Vence o ouvidor cem mil res de ordenado, consinados na alfandiga de Malaca. (...) E ministros ecleziasticos tem hum Bispo, que oje he morto e ainda não está
provido, que vence dous mil xerafins de ordenado, pagos n'alfandiga de Malaca. (...)
PS: Num próximo post publicarei a descrição das fortalezas.

domingo, 28 de outubro de 2018

Centro de Aviação Marítima: Fairey e Osprey



Em 1917, em plena Grande Guerra, era criada a Aviação Naval, componente aérea da Marinha Portuguesa. O Serviço e Escola de Aviação da Armada foi criado em 28 de setembro de 1917, sendo que a atividade operacional teve início a 14 de dezembro desse mesmo ano na Doca do Bom Sucesso – a primeira base aeronaval da Marinha Portuguesa, de onde partiram alguns dos mais significativos e heroicos raids aéreos da História da Aviação mundial.
Foi o caso da primeira travessia aérea do Atlântico Sul, que ligou Lisboa ao Rio de Janeiro em 1922, efetuada por Sacadura Cabral e Gago Coutinho.
Em 1928 seria criado em Macau o Centro de Aviação Marítima - Diploma Legislativo nº 22 de 14 de Junho de 1928 (imagem ao lado), ficando localizado na Taipa onde foi construído um hangar.  O comando foi entregue ao 1.º Tenente José Cabral. Estava equipada com três aviões Fairey, n.º s 17, 19 e 20. O nº 17 era o Santa Cruz.
Em 11 de Abril de 1933, por Portaria Provincial nº 291 (imagem abaixo), foi extinto o Centro de Aviação Marítima de Macau, por não satisfazer ao fim para que foi criado "devendo o pessoal da Marinha recolher à metrópole na primeira oportunidade".
Mais tarde, em 1937, foi criado o Centro de Aviação Naval da Colónia de Macau desta vez com aviões Osprey. Numa primeira fase com os números 71 e 72, aviões que tinham embarcado nos navios «Afonso de Albuquerque» e «Bartolomeu Dias», a que se juntam mais tarde outros quatro aviões também Osprey. Instalam-se no hangar do Porto Exterior.
Em 1942, em plena II Guerra Mundial, o Centro de Aviação Naval, é definitivamente extinto.

PS: A Royal Air Force britânica criou idêntico centro em Hong Kong em 1927 com três aviões Fairey IIIF.
Curiosidade: a mascote da aviação naval portuguesa em Macau era um cão de nome "Fairey".
Santa Cruz em Macau (Taipa) numa foto de 1928 publicada na revista Ilustração (16.9.1928) que por sua vez a republicou da revista britânica "Aeroplane".
Em baixo fotografia do Fairey IIID "Santa Cruz construído em Inglaterra (1921) de alumínio e madeira revestida de tela. Comprimento: 10970 mm, envergadura: 14050 mm.
A travessia aérea do Atlântico Sul foi iniciada no hidroavião Lusitânia, que se perdeu junto aos rochedos de São Pedro e São Paulo. Foi enviado um segundo avião, batizado Pátria, que também se perdeu no mar. A viagem foi concluída no Santa Cruz. Todos eles eram de origem inglesa, da marca Fairey, existindo contudo ligeiras diferenças entre eles.
Foto Museu de Marinha (Portugal) onde o avião está exposto.

sábado, 27 de outubro de 2018

Macau Grand Prix: since 1954 / Grande Prémio de Macau: desde 1954

Entre os dias 15 e 18 de Novembro realiza-se a edição 65 do Grande Prémio de Macau.
Next month's (15-18 November) Macau Grand Prix will be the 65th edition
First run in Ocotber 1954 as a club race for local motoring enthusiasts, the Macau Grand Prix has evolved into what many believe is the finest street circuit race meeting in the world.

Realizado pela primeira vez em Outubro de 1954 como uma corrida para amantes locais do desporto automóvel, o Grande Prémio de Macau transformou-se no que muitos consideram a melhor prova em circuito urbano do mundo.
Macedo Pinto: terminou em 4º com um MG na prova inaugural em 1954
Martin Redfern, ao volante do Jaguar XKSS, vencedor das edições de 1959 e 1960.
Na foto destaque ainda para as primitivas 'barreiras de segurança' feitas em bambu


