sábado, 27 de novembro de 2021

"Ultima Hora": 21 de Fevereiro de 1863... um "Sábbado"

"Ultima Hora
Ao mandar este ao prelo recebemos a mala d'Inglaterra de 10 Janeiro, e de Portugal até 28 de Dezembro, que hoje chegou a Hongkong no Vapor da Companhia Peninsular Emeu. As unicas noticias que podêmos dar é que SS Magestades e S Alteza o Snr. Infante D. Augusto continuam a passar de perfeita saude; e que S Magestade Imperial, a Imperatriz Viuva do Brazil, se acha quazi restabelecida.O Reino no mais perfeito socêgo; abrindo-se as camaras em poucos dias. O titulo concedido por S. Magestade a S. Exa. o Conselheiro Izidoro Francisco Guimarāes, é por Decreto de 10 de Dezembro - Visconde da Praia Grande de Macao. S. Exa. por Decreto de 3 de Dezembro, expedido pela Secretaria dEstado dos Negocios Estrangeiros foi nomeado Enviado Extraordinario e Ministro Plenipotenciario em Bangkok, Yeddo e Pekim. A Correspondencia de Portugal de 28 de Dezembro diz no seu artigo intitulado movimento de navios de guerra que Corveta a Vapor Sá de que se esperava em Lisboa em Janeiro, d'Inglaterra, virá para Macao com forças, seguindo depois para a India. As noticias estrangeiras da mala, e algumnas outras do Reino que encontrarmos nos jornaes recebidos, as daremos no nro. seguinte, por não termos agora tempo nem mesmo espaço."

in "O Boletim do Governo de Macao", 21.2.1863

sexta-feira, 26 de novembro de 2021

"An Historical sketch of the Portuguese settlements in China" de Long Si Tai

O sueco Anders Ljungstedt é considerado o autor da primeira edição de um livro sobre a história de Macau . Teve como título "An historical sketch of the Portuguese settlements in China" e foi publicado nos EUA em 1836.
Na base desta obra esteve uma outra, publicada em 1832 em Macau. Intitulava-se "Contribution to an Historical Sketch of the Portuguese Settlements in China and of the Papal Legates to China" (174pp) e teve uma edição limitada de apenas 100 exemplares para distribuição entre amigos.



Título completo:
"An historical sketch of the Portuguese settlement in China and of the Roman Catholic Churche and Mission in China. A Supplementary Chapter, Description of the City of Canton. Boston: James Munroe & Co, 1836.
No ano anterior, ainda na China, o autor levou a cabo a subscrição do livro a editar posteriormente.
Em 1893 o jornal Echo Macaense publicou em registo de folhetim a obra do sueco sob o título "Esboço Histórico dos Estabelecimentos Portugueses na China". Edição de 10.10.1893
Ljungstedt was born in 1759 in Linköping, southern Sweden, and he attended the country’s Uppsala University for a short period before being forced to withdraw due to a lack of funds.
In 1784 he travelled to Russia and worked as a teacher for the next decade before returning back to his homeland. Back in Sweden, he was hired by the country’s government and served as a Russian interpreter for King Gustav IV Adolf, who ruled from 1792 to his abdication in 1809, during the royal’s journey to Russia.
His move to Macao came about after Ljungstedt was hired by the Swedish East India Company, which took him to Guangzhou (Canton, China), where he stayed as a supercargo – a representative of the ship’s owner on board a merchant vessel, responsible for overseeing the cargo and its sale. The company, however, folded in 1813, so he began working as a merchant himself – a career he would follow until he died. Ljungstedt liked China and its climate so he stayed and settled in Macao, amassing a big fortune and sending a lot of money back to Linköping to help start a school for poor children.
Extremely interested in Macao’s he researched the city’s past thoroughly and published a work that went on to be of great historical importance: An Historical Sketch of the Portuguese Settlements in China and of the Roman Catholic Church and Mission in China and Description of the City of Canton. 
In this book he refutes the Portuguese claim that the Ming dynasty had formally ceded sovereignty over the territory.
During his life, the King of Sweden made Ljungstedt a Knight of the Order of Vasa – an honour awarded to Swedish citizens for their service to the state and society, especially in commerce, agriculture or mining – and in 1820 he was also appointed as the country’s first Consul General in China. 
He was painted by famous English artist George Chinnery during his days in Macao where he died on 10 November 1835 after never returning to Sweden since he set foot in China. He was buried in the Old Protestant Cemetery and, in 1997, the Avenida Sir Anders Ljungstedt was named in his honour, cementing this merchant historian’s place in Macao’s memory. The school he planned to his motherland Sweden was built and still exists.
Ljungstedt had a Chinese name: Long Si Tai. Long means dragon - a symbol of China, Si means thinking and Tai means peaceful.

