sexta-feira, 18 de janeiro de 2019

Os 'vários' "Echo Macaense"



Porventura inspirado no facto de o Boletim do Governo ter passado a ser bilingue em 1838 - pelo menos em parte mas sempre prevalecendo como válida a versão em português -, em 1893 surge em Macau o jornal "Echo Macaense: Semanário Luso-Chinez", também em português e mandarim, o primeiro no género.
Durou até 1899 e ao longo da sua existência teve vários subtítulos: 'nasceu' como "Semanário Luso-Chinês (25.07.1893); depois passou a ser "Jornal político, literário e noticioso" (18.07.1894) e ainda foi "Jornal político, noticioso e literário" (26.04.1896).
O primeiro número  deste semanário é de 18 Julho de 1893 e o último (nº 235) foi impresso a 17 Setembro de 1899... há 120 anos.


Fundado por Francisco Hermenegildo Fernandes, proprietário de uma das mais importantes tipografias de Macau, a N. T. Fernandes e Filhos, o Echo Macaense teve no corpo redactorial nomes como Pedro Nolasco da Silva e Constâncio José da Silva e ainda teve a colaboração do então médico em Macau Sun Yat Sen (amigo de Hermenegildo), que viria a ser presidente da república chinesa em 1911.

Área de superfície

Já em outros posts me referi à evolução da área de superfície da península de Macau e ilhas da Taipa e Coloane. Neste post fica o registo de forma mais sistemática e uma fotografia tirada do alto de Coloane, vendo-se o istmo que liga esta ilha à Taipa e ao fundo, Macau. Em menos de 100 anos a área de superfície de Macau mais do que triplicou...
Actualmente (2017), a área de superfície de Macau e ilhas é de 30,8 Km2: 9.3 península, 7.9 Taipa, 7.6 Coloane, 6.0 Cotai.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

Chapel in the Great Temple of Macao

O livro "China: in a series of views, displaying the scenery, architecture, and social habits, of that ancient empire" é da autoria de George Newenham Wright (1790-1877) com ilustrações de Thomas Allom (1804-1872). A edição é de 1843 (Londres) e no volume 1 explica-se que os desenhos são feitos a partir de originais por Thomas Allom, sendo o texto da autoria do reverendo Rev. G. N. Wright. Neste caso a imagem original do Templo de A-Ma é de Auguste Borget.

Withdraw thee from yon pagan throng awhile;
The temple's din and bustle, both forsake;
And, where repose in each fair form doth smile, 
From the gaunt brotherhood thy lesson take:
He errs, the page of life, recluse, who cons,
In monkish zeal Franciscan, Dervise, Bonze.
C. J. C. 

Many resemblances between the monastic habits of the Roman Catholic Church and worship, and those of the priests of Buddha, have been observed. The missionaries themselves acknowledged the fact; and some of them, notwithstanding their unquestionable learning and philosophy, have exhibited an unbecoming weakness in speaking, or rather writing, on this coincidence. The arrangements of the temple of Macao may probably present a still closer resemblance to the modes of Christian conven- tual life, than those of temples in the interior, from the accidental circumstance of the presence of Roman Catholic churches in this particular place : but, wholly independent of any such adventitious aid in the argument, the analogy in costume, mode of life, form of worship, and other essential considerations, is so very striking, that no European can witness the ceremonies in a Buddhist temple, without being forcibly reminded of it. Here, at Macao, is an extensive collegiate or monastic establishment, the residence of bonzes, who observe celibacy, dress in the simple vesture depicted in our view, and live principally upon the bounty of the benevolent.
The walls of their apartments are not as plain and unpretending as their garments: richly ornamented with carved-work, interspersed with basreliefs, and occasionally decorated with paintings, their homes present an appearance of wealth and elegance; and, if public report were not too often identical with public calumny, it might be added, that the luxuries and pleasures of life are not excluded from the bonze's board. Entering by the chief porch, which is decorated in a style of grace, delicacy, and perfection, equal to that of the central building; animals of monstrous conception, but cleverly executed, are placed on pedestals at either side. Escaping from this contemptible specimen of art, the principal apartment of the temple is reached, where all those horrible mummeries that belong to the theory of Buddhism are performed. The high altar of idolatry stands precisely opposite to the great circular window, represented in the view of the Facade; and, when the rays of the sun flow in upon the hideous idols of the scene, their disgusting shapes, their imperfect structure, and their senseless nature, are so ridiculously displayed, that it is difficult to say whether their votaries are more entitled to pity or contempt. Besides the multitude of idols, as varied in size and material as in form and attitude, the articles that surround the spectator are infinite; and few who come here to pray can find leisure for the purpose, attention being diverted by the objects that present themselves at every point of space in this cabinet of curiosities.
The walls are decorated like those of our military armories, with halberds, swords, matchlocks, drums, tom-toms, and other ensigns of power, or conquest, or submission; lanterns of different patterns, and sizes, and colours, are suspended from the roof, besides festoons or garlands of many-coloured ribands, united by metal clasps. Bonzes are continually in attendance upon the worshippers; and one of their duties, a duty however in which they have a direct pecuniary interest, is that of selling little slips of red paper, inscribed with moral maxims, or forms of prayer, or the objects of some petition which the votary desires to present to his tutelar god. This traffic is constant and profitable, and yields a handsome revenue to the college.
On the high altar, tapers of sandal-wood are always burning; to these the supplicant approaches, lights his red paper, then laying it, at the feet of his favourite idol, accompanies its combustion with suitable entreaties for assistance or protection. A door, generally standing open, and around which a number of idle bonzes are collected, discloses a long corridor leading to the banqueting hall and cells; strangers, however, are but jealously admitted even to peep within these precincts. At the opposite side of the temple from that by which the visiter enters, a staircase leads down to a second esplanade, more limited in extent, but equally pleasing in all its accompaniments. In the semicircular area before the chief facade, a broad paved terrace, close to the margin of the waves, is enclosed by a stone parapet, profusely- sculptured, and on which are graven moral maxims and sentences, extracted from the Book of Fate, or other foolish fictions. Amidst the rocks that rise abruptly, and with a peculiarly picturesque effect, above the water, a small chapel is intruded, containing an image of Buddha, over which a large paper lantern is suspended. Beside this tiny temple, is a second building, with a porcelain roof, something of an Italian cornice and decoration, but having a spacious circular opening in front, that occupies the principal part of the whole elevation.
On a rock immediately opposite the window, stands a pedestal, with a recipient vessel, for the offerings of the humane and zealous amongst the visiters. Whether the expectation associated with the little hexagonal pedestal may extend its influence to any portion of the faithful, it is difficult to decide ; but certainly the number that visit this secluded and romantic part of the temple is considerably smaller than is constantly to he seen in the principal cella of the building. This fact is the more remarkable, because the scenery around the little chapel is highly picturesque, and of that mixed and contrasted character that pleases particularly in China. The terrace has been gained from the sea, the site of the temple from the ledge of rock, and the intermixture of the beauties of nature with the works of art is as close and complete as a Chinese artist could desire. Yet hour succeeds to hour, in this sequestered spot, and neither the tread of a footstep, nor the sound of a voice, falls on the ear of the miserable bonze, who sits within view of the place of tribute, and presents a taper to the devotee to light his dedicatory red paper at, which he comes to offer in the adjoining chapel.

quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

Mapa "Asie - Partie de la Chine": 1827

Publicado por Philippe Vandermaelen (1795-1869) em 1827 em Bruxelas. Este "Partie de La Chine" faz parte do "Atlas Universelle", o primeiro atlas a ser produzido em escala uniforme num total de 6 volumes. Este faz parte do segundo volume dedicado à Ásia.
Título original:
Atlas universel de géographie physique, politique, statistique et minéralogique, sur léchelle de 1/1641836 ou d’une ligne par 1900 toises.
Dressé par Ph. Vandermaelen. Lithographié par H. Ode. Brussels, 1827. 6 Volums: .Europe 2.Asie 3.Afrique 4.Amérique Septentrionale 5.Amérique Méridionale 6. Océanique.
Philippe Vandermaelen's "Atlas Universelle" was the first world atlas to be produced at a uniform scale, one of the earliest produced by lithography and showed all areas of the world, by 182,7 in 6 volums. 

terça-feira, 15 de janeiro de 2019

Arborização no século XIX

Segundo António Estácio, "De entre os botânicos ligados a Ordens Religiosas, merece destaque o Padre Jesuíta João de Loureiro (1710-91) que, vindo de Goa, aqui permaneceu durante quatro anos (1738-42), antes de seguir para a Cochinchina onde viveu trinta e seis anos e em que recolheu dados que lhe permitiram redigir a "Flora Cochinchinense", editada em Lisboa no ano de 1790. De entre as várias espécies da Flora de Macau que classificou, podemos mencionar, a título meramente exemplificativo, o Longane (Euphoria longan (Lour.) Steud.); o Vompi (Clausena lansium (Lour.) Skeels); a Tangerineira Anã (Fortunella marginata (Lour.) Swingle); a Árvore da Pata de Pato (Schefflera octophylla (Lour.) Harms); o Falso Castanheiro (Aleurites montana (Lour.) Wils.); etc., assim como o Alfenheiro da China (Ligustrum sinense Lour.) e a Laranja-Mandarim (Citrus nobilis Lour)"

Com o governador Coelho do Amaral (1863-66) dá-se a construção do Jardim de S. Francisco, o primeiro jardim público do território.
José Gomes da Silva, no Relatório anual relativo a 1870 realça a necessidade de árvores "não só na cidade, mas também nas encostas e cumes de alguns montes".
Entre 1877-79, com o governador Carlos Eugénio Corrêa da Silva, viriam a ser plantadas na cidade duas centenas de árvores.
Entre 1883 e 1887 foram mandadas plantar pelo Governador Tomás da Rosa 60.000 árvores em Macau. A tarefa esteve a cargo do agrónomo Tancredo Caldeira do Casal Ribeiro. Entre 1887 e 1893 foram plantadas na cidade cerca de 16.000 árvores. Ao todo, temos o equivalente a quase uma árvore por cada habitante de Macau na época. Vejamos alguns dados sobre o tema incluídos em relatórios da época publicados no Boletim do Governo...

Vista ca. 1880
1885 - “Uma cordilheira se estende e limita parte da cidade do lado L. [...] As encostas d’estes montes com uma enfezada vegetação n'uns pontos, escalvados n'outros, mostrando em vários sítios a natureza granítica do seu solo, apresentavam um aspecto desolador e triste ainda ha pouco, aspecto que actualmente vão já perdendo; e mais tarde serão formosissimos bosques, graças aos cuidados e interesse que sua Ex. a o Governador Roza tem tomado, em aformosear e beneficiar Macau com larga arborisação. 
(...) É limitada a peninsula ao SO por uma grande montanha, em cujo plateau assenta uma arruinada ermida -- monte da penha. A encosta da montanha que olha para a cidade é muito arborisada, produzindo encantadora vista; a que olha para o mar descae escabrosamente até à fortaleza denominada da Barra. O resto da cidade é quasi todo plano."

Augusto Pereira Tovar de Lemos - Relatório do Serviço Médico da Província de Macau e Timor, 1 de Fevereiro de 1886, in Boletim da Província de Macau e Timor.

