quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Impressões de Macau em 1854

The bay of Macau, located at the mouth of the Pearl River, can be seen in this landscape. In 1557 the city was leased to the Portuguese, who helped to restore the export of Chinese silk to Japan after China had closed its ports to the Japanese due to the threat of multi-racial pirate raids.“Macao, View of Two Bays, ca. 1830” Unknown Chinese artist
Macau was the most European of the Pearl River cities, described as a “good Portuguese town” with whitewashed churches and western-style homes. The Praya Grande beach—seen here from Nathan Kinsman’s veranda—became its most famous view. Merchants were permitted to reside in Macau with their families year-round. Kinsman’s wife, Rebecca, kept a detailed journal of her experiences in China.“Veranda of Nathan Kinsman’s residence in Macau,” ca. 1843 by Lam Qua

This Chinese temple was dedicated to Amagao (Mazu in Chinese), the Queen of Heaven and patron goddess of sailors of the south coast, for whom the Portuguese named the city of Macau. Chinese residents are gathered here for family outings, gambling, tea, fortune telling, and worship.“The Square Outside the Ma Kok Temple,” 1838 Drawn from nature by Aug. Borget, lithograph by Eug. CiceriHeine drew a romantic view of the Praya Grande crescent illuminated at sunset, with women in white, possibly Western Christians visiting a grave. “Macao From Penha Hill,” 1854 by William Heine
Macau ca. 1870A sweeping overview of Macau shows that the quiet town has grown into a built-up city by 1870. “Panoramic View of Macau from Penha Hill,” ca. 1870 Unknown Chinese artist

Chinnery also did sketches of the back streets of Macau, which depict the everyday life of the local people. He showed peddlers, porters, food shops, and others resting in the shade behind the St. Dominic’s church. “Macao Street Scene,” 1840-45 Watercolor on paper, by George Chinnery

One of the most famous sites in Macau was the subject of another Heine view: St. Paul’s church, built in 1582 for the Jesuits, burned in 1835 and only its facade remains. Japanese Christians expelled from Japan carved its stone facade. “The Facade of St. Paul’s Church, titled ‘Jesuit Convent, Macao,’” 1854 by William Heine

«De qualquer das alturas de Macau se goza um belo panorama, mas os viajantes, em geral, preferem ver do mar esta formosa cidade. Dos navios ancorados no porto interior, abraça-se uma perspectiva magnífica: começando na aldeia de Patane, sobre a qual se ergue a decantada gruta de Camões, e correndo ao longo do rio, aqui orlado de casas chinesas, acolá de edifícios cristãos, e todo semeado de embarcações de vários tamanhos e diversíssimas formas, desde o ligeiro gig britânico até à pesada sóma chinesa; vendo mais para interior da povoação as torres da catedral, o zimbório de S. José (colégio das missões, sem missionários) boas casas e jardins, e lá no fundo do quadro as fortalezas do Monte e da Guia, campeando sobre seus elevados outeiros; o grandioso edifício da alfândega, de que já falámos, donde se continua ainda com óptimas habitações, em diferentes planos, até à fortaleza de Sant'Iago da barra, antes de chegar à qual está um dos mais venerado pagodes destas partes.Olhai que majestade apresenta o todo desse templo chinês, desfeiado apenas por algumas carantonhas, barbaramente pintadas nas suas portas; vêde como sobem essas ruas, costeando a montanha por entre uma vegetação prodigiosa, conduzindo o viajante a várias capelinhas na progressão da subida, um pouco ao gosto do Senhor Jesus da Serra, em Braga, e mesmo em Belas; lá está sobranceira a tudo isto a Ermida de Nossa Senhora da Penha de França, já meia derrocada, e sobre a fortaleza da barra o seu, pessimamente colocado, paiol de pólvora.É encantador este quadro, mas todos lhe preferem, e eu com as massas, neste ponto, o painel que apresenta Macau, visto do Oceano, quando demandámos o seu porto. Logo para fora da barra se encontra outro forte (pouco forte) que tem a invocação de Nossa Senhora do Bom Parto (do bom porto teimam em chamar-lhe quási todos os turistas destes sítios); forma ele um ângulo agudo, por um lado com a margem do rio, e por outro com a Praia Grande, que se encurva por uma grande extensão até aos escolhos, que servem de antemural à fortaleza de S. Francisco.A Praia Grande, brilhante aglomerado de palacetes com colunas ao gosto asiático-bretão, e defendida em parte contra o Oceano por muralhas de pedra, tem sofríveis cais, e próximo à residência dos governadores a caricatura de um fortim, à beira-mar, que incomoda os passeantes e não tem utilidade alguma.Por trás desse enorme renque de colunas, sobre as quais assentam arejadas varandas, encobertas por ciosas gelosias, vêem-se os quintais do Bom Parto, a encosta da Penha, e outros risonhos jardins; lá muito longe as montanhas do celestial império. Seguindo para Oriente torna-se a ver a igreja das Missões, a Sé e o frontespício majestoso do convento de S. Paulo, única parte que resta da incendiada fábrica; para dentro desses cancelos está o campo da igualdade, o cemitério cristão.Depois lá seguem os fortes de D. Maria II, do Monte, e da Guia (onde nunca estiveram os paços episcopais, erro que já li em mais de um viajante), e descendo sobre o mar encontra-se a fortaleza de S. Francisco, fechando esta perspectiva, como dissemos, onde está aquartelada a força de linha.Seguindo então com a vista pela praia em direcção oposta, isto é, do Oriente para o Ocidente, temos a notar as igrejas de S. Francisco e de Santa Clara (convento de freiras), e junto à casa da legação francesa a entrada da principal rua de Macau, que conduz à porta do campo, uma das que fecham a cidade; continuando porém a examinar a beira-mar, deixando os assentos de pedra, que hoje estão assombrados por novas árvores, começa a longa fileira de habitações elegantes, apenas cortada aqui e ali pela entrada de uma estreita devesa.Negociantes portugueses e estrangeiros ocupam quási todas essas casas, com excepção das duas piores e mais abarracadas, que são as residências do governador e do juiz de direito». Francisco Maria Bordalo. «Macau», 1854.
Excerto de um artigo de Francisco Maria Bordalo (1821-1861), oficial da marinha portuguesa e escritor, publicado em 1854 na revista O Panorama: jornal literário e instructivo da Sociedade Propagadora dos Conhecimentos Utéis. Ainda na mesma revista - fundada e dirigida por Alexandre Herculano, que se publicou entre 1837 e 1868 -, Francisco Maria Bordalo publicou "Viagens na África e na América" (1854), "Scenas de Escravatura" (1854), "Quadros Marítimos" (1854), "D. Sebastião, o Desejado - Lenda Nacional" (1855), "Navegadores Portugueses" (1855) "Navegadores Estrangeiros" (1855), "Viagem Pitoresca à Roda do Mundo" (1855).Considerado o introdutor do romance marítimo, Borlado é ainda autor de obras como: Trinta Anos de Peregrinação, Manuscrito Achado na Gruta de Camões, Macau, 1852, Um Passeio de Sete Mil Léguas, Lisboa, 1854 e Eugénio, Romance marítimo, Rio de Janeiro, 1846.

Sem comentários:

Publicar um comentário