Ljungstedt nasceu em 1759 em Linköping (sul da Suécia) e frequentou a Universidade de Uppsala por um curto período até ser forçado a abandonar o estudos devido à falta de dinheiro. Em 1784 viajou para a Rússia onde trabalhou como professor na década seguinte antes de regressar a casa. De volta à Suécia, foi contratado pelo governo do país como intérprete de russo para o rei Gustavo IV Adolfo - governou de 1792 até abdicar em 1809 -durante a viagem da realeza à Rússia. 
A mudança para Macau deu-se quando Ljungstedt foi contratado pela Swedish East India Company, que o levou para Guangzhou (Cantão, China) para ali representar os interesses comerciais da empresa - assegurava a gestão de uma embarcação em matérias d e importação e exportação. A empresa viria a fechar em 1813 e Ljungstedt estabeleceu-se como comerciante por conta própria, função que desempenhou até à morte. Estabelecido em Macau acumulou uma grande fortuna enviando muito dinheiro para Linköping, não só para a mulher (que nunca mais viu desde que saiu do país, embora esta tentasse juntar-se a ele) como para ajudar a construir uma escola para crianças pobres, promessa que fizera à mulher.
Extremamente interessado em Macau, pesquisou exaustivamente o passado do território e publicou uma obra que se tornou de grande importância histórica: "Esboço Histórico dos Assentamentos Portugueses na China e da Igreja Católica Romana e da Missão na China e Descrição da Cidade de Cantão". Neste livro ele refuta a versão oficial em voga até então de que a dinastia Ming havia formalmente cedido aos portugueses a soberania sobre Macau.
Ainda em vida, o rei da Suécia fez de Ljungstedt Cavaleiro da Ordem de Vasa - uma honra concedida aos cidadãos suecos por seus serviços ao estado e à sociedade, especialmente no comércio, agricultura ou mineração - e em 1820 foi nomeado o primeiro Cônsul Geral doa Suécia na China. 
O seu retrato foi pintado pelo famoso artista inglês George Chinnery durante os tempos em que os dois viveram em Macau, onde morreu a 10 de Novembro de 1835, sem nunca ter regressado à Suécia desde que foi para a China. Está sepultado no Cemitério Protestante. 
Desde 1997 existe em Macau a Avenida Sir Anders Ljungstedt, baptizada em sua homenagem. 
A escola que pretendia construir na sua pátria Suécia foi construída e ainda hoje existe.
O nome chinês de Ljungstedt era Long Si Tai. Long significa dragão (símbolo da China), Si significa pensamento e Tai significa pacífico.
Duas edições recentes: em cima de 2004 e em baixo de 1992
Teve também uma edição em língua chinesa em 1997

quinta-feira, 25 de novembro de 2021

"Improbable Alliance Rules Macao Outpost"

 

Excerto: "Col. Garcia Leandro, the 34-year-old governor, was sent from Lisbon by the junta a year ago last summer to negotiate the peaceful return of Macao to China. But he found Peking not yet ready to absorb Macao". 
Notícia do Times Daily - 11.12.1975. 
Inclui declarações do governador da altura, Garcia Leandro.