Por esta altura uma das zonas verdes de grande dimensão no território era o Jardim Luís de Camões. O processo para aquisição do jardim foi iniciado pelo antigo Capitão do Porto de Macau, João Eduardo Scarnichia, quando deputado no Parlamento de Lisboa, em Maio de 1880, mas só em 1885 o governador Tomás de Souza Roza telegrafou ao Ministro da Marinha e Ultramar, Manuel Pinheiro Chagas e, depois de autorizado, comprou a propriedade à família Marques.


1885 - "A utilidade que resulta da arborisação, o elevadíssimo papel que ella assume na hygiene publica é tão conhecido e demonstrado que me abstenho de demorar, repetindo o que já é do dominio publico. Basta que diga que breve se devem sentir os beneficos efeitos da cultura emprehendida pelo Ex. mo Sr. Governador. O arvoredo que, tirado d'um viveiro da quinta da Flora cuidadosamente tratado foi transplantado para varios pontos da cidade e em especial para a cordilheira que por E circunda o grande largo denominado Flora, já hoje se apresenta viçoso e bonito. A cultura é em larga escala, e entre os cinco ou seis annos lucrarão a hygiene e o aformoseamento da cidade. Aquelles montes que pela sua nudez, pelo seu granito, e rochas em pontos a descoberto impressionavam tristemente o viajante, aqueles montes que pela sua natureza mais convidavam a trabalhos de dynamite, e mais pareciam proprios a fornecer pedra para construção de casas, do que para alimentar em seu seio um vegetal qualquer, converter-se-ão em formosos cerrados bosques. O estrangeiro que visitar Macau receberá as mais gratas impressões. 
Segundo se vê no relatorio feito pelo agronomo o Ex. mo Sr. Tancredo do Casal Ribeiro, plantaram-se por duas vezes em julho de 1883 e março de 1884 as seguintes especies. 
Pinus sinensis..................... 20,000 pés
Cupressus japonica.............. De cada uma 300 pés
Aleurites triloba..................
Ailanthus glandulosa..........
Poinciana pulcherrima........
Laurus camphora................
Ficus elastica......................
Erytrina...............................
Morus alba..........................3,000 pés
Já depois d'isso mais alguns milhares se tem posto, e actualmente em grande actividade se continua no mesmo trabalho."

Augusto Pereira Tovar de Lemos - Relatório do Serviço Médico da Província de Macau e Timor, 1 de Fevereiro de 1886, in Boletim da Província de Macau e Timor.
Monte da Guia em 1895
1885 - "Mostrar aqui quaes as muitas vantagens da arborisação, indicar quanto lucrará a cidade de Macau, quando as suas montanhas aridas e escalvadas ha pouco, se apresentarem cobertas com um luxuriante tapete de verdura, patentear os beneficos resultados, que a hygiene, a salubridade e o aformoseamento da cidade alcançarão, quando a arborisação, assás e devidamente desenvolvida e espalhada, transformar esta terra calida e ardente, n'um ameno e ridente bosque de arvoredo, não é intento meu, porque são bem conhecidas estas vantagens, e em toda a parte, e por todos, é recomendada a arborização, como um dos meios mais efficazes, para conseguir o saneamento do solo e das camadas atmosphericas. (...)

E é bom de notar que, além d'estas, muitas outras, simplesmentte de adorno, foram collocadas nos differentes jardins, e muitos milhares de pinheiros, que foram dispersamente semeados por todas as montanhas de Macau, já hoje apresentam um satisfactorio estado de desenvolvimento, e em breve farão desapparecer a aridêz d'aquellas regiões graniticas.
No anno findo, a que mais especialmente me devo referir, foram plantadas em varios pontos 5344 arvores, e no viveiro da Flora, cujos canteiros foram destinados, uns á reproducção por meio de estaca, e outros ás diversas sementeiras (...)"

José Maria de Sousa Horta e Costa, Director das O. P. - Relatório da Direcção das Obras Públicas da Província de Macau e Timor, 1 de Julho de 1886, in Boletim da Província de Macau e Timor, de 14 de Setembro de 1886