sexta-feira, 26 de outubro de 2018

Raúl Maria Xavier (1894-1964): o notável escultor macaense

Numa notícia de um jornal de Macau em Setembro de 1925 pode ler-se: "Regressou a Lisboa o afamado escultor macaense Raul Xavier, autor de numerosas esculturas que embelezam os principais edifícios e lugares públicos do continente, depois de ter servido, durante algum tempo na Repartição das Obras Públicas desta cidade”. De facto, pouco se conhece desta passagem por Macau de Raúl Xavier enquanto colaborador das Obras Públicas naquilo que foi um regresso à terra onde nasceu.
Escultor, medalhista, desenhador e aguarelista Raúl Xavier é um dos casos em que a obra se sobrepõe, e muito, ao nome do autor. Mas se o seu nome é pouco conhecido o mesmo já não se pode dizer sobre a sua obra, de tão vasta que é, estando em muitos dos casos patente no espaço público e em museus de referência. Atente-se por exemplo nos leões colocados na escadaria da Assembleia da República, em Lisboa, ou no baixo-relevo de Aljubarrota. Ou ainda no espólio do Museu Nacional de Arte Contemporânea (Chiado). Mas a lista é extensa...
De entre os seus trabalhos - assinava RX e RXavier- destaca-se ainda a estátua de São Vicente (exibida na Exposição do Mundo Português, em 1940), a escultura de Santo António (Igreja de Nossa Senhora de Fátima, Lisboa), as alegorias à Ciência e à Arte (Pavilhão dos Desportos, Parque Eduardo VII, Lisboa), a estátua de Vasco da Gama (Aquário Vasco da Gama, Lisboa), a escultura de Nossa Senhora de Fátima (Palácio Nacional de Queluz), e os bustos do Coronel Aboim Ascenção (Museu Militar, Lisboa), de Camões (Universidade da Califórnia, E.U.A), de Rafael Bordalo Pinheiro (Museu deste artista, no Campo Grande, em Lisboa),  de Florbela Espanca (Vila Viçosa), etc.

Nascido em Macau a 23 de Março de 1894, Raúl Maria Xavier é filho de Francisco Xavier da Silva  que foi soldado n.º 63 da Companhia Policial de Macau e de Filomena do Rosário. 
Vai para Portugal ainda em criança tendo revelado sensibilidade artística na escola primária. Esse facto leva o seu professor, Palyart Pinto Correia, a aconselhar-lhe  que prossiga os estudos na Escola de Belas-Artes de Lisboa.
Frequenta o curso geral de Desenho, matriculando-se posteriormente no curso de Escultura, onde tem aulas com Ernesto Condeixa e Costa Mota, seu tio. É deste escultor que recolhe os maiores ensinamentos passando a ser presença assídua no seu atelier. Desenvolve então a escultura em talhe directo, técnica na qual viria a revelar-se um notável executante. Escreve Oldemiro César em 1942 que o seu mestre "reparara com particular atenção o aluno, no canteiro ponteador a desbastar no mármore a obra que o escultor haveria depois de retocar. Começava a despontar-lhe o interesse pelo talha directo, em que hoje é exímio, e a que tantos outros se furtam por comodidade de manejar apenas os teques no barro ou no gesso, bem mais leves que os cinzéis, as macetas e as goivas, consoante a ferramenta tem de atacar a pedra rija ou a madeira mais maçia (...). Desconhecia a tortura da execução. Trabalho feito aos jactos, em arrancos de talento e confiança nos nervos e nas mãos privilegiadas".
O Leão e a Estátua da Prudência: duas obras de Raúl Xavier em 1941
frente ao Palácio de S. Bento (Parlamento)
Interrompe os estudos académicos para realizar um estágio em Itália com recurso a uma bolsa do Estado português onde estuda escultura religiosa.
De acordo com os especialistas na matéria, a obra de Raúl Xavier é "essencialmente de feição clássica e caracteriza-se pelo tratamento formal depurado". Produziu imenso durante  o período do Estado Novo. "Sucedem-se decorações para jardins e palacetes, pagas a preços irrisórios regateados centavo a centavo, medalhões, bustos, estatuetas, imagens religiosas, trabalhos de fôlego para monumentos..."
Luis Chaves, escreve em 1946: "É serena a Arte de Raúl Xavier. Impressiona sobretudo pela serenidade. (...) A impressão de calma, sugerida pelo artista, mantém-se nas almas, as nossas e a dele, como pluma no vácuo. Há na obra de Raúl Xavier a alucinação da Arte, que se sublimou na serenidade contemplativa. A alucinação do movimento opõe-se, embora não destruindo a essência, a alucinação estática. A vertigem do movimento tem paralelo na tontura do sossego."

Ainda no início da carreira de Raúl Xavier (tinha 25 anos), o crítico de arte Manuel de Sousa Pinto escreve em 1919 na revista Atlântida a propósito de uma exposição de escultura de Raúl Xavier que se tratavam de "alguns trabalhos modestos dum moço escultor de pouco vôo." O futuro viria a provar que o escultor se estava a preparar para muitos e altos vôos vindo a gravar através da sua obra o seu nome na galeria de ilustres macaenses.

Xavier dedicou-se especialmente ao retrato, em busto (Rafael Bordalo Pinheiro, 1921; Coronel Mesquita, 1942) ou em corpo inteiro (Pio XII, 1957), tendo ainda executado baixos-relevos (Monumento à Batalha de Aljubarrota, 1959), estatuária pública (S. Vicente, concebido para a Exposição do Mundo Português em 1940; alegorias Arte e Ciência, 1945) e esculturas de temática sacra (Santo António, 1938).
Uma assinatura do autor em 1949
Monumento a Nuno Álvares Pereira/Batalha (1959): baixo-relevo monumental de inspiração clássica e de grandes dimensões é considerado uma das obras mais emblemáticas do artista macaense.