quarta-feira, 24 de novembro de 2021

Nossa Senhora da Madre de Deus por Ljungstedt

"An historical sketch of the Portuguese settlements in China and of the Roman Catholic Church and mission in China", da autoria do sueco Andrew Ljungstedt foi publicado em Boston (EUA) em 1836.
 É considerada a primeira história de Macau e antes de ver a luz do dia em formato de livro foi primeiro publicada como 'folhetim' num jornal escrito em inglês e publicado em Cantão entre 1832 e 1834, o The Chinese Repository.
Mais tarde foi traduzido para português com o título "Esboço Histórico dos Estabelecimentos Portugueses na China". Em 1893 o jornal Echo Macaense republicou o conteúdo também em formato de folhetim. Segue-se um excerto relativo à igreja consagrada a "Nossa Senhora da Madre de Deus", vulgo Ruínas de S. Paulo.
Desenho de George Chinnery antes do incêndio de 1834

William Heine 1854 (após o último incêndio ainda com sinos)

O sueco não só teve acesso a importantes fontes históricas como teve a a oportunidade de ver in loco a igreja antes do último incêndio que a destruiu por completo em Janeiro de 1835 deixando apenas a fachada. A descrição tem a particularidade de mencionar alguns dados sobre como era o edifício e dos quais não há registo fotográfico - tinha uma torre, sinos e um relógio - apenas algumas pinturas o registam, como as mostradas acima. 
Echo Macense 10.10.1893

S. Paulo — Tanto a egreja antiga que se queimou, como a nova, foi consagrada á “ Nossa Senhora da Madre de Deus.” O frontispício da egreja nova é toda de granito, e é mui bello. 0 engenhoso artista conseguiu animar e bellezar a architectura grega com objectos de devoção. No meio das dez columnas de estylo jónica ha tres portas que conduzem ao templo; dez columnas de estylo corinthio, oollocadas em fileira, formam cinco nichos separados. No do centro, acima da porta principal, está uma figura de mulher, calcando o globo, o emblema de patriotismo humano, e em baixo lê-se o dístico Mater Dei. 
Em cada lado da Rainha do Céu, em lugares distinctos, estão quatro estatuas de santos jesuítas. Na divisão superior, está representado S. Paulo, e também está uma pomba, emblema do Espirito Santo. N’este edifício ha um relogio que dá quartos e horas; e a julgar por uma inscripção que existe na roda principal foi Luiz XIV que com elle presenteou o collegio dos jesuítas. 
Excerto do original
St Paul* 
By a private manuscript we are informed that Francis Peres and a few Jesuits had 1565 a house where they used to lodge those of their society who went by way of Macao to Japan. A church was coeval with their entrance in China it was burnt by an accident. 
The noble building commonly designated by the name of St Paul St Paolo was erected in 1602 as expressed by VIRGINI MAGNÆ MATRI CIVITAS MACAENSIS LUBENS TOSUIT AN 1662 an inscription engraved on a stone fixed in the western corner of the edifice. The old church was consecrated to our Lady, the mother of God "nossa Senhora da madre de Deos" and so is the modern.
The frontispiece, all of granite, is particularly beautiful. The ingenious artist has contrived to enliven Grecian architecture by devotional objects. In the middle of the ten pillars of Ionic order are three doors leading to the temple then range ten pillars of Corinthian order which constitute five separate niches. In the middle one above the principal door we perceive a female figure trampling on the globe the emblem of human patriotism and underneath we read Mater Dei.
On each side of the Queen of Heaven, in distinct places, are four statues of Jesuit saints. In the superior division St Paul is represented and also a Dove the emblem of the Holy Ghost. In this edifice is a clock which strikes quarters and hours and to judge from an inscription on the principal wheel Louis XIV made a present of it to the Jesuit college. 
*This venerated old edifice was consumed by fire in the night of the 26th or 27th January 1834  

terça-feira, 23 de novembro de 2021

Ermida e Farol da Guia: antes e agora

"Light House
The elevation of the Guia Fort was availed of in 1865 by the energetic Governor Amaral to construct the first lighthouse ever erected in the China Seas. A tower rising within the walls of the fort carries the light to an elevation of 333 feet above high watermark. The light is white revolving and visible in clear weather at a distance of twenty miles. Its revolution is complete in 64 seconds. The light was first shown on the 24th September 1865."
in The Treaty Ports of China and Japan, 1867