1886 - "Relativamente á arborisação continuou este serviço em grande escala. Plantaram-se, como se vê no mappa junto, 6/813 arvores, isto é mais 1469 do que no anno anterior, e no viveiro da Flora cujos canteiros são destinados uns á reproducção por estaca outros a sementeiras existem actualmente para serem plantadas no futuro as seguintes arvores (...)"
José Maria de Sousa Horta e Costa, Director das O. P. -  Relatório Sobre Obras Públicas, in Boletim da Província de Macau e Timor, 3 de Novembro de 1887.
Mapa relativo a 1886
1887 - O grande promotor das zonas verdes em Macau foi o governador Tomás de Sousa Rosa (1883-1886). 
Adolpho Loureiro no livro No Oriente De Nápoles à China, refere-se assim ao caso numa visita ocorrida em 1883 aos viveiros da Flora: 
"Aqui estivemos examinando os viveiros e as sementeiras florestais, para as quais o meu bom amigo Rosa teve muitas vezes de empunhar a enxada para ensinar os chins como qualquer saloio dos arredores de Lisboa sabe fazer os alfobres, os machos e as regadeiras. A arborização daquelas encostas vai auspiciosa, e grande serviço presta o Governador ocupando-se de tão grande melhoramento. Como aqueles sítios serão bonitos, quando os terrenos esbranquiçados, cortados de sulcos abertos pelas águas das chuvas, áridos e secos, estiverem vestidos de verdura!..." 
O Conde de Arnoso, que foi com Tomás da Rosa para Macau em 1887, refere-se assim ao tema no livro Jornadas pelo Mundo: 
"A península de Macau, cercada de ilhas, pequena como é, com a sua várzea fertilíssima e as suas seis colinas dum relevo gracioso -- Guia, Penha de França, Mong-Ha, D. Maria e Gruta de Camões é tudo quanto se possa imaginar de mais pitoresco. Quando daqui a alguns anos as sessenta mil árvores, criadas e mandadas plantar por Tomás Rosa, e que parecem vingadas, cobrirem com a sua sombra aquelas encostas, Macau será um verdadeiro paraíso e concorridíssima estação de Verão do Extremo Oriente. Já agora os habitantes de Hong-Kong procuram, no clima natural de Macau, um refúgio aos excessivos calores desta quadra. É com verdadeiro prazer que um português se encontra em Macau mesmo depois de ter visitado Aden, Colombo, Singapura, Saigão e Hong-Kong, onde os ingleses e franceses, a peso de ouro, têm criado estabelecimentos de primeira ordem. Nada nos envergonha".
Mapa relativo a 1887
1888 - "Tem progredido o serviço d'arborisação geral como se pode inferir do mappa n. ° 3 onde tambem está mencionada a sua importancia. A ausencia de tufões durante estes ultimos annos deu logar a que as arvores dispostas n'uma orientação adequada e beneficiadas pela natureza do terreno se tenham desenvolvido, concorrendo poderosamente para o aformoseamento e para a hygiene da cidade. (...)" Amancio de Álpoim de Cerqueira Borges Cabral - Director das O. P - Relatório Sobre as Obras Públicas relativo ao ano económico de 1888 a 1889, 1 de Julho de 1889,  in B. P. M. T., de 3 de Dezembro de 1889.
Mapa de 1889
Podemos verificar a consciência ecológica no final do século XIX nas normas introduzidas no Código das Posturas Municipais relativas aos jardins públicos:
Art. ° 72. ° É prohibido cortar, ou arrancar flores, ou outras quaesquer plantas dos jardins publicos, sob pena de $1 de multa.
Art. ° 73. ° É prohibida a entrada nos jardins publicos a maltrapilhos, mendigos, ou pessoas trajadas indecentemente, embriagados, ou que por qualquer circumstancia offendam a moral publica, sob pena de $2 de multa.

 Avenida Vasco da Gama (e Coreto) ca. 1898
Em 1898, por ocasião da Comemoração dos Quatrocentos Anos do Descobrimento do Caminho Marítimo para a Índia, foi inaugurada a Avenida/Alameda Vasco da Gama. Tinha 65 metros de largura e 500 metros de comprimento, ocupando uma área de, aproximadamente três hectares, incluindo um vasto jardim.

segunda-feira, 14 de janeiro de 2019

Qi sheng yan hai tu - Mapa costeiro das 7 províncias

Foi feito entre 1787 e 1806 este Qi sheng yan hai tu - 七省沿海图 - cuja tradução é  Mapa costeiro das 7 províncias.
Trata-se de um mapa feito em rolo e onde são assinaladas 7 províncias costeiras da China, incluindo Guanggong/Cantão, onde se inclui Macau (que assinalei com um círculo). Em baio a imagem é do zoom/detalhe de Macau.
This a scroll map of the China coast unrolled to show the mouth of the Pearl (Zhu) River and the Macau peninsula. It was made betwen 1787 and 1806. The translation of the Chinese name is: Coastal map of seven provinces.
Translation of a text from the map:
"The coastal region of Xing Hui and Hu Men in Canton Province consists of an important strategic point which should be given sufficient defense attention. This region is heavily infested with inner river bandits and sea pirates who can sail in and out freely. It also shares a border with Macao, where foreign boats and ships visit frequently. Those foreign vessels are always to be guarded against."
The map is similar, in content and format, to the six maps in Chen Luntong’s Hai quo wen jian lu (Eyewitness accounts of the coastal regions)*, made in 1730.
The oldest permanent European settlement in Asia, Macau was established in 1557 by the Portuguese, who at that time dominated European trade with Asia.

Num do textos incluídos no mapa pode ler-se:
"A região costeira de Xing Hui e Hu Men na Província de Cantão é um importante ponto estratégico que se deve ter em atenção  em termos de defesa. Essa região está fortemente infestada de bandidos e piratas do mar que podem navegar livremente; partilha fronteira com Macau, onde passam com frequência barcos e navios estrangeiros. Deve-se sempre proteger dessas embarcações estrangeiras”.
O mapa é similar, em conteúdo e formato, aos seis mapas incluídos na obra Hai quo wen jian lu, de Chen Luntong (relatos de testemunhas oculares das regiões costeiras)*, feitos em 1730. O mais antigo assentamento europeu permanente na Ásia, Macau, foi estabelecido em 1557 pelos portugueses que na época dominavam o comércio europeu com a Ásia.
*Título original/Original title: Hai guo wen jian lu/Chen Lunjiong zhu; Ma Junliang chong ding. Chen, Lunjiong, fl. 1703-1730.

