quarta-feira, 27 de julho de 2016

Fac(h)adas no património


No início desta semana foi notícia em Macau as obras de renovação de um edifício da Rua do Visconde Paço de Arcos - junto à Ponte 16 no Porto Interior - que antigamente era uma loja de venda de peixe.
Dá-se o caso dos trabalhos terem avançado sem a licença necessária e resultaram na remoção de seis caracteres chineses e respectiva alteração das fachadas do edifício. Segundo consta as autoridades locais vão obrigar à reposição da configuração original pelo que resta aguardar para ver se não se apaga em definitivo mais uma marca da malha urbana do território e que felizmente tem vários exemplos espalhados pela cidade.
Este caso coloca em evidência, mais uma vez, algumas deficiências ao nível da fiscalização e a falta de sensibilidade de alguns particulares para a preservação do património. Refira-se que embora não estejamos perante um edifício classificado, manda o bom senso que impere a sua salvaguarda.
PS: O governo da RAEM decidiu-se pela demolição do antigo hotel Estoril. Ainda assim, o mural da fachada será salvaguardado. Foi essa a garantia deixada pelo presidente do Instituto Cultural.

Sem comentários:

Publicar um comentário