Farol
A elevação do Forte da Guia foi aproveitada em 1865 pelo enérgico governador Amaral para a construção do primeiro farol erguido nos mares da China. Uma torre que se eleva dentro das paredes do forte leva a luz a uma altitude de 333 pés acima da linha d'água. A luz é branca, giratória e visível em tempo claro a uma distância de trinta quilómetros. A rotação é concluída em 64 segundos. A luz foi ligada pela primeira vez a 24 de Setembro de 1865.

segunda-feira, 22 de novembro de 2021

Uma visita a Macau do pintor Spoilum

Uma das primeiras pinturas do denominado período China Trade é da autoria de Spoilum, um artista radicado em Guangdong, que esteve várias vezes em Macau e do qual se conhece muito pouco sobre a vida e obra. É tido como tendo sido o primeiro chinês a dominar a técnica de pintura de óleo sobre tela.
Spoilum - tb conhecido pelos nomes Guan Zuolin ( 關作霖)/ Shi Bei Lin) - produziu obras entre 1770 a 1805. Também sem certezas absolutas admite-se que seja o avô de outros dois pintores chineses que se viriam a destacar: Lam Qua (Guan Qiaochang, Kwan Kiu Cheong) (1801-1860) e Tingqua (1809-1870).
Spoilum especializou-se no género retrato, sobretudo de mercadores estrangeiros mas também abastados comerciantes chineses, mas também pintava paisagens. Num diário de um comerciante estrangeiro pode ler-se no ano de 1793:
"went to Spoilum and sat for two hours to have his portrait taken. He was $10 each and does a great deal of business in that line. I was surprised to see how expert he was doing it."
"fui a Spoilum e sentei-me durante duas horas para ele me fazer o retrato. Cada um custa 10 dólares e ele produz muitos. Fiquei muito surpreendido ao ver como ele era um especialista".
O autoria do quadro aqui mostrado - vista da baía da Praia Grande de Sul para Norte é-lhe atribuída pelos especialistas embora não haja certeza absoluta já que estas pinturas não eram assinadas.
No relato que se reproduz abaixo prova-se não só que Spoilum esteve em Macau como era um pintor tão conceituado que chegava a ser contratado para ir pintar ao território. Neste caso, foi de propósito para fazer um retrato de corpo inteiro de três habitantes* das ilhas Palau (Pelew - Filipinas) que o capitão John McCluer transportou em 1790 quando por ali passou numa viagem ao serviço da Companhia das Índias Orientais - para informar o rei de Palau que o filho que vivia em Londres tinha morrido - porventura para reabastecimento. Depois da passagem por Macau, onde foi feita a pintura, McCluer haveria de deixar as três pessoas novamente no país natal em Junho de 1791.
Um relato dessa viagem pode ser lido, por exemplo, no livro "History of Micronesia, A collection of source documents (2000).
"The famous painter Spoilem came down to Macao [from Canton] at my request; his terms, was [rather were] to be ensured 50 dollars for his trip. This sum I gave him for a picture of myself and the three Palou people in a group, this piece I hope is already in your possession which I left with Mr Freeman to be sent home by the Ships of next season. This piece was judged to be a striking likeness of every one in the group, and the Palou were much pleased with their own resemblance. Mr Harrison and several of the Gentlemen had a copy of the three people, so that Spoilem had a deal of work upon his hands that instead of 50 he got about 500 Dollars by his trip, as every Gentleman on board of us had their phiz. taken, in miniature."
“O famoso pintor Spoilem veio para Macau [vindo de Cantão] a meu pedido; uma dass condições foi receber 50 dólares para a viagem. Esta quantia dei-lhe por um retrato meu e de um grupo de três pessoas de Palau; espero que esta peça já esteja em sua posse, deixei-a  com o Sr. Freeman para lhe ser enviada para casa pelos navios da próxima temporada. Esta peça foi considerada uma imagem impressionante por todos, e os Palau ficaram muito impressionados com a semelhança com que foram retratados. O Sr. Harrison e vários dos Cavalheiros ficaram com uma cópia, de modo que o Spoilem em vez de ganhar 50 dólares ganhou cerca de 500 dólares com a viagem, já que todos os cavalheiros a bordo também fizeram um retrato em miniatura."
McCluer fez várias viagens até Macau - a partir da Índia - comandando embarcações como a "Endeavour" e a "Panther". Foram viagens que tinham como principal objectivo a pesquisa de dados para efeitos de navegação marítima. 

