sexta-feira, 20 de maio de 2022

Naufrágio da barca "Suzana" em 1836

Tuesday 9th August 1836
The barque Suzana sailed from Bombay for Macau on 13th June with 1,382 chests of (Pass) Malwa and 200 bales of cotton. She loaded some Straits produce at Singapore and arrived in sight of the Canton coast, 30 miles west of the Ladrones on 31st July where she was caught in a storm and demasted.
The crew managed to anchor off a beach and called for help from some Chinese assembled there who threw out a rope which was secured on board. By this means the crew were able to pass from ship to shore but, as the first arrived on the beach, the rescuers released the rope in order to relieve the seafarers of their valuables and the remaining crew and passengers, in transit between ship and shore, fell into the sea. Seven Chinese, one Arab, two Macanese and Sr. H A Leiria, the supercargo, were all drowned.
Several of the Chinese passengers were merchants from Singapore bringing gold and silver for their relatives and villages. They opened these treasure chests before leaving the ship and distributed the contents to all who would carry them but those who got ashore were robbed of the precious metals and their finger rings, etc.
After the thieves departed, the survivors were helped by an elderly man named Cheung Hop who provided food and clothes and procured a boat for them in which they arrived at Macau on 7th August. The survivors include Capt Encarnacao, all the ship’s officers and the remaining passengers and crew. The late Sr. Leiria was a member of the Leal Senado and a well-known member of the Macau community. He managed to reach the beach but failed to revive and was buried there. A brig has been dispatched to reward Cheung Hop and recover whatever may still be left on the beach. The loss is estimated at over $1,000,000.

Terça-feira, 9 de Agosto de 1836
A barca Suzana partiu de Bombaim para Macau no dia 13 de Junho com 1.382 arcas de  ópio de Malwa e 200 fardos de algodão. Carregou alguns produtos do Estreito em Singapura e chegou à vista da costa de Cantão, 30 milhas a oeste de Ladrones, em 31 de julho, onde foi apanhada por uma tempestade.
A tripulação conseguiu ancorar numa praia e pediu ajuda a alguns chineses ali reunidos que jogaram uma corda que estava presa a bordo. Por este meio a tripulação conseguiu passar do navio para terra mas, assim que os primeiros chegaram à praia, os socorristas soltaram a corda para libertar os marítimos dos seus valores e os restantes tripulantes e passageiros, em trânsito entre navio e terra, caíram no mar. Sete chineses, um árabe, dois macaenses e o Sr. H A Leiria, o supercargo, morreram afogados.
Vários dos passageiros chineses eram comerciantes de Singapura trazendo ouro e prata para seus parentes e aldeias. Eles abriram esses baús antes de deixar o navio e distribuíram o conteúdo para todos que os carregassem, mas aqueles que desembarcaram foram roubados dos metais preciosos e seus anéis de dedo, etc.
Depois dos ladrões partirem, os sobreviventes foram ajudados por um homem idoso chamado Cheung Hop, que forneceu comida e roupas e conseguiu um barco para eles, no qual chegaram a Macau no dia 7 de agosto. Os sobreviventes incluem o Capitão Encarnação, todos os oficiais do navio e os restantes passageiros e tripulantes. O falecido Sr. Leiria* era membro do Leal Senado e um conhecido membro da comunidade de Macau. Ele conseguiu chegar à praia, mas não sobreviveu e foi enterrado lá. Um brigue foi enviado para recompensar Cheung Hop e recuperar o que foi deixado na praia. A perda é estimada em mais de US $ 1.000.000.

Ilustração de uma barca portuguesa do séc. 19


Tuesday 6th September 1836
Yesterday, at the sale of the damaged Malwa from the wreck of the Portuguese ship Susana, one chest, still in its original covering marked LB 55, turned out to be full of stones and rice straw. If any reader knows of a policy of insurance issued on this chest, I hope they will publish the details so an investigation can be made into the providers. This sort of fraud is inducement to wilful destruction of ships. Sgd Shareholder 13th September.
Editor – LB55 was not the only chest. Insurance agents in both Bombay and Canton are trying to trace the parties who have attempted to cheat them. The Susana was travelling Bombay to Macau. Not long ago a treasure ship travelling Macau to India was lost in the Straits and those treasure boxes that were recovered were found to contain stones as well.

Terça-feira, 6 de Setembro de 1836
Ontem, na venda do ópio de Malwa danificado no naufrágio do navio português Susana, um baú, ainda na sua cobertura original marcado LB 55, revelou-se cheio de pedras e palha de arroz. Se algum leitor souber de uma apólice de seguro emitida neste baú, espero que publique os detalhes para que possa ser feita uma investigação sobre os provedores. Esse tipo de fraude é um incentivo à destruição intencional de navios. Sgd Acionista 13 de setembro.
Editor – LB55 não foi o único baú. Agentes de seguros em Bombaim e Cantão estão a tentar rastrear as partes que tentaram enganá-los. O Susana viajava de Bombaim para Macau. Há não muito tempo, um navio do tesouro que viajava de Macau para a Índia naufragou no Estreito e as caixas de tesouros que foram recuperadas também continham pedras.

* Hermenegildo António Leiria

Post feito tendo por base jornais da época publicados em inglês: Bombay Courier, Friend of China e The Canton Register.

