sexta-feira, 10 de maio de 2019

Cyclopædia of Geography: 1856

"A Cyclopædia of Geography, descriptive and physical, forming a new general gazetteer of the world and dictionary of pronunciation (...) é da autoria de James Bryce foi publicado em Inglaterra no ano de 1856. Na letra M desta Enciclopédia de Geografia encontramos um pequeno texto sobre Macau que inclui uma ilustração curiosa com a legenda "Chinese house at Macao" e que se assemelha a um templo chinês. Segue-se o texto original em inglês e uma tradução feita por mim.
Alguns dados não estão correctos, nomeadamente a data de 1586 como sendo o início do 'assentamento' dos portugueses que ocorreu em 1555/57. Um dado interessante no texto é a referência a uma muralha e à primeira versão Porta do Cerco que no texto diz-se ter sido construída em 1573.


Macao, a seaport and settlement of the Portuguese in the prov. of Quang tong (Canton), on a peninsula of the isl. Macao, on the SW of estuary of the river Canton and 70 m. S.S.E. of Canton; lat 22 11 N lon 113 32. The peninsula 2,5 miles long, by 1 broad, is joined to the island by a low sandy isthmus, about 200 yds in breadth, on which a wall, built 1573 indicates the bound beyond which a foreigner may not pass.
This peninsular spot was ceded in 1586 to the Portuguese, as a recompense the aid they gave in ejecting a pirate from a neighbouring Island. They possess the right of self government and the right of trading is nominally restricted to their shipping; but a Chinese mandarin governs the town in name of the emperor, and trading vessels belonging to nations often gain entrance.
The harbour, which is ill adapted for vessels of great burden, is defended on the N. and W. by six forts. The town is built on the slope of a range of hills, somewhat triangularly disposed, of which harbour occupies the hypothenuse.
The shore is an embanked and terraced parade, above which, in regular but narrow streets, houses of Chinese and European structure are curiously mingled. The Portuguese senate-house, some Chinese temples, the collegiate church of St Joseph and 11 other churches form the chief architectural ornaments of the place. Tradition reports that in a cave in this town Camoens wrote the greater part of the Lusíad. The college of St Joseph, a royal grammar School and an orphan asylum supply education. Population about 50,000.
Macau, porto marítimo e povoado dos portugueses na província de Quang tong (Cantão), numa península da ilha de Macau, no SO do estuário do rio Cantão, situado a 70 milhas S.S.E. de Cantão; Latitude 22 11 N Longitude 113 32.
A península, com 2,5 milhas de comprimento por uma milha de largura, une-se à ilha por um istmo de baixio arenoso com aproximadamente 200 jardas de largura, onde existe um muro, construído em 1573, e que indica o limite além do qual os estrangeiros não podem passar. Este território foi cedido em 1586 aos portugueses, como recompensa pela ajuda que deram em expulsar um pirata de uma ilha vizinha. Os portugueses tem direito de autogoverno e direito de fazer comércio; mas é um mandarim chinês que governa a cidade em nome do imperador; os navios estrangeiros normalmente têm acesso ao porto. O porto não se adapta a navios de grande carga e é defendido a Norte e Oeste por seis fortes. A cidade é construída ao longo das encostas de uma série de colinas, um tanto triangularmente dispostas, sendo o porto a hipotenusa. 
A costa é um desfile de terraços, acima da qual, em ruas regulares mas estreitas, casas de características chinesas e europeias misturam-se de forma curiosa. O Senado português, alguns templos chineses, a igreja do colégio de S. José e outras 11 igrejas formam os principais símbolos arquitetónicos do lugar. A tradição relata que numa caverna desta cidade Camões escreveu a maior parte de "Os Lusíadas". O colégio de São José, uma escola real de gramática e um asilo de órfãos fornecem a educação. População de 50.000.

Sem comentários:

Publicar um comentário