domingo, 21 de novembro de 2021

Portuguese in China: Contribution to an historical sketch of the Roman Catholic church at Macao and the domestic and foreign relations of Macao

"Portuguese in China: Contribution to an historical sketch of the Roman Catholic church at Macao and the domestic and foreign relations of Macao" foi publicado pela primeira vez em 1832 por A. L. Knt. em Macau.
O autor, sueco, não era historiador mas circunstâncias várias permitiram-lhe acesso a fontes importantíssimas. Esta foi a génese do que viria a ser poucos anos depois, em 1836, uma obra pioneira sobre a História de Macau - é considerada a primeira - e onde o autor apresenta a tese de que a dinastia Ming não cedera a soberania de Macau a Portugal.
Foi sendo revisto e reeditado nos anos seguintes. Uma edição de 1834, impressa em Cantão, tem 53 páginas.
Índice:
Introduction, The Hierarchy, External Rites, Objections to Chinese recreations at Macao, The actual state of the Roman Catholic Mission in the Bishopric of Macao, The Senate domestic relations, politically, To its members, To the subaltern officers, To the Christian population, To the Military department, To the Civil department, To the Chinese population; Economically, Receipts, Expenditures; Foreign Rrelations...

Excertos:
The Roman Catholic Cross and bloody sword came from India, by way of Malacca to China, where military threats and missionary insinuations proved less efficient than soothing language and liberal offerings on the bottomless altar of self-interest. They opened to Europeans the port of Canton; to the Portuguese a mart on a desert island — Macao, and an asylum for Roman apostles. The first, mentioned in a private manuscript, were Francis Peres and another jesuit; they had in 1565 an habitation on the skirt of a hill, now called Monte. Their number increased gradually: some of them went in Portuguese ships to Canton, as chaplains.(...) Relying on information collected from old, trustworthy authorities, the Portuguese had traded at Macao at least ten or eleven years, when a Jesuit Melchior Carneiro was placed (1568) at the head of the ecclesiastical establishment. (...)

sábado, 20 de novembro de 2021

"O Passeio": 1844

 Lá onde se recosta em rocha esteril 
A opulenta Macau, hospeda rica 
Do Imperio Celestial. 