quinta-feira, 19 de maio de 2022

A ligação marítima Macau-Cantão na véspera da 1ª guerra do ópio

Na edição de 11 de Junho de 1839 o jornal The Canton Register publica na primeira página um "aviso" da empresa que assegurava as ligações marítimas de passageiros e algum carga entre Macau e Cantão com escala em Lintin:
Notice  – M/s Markwick and Smith are proprietors of the ferries Sylph, Alpha, Union and Rover. The numbers of our passengers has become small and we do not know how long we will be able or allowed to maintain the Canton / Macau service.
For the time being voyages to / from Macau and Canton, touching Lintin, will be $20 per head. Tickets to Kum Sing Mun and Hong Kong will be $25. No cargo is allowed and the attached Regulations of the General Chamber will be enforced. Baggage may be landed at the small Customs House on the Praia Grande but dutiable cargo (goods and silver) must be discharged at the inner harbour Customs House.
We no longer have a representative at Canton. C Lloyd will handle the boats there. Apply to him for passage and pay him for any mail you wish to send. All credit arrangements for cargo to Canton have ceased.
Markwick and Smith - Canton, 10th June 1839
Aviso – A firma Markwick e Smith é proprietária dos ferries Sylph, Alpha, Union e Rover. O número de nossos passageiros diminuiu e não sabemos por quanto tempo poderemos manter a ligação Cantão / Macau.
Por enquanto, as viagens de/para Macau e Cantão, passando por Lintin, serão de 20 dólares por pessoa. Os ingressos para Kum Sing Mun e Hong Kong custam US$ 25. Nenhuma carga é permitida e o Regulamento da Câmara Geral* anexo será aplicado. A bagagem pode ser desembarcada na Alfândega pequena da Praia Grande, mas as cargas tributáveis (mercadorias e pratas) devem ser desembarcadas na Alfândega do porto interior.
Já não temos representante em Cantão. C Lloyd cuidará das embarcações lá. Solicite a ele a passagem e pague-lhe por qualquer correspondência que desejar enviar. Todos os acordos de crédito para carga para Cantão cessaram.
Markwick e Smith - Cantão, 10 de junho de 1839

* "Regulamento da Câmara (de Cantão) – Os comandantes das balsas devem notificar a chegada e partida em Cantão para que as buscas possam ser organizada, se necessário. Os barcos devem parar no forte de Wang Tong durante  uma hora em cada direção, caso os oficiais do exército desejem fazer buscas a bordo. Barcos usados para contrabando dentro ou fora do rio estão sujeitos a apreensão. Mesmo que os chineses não descubram, a Câmara vai retirar a licença das balsas que fazem contrabando. Passageiros e Lascars (marinheiro de origem árabe) não devem dar gratificações aos funcionários da alfândega chinesa. Se forem  exigidas, devem informar esta câmara." 

Era o prenúncio do inicio da primeira guerra do ópio: 1839-1842. Por ordem do imperador da China - que proibiu o comércio do ópio - o mandarim Lin Zexu foi enviado em 1839 a Guangdong (Cantão) para inspeccionar a situação do ópio. Confiscou o ópio inglês, mandou-o incendiar e bloqueou o acesso ao porto de Cantão de onde os ingleses foram expulsos, tendo ido, a pedido do capitão inglês George Elliot, para Macau. Dali sairiam depois para Hong Kong.
Charles Markwick e John Smith, os sócios da empresa já referida viriam a publicar um anúncio sobre como devia proceder quem pretendesse embarcar num dos navios da "frota britânica" a partir de Macau. Ou seja, para sair do território por recearem represálias das autoridades chinesas.

Advertisement – For passages between Macau and the British fleet, apply to Charles Markwick at Cheung Sha Wan or John Smith at Macau. The ferries on this route are the schooners Alpha, Union, Sylph and Black Joke and the cutters St George and Greyhound.

Anúncio – Para passagens entre Macau e a frota britânica, dirija-se a Charles Markwick em Cheung Sha Wan ou John Smith em Macau. As balsas desta rota são as escunas Alpha, Union, Sylph e Black Joke e as chalupas St George e Greyhound.

No final do conflito ganho pelos ingleses, entre outras cedências, a China reabriu o porto de Cantão com comércio com estrangeiros e cedeu Hong Kong à coroa britânica.

quarta-feira, 18 de maio de 2022

População em 1835

Dados relativos a 1835 publicado na imprensa inglesa da época indicam que a população das três freguesias de Macau - cidade de Macau, S. Lourenço e Santo António estava assim distribuída: Homens 1438; Mulheres 2082; Escravos homens 448; Escravos mulheres 836.
Dá um total de 4.804 sendo a maioria mulheres. Não se incluem nestes dados os militares, os membros do clero e a população chinesa (entre 40 a 50 mil) e os residentes estrangeiros. 
Vista da Praia Grande ca. 1835. Pintura de autor desconhecido

Em 1822 a população das mesmas freguesias - e com as mesmas excepções - era 4.315.



terça-feira, 17 de maio de 2022

A reabertura da Capela Protestante em 1836

Tuesday 12th January 1836
The Protestant Chapel in Macau, which has been closed since the dissolution of the Company*, was reopened last Sunday and services will be held by the American Reverend Bridgman who has hither to organised services at the American factory. The chapel can seat 100 people.
Terça-feira, 12 de Janeiro de 1836 
A Capela Protestante de Macau, que se encontra encerrada desde a dissolução da Companhia*, foi reaberta no passado domingo e os cultos serão prestados pelo reverendo americano Bridgman que até agora tem organizado cerimónias na feitoria americana. A capela tem capacidade para 100 pessoas.

A notícia é de 12 de Janeiro de de 1836. *A referência é feita à East India Company, a Companhia Britânica das Índias Orientais que criou o cemitério protestante a respectiva capela em 1822 (embora surja no muro a data 1814 e o nome da East India Company, o que poderá explicar o facto do edifício ter começado por albergar a tipografia da empresa que publicava livros e jornais). Quando a empresa perdeu o monopólio do comércio com a China em 1834 a capela ficou encerrada durante dois anos reabrindo em 1836. A versão actual do edifício corresponde a uma reconstrução ocorrida em 1922.
Cemitério protestante numa gravura ca. 1860.
Ao fundo as traseiras da fachada das Ruínas de S. Paulo e a Fortaleza do Monte.

segunda-feira, 16 de maio de 2022

Notícias da corte portuguesa no Brasil em 1810

Eis como a imprensa publicada em inglês em Cantão noticiou ordens vindas da corte portuguesa no Brasil em 1810.

Saturday 22nd December 1810
Don Juan, the Regent of Portugal, now holding Court at Rio de Janeiro has ordered the formation of a battalion of 500 men to form the garrison of Macau. He wishes to re-assert his rule over this distant but lucrative enclave. He has appointed Colonel Jose Ozario de Castro Cabral as the commander of the battalion. He has also appointed a new Governor of Macau – Bernardo Alexo de Limas a Faria and a new Dezembargador – Miguel de Silveira. Both the latter officers have been awarded the Grand Cross of Christ.
Several supportive members of the Leal Senado of Macau are made Knights of the Order of Christ. Three of them are the merchants Bernardo Gomes de Limas, Manoel Ferreira and Caetano Antonio de Campos.
The Regent has permitted the free import of Macau goods into all the Portuguese ports of Brazil.