R. Xavier participou em Salões da SNBA tendo recebido o primeiro prémio da Sociedade Nacional de Belas-Artes de Lisboa em 1940/41), e teve ainda participações nas Exposições de Artes Plásticas, Grupo Silva Porto (1945-58). Teve ainda colaborações em publicações como a segunda série da revista «Alma Nova» (1915-1918) e exerceu o ensino como mestre de cantaria artística na Escola Industrial de António Arroio.
Raúl Xavier está representado em diversos museus nacionais e estrangeiros e instituições públicas e privadas: Arte Contemporânea, Etnológico de Belém, Militar, Marinha, Caldas da Rainha, Grão Vasco (Viseu), Soares dos Reis (Porto), Tomar, Aveiro, Sociedade de Geografia,  Câmara Municipal de Lisboa, Liceu Gil Vicente, CGD, Califórnia (EUA), Tokushima (Japão), Estação do Cais do Sodré, Pavilhão Carlos Lopes (Lisboa), etc. 
Raúl Xavier foi ainda sócio correspondente da Sociedade Martins Sarmento (fundada em 1888) à qual legou grande parte da sua obra. Nomeado Cavaleiro da Ordem de Santiago de Espada e Comendador da Ordem Equestre de São Silvestre. Morreu em Lisboa a 1 de Janeiro de 1964.      Em 1942 Raúl Xavier produziu um busto em gesso pintado (assinado e datado) com a figura do Coronel Vicente Nicolau de Mesquita nas dimensões de 37x21x22. A obra foi oferecida pelo autor a 22 de Janeiro de 1961 ao Museu Arqueológico da Sociedade Martins Sarmento (Guimarães) onde está patente ao público.
Outra das obras esculpidas por Raúl Xavier relacionada com Macau, em 1929, foi uma escultura de gesso patinado com a figura de Wenceslau de Morais e outra em terracota com a figura de Camilo Pessanha.

Para saber mais mais sobre sobre este ilustre artista macaense aconselho a leitura de: "Raúl Xavier Escultor", de Oldemiro César (1942), "Raul Xavier Sculpteur Portugais" de Émile Schaub-Koch (1957); "Raúl Xavier Escultor Estatuário", de Luís Chaves (1946) e Revista de Cultura nº38 Abril 2011.



Homenagens


Em 1994, no centenário do nascimento de Raúl Xavier, a Sociedade Martins Sarmento, em colaboração com a Missão de Macau em Lisboa e a Câmara Municipal de Guimarães realizou uma exposição com dezenas de obras do escultor.
Em 2009 o Museu Municipal Santos Rocha, Figueira da Foz, realizou uma exposição de trabalhos de sua autoria. Grande amante da Figueira, Raúl Xavier foi igualmente um dos mais relevantes benfeitores do museu daquela cidade que reúne actualmente mais de uma centena de trabalhos de sua autoria, doados entre as décadas de 50 e 60 pelo próprio artista, pelos seus familiares e amigos.
Em Março de 2017 num congresso internacional de filosofia e literatura que juntou académicos de vários territórios lusófonos, Maria Leonor Xavier discorreu sobre “Raul Xavier: Um Macaense que Abraçou a Cultura Portuguesa”.

As esculturas denominadas «Arte» e «Ciência», localizadas na parte da frente do Pavilhão dos Desportos/Carlos Lopes foram executadas pelo escultor Raul Xavier em 1945. Trata-se de duas esculturas em lioz de grandes dimensões.
Ao lado a imagem da Estátua de São Vicente, no Largo das Portas do Sol, em Lisboa.
Os primeiros estudos para esta estátua de homenagem a São Vicente foram realizados por Raul Xavier em Junho de 1949. 

A passagem da peça ao material definitivo, a pedra, só ocorreu entre 1965 e 1967, pelas mãos de seu filho, o arquitecto Luís Xavier, que acompanhou esta obra até ser inaugurada em 25 de Outubro de 1970.

Menos conhecido do público em geral, mas igualmente notório, foi o trabalho na área da medalhística: 6º centenário de Frei Nuno Álvares Pereira (1960), Camilo Castelo Branco (1954), Amato Lusitano (1955), Damião de Góis (1955), José Leite de Vasconcelos (1948), IV Centenário S. Francisco Xavier (1952), V centenário do infante D. Henrique (1960), António Soares dos Reis (1955), Wenceslau de Moraes (1954), são apenas alguns exemplos dos mais de 40 trabalhos da autoria de Raúl Xavier.