domingo, 13 de janeiro de 2019

Sketches in Macao: 1832 e 1838




A 29 de Setembro de 1825 chegava a Macau o pintor inglês George Chinnery (auto-retrato ao lado) oriundo de Calcutá.
Ficou-se pelas costas do sul da China desde então e até à data da sua morte em 1852. Viveu a maior parte do tempo em Macau. Até meados dos anos trinta efectuou visitas periódicas a Cantão; visitou igualmente Whampoa, Lintin (em 1837) e Hong Kong (em 1846), mas Macau tornou-se na sua terra até à morte, jazendo hoje no cemitério Protestante de Macau.
No seu diário a 7 de Maio de 1833 Harriet Low escreveu: "Levanta-se às cinco horas, sai para a rua e faz esboços e merece com toda a justiça o pequeno-almoço". E acrescentou "divertido" e "fascinantemente feio".
Em Macau Chinnery ficou fascinado com a cidade e a arquitectura: igrejas, templos e a baía da Praia Grande. Teve muitos seguidores e imitadores - Thomas Watson (1815-1860), William Prinsep (1794-1874) e Marciano Baptista (1826-1896) - enriquecendo ainda mais o seu legado. Viveu primeiro na Rua do Hospital e depois no nº 8 da Rua Ignacio Baptista - junto à igreja de s. Lourenço - onde também tinha o estúdio.
Chinnery morreu a 30 de Maio de 1852 sem deixar testamento. As suas obras e bens foram vendidos em hasta pública.
Em 1974, no bicentenário do nascimento de Chinnery, uma placa foi inaugurada no memorial do cemitério pelo governador de Macau, o general José Nobre de Carvalho. A placa incluiu a inscrição: “Pela vida daquele que, viajando longe da terra de seus pais, encontrou nesta cidade um refúgio das aflições e preocupações mundanas de seus primeiros anos". Uma edição especial de selos também foi publicada. E a Travessa do Hospital dos Gatos tornou-se a Rua de George Chinnery.
Extremamente meticuloso na sua arte, Chinnery deixou registos em forma de cartas. Mas isso fica para um próximo post...
Sobre o título deste post aqui fica a justificação: Chinnery faxzia primeiro esboços (sketches) e só depois 'partia' para o trabalho final. Felizmente para todos nós ele não deitava fora os esboços e por isso hoje podemos apreciar cerca de uma centena de obras dele feitas em Macau.
On the 29th of September 1825 the English artist George Chinnery (self portrait up side) landed at Macao from Calcutta.
From 1825 until his death in 1852 he remained on the South China coast. For most of this time he lived in Macao. Until the mid 1830s he made periodic visits to Guangzhou; he also visited Whampoa, Lintin (in 1837) and Hong Kong (in 1846), but Macao became his home until his death, and he lies buried in Macao's Protestant cemetery.
"He gets up at 5 o'clock and goes out and makes sketches and earns his breakfast certainly [...]" wrote Harriet Low in her diary on 7th May 1833. She also added “amusing” and “fascinatingly ugly”.
He lived first at Rua do Hospital and after at 8 Rua Ignacio Baptista - near St. Lawrence church, where he also had his studio. Chinnery was delighted by Macao's scenery and architecture: churches, temples and the seafront. He had many pupils and imitators - Thomas Watson (1815-1860), William Prinsep (1794-1874), and Marciano Baptista (1826-1896) - and his influence endured long after his death.
Chinnery died of a stroke at his home on 30 May 1852. He did not leave a will, and nobody claimed his belongings, which included cases full of paintings and sketches, which were sold by judicial order. In late July that year, a grand auction of the contents of his studio was held in Macau, attended by the cream of Hong Kong society.
In 1974, on the bicentennial anniversary of Chinnery’s birth, a plaque was unveiled at the memorial by the Governor of Macau, General Jose Nobre De Carvalho. The plaque bears a dedication: “For the life of one who, journeying far from the land of his fathers, found in this city a haven of refuge from the besetting tribulations and worldly cares of his earlier years.  A special stamps editon was also published. And Travessa do Hospital dos Gatos became Rua de George Chinnery.
Chinnery's letters will be a theme for a next post...
About the title of this post: Chinnery first draw sketches and only after that the final work. Luckily for all of us he did not throw away the sketches and so today we can appreciate about a hundred works of him made in Macau.



There are at least 2 editions of "Sketches in Macao" (1832) and (1838):
Existem pelos menos dois álbuns de "Sketches in Macao" (1832) e (1838):
- The sketches in the Album belonging to Major Henry Keswick date from 1835 to 1841.  View of S. Domingo Church and Cross opposite Cathedral, Macao, and inscribed on a stone " Sketches in Macao," faintly signed " Geo. Chinnery (1774-1852) or G.C.
- The Reeves Macao Album, 1836-1837
signed with initials and inscribed on the front pastedown "I have added a few sketches in water colour which I hope you'll approve of - GC"
Approximately 200 sketches of Macao and environs comprising scenery and street scenes, sketches of Chinese figures, Tanka boats and boat people, animals, junks, sampans and other sailing craft, 69 leaves, with one loosely inserted sheet (with sketches after Chinnery), 45 pages with multiple sketches, 31 pages with single sketches, including one view of Sao Francisco Fort across two pages, the majority pencil filled in with pen and sepia ink, 5 watercolour, 5 pencil, pen and ink and sepia wash, 9 pencil, the leaves 273 x 203mm., one panoramic sketch of S. Pedro Fort and the Praya Grande extended on the left with an addition 121 x 191mm., the majority inscribed in Chinnery's (Gurney) shorthand and dated (18)37, five dated 1836.
John Russell Reeves (1804-1877), was a East India Company Assistant Inspector of Teas at Canton (appointed 1827).






 Panorâmica com perspectiva sobre o nordeste da península de Macau
 O Fortim de S. Pedro foi um dos pontos de referência predilectos de G. Chinnery registando daqui várias perspectivas sobre a baía da Praia Grande.


 Igreja S. Domingos: desenho de Chinnery e foto século 21

 Vista panorâmica sobre Macau (ao fundo) a partir dos montes de Heng Sheang

sábado, 12 de janeiro de 2019

"Macao Clings to the Bamboo Curtain"

Na edição de Abril de 1969 - há 50 anos - na revista National Geographic foi publicado um artigo de 20 páginas sobre Macau. O texto é da autoria do jornalista Jules B. Billard e as fotos de Joseph J. Scherschel que estiveram no território durante o período do ano novo chinês desse ano. O título: “Macao Clings to the Bamboo Curtain” relembra outro, de 1953, também da NG: "Macao, a hole in the bamboo curtain" (9 páginas).