Sábado, 22 de Dezembro de 1810
Dom João, o príncipe regente de Portugal, que agora exerce a corte no Rio de Janeiro, ordenou a criação de um batalhão de 500 homens para formar a guarnição de Macau*. Ele deseja reafirmar seu domínio sobre este enclave distante, mas lucrativo. Nomeou o Coronel José Ozório de Castro Cabral e Albuquerque como comandante do batalhão. Nomeou ainda um novo Governador de Macau – Bernardo Aleixo de Lemos e Faria e um novo Desembargador  (Ouvidor) – Miguel da Silveira. Ambos os últimos oficiais foram condecorados com a Grã-Cruz de Cristo.
Vários membros apoiantes do Leal Senado de Macau foram ordenados Cavaleiros da Ordem de Cristo. Três deles são os comerciantes Bernardo Gomes de Lima, Manoel Ferreira e Caetano António de Campos Passanha.
O Regente permitiu a livre importação de mercadorias de Macau para todos os portos portugueses do Brasil.
Praia Grande por George Chinnery

Notas:
* O Balhão do Príncipe Regente foi constituído por quatro companhias e um efectivo de cerca de 400 homens que ficaram alojados inicialmente no antigo quartel (Casa da Alfândega) e na Fortaleza do Monte.  A 13 de Junho de 1810, foi entregue a bandeira ao comandante Major D. Francisco de Castro na igreja de Sto. António onde recebeu a bênção por Fr. Agostinho, da Ordem Dominicana. O Batalhão seria extinto em 1845.
1. A corte portuguesa permaneceu no Brasil de 1808 a 1821.
2. Embora a notícia seja de Dezembro, o alvará foi assinado pelo príncipe regente a 13 de Maio de 1810 e "pelo qual se dignou isentar dos direitos de entrada nas Alfândegas do Brasil as mercadorias da China, de propriedade, e em navios portugueses, exportados diretamente de Macau para este Estado do Brasil". Noutro alvará, de 7 de Julho, concedeu "isenção dos dízimos e dos direitos de entrada".
No mesmo alvará de 13 de Maio de 1810 o Príncipe Regente concedeu ao Senado de Macau o título de "Leal".

domingo, 15 de maio de 2022

GelMac: desde 1997

Em 1997 - faz agora 25 anos - nascia o Grupo de Escuteiros Lusófonos de Macau (GELMac), Agrupamento 341 do Corpo Nacional de Escutas (CNE), Portugal.
"Os pilares que nos regem são os ensinamentos e ideologia escutista deixadas pelo fundador do escutismo mundial, Baden Powell, juntamente com uma forte componente religiosa cristã-católica."
25 years ago, the Group of Portuguese-Speaking Scouts of Macao (GELMac), Group 341 of Corpo Nacional de Escutas (CNE) was born. 25 years of uninterrupted activities for the lusophone youth living in Macau.

Em baixo o símbolo da Associação dos Escoteiros de Macau criada em 1983. A imagem remete no entanto para tempos bastantes anteriores. Uma flor de lis dourada compartilhada com o símbolo do movimento mundial do Escotismo. 
Dentro da flor de lis está um escudo baseado no brasão de Macau anterior a 1999 (cinco escudos azuis do brasão de Afonso I de Portugal , cinco ondas verdes e brancas e um dragão chinês dourado sobre azul fundo segurando um escudo azul de Afonso I de Portugal ) As partes inferiores do emblema consistem no lema do Escotismo: Sempre Pronto (português) e "隨時 準備" (chinês).
Os Escoteiros surgiram em Macau em 1911, sendo os primeiros de todo o território português.

sábado, 14 de maio de 2022

Passage boats between Canton and Macao: 1836

"Passage boats between Canton and Macao
Passage boats now ply between Canton and Macao a boat starts daily from each place. The fare from Canton to Lintin or Macao is ten dollars; letters are charged ten cents (about 5d) each parcels according to bulk."
A notícia é de Maio de 1836 e dá conta de uma ligação marítima para pessoas, carga e correio entre Macau e Cantão.
Tradução:
Os barcos de passagem agora operam entre Cantão e Macau, um barco sai diariamente de cada local. A passagem de Cantão para Lintin ou Macau custa dez dólares; as cartas são cobradas a dez centavos (cerca de 5d) cada parcela, de acordo com o volume."
Num diário da época 
- George Wingrove Cooke em 1858 - ficamos a saber como eram estas embarcações:
"The passage boats to Macao are little armouries. There are cannon upon deck and revolvers in every belt" / "Os barcos de passagem para Macau são pequenos arsenais. Há canhões no convés e revólveres em cada cinto."
A forma como os passageiros chineses eram tratados - com receio de serem coniventes com os piratas - é atestada no mesmo registo de 1858
"In the Fei Ma the Chinese passengers are put down into the hold twelve feet deep and the ladder is taken away sailor keeps guard over them with a drawn cutlass. One of the Yankee ships has an iron cage on deck into which the Chinese passengers are invited to walk and are then locked up." / "No Fei Ma, os passageiros chineses são colocados no porão, a três metros e meio de profundidade e a escada é retirada; o marinheiro faz guarda com um cutelo desembainhado. Um dos navios ianques tem uma gaiola de ferro no convés, na qual os passageiros chineses são convidados a entrar e depois são trancados."
As armas a bordo eram para fazer face aos constantes ataques de piratas. As embarcações eram operadas por ocidentais e tinham nomes como Fei Ma, Sylph ou Queen.
A ilustração acima é da autoria de Auguste Borget. Chegou à China (Cantão) via Macau em 1836.

sexta-feira, 13 de maio de 2022

Emissões filatélicas "Ano Santo" e "Encerramento do Ano Santo"

Em resposta à solicitação conjunta do Governo e da Igreja católica portuguesa, o Papa Pio XII escolheu Portugal para o encerramento do Ano Santo Universal de 1951. 
Segundo a imprensa da época, a 13 de Outubro de 1951 - quando se comemorava o 34º aniversário da última aparição - o santuário de Fátima foi palco das cerimónias em que o Vaticano se fez representar pelo legado do Papa Cardeal Tedeschini. Na Cova da iria, assistiu-se a “uma das maiores concentrações humanas, verificadas nos anais da História do Mundo".
Em 1951 os correios portugueses fizeram emissões filatélicas especiais alusivas ao Encerramento do Ano Santo. Foram feitas emissões quer para Portugal quer para o então Ultramar, sendo nestas últimas que surgem os selos (de 8 e 60 avos) que circularam em Macau. O nome Fátima deve-se ao facto de ter sido ali que foi feito o encerramento do Ano Santo.