Cabeça
Adquirido pelo Estado Português em 1938 a "Cabeça" é um trabalho feito em calcário. Faz parte do espólio do Museu Nacional de Arte Contemporânea (Chiado). Segundo Maria Aires Silveira trata-se de "um rosto de mulher expressivamente duro e definido em planos de linhas esquemáticas. Um curioso gosto decorativo revela-se no entrançado do cabelo ou nos tracejados gravados por toda a peça, num entendimento do arabesco como forma de dinamização plástica das superfícies lisas. Este tratamento é influenciado talvez pela prática de trabalho em madeira, mais frequente na produção do escultor, e, provavelmente, das lembranças da sua origem macaense. Deste cruzamento de referências, o retrato, pretexto para a análise sintética e decorativa de uma face, sugere uma imagem construída numa volumetria de máscara."
Artigo da autoria de JB também publicado na newsletter A Voz - Macau, Setembro 2018.

quinta-feira, 25 de outubro de 2018

Luigi Versiglia: 1873-1930

Luigi Versiglia foi um prelado, missionário, mártir e santo da Igreja Católica Romana. Pertencia aos missionários salesianos italianos, tendo vivido em Macau. Foi assassinado na China em conjunto com o também missionário salesiano São Callisto Caravario. Em 1885 partiu para Turim (tinha 12 anos) para estudar com os salesianos de Don Bosco com a intenção de ingressar na universidade para ser veterinário. Poucos dias depois da morte de João Bosco, a 11 de Março de 1888, decidiu renunciar à carreira de veterinário e tornar-se salesiano para ser missionário. Entra para o noviciado nesse mesmo ano tendo obtido a licenciatura em 1893 e a ordenação sacerdotal em 1895. A 19 de Janeiro de 1906 sai de Itália a primeira expedição de missionários salesianos com destino à China dirigida por Verisiglia. O Bispo de Macau, D. João Paulino de Azevedo e Castro, acolhe a chegada dos Salesianos, entregando-lhe a direcção de um orfanato (Asilo dos Órfãos). Em 1910 com a implantação da República em Portugal, é imposto um regime anticlerical em Portugal e nos seus territórios do Ultramar. As autoridades de Macau são obrigadas a expulsar os salesianos, que a 29 de Novembro de 1911 mudam-se para Hong Kong.
Na época a Diocese de Macau não só compreendia a colónia portuguesa mas também uma extensa região do interior da China. O Bispo de Macau confiou de novo aos salesianos um orfanato no distrito de Heung Shan em 1911. Por causa de uma monção que destrói a residência os salesianos de Luigi Versiglia mudam-se para Shek Ki.
Por esta altura Luigi Versiglia divide o seu tempo entre Macau e a China. Em 1915 constrói em Macau uma obra de maior dimensão, oficinas modernas e uma escola de comércio. Em 1918 os salesianos começam a trabalhar nos distritos mais setentrionais de Guangdong.
Em 1920 o território missionário salesiano foi elevado a Vicariato Apostólico, do qual Luigi Versiglia é nomeado como o seu primeiro bispo a 9 de Janeiro de 1921. Em 1922, já monsenhor, Versiglia faz uma visita a Itália, onde Callisto Caravario se oferece para ajudar no seu labor missionário na China.

No Verão de 1926 começam a surgir queixas contra o Cristianismo e os estrangeiros em Shiw Chow. No ano seguinte, colocaram na Escola Don Bosco dois manifestos em tela, nos quais se incitavam os alunos a deixar a escola cristã, acompanhados de insultos contra os estrangeiros. A 13 de Dezembro de 1927, os protestos radicalizam-se e todas as igrejas e missões de Shiw Chow são incendiadas. O ambiente de hostilidade prossegue nos anos seguintes.
A 24 de Fevereiro de 1930 Luigi parte com o padre Calixto Caravario e três alunas das salesianas para Linchow. No dia seguinte, durante a viagem, foram presos por ladrões que exigiram o pagamento de um resgate para os deixar prosseguir. Os bandidos abatem os salesianos a tiro e capturam as raparigas. Os restos mortais de monsenhor Versiglia, tal como os do padre Caravario, foram repatriados para a Itália.
Em 1976, o papa Paulo VI declara Luigi Versiglia e Callisto Caravario como mártires da Igreja. Foram beatificados a 15 de Maio de 1983 pelo Papa João Paulo II e canonizados a 1 de Outubro de 2000.
Sugestão de leitura: Luigi Versiglia E Callisto Caravario - Mártires Salesianos Na China (Vol. V), de Luís Cunha, Edição IIM.
PS: EM Macau existe uma escola com o nome de Luigi Versiglia.

quarta-feira, 24 de outubro de 2018

"Perpetuar a História de Macau para as gerações futuras"