A China, a Nação mais vaidosa do Mundo, que apesar do estado estacionario dos seus conbecimentos, devido á natureza de suas instituições, e á imperfeição da sua lingoa, se julga o povo mais civilisado, e instruido da terra, se denomina Imperio Celestial e Reino Central, porque segundo suas erradas ideias de Geographia, julgam seus Póvos que o seu Paiz está collocado no centro do Mundo. (...) 
A Dinastia reinante na China tem também o titulo de Dinastia Celeste e o Imperador denomina se Filho do Céo. Bem sei que não faltará quem estranhe a denominação de Hospede da China dada a Macau, ella com tudo é exacta os Portuguezes alli sam hospedes e não donos. Aquella Cidade é Chineza. Chinezes dous terços da sua população e os Portuguezes alli habitam porque pagam huma renda annual pelo alluguer do terreno que occupam e para levantarem algum edificio público carecem do beneplacito do Suntó de Cantão, que aliás o mandaria demolir.
Já em 1593 escrevia o Senado a Filippe II 'para aqui conservar nos gastamos muito com os Chinas Gentios'. A renda tem tido diversas alterações ao presente por decisão do Imperador King long é de 500 taeis que no principio de cada anno são entregues ao Mandarim Heang sheang, pelo Procurador da Cidade, que recebe da mão d aquelle Magistrado uma quitação em forma passada pelo Thesoureiro Imperial residente em Cantão. Além disso os Mandarinos fazem visitas á cidade, devassam nella, julgam pleitos e desavenças entre Chins e Portuguezes, tomam conhecimentos de causas crimes e até mandam proceder alli a execuções de alta justiça como aconteceo em 1823 e consta da Gazeta de Lisboa naquelle anno. É certo que ha em Macau um Governador Militar, um Senado, um Ouvidor, Almotacés e outros Magistrados que governam os Portugueses segundo as posturas Municipaes, o Codigo Lusitano e as Ordens que recebem da Corte e do Governador da India, mas nem por isso as Authoridades Chinezas os julgam desobrigados de obdecer ás Leys du Imperio sem embargo da repugnancia que sempre tem mostrado para isso e de sobre esse objecto terem bavido serias questões. Veja-se sobre o aqui expendido, a excellente obra intitulada An historical sketch of the Portuguese settlement in China por André Lungsted. (...)

A gruta de Camões é um dos primeiros monumentos, que os Estrangeiros visitam em Macáu. Sera ella obra da Arte, ou da Natureza eis o que ainda não foi decidido, porque ainda não foi examinada, nem admira, á vista do desleixo dos Portuguezes para objectos desta ordem; e como hão de dar-se a estas investigações, Homens, que ainda se não lembraram de fazer a analyse chymica da agoa das Caldas da Rainha e de outras agoas thermaes do Reino. Tornando porém á Gruta de Macau, qualquer que seja a sua origem, a tradicção affirma que o grande Poéta Portugues alli se recolhia muitas vezes para meditar os grandes quadros dos Lusiadas, d'aquelle Poema sublime, que tornando o seu nome immortal, não obstou a que elle morresse de fóme!!!...
in "O Passeio. Poema", de José Maria da Costa e Silva, 2ª edição, Lisboa, 1844.

sexta-feira, 19 de novembro de 2021

"Macao, a Mediterranean Town in China": 1900

"Macao, which, as it's name implies, is a Portuguese settlement, derives interest just now from the fact it is one of the principal homes of the reformer element in China. The town itself is stuated on a peninsula on the island of the same name at the mouth of the Canton River, and is in the province of Kwantung. As far back as the latter half of the sistennth century Macao was granted to the Portuguese by a Chinese emperor in return for assistance against pirates, and at the present day the town is divided into two distinct sections, the Chinese and the Portuguese. (...) The most important section of this trade consists in smuggling of rice, tea, silk, sugar and indigo. In fact, Macao without smuggling would wither up as a tree shorn of its roots."

Jornal Baltimore American: 20 Agosto 1900

quinta-feira, 18 de novembro de 2021

Panorâmica: 1988

Campo desportivo do Liceu (inaugurado em 1958), Campo dos Operários, Hotel Sintra (inaugurado em 1975), Edifício Rainha D. Leonor (1960), Escola Comercial (1966)... Ao fundo, à esquerda, a Igreja da Penha. Do lado direito, o edifício 'espelhado' de 28 andares, sede do Banco Luso-Internacional.

quarta-feira, 17 de novembro de 2021

"Always Open Arms In Macau"

"Macau International Airport - Always Open Arms In Macau" / "Macau sempre de braços abertos" era o mote da campanha publicitária (1998) do Aeroporto Internacional de Macau, "aberto 24 horas/dia", inaugurado em Novembro de 1995.
Para a concretização do projeto foi necessário ocupar o delta do rio das Pérolas através de aterros. A ilha artificial com 1,2 km2 recebeu as pistas de circulação e a pista principal, com cerca de 3,5 km de comprimento.