Selos do Ano Santo: 1950

quinta-feira, 12 de maio de 2022

Sociedade de Pelota Basca de Macau

A "Sociedade de Pelota Basca de Macau S. A. R. L. / Macau Jai Alai Company Limited / Ou Mun Wui Lek K'ao Kei Ip Iao Han Cong Si" foi constituída a 31 de Julho de 1971.

Entre os 11 sócios  - naturais de Macau, Hong Kong e Xangai - estavam nomes como Stanley Ho, Teddy Yip, Yip Hon, Pang Kwok Chan, Ho Paak, Alex Hang, entre outros.

Ao todo reuniram 18 milhões de patacas, o capital social inicial da empresa.

O nome inicial do projecto foi "Complexo de Diversão Pelota-Basca" e o arquitecto foi José F. Pereira Chan.

Em 1972 a empesa viria a obter a concessão de exploração da "pelota basca", jogo espanhol (País Basco) importado, via Filipinas, "sob sistema de lotarias e apostas mútuas". 

O contrato de concessão tinha como data limite 5 de Fevereiro de 1989.
As sessões começaram a 15 de Junho de 1974 no denominado Palácio de Pelota Basca de Macau "Jai Alai" nos aterros do Porto Exterior, frente ao terminal marítimo. A inauguração contou com a presença do Governador Nobre de Carvalho.
Em 1975 a STDM criaria no mesmo espaço um casino com o mesmo nome, fechando o casino do Hotel Estoril. 
O jogo da pelota basca terminaria em Agosto de 1990, passando o espaço a albergar um casino e cinema. Actualmente, praticamente no mesmo espaço existe o Hotel Jai Alai e o Casino Oceanus.
A modalidade vai persistindo em resistir no território graças à Associação de Promoção da Pelota Basca de Macau 澳門回力球推廣會.

quarta-feira, 11 de maio de 2022

Plans of Proposed High School Macao

"Plans of Proposed High School Macao", da autoria do arquitecto John Lemm, é um projecto de 1915.
Na primeira década do século XX John Lemm, um arquitecto de Hong Kong com escritório na Queen's Road elaborou um projecto para um Liceu em Macau. O edifício não chegou a ser construído. Incluía salas de aula, laboratórios, Biblioteca Pública, Sala de Conferências, Museu, Ginásio, Piscina, entre outros.

As plantas aqui apresentadas, em papel vegetal, são cópias elaboradas em Macau por C. Borges. Fazem parte do espólio do Arquivo Histórico Ultramarino.
* é deste arquitecto a autoria de um outro edifício em Macau conhecido como "Casa Branca"/Convento do Precioso Sangue" de 1917. Começou por ser a residência do advogado macaense Luís Nolasco da Silva.

terça-feira, 10 de maio de 2022

Postal Máximo: IASM

 

Faz parte da Emissão Ordinária dos CTT de Macau - "Edifícios e Monumentos", de 12.5.1983

 Edição (bilhete postal) de Victor do Rosário Jr.

segunda-feira, 9 de maio de 2022

Mapa "Japan Islands" de 1891


Este "Japan Islands", onde assinalei a localização de "Macao", é um dos vários mapas produzidos para o "Watson's Illustrated Atlas of the World" (547 páginas) publicado pela The Watson Publishing Co., de Nova Iorque, em 1891.

domingo, 8 de maio de 2022

Dois livros de Danilo Barreiros

"A paixão chinesa de Wenceslau de Morais" é um livro da autoria de Leopoldo Danilo Barreiros editado em Lisboa pela Agência Geral do Ultramar em 1955.


















"O Testamento de Camilo Pessanha", de Danilo Barreiros, edição de 1961 (Bertrand) com capa de de Pedro Barreiros (1943-2022).
"(...) Na realidade Camilo Pessanha deixara-se dominar completamente pelo vício que os chineses dizem ser dos “virtuosos”. Estivesse onde estivesse, mesmo no tribunal, como Juiz ou advogado, Camilo Pessanha, chegada a hora de fumar o ópio, abalava alucinado, para satisfazer o invencível desejo que o torturava. Magro, esquálido, a barba hirsuta, o cabelo colado à testa, semi-nu sobre o leito, aspirando voluptuosamente o longo cachimbo sobre a chama amarelada da lâmpada de cristal, que lhe projectava a sombra desfigurada nas paredes obscurecidas, tendo no semblante a expressão hipnótica dos opiómanos, Camilo Pessanha parecia ter surgido das espirais de fumo do milenário incensador de bronze onde queimava sândalo aos Budas, demónios, guerreiros e filósofos que lhe assombravam o quarto. Os olhos fulgurantes, dilatados, denunciavam a vida intensa do seu espírito ávido de beleza que, nesses momentos, desprendido da matéria inerte, planava livremente no Mundo irreal que só ele conhecia. (...)"

sábado, 7 de maio de 2022

Proibição da banhos nas praias em 1915

Em Maio de 1915 o "Administrador do Concelho, Chefe da Repartição dos Serviços de Polícia e Procurador Administrativo" publicava um edital no Boletim Oficial do Governo da Província de Macau em que recordava um outro edital de 1907 "em que se proíbe tomar banho nas praias desta cidade, com excepção das da Bela Vista e da Areia Preta, sem a necessária barraca balnear, e com fatos apropriados para esse fim, sob pena de ofensa da moral pública e de desobediência aos mandados da autoridade".
Recomendava-se ainda aos "banhistas" que não soubessem nadar que deviam "abster-se de tomar banho muito afastados das praias" para evitar "desastres" que se vinham repetindo há vário anos.

