quarta-feira, 28 de setembro de 2016

As esculturas de Wong Ka Long

No Jardim do Carmo, na Taipa, existe desde 1999, uma estátua feita em bronze de Luís de Camões. O seu autor foi Wong Ka Long, na altura com 22 anos. 
Estava a concluir a licenciatura em Artes em Cantão quando foi desafiado por um professor a fazer uma escultura que fosse um retrato do que é a sua terra natal (Macau). Wong acabaria por escolher a figura de Luís de Camões.

Seis meses depois, Camões ganhou nova vida nas mãos de Wong Ka Long que se inspirou numa versão chinesa de ‘Os Lusíadas’ e numa nota de 50 patacas com a figura de Camões para encontrar a silhueta do poeta que surge de olhos fechados e a gesticular. 
Mais tarde, Wong recebeu uma proposta do governo para que a sua estátua decorasse uma parte do Jardim do Carmo, na Taipa, junto à igreja dedicada a Nossa Senhora do Carmo.



 
Natural de Macau e com 22 anos de idade, Wong Ka Long, disse ter concebido a estátua como “tributo aos tempos de infância quando ia passear para o Jardim de Camões”. A obra em bronze tem 2,1 metros de altura e representa o poeta, guerreiro em corpo inteiro sem a habitual venda num dos olhos e com a pena em riste: “Numa mão sempre a espada e noutra a pena” como refere uma passagem de “Os Lusíadas” que ficou reproduzida na base da estátua. Na cerimónia da inauguração, presidida pelo Governador Rocha Vieira, três crianças leram em Português, e um declamador local recitou em Cantonense, versos de “Os Lusíadas”.
Wong Ka Long numa foto de Chang Seng Pong
Excerto de uma entrevista ao projecto C2: "A escultura de Camões foi a minha peça de fim de curso, em 1999. Nessa altura, eu tinha em mãos apenas uma nota de 50 patacas com a imagem de Camões. E pensei, “devo tornar Camões numa figura militar ou num poeta”? O meu professor disse-me que Camões era uma figura literária e é claro que tinha de o esculpir dessa forma. Por isso, a minha escultura revela Camões vestido descontraidamente com algo semelhante a roupa de dormir e que, a meio da noite, está só e pensativo. Gosto da sensação de ser livre, de não ter restrições, e foi isso que tentei projectar em Camões, o poeta."

Outra das esculturas da autoria de Wong Ka Long que está exposta em Macau é uma estátua de bronze de Matteo Ricci, em tamanho real, colocada junto às ruínas do antigo Colégio de São Paulo, a primeira universidade de tipo ocidental no Oriente, fundada no século XVI. 

Em declarações ao JTM em 2010 o autor explicou que a estátua de Matteo Ricci:
"nasceu no estúdio na galeria Art Base 1, junto ao Mercado Vermelho, em fibra de vidro, onde se encontra, aliás, o modelo original que resultou nas três esculturas que concebeu. Segundo contou, além da que vai para as Ruínas, uma outra ficará em Macau, sendo que a terceira segue para a “Fu Jen Catholic University” de Taiwan."
Junto ao colégio D. Bosco (Jardim da Montanha Russa), está uma estátua com a imagem de D. Bosco com uma criança. A escultura já antiga (inaugurada em 1989 no centenário do nascimento) apresentava-se degradada e Wong Ka Long foi chamado a criar outra à semelhança daquela. Em cima as duas versões da estátua de S. João Bosco.

Sem comentários:

Publicar um comentário