terça-feira, 16 de novembro de 2021

"Ma-kau & the Adjacent Isles"

Em 1685, procurando capitalizar as relações fracassadas entre a China e os missionários portugueses devido à controvérsia dos ritos, Luís XIV enviou seis jesuítas franceses à China como emissários científicos. 
Em 1735, o padre e historiador jesuíta Jean Baptiste Du Halde recebeu a missão de compilar e editar os relatos publicados e manuscritos de viajantes jesuítas na China numa única obra que viria a intitular-se "Description géographique, historique, chronologique, politique, et physique de l'empire de la Chine et de la Tartarie chinoise".
Composta por 4 volumes - o primeiro volume foi publicado em 1735 - inclui dezenas de carta/mapas da autoria do geógrafo real Jean Baptiste Bourguignon d'Anville (1697-1782). Para além da edição em francês, foi também publicada noutras línguas.
Macau surge representado numa página onde estão um total de 3 cartas/mapas da costa chinesa junto a Cantão: a primeira é da província de Cantão (Katon), a segunda de Shang chwen Shan, or Sançian Isle (actual Ilha de Shangchuan, onde morreu S. Francisco Xavier), e a terceira de "Ma-kau & the Adjacent Isle", ou seja, "Macau e ilhas adjacentes". Tem a particularidade de estar assinalada a chamada "Casa Branca/do Mandarim"

O livro tem, naturalmente, múltiplas referências a Macau, incluindo um texto intitulado "Porto do Macau".

segunda-feira, 15 de novembro de 2021

Macau na "Revista dos Açores" em 1851

 

Algumas das notícias referentes a Macau no primeiro ano - 1851 - de publicação da Revista dos Açores.


domingo, 14 de novembro de 2021

Inscrições para o Grande Prémio de 1954

Circuito da Guia é o nome como é conhecido o trajecto do Grande Prémio de Macau, o mais antigo circuito urbano e o único com provas de carros e motos no mesmo programa. É assim desde 1954...
A 68.ª edição do Grande Prémio de Macau, a deste ano, só vai contar com pilotos provenientes de Macau, da China continental e de Hong Kong devido às medidas do território que permanece praticamente isolado na política de zero casos de covid-19. Serão realizadas seis provas entre os dias 19 e 21 de Novembro.
15 Agosto 1954
"Encontra-se aberta a inscrição para as provas de automobilismo organizadas pela Delegação de Macau do Automóvel Clube de Portugal. a qual encerrar-se-á no próximo dia 1 de Setembro. As provas que vão se levadas a efeito são o Grande Prémio de Macau e a Prova de regularidade, estando já inscritos no Grande prémio duas dezenas de automobilistas de Hong Kong, entre os quais duas senhoras. Até a presenta data, Macau conta apenas com um inscrito no Grande Prémio, Fernando Macedo Pinto.
Na prova de regularidade e velocidade à qual poderão concorrer quaisquer condutores de automóveis, com carros de turismo, espera-se grande concorrência dado o elevado número de entusiastas que existe entre nós.
A inscrição para o Grande Prémio é grátis, até à data de encerramento, sendo de $20,00 a inscrição para a Prova de regularidade e velocidade. Findo o prazo estipulado, haverá um novo período de inscrição, durante o qual cada inscrito pagará, para o Grande Prémio $ 50,00 e para a segunda prova $30,00."
15 Setembro 1954
"Encerradas as inscrições para o Grande Prémio de Macau e prova de regularidade-velocidades, verificou-se estarem inscritos 25 concorrentes para primeiro e 24 para a última. No Grande Prémio, há só três concorrentes de Macau, sendo os restantes de Hong Kong; na prova de regularidade-velocidade, 14 concorrentes são e Macau. Estas provas terão lugar nos dias 30 e 31 de Outubro próximo.
No passado dia 9, o Sr. Carlos Humberto da Silva, um dos organizadores das provas de automobilismo, proferiu, na reunião-jantar do Rotary Clube de Macau, uma interessante palestra sobre o Grande Prémio de Macau."
in Boletim Informativo, nº 25 de 1954
Foto de Lei Iok Tin