sexta-feira, 6 de maio de 2022

Ennio Belsito e MSM e a atracção pelo Oriente

Desconheço se a pintura foi feita em Macau ou em Itália, já que MSM nas viagens entre Lisboa e Macau por vezes fazia escala em Itália. A biografia do pintor também não tira a dúvida, de tão escassa que é. Ainda assim, sabe-se que Belsito pintou entre 1901 e 1948. MSM chegou a Macau em 1901 e ali morreu em 1931 tendo feito várias viagens a Portugal nesse período.
Era filho do genovês Giuseppe Belsito, comandante da Marinha Mercante que frequentava habitualmente os portos do Extremo Oriente, e irmão de Orazia Belsito, um poeta e escritor muito activo nos anos do fascismo e autor do livro The Days of Fascism, publicado em 1929. Os dois chegaram a viver em Roma e muitas vezes acompanharam o pai nas suas viagens ao Oriente, incluindo China e Macau, onde o pai morreu em 1920.
Interessado pelos aspectos da vida quotidiana, Ennio Belsito colocou na tela um realismo quase fotográfico como se pode atestar nas imagens que seleccionei. Segundo os peritos em arte Belsito teve uma espécie de atracção fatal pelo Oriente - um aspecto comum a MSM - sendo muitos dos motivos das suas pinturas. 
Em cima uma pintura de grandes dimensões (188x90cm) intitulada "portuale cinese" (porto chinês), de ca. 1910. Em baixo uma pintura intitulada La cantatrice cinese (cantora chinesa - pei pei chai) de 1909 e com as mesmas dimensões do anterior.

quinta-feira, 5 de maio de 2022

Conjunto de 20 Slides "Foto Princesa"

Motivos dos slides: Portas do Cerco, Monumento a Ferreira do Amaral, Mesa do 1º Tratado China-USA, Sta. Casa da Misericórdia, Palácio do Governo, Av. almeida Ribeiro (artéria principal), Leal Senado (Câmara), Ed. das Repartições Públicas, Igreja de S. Domingos, Porto Interior e Casino Flutuante, Ruínas de S. Paulo, Casa-Museu Sun Yat Sen, Farol da Guia, Fortaleza do Monte e Observatório, Vista da Cidade, Edifício dos CTT, Monumento a Vasco da Gama, Mercado Municipal, Templo deA-Ma (Barra), Templo de Kun Iam.
Conjunto 'vintage' de 20 slides com vistas de Macau

quarta-feira, 4 de maio de 2022

O bazar chinês segundo Jules Itier

"(...) Percorro neste momento este bairro com os Srs. Guillet et Combel, padres lazaristas. Aqui está um restaurante abrigado por um grande guarda-sol; onde se apresentam em detalhe porções de uma imensidade de preparações que parecem ser muito apreciadas pelos consumidores. Ali, uma loja de câmbio...As lojas chinesas são mantidas com limpeza e ordem perfeitas. Somos recebidos em todo o lado com uma delicadeza que por vezes inclui a oferta de uma chávena de chá.
Dedico uns momentos à apreciação de uma oficina de ourives , muito ocupado com a afinação de materiais de prata num cadinho de barro refractário, de forma semelhante aos de Hesse. Um dos oficiais testa o ouro, servindo-se de uma pedra de toque, de ácido nítrico e de diversas agulhas de títulos diferentes, que servem de termo de comparação; um terceiro usa um maçarico para soldar diversas peças com a ajuda de borato de sódio, e num canto, estão dois gravadores que manejam com uma destreza espantosa os seus cinzeis.
Todos parecem muito competentes, mas nós fazemos melhor e mais barato. A oficina vizinha é de um ferreiro… Ao lado um fabricante de colchas acolchoadas e pespontadas...que são até mais quentes que as nossas. (...)"
Descrição do bazar chinês de Macau por Jules Itier no livro "Journal d´un Voyage en Chine en 1843, 1844, 1845, 1846"

terça-feira, 3 de maio de 2022

"Sanção na Vingança!"

Nomeado secretário do governador de Macau, Francisco Maria Bordalo (1821-1861) chegou a Macau em 1850, pouco depois da explosão da fragata D. Maria II, onde morreu o irmão.
A tragédia serviu de inspiração para uma pequena novela que se baseia em factos verídicos, e a que deu o título de "Sansão na Vingança". Foi primeiramente publicado em jeito de folhetim em várias edições (7 partes) do jornal O Panorama em 1854. Seguem-se alguns excertos de um texto de uma clareza pouco habitual para a época e que se lê de uma assentada.

"Um Bairro de Macau
Em todas as cidades ha um bairro immundo de construcções mesquinhas de miseravel apparencia habitado pela parte mais indigente da população e que é todavia o pedaço mais poetico, mais monumental d'esses grandes corpos e quasi sempre o seu berço. Ao aproximar de uma cidade antiga o viajante adivinha logo onde começou a nascer essa povoação; os signaes são caracteriscos. Enxergue se uma alta montanha coroada de ameias eriçada de canhões, é christã a terra, vêr-se-ha tambem ali o emblema eterno da redempção essa eminencia domina a planicie que em outros tempos estaria exposta a correrias de inimigos, logo as primitivas habitações deviam ser a abrigo da artilharia pendurar se pela collina até ao sobpé do monte é só mais se espraiariam pelo valle 
E assim que a primitiva Lisboa desce pela encosta do castello até se abysmar em Alfama; o velho burgo do Porto circumda os paços acastellados do seu bispo soberano; e em Macau, de que ora vamos tratar, a baixa do Monte espriguiça-se aos pés da sua antiga cidadella. Esta parte, a mais nobre de cada povoação, pelo seu fôro de antiguidade, é, por uma triste contradicção das cousas humanas, votada pelo andar dos tempos a ser o receptaculo de todos os vicios e torpezas, de mistura com todas as miserias, uma como excrecencia da sociedade, um logar maldito que a cidade nova repelle de si, como os sãos engeitam o leproso. 
Ainda esta circumstancia se dá no sitio de Macau, já apontado, onde tem logar a primeira scena do pobre drama que nos propomos esboçar, tão pobre como o seu auctor e o seu palco.
Macau é uma cidade formosa, elegante mesmo, mas de poucas recordações historicas, e esse mesmo pouco que pode ainda interessar ao antiquario está vinculado à fortaleza de S. Paulo do Monte, que abre o seu manto de muralhas para acoutar os fieis que repousam nas humildes pousadas da encosta. 
Nunca houve um alvoroto popular, uma sedição de chins, uma conspiração do senado, que para ali se não recolhessem as auctoridades da terra, a tropa e os habitantes pacificos; e o fogo de uma só bombarda pelos frades da companhia de Jesus foi bastante para fazer parar os hollandezes de Cornelio Reyerszoon quando em 23 de junho de 1622 assaltaram a cidade, facto o mais glorioso da historia de que é até hoje commemorado com procissão e festa annual. 
A este lado da cidade encaminharemos pois o leitor. Supponha que desembarcou na praia Grande, que sobe pela calçada de S. João, que atravessa o largo da Sé sem se demorar na contemplação da estranha architectura da cathedral, siga pela travessa do Bispo, volte á rua do Hospital, e verá a pouca distancia o rotulo de uma esquina a dizer lhe: "Calçada do Monte / Tái Pau toe Chian Kae. (...)
Edição de 1980 feita em Macau

