sábado, 30 de março de 2019

Menu do Hotel Boa Vista há 120 anos...

Sopa de tomate, salmão e galinha à francesa são algumas das sugestões do menu para o jantar de 26 de Março de 1899 no hotel Boa Vista inaugurado a 1 de Julho de 1890.
Um dos primeiros hóspedes do hotel foi Arnold Henry Savage Landor, um conhecido pintor, explorador, escritor e antropólogo inglês. Mas essa história terá de ficar para outro post...

Na época o hotel era bastante recente e o mais cotado entre a oferta disponível, proporcionando uma vista magnífica sobre a baía da Praia Grande. Num relato da altura pode ler-se: "Numa encosta artística com um fundo pitoresco e um ambiente encantador, fica o Boa Vista Hotel, um edifício imponente que recebe o viajante enquanto sua embarcação contorna a curva oeste antes de entrar no porto interior. Bastante moderno, os móveis e decoração são insuperáveis ​​na colónia. (...). A mais estrita supervisão quanto à comida, limpeza e higiene é exercida, e todos os visitantes falam em termos entusiásticos da conduta geral do estabelecimento e do conforto e conveniências proporcionados".
Anúncio do final do século XIX
Localizado na encosta na encosta da Penha, logo por cima da fortaleza do Bom Parto, no nº 1 da Rua do Tanque do Mainato, o edifício foi construído ca. 1870 como residência da família Remédios sendo registado em 1890 como hotel (20 quartos), propriedade do capitão britânico William Edward Clarke (e da mulher, Catherine Hannack Clarke) que na época era comandante de um dos navios a vapor que fazia a ligação marítima entre Hong Kong e Macau.
 Entre 1891 e 1894* a gerência do hotel era da responsabilidade de L. M. Remédios e da  mulher, Maria Bernardina dos Remédios. A 11 de Novembro de 1899, Clarke e a mulher hipotecaram o hotel por $15 000,00 à empresa onde trabalhava, a “Hong Kong, Canton and Macau Steamboat Company".
Perante a hipótese do governo francês adquirir o edifício para ali instalar algumas das tropas que estavam estacionadas na Indochina, o governo de Macau acabou por expropriar o edifício e vendeu-o à Santa Casa da Misericórdia por 80 mil patacas que passou a explorar a unidade hoteleira.
No anúncio do final do século 19 informam-se os clientes da excelente localização do hotel com acesso directo à praia do Bispo e junto a uma pequena leitaria, no caso a Leitaria Macaense". Para completar um pouco da história deste edifício até à primeira metade do século XX, importa dizer que a partir de 1917 passou a albergar o Liceu de Macau (contrato entre o Governo e a Santa Casa) e a partir de 1923 o governo comprou-o à Santa Casa passando a ser de novo um hotel.
*neste anúncio de 1894 Maria B. dos Remédio intitula-se como proprietária do hotel, uma informação que contraria a história conhecida até hoje.

2 comentários:

  1. Bom dia!
    Ótima e saudosa essa postagem!
    Falando em hotel, esses dias descobri o quão antigo é o Hotel Ásia Oriental, ou East Asia Hotel em inglês, inaugurado em meados de 1935, época ainda sob jurisdição portuguesa. Achei peculiar pois quase não se falava sobre ele em brochuras e guias turísticos antigos. Há alguma razão dele ser tão "esquecido"? Ou ele não era um hotel padrão estrangeiro e mundial como o Hotel Lisboa e Hotel Estoril? Gostaria de ver retratos antigos dele...

    Desde já agradeço pela resposta!
    Saudações

    ResponderEliminar
  2. Olá Henrique, de facto praticamente só os hotéis ditos 'ocidentais' surgiam referidos nas brochuras turísticas. Vou procurar fotos.Se encontrar, farei um novo post sobre o tema. Cumps JB

    ResponderEliminar