sexta-feira, 12 de novembro de 2021

Núcleo Recreativo de Marinha

O Núcleo Recreativo de Marinha (Macau) foi fundado na década de 1920 pela guarnição da canhoneira "Pátria". Na década de 1930 há também registo do Núcleo Desportivo de Marinha no nº 10 da Rua do Campo. Através da portaria nº 7520, de 9 de Maio de 1964, podemos atestar o conteúdo dos estatutos então aprovados.
Celebrações chinesas (provavelmente em 1934)
O Núcleo, mais tarde conhecido por Clube de Marinha, foi um caso ímpar nas províncias ultramarinas. 
De acordo com o relato do militar M. Horta na década de 1970: "Ele agrupa os militares da Armada - oficiais, sargentos e praças - e os militarizados e civis de todas as hierarquias. Instalado em edifício próprio, bem localizado, com óptima esplanada voltada ao rio das Pérolas. é dotado de moderno bar, biblioteca e sala de leitura (com ar condicionado), restaurante (messe) e sala de convívio. É verdadeiro oásis para os marinheiro que têm a felicidade de conhecer tão bela terra, local «sui generis» entre as parcelas portuguesas espalhadas pelas diversas partes do Mundo."

quinta-feira, 11 de novembro de 2021

Vinho Chinês: lojas, fábricas e museu

A Tai Cheong (junto à Estrada do Repouso), fundada em 1941, e a Cheóng Ón na Rua de S. Paulo (já encerrada) são das últimas memórias da indústria do vinho em Macau.
Na década de 1950 chegaram a existir 44 fábricas de vinho de arroz e mais de uma centena de lojas de venda a retalho. Na década de 1980 eram apenas 21 fábricas e cerca de uma dezena de lojas. 
A fábrica "Hang Fong - Vinho Chinez", na imagem abaixo, ainda laborava na década de 1980.
Fábrica Wing Lei Vai no nº 11 da Praça Ponte e Horta
Vinho "Wing Fung Hong - Made in Macau"
Recibo da Tai Cheong: a loja ainda existe; a fábrica encerrou em 1987.
e postal de uma "Old Wine House" na Rua da Erva
Existem diversos tipos de vinho chinês. Ficam apenas alguns exemplos:
- O chamado vinho amarelo, huangjiu, é uma bebida alcoólica preparada com uma massa feita com cereais, como arroz, painço ou trigo, a que se adicionam culturas de bactérias e leveduras próprias para a fermentação alcoólica. -O Mijiu (米酒) é o nome genérico para as bebidas à base de arroz fermentado.
- O Jiu Niang é um vinho baseado em arroz glutinoso, a que se junta uma grande lista de ervas medicinais chinesas e um vinho de arroz destilado.
- O vinho de Shaoxing (绍兴酒) é o mais conhecido internacionalmente; é usado, tanto para cozinhar, como para beber; tem uma coloração avermelhada obtida pela levedura de arroz vermelho.
 Loja Chung In na Travessa do Melro: neste anúncio surgem marcas de vinho do Porto e Brandy portugueses.
Fábrica de vinho: foto década 1980
Situado no Centro de Actividades Turísticas, ao lado do Museu do Grande Prémio de Macau, o Museu do Vinho de Macau foi inaugurado a 15 de Dezembro de 1995.
Um dos objectivos deste museu é permitir ao visitante contactar com a importância social, económica e cultural que o vinho tem na tradição portuguesa, vida quotidiana e nos rituais de celebração. A produção de vinho na China também está contemplada no espaço museológico.
 
Entre os milhares de vinhos expostos das várias regiões demarcadas de Portugal - também há da China - o mais antigo é um vinho do Porto de 1815.
 Estão também expostos manequins com trajes regionais de diversas regiões de Portugal.