Galgando por essa ladeira chega se á baixa do Monte, logar mais arriscado no transito noturno do que o bazar chinez da mesma cidade. É ahi que se refugiam os desertores e outrus quaesquer criminosos que fogem ao encontro da justiça e que acham guarida nas miseraveis barracas e palhoças de mulheres sem nome e quasi sem classificação no genero humano, pela sua hedionda fealdade. Entremos em um d'esses miseraveis alcouces, habitação de uma filha de Timor e observemos o que ahi se passa ao declinar do dia 26 de outubro de 1850. (...)
O Bazar de Macau
Começava a alvorecer o dia 27 de outubro João Antonio de casa da timora e dirigiu-se a alfandega. Este edificio grandioso que ser viu em outro tempo de casa fiscal do porto estava agora repartido para differentes usos visto que Macau havia sido declarado porto franco; ácerca d este enorme erro governativo bastante e bem se tem escripto e uma tal discussão está fora do nosso programma. O motivo que levava João Antonio naquella direcção era ser o espaçoso caes da alfandega o logar em que commummente embarcavam e de as tripulações dos navios de guerra tanto dos surtos no rio como dos ancorados na Taipa, pequeno porto defronte da cidade onde então se achava a fragata D Maria II. (...)
Eram oito horas da manhã *A fragata D Maria II e a corveta americana Marion fundeadas porto da Taipa estavam garbosamente em em arco da mesma forma que as corvetas e D. João I que ancoravam no porto interior proximidade da alfandega o dia nascêra formoso um brilhante sol fazia luzir a artilharia dos navios e avivava as cores das bandeiras era um dia de festa o anniversario de um principe sabio parecia respirava alegria a bordo da nossa pequena esquadra. (...)
Perante aquelle espectaculo horrivel do aniquipar lamento de um grande navio e da sua numerosa guarnição occorreu tambem aos homens corajosos que estavam na cidade a idea de voarem em soccorro de alguem que houvesse escapado do incendio e que corresse o perigo de morrer nas aguas por vingança e auxilio entre esta gente que corria as praias e embarcava para o logar do sinistro appareceu aquelle official de artilharia que encontramos em casa de Murray o qual saltando ligeiramente para dentro de uma lorcha ía mandar remar com força para a Taipa quando outro objecto horroroso tambem o fez suspender junto ao caes. (...)
* 28.10.1850

segunda-feira, 2 de maio de 2022

Journal of Voyages and Travels by the Rev. Daniel Tyerman and George Bennet

"Journal of voyages and travels by the Rev. Daniel Tyerman and George Bennet, Esq. deputed from the London missionary society, to visit their various stations in the South sea islands, China, India, &c. between the years 1821 and 1829" é o longo título de uma obra compilada por James Montgomery e publicada em Londres no de 1831 em dois volumes. Macau surge no capítulo XL do volume 2.
Remonta ao tempo em que o reverendo Robert Morrison - que traduziu a bíblia para chinês - ainda vivia em Macau. Destaco ainda os detalhes das descrições da cidade na primeira metade do século 19 onde não falta, claro, a referência à gruta de Camões e ao templo de A-Ma, na Barra. Mas há mais. Aqui ficam alguns excertos.
Oct 15
Captain Heaviside took us to Macao in his boat. The town is situated on a small bay which extends a mile from point to point. The white fronted houses rising from the beach upon a gentle slope present a good appearance on the approach a fort above and several churches among the inferior buildings giving the whole an air of European consequence. On landing we proceeded to the residence of the Society's agent, the celebrated translator of the Scriptures into the Chinese tongue, the Rev Dr Morrison. Here we experienced a serious disappointment he having departed some time ago on a visit to England. Expecting our arrival he had made arrangements for our reception in his house in which notwithstanding the inconveniences resulting from the absence of the host we preferred to make our abode rather than go to an hotel, Mr Daniel a resident kindly assisted us in settling there.

Oct 16
Lord's day. The Protestant chaplain being at Canton whither the principal Englishmen resort during the season which this is leaving their wives at Macao because females are not permitted to approach the confines of the celestial empire there was no divine service here which we could with propriety attend Indeed we had no ground to expect to find a native congregation here as we well knew that the state of the country and The poor the circumstances of the esteemed labourer in it Dr Morrison had not admitted of efforts directly missionary His honour has been to translate the Holy Scriptures into the language of that vast Empire and thus to lay a foundation on which other builders may hereafter be appointed to build a stable and stately edifice.
A Chinese having on the Lord's day asked Mr Tyerman whether he should not take his linen to be washed: Not to day because it is the Christian's Sabbath or day of rest consecrated to the worship of God, was the answer fellow expressed no surprise but enquired with the most unaffected simplicity whether the other gentleman Mr Bennet was likewise a Sunday man.
These people seem equally unimpassioned and unimpressible. Their quietism of idolatry is mere apathy they do as they like that is just as their fathers did in matters of religion and they leave all the world beside to do the same saying to those who differ from them Your way may be very good for any thing we know to the contrary ours is so too follow yours therefore and we will follow ours after the steps of our fathers. 