O longo artigo começa assim:
“Macao Clings to the Bamboo Curtain – The West` s oldest trading post on the China coast, this overseas province of Portugal is European in outward appearance but Chinese in spirit and culture.”
"Macau agarra-se à cortina de bambu - O posto de comércio mais antigo do Ocidente na costa da China, esta província ultramarina de Portugal é europeia em aparência, mas chinesa em espírito e cultura ”.
A expressão "Cortina de Bambu" refere-se à versão asiática da Cortina de Ferro (Europa ocidental vs Europa de leste) e marca a divisão ao redor de Estados comunistas do leste da Ásia durante a Guerra Fria, especialmente da República Popular da China, mas excluindo a União Soviética.
E continua...
"The green and red flag of Portugal, faded and bit frayed at the edges, shivered on its staff a top Government House in Macao. It caught my eye as I walk along the banyan-shaded Rua da Praia Grande, where the avenue's graceful sea wall curbs Brown waters of the bay. And, in that moment, it took on a special symbolism for me. The aging colors spoke of bygone brilliance for this bit of Portugal tacked to the asian mainland. tha trembles that swept the cloth told of a breeze out of Communist China next door. Macao, so mute a thing as a flag reminds you, sways precariously with each stirring of its giant neighbor.
Yet, it exists - and has for 400 years - as an intringuing, anormal, a tiny outpost amid the power and vastness of an alien land. (...)


Entre os vários temas abordados pelos repórteres da NG destaque para o comércio do ouro que representava transacções num total de 30 milhões de dólares - Macau importava lingotes de outro que depois transformava em peças de joalharia e afins - e que rendia aos cofres do governo - pela aplicação de impostos - perto de um milhão e 500 mil dólares. A este propósito é fotografada uma macaense de nome Alda Dias numa das muitas joalharias existentes em Macau.

 

O governador Nobre de Carvalho e o secretário geral Alberto Eduardo da Silva (substituía o governador de forma interina na sua ausência) surgem numa fotografia tendo como fundo um quadro do Presidente da República de Portugal, Américo Thomaz.
Numa outra foto - tirada do Farol de Guia - mostra-se uma panorâmica sobre o território na altura com 280 mil habitantes. É ainda publicado um mapa da "Macao City" onde se referenciam as principais 'atracções' do território à distância de 75 minutos de viagem de
hydrofoil de Hong Kong.
É uma "senhorita" de nome Maria do Carmo Rego que acompanha os jornalistas pela cidade, nomeadamente às Ruínas de S. Paulo, cuja fotografia ocupa uma página inteira da revista. Outro dos locais visitado é a Porta do Cerco onde o jornalista faz questão de ir e explica que depois dos acontecimentos de Dezembro de 1966 são desaconselhadas presenças demasiado próximas do lado chinês.
A propósito dos tempos turbulentos que se seguiram à subida ao poder dos comunistas em 1949, o jornalista explica que, "como sempre, Macau tem sido como um bambu flexível que não verga nem perante o pior dos tufões". São ainda referidas as constantes manifestações anti-imperialismo nas ruas de Macau.
Henrique de Senna Fernandes, na altura o responsável máximo pelos serviços de turismo, e Luís Gonzaga Gomes, são dois dos entrevistados referidos na reportagem. Senna Fernandes afirma que o segredo de Macau é ter sido sempre o local onde o Ocidente e o Oriente se encontraram...
Os refugiados são outros dos temas abordados explicando as diversas fases da história em que Macau serviu de porto de abrigo. Em 1962, explica-se, chegaram a Macau mais de 1200 refugiados todos os meses, a maioria da China, fruto da 'revolução cultural' em curso. O alto comissário para os refugiados (ONU), William McKoy, afirma que 70 mil estão por aqueles dias em Macau.
As principais actividades económicas de Macau também são abordadas com destaque para a indústria dos panchões com exportações diárias na ordem das toneladas por dia sendo 80% destinadas ao mercado norte-americano. Os jornalista visitam uma das fábricas mais importantes, a Kwong Hing Tai, acompanhados do gerente, Chang Tac, e do administrador dos concelhos das ilhas da Taipa e Coloane, Gastão Barros.
O jogo era outro dos principais motores da economia local explicando o jornalista que para a mente de muitos orientais, "o jogo não é um vício mas antes uma paixão".
A este propósito uma das fotografias é tirada dentro do casino flutuante (com a legenda:Patrons place bets from above in a double-decker floating casino, Macao)   e outra mostra Stanley Ho (que poucos anos antes passara a deter o exclusivo da exploração do jogo em Macau) e o arquitecto Liang Tat Man fotografados com a maqueta do casino-hotel Lisboa frente à entrada do edifício na altura quase concluído (seria inaugurado em Fevereiro de 1970). Antes deste projecto houve outro.
A questão da dependência das drogas é outro dos assuntos abordados, referindo-se o centro de recuperação de toxicodependentes da ilha da Taipa, a cargo de Lages Ribeiro, da PSP.
Uma fotografia de grande dimensão encerra as duas últimas páginas da reportagem. Nela pode ver-se juncos ao porto do sol no Porto Interior. O jornalista termina o texto com uma referência a uma texto gravado na gruta de Camões que classifica o território como a pérola do oriente.
O artigo da NG seria referido na edição de Maio de 1969 do Boletim Geral do Ultramar: "Um artigo sobre Macau numa revista norte-americana" onde se destaca apenas o seguinte:



sexta-feira, 11 de janeiro de 2019

Alvarenga e outros brasileiros

Foram vários os casos de cidadãos nascidos no Brasil que foram governadores de Macau.
Lucas José de Alvarenga (1768-1831), nascido em Minas Gerais, foi um deles. Governou entre 1808 e 1810 chegando ao território no navio britânico Elphinston. Antes (1799) formara-se em direito na Universidade de Coimbra.
“Indo eu só para Macau, o primeiro que foi governar ali portugueses tão ricos e poderosos, alguns dos quais eram membros do Senado”, escreveu no diário.

