quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Estátuas nas traseiras das Ruínas de S. Paulo


Registos fotográfico da década de 1960 nas traseiras da fachada das ruínas de S. Paulo. Em primeiro plano a chamada "estátua de pedra caiada" do holandês e ao fundo o busto do poeta português João de Deus, actualmente localizada no interior do jardim do edifício do Senado (IACM). Foi inaugurada em 1896 por ocasião de morte de João de Deus em Janeiro desse ano. Existe uma outra estátua do poeta no exterior do Jardim de Infância D. José da Costa Nunes (desde 1942).
Segundo Monsenhor Manuel Teixeira já "a 8 de Março de 1895, as escolas portuguesas festejaram ao poeta numa grande apoteose, à qual se associou Macau”.


Num artigo intitulado "Macau visto pelo Conde de Arnoso" (Revista Cultura, nº 7 e 8 - Ano 2) o Padre Manuel Teixeira - que faz vários comentários ao texto do Conde - escreve assim a propósito desta estátua:
"(...) escreve Arnoso: "No adro e sobre uma pedra que lhe serve de pedestal uma tosca e disforme estátua de pedra d'um metro de altura representa, segundo refere a lenda, um valoroso capitão. Veste justilho, largo calção e bota até ao joelho. A irreverente brocha d'um pintor poz-lhe bigode e mosca! E como se tal não bastasse pintou-lhe garridamente o justilho de cor-de-rosa vivo, pondo-lhe nos canhões galões amarelos de coronel. Pobre heroe!"
Quanto a esta estátua, reza a tradição que se trata dum oficial holandês, moldada pelos holandeses que foram encarcerados na fortaleza da Guia após a sua derrota de 24 de Junho de 1622. A estátua sofreu maus tratos: um dia tiraram-na da Guia, foi parar às Ruínas de S. Paulo. Em 1966, desapareceu.
Alfredo de Almeida foi encontrá-la, decapitada, na sargeta duma via pública, para onde havia sido lançada pelos vândalos. Colocou-lhe a cabeça sobre os ombros, cimentou-a e levou-a para o seu caro Jardim da Flora. Dali passou para a esplanada do Museu Luís de Camões, onde hoje se encontra, acostada a uma parede, triste e envergonhada. 
Já desapareceram as cores do seu justilho e já não pousa em pedestal algum. Ali está no solo sem um letreiro, sem indicação alguma, com a ferida no pescoço, efeito da decapitação. Bem merecia que voltasse para a Guia, onde passou uns quatro séculos e donde nunca devia ter sido retirada. (...)"



Sem comentários:

Publicar um comentário