Com o blogue “Macau Antigo” prestes a completar 10 anos, João Botas assegura que vai continuar a fazer um esforço para “dar a conhecer histórias inéditas” ou apresentar “de uma perspectiva menos habitual” aquelas que já se conhecem. Neste momento, garante, “não pode haver objectivo mais nobre” que o de manter o número sólido de visitantes já atingido.
A paixão pela história de Macau e as recordações do território onde viveu “grande parte” da adolescência, na década de 1980, levaram João Botas a criar o blogue “Macau Antigo” em Novembro de 2008, depois de lançar o livro “Liceu de Macau 1893-1999”. A primeira publicação data de 6 de Novembro.
“O intuito era (e é) muito simples: uma homenagem de um ‘filho da terra’ adoptivo a uma terra ímpar e para que, principalmente junto dos portugueses de Portugal, a imagem de Macau deixasse de ser a que sempre foi: um misto de desconhecimento e desinteresse”, indicou João Botas numa resposta à Tribuna de Macau.
No início, o principal desafio passou por perceber “a receptividade, o ‘feedback’ dos leitores ao que ia escrevendo”. Actualmente, o blogue conta com cerca de 12.000 visitas por mês.
Ao longo destes 10 anos, João Botas diz ter tido muitas “e boas provas” do modo como o blogue conseguiu marcar algumas pessoas. “No caso do ‘Macau 1937-1945: os anos da guerra’ recebi um e-mail de uma pessoa que era neto de um antigo militar em Macau”. No texto lia-se “Nestes últimos dias de vida, encontrar amigos e coisas que o ligassem a Macau e à fantástica viagem que fez há 60 anos era um dos maiores desejos e alegrias do meu avô. Graças a si, conseguiu ver a sua história contada, história que tantas vezes me contou mas que precisava de mostrar ao mundo”.
Além disso, indicou, quase todas as semanas recebe pedidos, nomeadamente de estudantes universitários, para que os ajude com trabalhos como teses de final de curso ou mestrado.
A selecção do conteúdo para o blogue é feita segundo vários critérios. “Pode ser uma efeméride, pode ser até um acontecimento actual que remete para o passado. Também abordo muito a questão dos livros, edições recentes ou mais antigas. E sobre Macau existem tantos títulos…”.
Daqui para a frente, assegura João Botas, o blogue vai continuar a manter os mesmos moldes. “Faço um esforço para dar a conhecer histórias inéditas ou então, quando já se conhecem, apresento-as de uma perspectiva menos habitual. Há sempre coisas novas que gostaria de fazer, mas falta-me o tempo para as concretizar”, referiu.
Entre os projectos pensados está uma exposição “com base num outro projecto paralelo ao blogue e que já tem nome: Macau Memorabilia”. “Ao longo destes anos juntei milhares de objectos – postais, moedas, notas, envelopes, caixas de fósforos, bilhetes de cinema, de ‘jetfoil’, autocarro, cartões telefónicos, mapas, livros [apenas primeiras edições], folhetos turísticos, revistas e jornais que julgo poderem resultar numa exposição que conte um pouco da história de Macau com recurso a objectos do quotidiano”.
Em relação aos propósitos que têm a ver com o blogue, João Botas defende que “não pode haver objectivo mais nobre que não seja o de manter esse número sólido de visitantes”.
Questionado sobre de que modo o blogue dá a conhecer o território a quem nunca cá esteve, sublinhou que o grande desígnio do projecto é “perpetuar a História de Macau para as gerações futuras”. “É um regresso ao passado mas com saudades do futuro. Para quem nunca esteve em Macau, sobre os aspectos relacionados com a identidade macaense, nomeadamente o Patuá, pode encontrar no blogue muita informação à distância de um clique”.
Como em quase todos os aniversários do “Macau Antigo”, vai decorrer um passatempo que levará à oferta de 100 livros sobre Macau que chegarão aos primeiros 100 leitores que enviem, entre 1 e 30 de Novembro, uma frase sobre o blogue para o e-mail macauantigo@gmail.com, juntamente com o nome e morada.
Para a concretização do passatempo, João Botas conta com a ajuda logística e financeira da Fundação Casa de Macau, que este ano se juntou pela primeira vez a outras instituições que já o apoiam como a Delta Edições/Revista Macau, o Instituto Internacional de Macau, a Fundação Jorge Álvares e a Delegação do Turismo de Macau em Portugal.
Artigo da autoria de Inês Almeida publicado no Jornal Tribuna de Macau, 24.10.2018

terça-feira, 23 de outubro de 2018

Revista da Armada: Outubro de 1972

M. Horta é o oficial que assina o artigo "Macau - A presença de Portugal no Oriente" de duas páginas na edição nº 13 da Revista da Armada em Outubro de 1972.
O texto inclui três imagens, uma pequena resenha histórica, dados estatísticos sobre a população (ca. 300 mil habitantes)economia local no início da década de 1970 - com destaque para o turismo, referência ao hotéis Lisboa e Estoril, corridas de cães, lotarias, grande prémio, principais indústrias - e ainda uma alusão ao papel da Marinha no território destacando o papel do Núcleo Recreativo de Marinha, criado na década de 1920 pela guarnição da canhoneira Pátria, "instalado em edifício próprio, bem localizado, com óptima esplanada, voltada ao rio das Pérolas, é dotado de moderno bar, biblioteca e sala de leitura (com ar condicionado), restaurante (messe) e sala de convívio. É verdadeiro oásis para os marinheiros que têm a felicidade de conhecer tão bela terra - um local sui generis entre as parcelas portuguesas espalhadas pelas diversas partes do mundo".
Foto de AJMN Silva

segunda-feira, 22 de outubro de 2018

Relações de Portugal com a China anteriores ao estabelecimento de Macau: 3ª parte


