sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Correios: história resumida


Os Correios em Macau começaram por funcionar numa residência particular desde 1869. Ricardo de Souza foi o primeiro director dos Correios criado a 1 de Março de 1884 tendo ainda ao serviço três carteiros. Foi há 130 anos. Antes, existiu o Correio Marítimo, criado em 1798. Atente-se no que é publicado no Boletim do Governo nº 17 para se perceber um pouco de como o serviço funcionava. O ofício n.º 14 de 22 de Fevereiro de 1878 manda que o serviço de distribuição do correio de Macau "continue a ser desempenhado pelos seus funcionários gratuitamente”.
Foram postos em circulação nessa data (1-03-1884), os primeiros selos (que se encontravam no território desde 1878):  9 selos com taxas de 5 a 300 réis, feitos na Casa da Moeda de Lisboa e que passaram a ser obliterados pelo carimbo-adesivo.
Cansado de esperar por uma autorização para que o serviço de correio fosse criado, o governador Tomás de Barbosa enviou um ofício para a Casa da Moeda em Portugal a 5 de Fevereiro de 1884
Tenho a honra de comunicar a V. Ex.ª que entendo que é urgente a necessidade de estabelecer um regular serviço do correio n’esta província e não podendo ser posto em execução em todas as suas partes o regulamento que por este governo se mandou proceder por conter várias disposições que dependem da aprovação de V.Exª e de prévio acordo com administrações postais de diversos países, determinei pela minha P.P Nº11, tendo sido ouvido o Conselho do Governo e a Junta da Fazenda de que, a contar do 1º de Março p.f. se poem em circulação os selos de franquia portugueses que por esse Ministério foram enviados a esta província e de que o serviço do Correio se regule provisoriamente pela instruções anexas á referida P.P, que numa próxima mala enviarei a V.Exª.
O estado actual do serviço do correio não podia por forma alguma continuar. Macau, como colónia portuguesa paz parte da «União Postal Universal» e o governo de Sua Magestade mandou já há alguns anos os selos de franquia necessários para que o correio desta cidade começasse a funcionar, e apesar de tudo isso são passados 5 anos depois da Convenção de Paris, e já quase outro tanto que os selos existem na Junta da Fazenda e o serviço postal continua a ser feito por uma succursal do correio de Hong Kong e a correspondência a ser franqueada com estampilhas inglesas acrecendo o vexame de terem os expedidores de pagar uma % de 8 avos por carta ao indivíduo encarregado de receber e expedir a correspondência. Nestas circunstâncias espero que V.Exª aprovará as medidas provisórias que tomei para regularisar d’alguma forma este serviço até que seja criada a repartição competente e devidamente aprovado o regulamento que muito em breve enviarei a V. Exª.
Concluindo cumpre-me dizer a V.Exª. que não existindo na Junta da Fazenda selos de valor de 80 réis e sendo justo e conveniente que o porte de uma carta que d’aqui for expedida seja igual ao que vem da metrópole, resolvi também aproveitar as estampilhas de 100 réis, habilitando-as para 80 réis por meio de um carimbo aplicado no Thesouro da Junta.
Logo no primeiro mês de funcionamento efectivo, em 1884, foram também estabelecidas as regras de funcionamento do serviço de correio entre Macau e as ilhas da Taipa e Coloane. A correspondência seria transportada diariamente excepto em dias santificados, na lancha da carreira, numa caixa com duas chaves, uma na mão do Director dos Correios de Macau, outra na do Administrador da Taipa. O serviço dos Correios na Taipa ficava no edifício inicialmente destinado a Hospital, que servia de Quartel na Taipa.
Depois os Correios passaram para o Palácio das Repartições onde funcionavam grande parte dos organismos públicos do governo e chegou a estar instalado o BNU, na Praia Grande. Ainda em meados do século XIX ganharam um edifício próprio, também na Praia Grande, ao lado do então Macao Hotel. Este espaço, antiga casa da guarda, foi demolido por volta de 1915.
No início do século XX já estava a funcionar no edifício do Senado. Em imagens da época pode ver-se que na fachada do edifício, para além da porta principal, existiam mais duas com acesso directo para o exterior. Numa delas, a da direita, funcionavam os correios.
Há ainda registo de que na década de 1920 o serviço postal chegou a funcionar na antiga residência do Padre Almeidinha, à Praia Grande , junto do Palácio do Governo.
Em 1891 começou a funcionar o Serviço de Vales de Correio, em 1905 entrou em vigor o Serviço de Caixas de Apartado Postal e os primeiros Marcos Postais foram colocados em 1910 em várias artérias da cidade. A Caixa Económica e Postal surgiu em 1917. Os serviços telefónicos passaram para o controlo da Repartição Técnica dos Correios e Telégrafos no dia 1 de Julho de 1927.
O grande salto qualitativo no serviço prestado ocorre no início da década de 1930 quando foi construído um edifício de raíz no Largo do Senado.
Revolucionou por completo a zona tendo para o efeito sido demolidos um conjunto de edifícios que ficavam ao lado do edifício da Santa Casa da Misericórdia. Segundo Henrique de Senna Fernandes, num testemunho dado em 1994, "Estava na forja a construção doutro edifício considerado imponente: o dos Correios e Telégrafos no Largo do Senado, considerado na altura majestoso e pleno de modernidade. Ninguém apontou, então, que o seu perfil pesado, sem estilo arquitectónico definido, iria contrastar com a fachada do Leal Senado, nem com outros edifícios do largo, todos cheios de arcadas e varandas, duma airosidade que só agora se reconhece".
O edifício é um projecto (arquitectura neoclássica) da autoria do arquitecto Chan Kun Pui que trabalhava na Repartição das Obras Públicas. Foi construído entre 1928 e 1931 ano em que foi inaugurado (8 de Dezembro). A inscrição romana na fachada assim o indica. Está classificado como "edifício de interesse arquitectónico".
De acordo com a arquitecta "A estrutura em betão justifica a grande escala do edifício, que se desenvolve com três pisos de escala colossal e uma cave. A situação de gaveto é enfatizada com o desenvolvimento em planta de um desenho curvo, que é acentuado no frontão curvo de remate à sequência de loggias desenvolvida ao longo dos três pisos, terminada com uma varanda em serliana. Este corpo de gaveto é ladeado por um conjunto duplo de colunas, assente num embasamento colossal de pedra e acentuado verticalmente com uma torre de relógio monumental, localizada a eixo do conjunto. Em 1989, sofreu profunda intervenção interior, com manutenção da leitura da fachada intacta."
Ali funcionou a primeira estação de rádio local logo em 1933. O que poucos saberão é que no edifício dos Correios existiu (existe?) uma capela. A 12 de Agosto de 1958, "foi benzida esta capela no edifício dos Correios, Telégrafos e Telefones, colocando-se o retábulo de S. Gabriel no mistério da Anunciação por sobre o altar do Senhor."
As telecomunicações deixaram de estar afectas aos Serviços de Correios a partir de 1 de Outubro de 1981, tendo sido concessionadas a uma companhia privada.
Este envelope de 1934 é uma emissão comemorativa do serviço postal oficial (50 anos) tem ainda a particularidade de indicar o nome do primeiro director dos Correios (funcionavam em sua casa) e o primeiro edifício oficial dos Correios de Macau, na Praia Grande, perto do Palácio do Governo.
Artigo da autoria de João Botas publicado no JTM de 26.6.2014

Sem comentários:

Publicar um comentário