sábado, 31 de janeiro de 2015

Jantar em honra do Ministro de Portugal em "Peking": 1915

Na imagem acima o cartão/convite do jantar oferecido pelo Governador de Macau "em honra do Ministro de Portugal em Peking e sua Exma. Eposa". Teve lugar no Palácio do Governo a 1 de Fevereiro de 1915. Há exactamente 100 anos... 
A ementa incluía sopa d'ovos, pastéis folhados de frango, garoupa com molho d'alcaparras, língua de vitela com champignos, paté froie gras, perú assado com fiambre e salada, espargos com molho de manteiga, puding d'ovos, frutas da estação. Da lista de vinhos constava Madeira, Colares, Bucelas, champagne e Porto. Havia ainda café, chá e licores.
Palácio do Governo à esquerda (muro do jardim em 1º plano à esq.): 
imagem parcial de um postal publicado em Hong Kong ca. 1890/1900.

Contexto da época e, certamente entre os motivos de conversa do jantar:

A 30 de Novembro de 1911, Sun Yat-Sen foi proclamado presidente da República por uma Assembleia Nacional, em Nanquim. No Norte, Yuan Che-Kai obrigou o imperador Pu-Yi a abdicar a 12 de Fevereiro de 1912, e dias depois a República era instituída em Pequim. Não vendo grande futuro na união do Sul com o Norte, Sun Yat-Sen cedeu a presidência da República ao general Yuan Che-Kai, em Março de 1912.
Recuperada a situação financeira, temporariamente, Yuan Che-Kai tentou acabar como os democratas do Kuomintang a 4 de Novembro de 1913, dissolveu o Parlamento, substituindo-o por uma comissão por si nomeada em Janeiro de 1914, e acabou com as assembleias provinciais, em Março de 1914. A República proclamada por Sun Yat-Sen e confiscada por Yuan Che-Kai foi o impulso vital que bastou para a queda da dinastia Manchu e do império chinês. 
Em Agosto de 1914, os japoneses atacaram Tsing-tao (território alemão) e ocuparam Chang-tung. Em Janeiro de 1915, o governo nipónico apresentou à China um ultimato, perante o qual Yuan Che-Kai teve de ceder, suscitando um movimento nacionalista, principalmente no Sul.

Sem comentários:

Publicar um comentário