Terceira Fase - A normalização das relações e o prelúdio de Macau (c. 1550-1554)
Ficou a dever-se a Leonel de Sousa, capitão da marinha portuguesa no Oriente, a negociação com os chineses, mediante a aceitação de pagamento e impostos, que permitiria o desenvolvimento do comércio. Foi o «Assentamento» de 1554. Na carta que depois, em Cochim, Leonel de Sousa escreveu ao Infante D. Luís, irmão de D. João lII, com data de 15 de Janeiro de 1556, lê-se: «... e aprouve a Nosso Senhor que mandaram cometer paz, e que assentasse direitos como estavam em costume [ ... ] », E mais adiante: «desta maneira fiz paz; e os negócios na China com que todos fizeram suas fazendas e proveitos, seguramente foram muitos portugueses à cidade de Cantão, e outros lugares por onde andaram folgando alguns dias e negociando suas fazendas à sua vontade sem receberem agravo nem pagarem mais direitos dos que atrás digo...». No ano seguinte ao do «Assentamento», em 1555 portanto, já os documentos atestam a tão importante alteração do estado de coisas, o comércio que os portugueses podiam fazer legalmente em Cantão e noutras cidades. E passados uns meses, um ano talvez, «nascia» Macau. Com o «Assentamento» de Leonel de Sousa, Portugal e a China subscreviam o primeiro acordo no plano jurídico convencional, criavam as condições mutuamente benéficas para o incremento do comércio, cuja expressão mais concreta foi Macau. Concluía-se assim, auspiciosamente, depois de tantas dificuldades, o primeiro período das relações de Portugal com a China.
Relance Bibliográfico
A sinologia assenta os seus alicerces nos escritos dos pioneiros e cronistas do séc. XVI, a maioria dos quais foram portugueses, e nos escritos e cartas da primeira geração de Jesuítas que penetraram no Império do Meio a partir do último quartel daquele século. Mas no período a que nos reportamos, até 1554, as fontes cingem-se, portanto, ao primeiro grupo.
Não pretendo ser exaustivo neste relance bibliográfico, nem é essa a intenção. Tão-só uma referência ao que me parece ser mais importante, sem que daí advenha qualquer juízo de valor em relação a escritos não referidos. Os nossos cronistas - Barros, Castanheda, Gaspar Correia, outros - foram, no que toca ao período em apreço, os compiladores do que ouviram ou leram acerca dos factos narrados, a proximidade no tempo emprestando-lhes a autoridade que acresce à probidade do historiador e qualidade do homem.
Fernão Mendes Pinto é indispensável desde que cotejado com outras fontes, mas sem desconfiança à partida quanto aos seus textos, como injustamente é frequente verificar-se; fundamentais as Cartas de Afonso de Albuquerque, o Tratado das Causas da China de Gaspar da Cruz, a Relação da Grande Monarquia da China de Álvaro Semedo, a Suma Oriental de Tomé Pires, a História del Gran Reino de la China de Juan Gonzales de Mendoza, e alguns outros.
Mas o «corpus» essencial é constituído pelas cartas e «enformações» daqueles pioneiros, hoje em parte já publicadas, outras certamente aguardando nos arquivos a sua divulgação. As cartas de Cristóvão Vieira e Vasco Calvo, companheiros de Tomé Pires na embaixada e depois no cativeiro em Cantão, de Galeote Pereira, de Afonso Ramiro, as «Enformações» de Amaro Pereira e Mateus de Brito, a carta de Leonel de Sousa sobre o «assentamento», são os textos onde em primeira mão, e mais pormenorizadamente, se encontra a mais viva - porque vivida - aproximação à realidade.