O convite para governador foi de facto inusitado - Alvaranga não tinha nenhuma experiência administrativa - e partiu do então vice-rei da Índia, D. Bernardo José de Lorena, também oriundo do Brasil e que acompanhou Alvarenga na viagem rumo ao Oriente, sendo que Lorena ficou em Goa.
"Península e Porto de Macau": mapa de 1834
O contexto da época era muito difícil. Os ingleses ameaçavam constantemente conquistar Macau e os piratas na região também. Acresce que na época vivia o Ouvidor Miguel de Arriaga Brum da Silveira constantemente desavindo com o Senado. Foi de tal maneira que logo à chegada o governador seria impedido de exercer o cargo. Estas e outras vicissitudes escreveria Alvarenga anos mais tarde, já regressado ao Brasil, no livro "Memória e Observações à Memória" publicado em 1830.
Nesse livro escreve assim sobre o convite para governador feito pelo governador da Índia, Conde de Sarzedas (D. Bernardo José de Lorena, ex-governador da capitania de Minas Gerais): “apesar das aparências de talento com que elle me suppunha, eu me julgava sem a experiência necessária para o desempenho destas tão árduas comissões".E acrescenta sobre o seu mandato:
"Assentei logo firmemente de empenhar todos os meus esforços, para aproveitar-me [nesta ocasião forçada] de toda a atividade do meu espírito, e memória, dos meus estudos prévios, e desse pequeno talento que o Céu me deu, para poder assim com dignidade [e mesmo com algum esplendor] concluir honrada, e airosamente não só a Comissão em geral de arranjar e por tudo em boa ordem [o que me dava algum cuidado pela oposição, e má vontade, que eu tinha de encontrar no Senado]; como principalmente as duas dificílimas tarefas, que tinham sido a causa primária da minha nomeação para aquele Governo, onde me era portanto indispensável unir bem estreitamente as Armas às Letras".
Quanto ao Senado e o Ouvidor classifica-os como “mortais inimigos de todos os governadores”. Sobre a luta contra os piratas escreveu:
"Foram-se aumentando os insultos; as Costas batidas, e saqueadas; importantes contribuições impostas às povoações, que com medo das bárbaras mortes, que viam dar-se horrorosamente aos outros, as pagavam prontamente (...) chegaram enfim os piratas pela sua quantidade e força, a senhorearem-se dos canais de Wampu; e então em conseqüência de uma representação feita pelos chinas à cidade e das circunstâncias que ocorriam [...] expedi a ordem positiva nº. 3º em data de 7 e 11 de setembro de 1809, para serem batidos os piratas, e se desembaraçarem os canais, que tinham já ocupado (...)
Os nossos dois navios somente, Brigue e Belisário [...], fizeram tal estrago nos inimigos, que não só deixaram com efeito livres e desembaraçados os ditos canais para o comércio; mas ficou desde então arraigado nos corações dos piratas um certo terror, que (quanto a mim) o julguei sempre uma das principais causas para as sucessivas vitórias".

Este facto não é de somenos importância já que Alvarenga granjeou para si os loutros da vitória sobre os piratas embora na época ninguém o tivesse feito. Diz ele:

"tendo eu sido o Governador naquela Época, o Autor, e único, que dirigia não só todos os negócios públicos, mas muito privadamente este, em que tudo se fez debaixo das minhas ordens, e se concluiu quatro meses antes da chegada do meu Sucessor; tudo isso seria bastante, ou de sobejo para dar uma idéia do objeto, contexto , e falta de exatidão dessa Memória."
A "Memória" a que Alvarenga se refere é... o livro "Memória sobre a destruição dos piratas da China de que era chefe o célebre Cam-Pan-Sai, e o desembarque dos ingleses na cidade de Macau e sua retirada", escrito por José Ignácio de Andrade e publicado em Lisboa, em 1824, e onde Alvarenga quase não é mencionado sendo os elogios dirigidos ao Ouvidor.
Sentido-se ofendido, Alvarenga escreveria em 1828 a obra "Memória sobre a expedição do governo de Macau em 1809, e 1810 em socorro ao Império da China contra os insurgentes piratas chineses, principiada, e concluída em seis meses pelo governador, e capitão general daquela cidade, Lucas José d’Alvarenga".
Alvarenga passaria despercebido na sua acção como governador (regressaria ao Brasil em 1818) destacando-se no entanto como poeta.
Para a posteridade deixou escrito: “Memória sobre a expedição do Governo de Macao em 1809, e 1810 em socorro ao Império da China contra os insurgentes piratas chinezes, principiada, e concluída em seis mezes pelo Governador e Capitão Geral daquella cidade”, “Artigo Addicional à Memória” e “Observações à Memória”, publicados no Rio de Janeiro, em 1828, 1828 e 1830.