Oct 17
We walked across the island or rather the peninsular part of Macao to the barrier gate which separates the European from the Chinese section of the soil and where that jealous people have built a great wall from sea to sea on a narrow isthmus or sand bank to keep the strangers within the limits prescribed to them. This peninsular part is one mass of granite heaved into small eminences and fractured into crags and hollows having a few acres of soil in the centre on which vegetables principally rice are cultivated with the utmost care by Chinese husbandmen. There are a few clumps of trees on this spot but its general aspect is that of incorrigible sterility. The summits of the hills are crowned either with Portuguese churches or with forts. 
A little earth may here and there be traced among the crevices of the granite strata by the miserable phenomenon of short starved grass struggling here and there for existence in obedience to a law of nature which compels life in one form or another to come forth wherever there is the possibility of it being in any manner maintained. 
As there are no carriage roads those who do not walk must either be conveyed in sedans or ride on horseback and paths for the convenience of the latter have been made in every direction over the uneven rock where beasts of burthen can travel. 
On the Macao side of the barrier wall and isthmus stands a sumptuous Chinese pagoda consisting of several compartments In each of these are idols of many barbarous models before some of which incense is continually burning In one of these sanctuaries an urn containing warm tea is placed on a table with two saucers for the use of passengers and every one that chooses may turn in to drink from the foot path near which this temple for worship and refreshment has been built.
Many smaller temples, some not larger than an old English arm chair, appear by the way sides all having their images their incense and their devotees. A prodigious population of Europeans principally Portuguese and Chinese is crowded within the prison bounds for such they may be called of this city. According to a census taken three years ago the former reached five and the latter forty thousand. 
Here are thirteen Roman Catholic places of Worship and one English chapel. The foreigners and natives live on good terms together each being governed by their own laws and amenable to their respective authorities. The English reside by the sufferance of the Portuguese and both are only tolerated by the Chinese who claim the territorial right of the soil but allow the strangers to occupy their district as tenants at will. 
The climate is said to be very healthful though extremes of cold and heat are occasionally experienced in the course of the same day the thermometer varying between 84º and the freezing point Ice is sometimes formed the thickness of a dollar Yet there is not we are told a house to be found with a fire place in it. T
he prospect from the church hill on the west of the town the harbour with a thousand ships prakus and boats Chinese and European the seas beyond and numerous islands is very gay and attractive In the distance across the peninsula of separation which the eye may pass though the foot may not we could perceive many Chinese temples towns villages rice grounds gardens and orchards occupying the low and level lands. Above these many naked rocks raised their cragged precipices like skeletons of hills once clothed with soil and verdure which devastating storms and the slow decay of atmospheric influence had in the lapse of ages wholly worn or washed away and left nothing but their fossil rudiments behind.
 
Oct 18 
At a famous Chinese pagoda situated among granite rocks on the sea shore and consisting of various attached temples with places for offerings all in the gaudiest style of nationally fantastic architecture we met a mandarin of high rank coming to worship with a large train of attendants. We were not allowed to follow him into the shrine whither he went to prostrate his magnificence before a deaf dumb blind lame dead stock which a man who durst not have looked him in the face had they met by the way may have carved out of a piece of wood and when he had finished his work gathered up the chips and made a fire with them to boil his paddy pot But we had an opportunity of witnessing the antic rites exhibited by another (...)

Oct 19
Having heard much of a cave here which bears the name of Camoens the Portuguese Homer, we visited it this morning. The gentleman's grounds in which it is situated are curiously and tastefully laid out. The soil which is covered with fertility in every form of tree and plant and flower blooming into beauty or expanding into luxuriance runs in irregular lines and breadths between the masses of bare granite which emboss the surface of the earth and in some places are piled fearfully but firmly one upon another beyond the art or strength of man to have accomplished yet all to the eye that art could desire for the adornment of the place. From various points the peninsula the town the shipping and the harbour south westward are seen in a diversity of agreeable aspects. On the south side of this oriental elysium overshadowed with stately trees is the cave of the poet which is formed by two vast rocks standing four feet apart and roofed with a third enormous mass transversely laid. Between and underneath there is a passage open at either end but closed with a column and arch of masonry at the further extremity In a coved recess upon a rough pilaster against the side of the rock is a bust of him whose name having been given to the cavern needed not to be inscribed under the sculptured memorial of his features. These are sufficiently recognized when it is remembered that Here nobly pensive CAMOENS sat and thought. And what he thought here three centuries ago he has left the world to think upon so long as the language of his country shall be spoken or understood. At Macao, Camoens held the singular office of commissary of the estates of the defunct on the island. During the five years of his residence here he wrote a great portion of his Lusiad in which he celebrated the glory of his countrymen who under Vasco de Gama discovered the south east passage to India by doubling the Cape of Good Hope. Here too in his almost poetical occupation of standing between the dead and the living that justice might be done to both he acquired a fortune which though small was equal to his wishes. Unfortunately however on attempting to return to continental India in a vessel freighted by himself he suffered shipwreck in the Gulf of Mecon on the coast of Cochin China and there lost all that he had except his life and his poem. The manuscript of the latter he held in one hand while he fought his way through the waves with the other. Being cast friendless and fortuneless on an unknown coast he was nevertheless humanely received and hospitably treated by the natives among whom he remained a considerable time before an opportunity occurred for him to re embark for Goa the metropolis of Portuguese India. (...)
Upon the rock over the cave of Camoens, which we have described, an elegant summerhouse has been erected of an hexagonal form and commanding beautiful views from the different sides especially towards the barrier gate which separates the China in miniature on one part of the island and the Portugal in miniature on the other. On our return we passed by the ruins of an ancient nunnery once of great extent but the whole of which was accidentally destroyed by fire two years ago neither chapel nor cell being spared in the unexpected conflagration. We were not permitted to violate the sacred ground within the exterior walls with our Protestant feet but we could not help remarking how the multitude of iron gratings many of which were collected in rusty heaps and others yet filled their respective places indicated that no attention had been spared which could be necessary either to keep in or to keep out. 
At the time of the calamity there were few nuns in the establishment and it must soon have died a natural death with the last of its inmates no young persons having been permitted to join the sisterhood for several years previously. One person lost her life in the flames the rest about forty were rescued and now reside together in a far humbler habitation. We are pained in walking the streets of this town to see the crippled condition of the Chinese women of the higher order whose feet have been so stunted and cramped in their growth as to be reduced to mere clubs.
The monstrous fashion of their country makes its victims vain of this deformity the effect of which they artificially exaggerate to the eye by making the soles of their shoes the outside of which are white and the heels raised so short that the heel projects two inches backward beyond the shoe while forward the foot terminates in an abrupt stump. And to make this outrage on nature more flagrant their shoes are lavishly ornamented. The gait of these females is any thing but graceful though it must be confessed that a Chinese lady might be as certainly known by her step as the Venus of Virgil. The difficulty and misery of walking are much increased to them by the uneven pavements and many are obliged to avail themselves of the aid of an umbrella to support their decrepitude as they totter and hobble along Macao is the see of a Roman Catholic bishop who has under him nearly a hundred officiating priests.
The papists have two schools one for boys and another for girls containing about a hundred of each sex. Twenty four of the boys, we are informed, are educating for Missionaries in China some of whom are natives of that empire. 
It is remarkable that the Portuguese should still maintain their ground at Pekin and be able to supply vacancies from hence while Christians of every other nation are said to be excluded .
Oct 25 
In the afternoon Mr Daniel, to whom we have been indebted for much kind attention, accompanied us across the harbour to the small island of Lapas. This, like Macao, is a mass of rugged granite intersected or spotted with stripes and patches of verdure and fertility. Our object was to visit a tea plantation nearly at the summit of one (...)