A partir do século passado surge a historiografia, em termos modernos, deste período: O Cardeal Saraiva publicando um texto desconhecido de Tomé Pires, Jordão de Freitas a carta de Leonel de Sousa; Voretzsch, C.Boxer, Eduardo Brazão, D. Ferguson, dão à estampa textos inéditos; Gabrieia d'Intino junta as cartas e «enformações» dos pioneiros, anotadas; refiram-se os curtos mas excelentes trabalhos de L. Keil sobre Jorge Álvares (o primeiro português na China) e Ronald B. Smith sobre vários pontos ainda em dúvida. De destacar o colossal trabalho do Padre Schurhammer sobre as fontes dos primeiros tempos e sobre a vida de S. Francisco Xavier; no período que antecede o estabelecimento de Macau, os trabalhos de Cordier, Kammerer, Padre Silva Rego, Eduardo Brazão, Padre Manuel Teixeira, Padre Videira Pires, Mendes da Luz, sobre os primeiros tempos das nossas relações com a China.
Em 1946 surge o livro importante de Armando Cortesão A Suma Oriental de Tomé Pires e o Livro de Francisco Rodrigues, dando à estampa textos inéditos por ele descobertos. Para os estudos deste período é obviamente necessário o recurso às fontes e aos textos chineses. Limitar-me-ei a mencionar alguns trabalhos em línguas ocidentais que deles se prevalecem. O recurso às fontes chinesas é utilizado em equilíbrio com as fontes ocidentais por Tien Tse Chang no «Sino-Portuguese Trade from 1514 to 1644», e por J. Braga no «Western Pionneers and their discovery of Macau», trabalhos que mantêm a sua actualidade e cuja leitura é imprescindível para o estudo deste período.
A culminar o que se escreveu sobre este tema, com apoio de fontes ocidentais e orientais, o artigo - no fundo um livro, pois tem 211 pp. – de Paul Pelliot, «Le Haja et le Sayyid Husain de I'Histoire des Ming». Publicado no mesmo número de T'oung Pao que contém o seu elogio fúnebre, Pelliot demonstra as suas extraordinárias qualidades de historiador e filólogo, juntando a erudição à inteligência com apoio em fabulosa memória e excepcional domínio das línguas.
Conclusão
O significado dos primeiros contactos de Portugal com a China transcende aquilo que possa ter representado no nosso ciclo histórico de expansão ultramarina. Foi com base nesses contactos que o Ocidente de então conheceu, pela primeira vez em tempos modernos, o mundo chinês. Os escritos dos nossos pioneiros c cronistas, acrescentados e desenvolvidos pelos textos dos Jesuítas meio século depois, constituíram os pilares da sinologia moderna e da influência tão grande que a estrutura sociopolítica, o pensamento e a arte chinesas tiveram no «Século das Luzes» europeu.
O conhecimento que o mundo antigo mediterrânico teve da Serica, os contactos dos confins a Leste do Império Romano com o Oeste chinês, a heresia Nestoriana propagada no coração da China a partir do séc. VII, as narrativas dos Pólos e do século Franciscano no Cataio da nossa Idade Média, não mais fizeram que dar algum colorido ao imaginário fantasmagórico do homem pré-renascentista. Mas a génese da clarificação e arrumação de ideias apoiadas na razão, e do conhecimento sistemático com base na experiência no tão vasto e antigo mundo chinês, ficou a dever-se aos pioneiros portugueses do séc. XVI. Aprendemos nós e aprendeu também a Europa cristã de então alguma medida de humildade filosófica e civilizacional, ao entrar em contacto com nações mais antigas e com civilizações tão elaboradas, pelo menos, como as europeias. O dogma da superioridade ético-religioso em que o Ocidente mergulhara durante o milénio medieval foi em parte desfeito pelo contacto com o Oriente, facilitando assim a dinâmica do renascimento.
Para este ressurgimento do Ocidente se fica a dever a Portugal, para além de tantos contributos noutras áreas, o conhecimento das civilizações da Ásia, da existência do «outro», da valorização, portanto, da Humanidade.