Na imagem a "Carta do Combate Naval da Boca do Tigre", manuscrito de ca. 1810. Ilustra o combate naval entre uma esquadra portuguesa de 6 navios, 118 bocas de fogo e 730 homens e a frota pirata de Kam Pau Sai, de cerca de 300 juncos de guerra, 1500 peças e cerca de 20.000 homens.
António de Albuquerque Coelho foi outro brasileiro que chegou a ser governador de Macau em 1718. Mas foram muitos os casos de brasileiros que seriam destacados para Macau como magistrados, missionários, professores, marinheiros, soldados, funcionários, escritores. Para já, deixo apenas alguns exemplos: Pe. Francisco de Sousa (missionário); José de Aquino Guimarães de Freitas autor de “Memória sobre Macau”, publicada pela Real Imprensa da Universidade de Coimbra em 1828; e João Baptista Vieira Godinho: autor das obras: “Memória sobre a necessidade de estabelecer em Macau um adjunto da Fazenda Real”, “Memória sobre a necessidade de se pagar na Alfândega de Macau 1 até 1 ½ por cento de direitos de saúde”, “Memória sobre a autoridade régia que em grande parte se acha aniquilada em Macau” e “Memória sobre o anfião, que sendo o comércio livre em Macau, e de contrabando na China, tem sido a causa da ruína de alguns Governadores e de muitos moradores daquela cidade por intriga destes”.

quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

Facade of the Great Temple, Macao

"China, in a series of views, displaying the scenery, architecture, and social habits, of that ancient empire"...  Drawn, from original and authentic sketches, by Thomas Allom. With historical and descriptive notices by the Rev. G. N. Wright."
A obra foi publicada em Londres em vários volumes. O primeiro volume é de 1843. Os textos são do reverendo Wright e as ilustrações de Thomas Allom que se inspirou em originais. No caso, a ilustração original é de Auguste Borget e diz respeito ao Templo da Barra ou Templo de A-Ma.


Look how, grotesquely gay, yon fane portrays 
The antic mummeries of its idol-shrine; 
With antler'd front the shrinking heaven it frays, 
And flouts with Cyclop stare its light benign: 
Sculpture and hieroglyph full aptly show
How meaningless the pompous rites of Fo. 
C. J. C.


"So slight is Portuguese tenure or title at Macao, that the Chinese maintain here, in neighbourship with this despised race of foreigners, one of the most remarkable, most venerated, and really graceful buildings in the empire, dedicated to the worship of Fo.
The architecture is more intelligible as a design, more perfect in execution, and less grotesque, than the majority of Buddhist temples; the situation on the water-side, amidst forest-trees and natural rock, is inconceivably beautiful; and the mode in which the architects have availed themselves of all these accessories to grace and harmony is highly meritorious.
The Neang-mako, or Old Temple of the Lady, is situated about half a mile from the city of Macao, in a north-west direction; and the walk thither, although obstructed by the usual inconveniences of Chinese roads, is rendered peculiarly agreeable by the prospects it commands, along its whole length, of the inner port, and of the green hills of Lapa. From its sunk, sequestered, and shaded site, the temple is not perceived until the visitor comes suddenly upon the steep rocky steps that descend to the spacious esplanade before it. 
Two tall red flag-staffs, however, in front of the temple, constitute an unerring index to those acquainted with the locality ; being conspicuous at all hours, by the three golden balls that surmount them, by the square frame-work that is attached to them, and by the imperial standard that adorns them. At the foot of the broad stairs are three great monumental stones, closely inscribed with names, titles, laudatory records, and other vain but pardonable mementos. Beyond these commemorative pillars, is the wide, open, agreeable esplanade, represented in the illustration; on one side of which is part of the facade of the building, on the other the estuary or inlet, into which the Peninsula of Macao projects. The scene in front, composed of religious votaries, venders of various commodities, jugglers, ballad singers, sailors, soldiers, mandarins, and mendicants, is common to all the sea-ports of China, and has been noticed in other pages of these volumes; but the merits of the building itself are of so peculiar and so conspicuous a character, that they call for a more detailed description. It is not to grandeur or loftiness, that the Neang-mako owes its charms, but to multitudinous details, made out with a minuteness and accuracy that cannot be exceeded. 
There is not another example, most probably, in all this wide-extended empire, in which the many grotesque features of Chinese scenery are concentrated within so small a compass; buildings, rocks, trees growing from the very stone, would appear to justify the artificial combinations that are made in their gardening, and seen in their drawings. An enclosure, resembling the holy ground that surrounds the ancient sanctuaries of Europe, is formed by means of walls connecting the rude rocks that occur in the circuit, and which arc always religiously retained by Chinese architects and decorators. A balustrade, resting on this dwarf wall, is divided into compartments, enriched by tracery, and decorated with various representations of instruments of music, implements of art, and weapons of war. A continuous design fills one of the subdivisions; it is a tale readily told. A child, seated on a quadruped of a non-descript species, is attended by venerable men, and followed by two females carrying umbrellas; while Satan, adorned with monstrous horns, is fleeing from the party in the utmost dismay. Another division is filled with a group representing the dedication of the temple, and the votive act in which it had its foundation. The design of the whole facade includes five separate structures, the central more lofty, the lateral gradually descending from it, and differing also in character and decorations. 
A rich cornice supports a highly-ornamented roof entirely of porcelain, on which rests a boat or junk, sculptured with representations of various national scenes and customs. Beneath the cornice are two oblong panels, enclosed in frames of a bright red stone, the higher containing basreliefs of grotesque figures, and extraordinary combinations; the lower filled with apophthegms, from the writings of the great founder of the sect of idolaters that come here to worship. Beneath this latter tablet, opens a large circular window, the frame of which appears to have been cut, with incalculable labour, from a single block of stone. 
Pilasters, wholly covered with inscriptions, separate the central from the two lower divisions; these are also adorned with porcelain roofs, Chinese boats, massive cornices, and indented with tablets on which admonitions and wise maxims are emblazoned. Each division is pierced by a square window of large dimensions, the carvings in which, although an extraordinary evidence of untiring labour, of unexampled perseverance, are neither beautiful nor intelligible. Probably the object of the architect who designed them, was to establish the superiority of industry, patience, and perseverance, over uncultivated genius. Whether he has succeeded in this expectation, may be reasonably doubted; but it is morally certain, that he has left a monument of his art behind, which few will possess the courage, and fewer the desire, to imitate."