terça-feira, 9 de julho de 2019

Visita do ministro do Ultramar no Verão de 1952


O Verão de 1952 em Macau (passou ainda pela Índia e Timor) ficou marcado pela visita oficial do Ministro do Ultramar, Sarmento Rodrigues, entre os dias 18 de Junho e 1 de Julho. Era o mais alto representante de Portugal a visitar o território desde o século 16.
A visita durou vários dias e ficou imortalizada em centenas de fotografias e livros.
Incluiu revista à guarda de honra; cortejo nas limousines do Estado; cerimónias religiosas; cerimónias no Leal Senado; recepção pública no estádio (Canídromo); inauguração das piscinas olímpicas; visita à Gruta de Camões; desfile da Dança do Dragão frente ao Palácio do Governo; recepção e baile nocturno; parada militar com forças da Legião, Mocidade Portuguesa, tropas Indígenas, esquadrões de carros blindados (cavalaria e infantaria); recepção pela Marinha; visita à Ilha de Coloane e cerimónia aos Combatentes de Coloane; visita à Central Eléctrica; visita à zona da Porta do Cerco junto à China; visita ao Monumento da Explosão da Fragata D. Maria II em 1850; concerto no Teatro D. Pedro V; visita ao Hospital e ao bairro chinês; imposição de condecorações aos dignatários religiosos e civis (europeus e chineses); manobras militares com desfile de Companhia Indígena Africana; tiro de Artilharia de Campanha motorizada; recepção e jantar e Baile de Gala nocturno com oficiais portugueses e ingleses; visita ao clube de vela da Mocidade Portuguesa; visita e entrevista no Rádio Clube de Macau.

 Aspectos da visita de Sarmento Rodrigues a Macau

Manuel Maria Sarmento Rodrigues (1899 - 1979) foi um oficial de Marinha que no desenrolar da 2ª Guerra Mundial (1939-1945) dirigiu as operações de busca e salvamento de 110 náufragos do paquete britânico “Ávila Star”, torpedeado pelas forças navais alemãs, e no salvamento de 118 náufragos dos navios norte-americanos “Julia Ward Howe” e “City of Flint”.
Foi o professor Marcelo Caetano, então Ministro das Colónias, quem lançou Sarmento Rodrigues na vida político-administrativa ultramarina. Sarmento esxcrevia com regularidade na “Revista Militar” sobre estratégias da administração ultramarina e frequentou com notoriedade os primeiros anos do Curso de Administração da Escola Superior Colonial. Adriano Moreira colocou-o a trabalhar com ele, tendo-lhe encomendado a realização do estudo intitulado “O problema prisional do Ultramar”. Este trabalho de investigação veio a receber o Prémio Abílio Lopes do Rego, em 1953, pela Academia das Ciências de Lisboa.

Gov. Marques Esparteiro (atrás) e S. Rodrigues
Sarmento Rodrigues foi também uma das figuras públicas que mais impulsionou, durante o Estado Novo, a celebração das Descobertas marítimas portuguesas do século XV ao apoiar os investigadores Avelino Teixeira da Mota, Armando Cortesão, Charles Boxer e outros.
Foi Director da Escola Naval de Guerra, da Comissão Ultramarina das Comemorações do V Centenário da Morte do Infante D. Henrique, e responsável pela edificação do monumento do Padrão dos Descobrimentos; foi Governador da Guiné de 1945 a 1949; Ministro das Colónias/Ultramar de 1950 a 1955 e Governador-geral de Moçambique de 1961 a 1964.

As suas posições política liberais dentro do regime dirigido por Salazar e os seus contactos com muitos oposicionistas da ditadura fizeram com que fosse atentamente vigiado. Pertencia à Loja Renascença da Maçonaria Portuguesa em 1923, conjuntamente com José Gomes Ferreira, embora durante a vigência deste regime político tenha permanecido formalmente afastado da loja. Morreu em 1979.
A romagem `a Gruta de Camões e a inauguração da Piscina Municipal pela mulher de Sarmento Rodrigues, a 19 de Junho, foram dois dos pontos altos da visita. A imagem acima foi publicada num artigo da revista National Geographic.
The inauguration ceremony of the municipal swimming pool, which was officiated by Madam Margarida Guerra Junqueiro Saramento Rodrigues, spouse of the Minister of Overseas Territories of Portugal, was held in the morning of 19 June 1952.


Sem comentários:

Publicar um comentário