terça-feira, 10 de abril de 2018

Os "stereoviews" de Milton M. Miller

Em 1862 a empresa norte-americana E. & H. T. Anthony publicou e vendeu stereoviews feitos por Milton Miller na China, Macau e Japão. Nessa colecção - Anthony's Stereoscopy Views - surge pelo menos uma paisagem de Macau - a Baía da Praia Grande - com o nº 25, intitulado "View in Macao - showing fort on the Hill".
Não se conhece ao certo quantas mais existem do território nesta colecção da empresa sedeada na Broadway em Nova Iorque. Em pesquisas efectuadas até agora detectei pelo menos mais uma fotografia de M. Miller feita em Macau com a legenda "a pregnant girl in Macao", um retrato de uma mulher grávida. Seriam de facto os retratos - que de certa forma Miller reinventou - que o tornariam famoso na época. 
Existe ainda uma foto com a legenda "View in Macao - showing fort on the Hill" que pode ser muito provavelmente a mesma deste stereoview: no topo vê-se a Fortaleza da Guia (ainda sem o Farol); em baixo está o Jardim de S. Francisco e o Convento de S. Francisco (demolido em 1861 para a construção do quartel como mesmo nome), faltando o Grémio (Clube) Militar que só seria construído em 1870

Mas quem foi Marshall Milton Miller?
No final da segunda guerra do ópio (1856-1860), franceses, norte-americanos e britânicos juntaram-se contra as forças da Dinastia Qing. Antes, na Primeira guerra do ópio (1839-1842) os britânicos também venceram e viriam a ficar com a soberania do que viria a ser Hong Kong. É pois entre meados e o final do século 19 que vários fotógrafos do ocidente rumam ao Oriente e fazem registos fotográficos, não só da colónia britânica, mas também da China, Japão e Macau. Ocorrem-me de repente os nomes de William Floyd e John Thomson. O do post de hoje, M. Miller, é menos conhecido, mas não menos importante.


Parte da Baía da Praia Grande em 1859
Em 1861 Miller coloca um anúncio no jornal "The Friend of China and Hong Kong Gazette" pedindo ajuda a quem possa ter informações sobre negativos roubados do seu estúdio em Cantão. Sabe-se que este norte-americano (1830-1899) começou por trabalhar num estúdio em S. Francisco (EUA) de Robert H. Vance por volta de 1856. Vance formaria uma sociedade com Charles Leander Weed - Weed & Howard studio, em Cantão - que levou Miller consigo (na verdade chegaria pouco depois, a 19 de Julho de 1860) quando resolveu fazer fotografias no Oriente por volta de 1860 tendo-se estabelecido em Hong Kong (chegou a 19 Janeiro 1860) com um estúdio de retratos. De acordo com a imprensa da época (anúncios), o estúdio estava equipado com uma "large solar camera by witch photographic portraits can be taken life size; this is the new invention to wich the Advertisers should call special attention".Em 1861 Weed mudou-se para Xangai e Miller ficou com o negócio mudando o nome para Miller & Co. Photographers. Depois de viajar e fotografar a China. Macau, Hong Kong e o Japão, regressaria à sua terra Natal, Vermont, em 1863, tendo-se retirado pouco depois e dedicado ao imobiliário.
Antes de partir Miller vende a empresa. A 5 de Janeiro de 1864 no jornal Hongkong Daily Press anuncia-se a inauguração de um novo estúdio de fotografia: "The undersigned late of the Firm of Miller & Co., Photographers, beg to inform the Community of this Colony that they have opened a Gallery in the house No. 68, Queen’s Road nearly opposite the Oriental bank, and are prepared to practise Photography in all its branches on an extensive and improved scale. Their Stock of Appliances and Materials embrace all the latest improvements and inventions. All orders for taking Views of Houses, Landscapes, Shipping, Likenesses of Horses and Favorite Animals, & Co., will be promptly and attentively executed."
Os negativos deixados por Miller e outros fotógrafos da época a trabalhar em Hong Kong seriam mais tarde (1868) comprados por William Pryor Floyd que fundou a Floyd & Co. (1868-1874).
Sugestão de Leitura: History of Photography in China: Chinese Photographers 1844-1879. Da autoria de Terry Bennett


Sem comentários:

Publicar um comentário