quinta-feira, 14 de janeiro de 2021

Refugees Fleeing Red China...

Em Maio de 1960 Leonel Borralho, jornalista (fundador da Gazeta Macaense em 1963 e correspondente da agência de notícias UPI) relata testemunhos de refugiados da China continental em Macau (fugindo à revolução cultural). A notícia seria depois reproduzida em vários jornais um por todo o mundo. 
Famine, Overwork 
Refugees Fleeing Red China Tell of Slash-Population Design
Editor's note: Since May 1 about 300 Chinese have fled to Macao from Red China. United Press International Correspondent, Leonel Borralho interviewed some of these refugees. Here he reports on what some refugees have to say on the situation in Red China.
By Leonel Borralho
Macao (UPI) Each refugee had a slightly different story to tell, but they all reiterated the same belief that Mao Tse-Tung plans to reduce Red China’s overwhelming population partly through starvation and overwork. The disastrous food situation was evident on the face of each as he spoke of terrible developments on the China mainland. Lai Fok, a dehydrated-looking man of about 40, said, "death occurred every day in the Tou Mung commune. People died because they had no food to eat and when they were forced to work, they just collapsed and died in the fields, factories, everywhere.” 
Chang Sam* a 34-year-old farmer from Sun Wui in Kwantung province, said, "people in and around Sun Wui are so hungry that they ate grass and anything in sight which they thought edible." Lao Sau, 37, a fisherman who fled by boat to Macao from his native Chungshang county, said, "with each daybreak fishermen and farmers alike hope for an opportunity to escape to Macao or Hong Kong and we all have at one time or another attempted to do so though not many ate successful. We are quite reckless because we believe we are already sentenced to death by starvation and overwork. One way or another we are doomed to die, so we escape."
A youth, possibly still a teenager but looking like an old man laughed loudly when told communist Chinese authorities have offered 100.000 sacks of rice to aid victims of Hong Kong's recent floods. "It is funny to hear the Communists are giving rice away. If anyone needs rice it is us in the mainland. I do not know what's becoming of this world. I honestly do not know." 
*The youth's name is being withheld because he still has relatives in Red China.

Tradução:
Fome, Excesso de Trabalho 
Refugiados que fogem da China Vermelha falam sobre objectivo de reduzir a população 
Nota do editor: Desde 1 de Maio, cerca de 300 chineses fugiram da China Vermelha para Macau. O correspondente internacional da United Press, Leonel Borralho, entrevistou alguns destes refugiados, onde relata o que alguns têm a dizer sobre a situação na China Vermelha. Por Leonel Borralho Macau (UPI) 
Cada refugiado tinha uma história ligeiramente diferente para contar, mas todos reiteraram a mesma convicção de que Mao Tse-Tung planeia reduzir a esmagadora maioria da população da China Vermelha em parte devido à fome e ao excesso de trabalho. A desastrosa situação alimentar era evidente no rosto de cada um. Enquanto falava dos terríveis acontecimentos na China continental, Lai Fok, um homem de aparência desidratada de cerca de 40 anos, disse: "A morte ocorria todos os dias na comuna de Tou Mung. Pessoas morriam porque não tinham comida e quando foram forçados a trabalhar, eles simplesmente desabaram e morreram nos campos, fábricas, em todos os lugares. Chang Sam*, um agricultor de 34 anos de Sun Wui, na província de Kwantung, disse: “As pessoas dentro e ao redor de Sun Wui estão com tanta fome que comeram erva e qualquer coisa que considerassem comestível”. Lao Sau, 37, um pescador que fugiu de barco do seu condado nativo de Chungshang para Macau, disse, "a cada amanhecer, pescadores e agricultores têm esperança de uma oportunidade de escapar para Macau ou Hong Kong e todos nós tentamos uma vez ou outra fazer isso, embora muitos não tenham tido sucesso. Somos muito imprudentes porque acreditamos que já fomos sentenciados à morte por fome e excesso de trabalho. De uma forma ou de outra, estamos condenados a morrer, então escapamos." 
Um jovem, possivelmente ainda um adolescente, mas parecendo um velho, riu alto quando lhe disse que autoridades comunistas chinesas ofereceram 100.000 sacos de arroz para ajudar as vítimas das recentes inundações de Hong Kong. "É engraçado ouvir que os comunistas estão dando arroz de graça. Se alguém precisa de arroz somos nós no continente. Não sei o que está acontecendo com este mundo. Sinceramente, não sei." 
O nome do jovem não foi divulgado porque ele ainda tem familiares na China Vermelha.

Sem comentários:

Publicar um comentário