João de Deus Ramos in IDN - Revista Nação e Defesa Ano XV; Nº 53 Janeiro-Março 1990

domingo, 21 de outubro de 2018

Relações de Portugal com a China anteriores ao estabelecimento de Macau: 2ª parte

Segunda Fase - Os conflitos e a tratada ilícita (1522-1550)
Como se viu, Fernão Peres de Andrade demonstrou qualidades que muito contribuiram para a boa imagem dos portugueses, para o início auspicioso da embaixada de Tomé Pires, e para favorecer os nossos interesses comerciais na China. Mas para a viagem seguinte a terras chinesas foi autorizado por D. Manuel a seguir, como capitão da armada, seu irmão Simão de Andrade. Como escreve Armando Cortesão, «contrastando singularmente com seu irmão, Simão de Andrade não só tinha pouco tacto como era vaidoso, caprichoso e violento. [ ... ] A sua nomeação [ ... ] foi um daqueles pequenos mas fatídicos acidentes que por vezes ocorrem no decurso da história e que neste caso se tornou na causa principal do desastroso fim da Embaixada de Tomé Pires e de todas as desgraças que os portugueses sofreram na China durante mais de trinta anos». Ao chegar à China, Simão de Andrade cometeu uma série de actos que desfizeram a boa imagem que conseguíramos, ao violar frontalmente as suas leis e costumes.
A construção de um forte, a criação de uma forca, a compra e rapto de crianças, génese da triste suspeita de antropofagia infantil que aparece nas fontes chinesas e vem reflectida nas portuguesas. Tomé Pires e a sua comitiva receberam finalmente em Nanquim ordem de seguir para Pequim, e lá aguardar a chegada do Imperador e as audiências solenes. É nessa altura que se desencadeiam acontecimentos imprevisíveis e nefastos, que acrescentados ao mau ambiente deixado por Simão de Andrade no litoral determinariam o triste fim da Embaixada. O primeiro desses acontecimentos foi a discrepância entre a tradução da carta de D. Manuel, pelos intérpretes de Cantão, e o texto efectivo da mesma, conhecido em Pequim; o segundo. a morte repentina do Imperador, que demonstrara boa vontade em relação aos portugueses, ocorrida em Abril de 1521, pouco após o regresso a Pequim; o terceiro, a presença na capital de um embaixador do Rajá de Bintang, filho do rei de Malaca que os portugueses tinham derrotado, queixando-se e pedindo auxílio ao soberano chinês, seu suserano. Tomé Pires e a sua comitiva foram mandados regressar a Cantão, onde, passado mais algum tempo de deterioração das relações, ficaram presos, Tomé Pires terá morrido na prisão em 1524, e terá deixado em terras da China uma filha, Inês de Leiria, que Fernão Mendes Pinto diz ter encontrado. A morte do Imperador e o desacato no litoral levaram Pequim, em 1522, a determinar o fecho dos portos ao comércio com o exterior, e a expulsão dos portugueses, Mas continuaram a tentar os contactos, agora ilegais, para levar a cabo o riquíssimo trato, A violência, os confrontos navais, as mortes, eram inevitáveis. Foi o que aconteceu em numerosos episódios; bastará referir um deles, A armada de Martim Afonso de Melo envolveu-se em duro combate com forças chinesas, em 1522, durante o qual muitos portugueses perderam a vida e outros ficaram presos. A sentença de morte foi confirmada pelo Imperador, e executados 23 portugueses a 23 de Setembro de 1523. Tal é descrito num documento da época, em que a frieza do estilo não esconde a dureza dos castigos. Tinha-se atingido o ponto mais baixo e mais negro, nas relações de Portugal com o Império do Meio.
A partir de finais da segunda década do século, embora mantendo-se fechados os portos e em vigor as ordens de expulsão dos portugueses, começam a desenhar-se tréguas na violência e a virem à superfície novas convergências de interesses, pois para ambas as partes o trato tinha os maiores aliciantes. Com a passagem dos anos foram crescendo estes contactos à margem das directivas oficiais, cada vez mais esquecidas. Os portugueses apelidados de piratas e a eles não poucas vezes associados, iam alimentando um crescente comércio ilícito que tinha o apoio nas classes que dele beneficiavam. Através destas iam conseguindo a tolerância, quando não a convencia, das próprias autoridades locais. Em 1547 Zhu Ruan foi nomeado Vice-Rei das duas províncias de Fujian e Zhejiang, e deu mostras de ser de forte ânimo no rigoroso cumprimento das proibições em vigor quanto ao comércio com os estrangeiros. Conseguiu assim criar as mais fortes inimizades em todos os sectores da população que beneficiava daquele comércio.
No ano seguinte deu-se um acontecimento que ficaria conhecido pelo «episódio dos dois juncos», bem demonstrativo de que a fase do conflito e do comércio ilícito entre portugueses e chineses estava a chegar ao seu termo. Já se viu como o Vice-Rei Zhu Ruan ganhara a maior impopularidade ao querer impor com rigor as proibições do comércio com os estrangeiros.
Em 1548 a frota de Diogo Pereira dirigiu-se à China. Determinou que as mercadorias que levava fossem transportadas em dois juncos chineses. Depois de alguns recontros violentos que determinaram a sua partida, deixou no entanto ficar os juncos, comandados por Fernão Borges e Lançarote Pereira, acompanhados de trinta portugueses e mais gente, na expectativa de ainda fazerem algum negócio. As forças navais chinesas não perderam tempo em apresá-los, matando alguns dos nossos e fazendo prisioneiros outros. Mas os tempos eram diferentes, e em vez de vir de Pequim a confirmação de sentenças, como acontecera trinta anos antes, foi despachado um Comissário Imperial para investigar o caso. Considerou que os portugueses não eram culpados dos crimes de que os acusavam, mas apenas pacíficos mercadores. Lê-se num documento da época: «E asi nos foi por estes mandarins mandado dar mui bem carne e galinhas e farinha de arroz e de todas as outras cousas em abastança assim como pediamos. Entretanto que fosse o recado a el Rei, quebraram todas as prisões em que os mandarins que nos tomaram nos puseram, e lagos eles foram presos» O Vice-Rei Zhu Huan suicidou-se, e outros oficiais foram executados. Terminava o período do conflito e do comércio ilegal, estava criado o ambiente, e as condições de parte a parte, para o surgimento de Macau. (continua)

João de Deus Ramos in IDN - Revista Nação e Defesa Ano XV; Nº 53 Janeiro-Março 1990