domingo, 1 de maio de 2022

sábado, 30 de abril de 2022

Casa da família Senna Fernandes na Av. da República

Bernardino de Senna Fernandes (1892-1971) foi o terceiro Conde de Senna Fernandes. É da 5ª geração desta família macaense, sendo o filho mais velho do Conde Bernardino de Senna Fernandes Jr.
Fez o curso de caminhos de ferro eléctricos pela 'Internacional Correspondence School', tinha noções de arquitectura, foi sub-gerente da 'Macao Electric Lighting Co. Ltd.' (MELCO) e foi cônsul da Tailândia em Macau.
Frequentou durante dois anos a 'Shanghai Musical Academy', sendo professor particular de violino e piano, professor de canto coral do Liceu de Macau e director musical do Grupo de Amadores de Teatro e Música fundado em 1924. Teve como hobby a pintura. No final década de 1920 concebeu de raiz uma moradia para a família numa das zonas mais nobres da cidade com vista privilegiada para a baía da Praia Grande.
A moradia, do estilo-art-déco, embora ainda com alguns elementos neo-clássicos, estava localizada no nº 64 da Avenida da República junto à chamada "Meia Laranja", o efeito geométrico dum pequeno miradouro sobre a baía da Praia Grande.

O projecto é de Abril de 1929 e teve a autoria do próprio Bernardino de Senna Fernandes, que também era arquitecto. Teve como prazo de construção seis meses.
Na planta do rés-do-chão pode ver-se como estava organizado o espaço das diferentes divisões: vestíbulos, sala de música, sala de jantar, gabinete de trabalho, cozinha, copa, balcão, lavabos e espaços para os "criados". No primeiro piso ficavam os quartos, terraço e varandas.
Chegou a ser construído em Itália um brasão da família - em mármore - para ser colocado no primeiro piso mas o excesso de peso inviabilizaram a solução, acabando por ficar no piso térreo. Actualmente faz parte do espólio do Museu de Macau.
Brasão de Bernardino de Senna Fernandes
com águia andante no timbre e águia bifronte estendida no escudo

O edifício era constituído por dois pisos e quatro fachadas. Embora ficasse conhecido pela cor rosa - quando era hotel - no original era de cor branca. Edifício residencial desde que foi construído, seria vendido na década de 1950 passando ali a funcionar o hotel Caravela, situação que durou até praticamente a 1979 ano em que foi demolido.
Para se ter uma ideia da dimensão do edifício refira-se que quando passou a funcionar como hotel tinha 8 quartos duplos e 10 singulares.
Uma estátua do Barão, Visconde e Conde Bernardino de Senna Fernandes (1815-1893) que actualmente pode ser vista na Casa Garden chegou a estar no jardim desta vivenda. Importante homem de negócios e também político, em 1871, um grupo de influentes comerciantes chineses, decidiu mandar construir uma estátua de corpo inteiro. Nessa altura ficou instalada num terreno ajardinado muito perto do Monumento da Vitória, com uma legenda em letras de bronze: «Esta Estátua foi mandada erigir por / Lu-Cheo-Chi, Cham-Hau-in, Ho-Liu-Vong / e outros Negociantes Chineses de Macau/ Em Testemunho de Amizade e Gratidão».
Décadas mais tarde, quando a vivenda Caravela foi construída a estátua foi colocada no jardim fronteiro à casa mas seria dali retirada quando a casa foi vendida e ali foi instalado um hotel. Nessa altura a estátua foi oferecida ao Governo de Macau que a mandou colocar no jardim do Museu Luís de Camões, hoje sede da Fundação Oriente em Macau.
Num artigo de 1985 publicado na Revista Nam Van, o arquitecto Carlos Marreiros considerou o mercado, enquanto edifício de carácter público como "o melhor embaixador do período do Art-Deco ou Tropical-Deco em Macau dos anos trinta."
Curiosidade:
Já com profundas marcas da arquitectura art-déco, Bernardino de Senna Fernades viria a estar envolvido no projecto do Mercado Municipal Almirante Lacerda, mais conhecido por Mercado Vermelho e inaugurado em 1936 na Avenida Almirante Lacerda, no Porto Interior.
O projecto de arquitectura esteve a cargo do arquitecto macaense Júlio Alberto Basto, o cálculo da estrutura de Bernardino e o desenho foi feito por Wong Lam e Tse Shing. Outro arquitecto local da época foi Canavarro Nolasco que, curiosamente, viria a ser responsável por algumas alterações na vivenda Caravela anos depois da construção.
O edifício do Mercado Vermelho foi classificado como “edifício de interesse arquitectónico” em 1992.