domingo, 18 de novembro de 2018

O regresso de Michel Vaillant

 
Já o tinha referido em Março deste ano... O autor Philippe Graton lançou esta semana em Macau, a segunda aventura do piloto Michel Vaillant e a 77ª da colecção de banda desenhada criada pelo seu pai, Jean Graton. A segunda aventura do piloto Michel Vaillant em Macau, 35 anos depois do álbum de banda desenhada "Rendez-vous à Macao", tem no enredo os pilotos André Couto e Sacha Fenestraz e passa-se no circuito, mas também em vários outros pontos da cidade, recorrendo à arquitectura e gastronomia, bem como às pequenas ruas mais escondidas.
Para Benjamin Bénéteau, ilustrador, desenhar esta segunda aventura de Michel Vaillant em Macau foi “uma experiência única”. Os desenhos são, pela primeira vez, da sua inteira responsabilidade.
O piloto de Macau André Couto, vencedor do Grande Prémio em 2000, revelou ser fã das aventuras de Michel Vaillant desde muito cedo, que o inspiraram mesmo antes de se tornar piloto profissional: “Quando era mais novo, o livro ["Rendez-vous à Macao"] (de 1983) foi uma das minhas inspirações antes me tornar piloto profissional (…) O que se vê na vida real é o que se vê no livro. Isso inspira-me e espero que possa inspirar as novas gerações”.
Personagem fictícia criada em 1957 por Jean Graton, Michel Vaillant é um campeão do desporto automóvel honesto, leal e corajoso. Membro da equipa Vaillante, fundada pelo seu pai, ele é um piloto excecional que não hesita em colocar-se em perigo para ajudar os outros, denunciar uma injustiça ou desmascarar fraudes e vigaristas.

sábado, 17 de novembro de 2018

The Last Year in China... (1843)


Um livro publicado em 1843 em Londres com o longo título "The Last Year in China, to the peace of Nanking, as sketched in letters to his friends, by a Field Officer, actively employed in that country with a few conclusions and remarks on our past and future policy in China. London: Longman & Brown & Green and Longmans" tem a particularidade de incluir cartas de militares britânicos que participaram na primeira guerra do ópio.

Para este post seleccionei excertos de duas cartas escritas no final de Outubro de 1841. É muito interessante a riqueza da descrição de um estrangeiro sobre como era a vida no território em meados do século 19.
Da Casa Garden à Gruta de Camões, passando por George Chinnery, os tropas portuguesas, as ruínas de S. Paulo ou um pequeno jardim zoológico, são muitos os motivos de interesse destas cartas.


Letter IX. Macao, 25th October, 1841.
I have worn out my feet in walking on the stony, worse-than-Paris pavings of Macao ; so I am resting this morning, and will write you a long letter. Having obtained leave till the end of the month from my floating prison at Hong Kong, for the purpose of going with Captain C. to Macao, we started on the night of the 2Ist instant in a little brig ("The Thistle") placed at C.'s disposal by a Chinese merchant,—the first Chinese owner, I believe, of an English vessel. It had been a very fine brig, and still sails well. In other respects, indeed, all praise of it must be of a retrospective nature. Indeed, on our arrival here, we heard it had been sold as a condemned vessel. At this season of the year the wind is usually very favourable for going to Macao from Hong Kong; and on going on board we expected to awake next morning anchored at our destination. We found our selves, however, only about eight miles from Hong Kong, having been becalmed noarly all the night. Luckily, though not expecting to require it, we had a small stock of provisions on board; and at half past eight we had just commenced attacking a good breakfast on deck, when a squall came on suddenly. The not half-eaten breakfast was obliged to be sent away; and the squall increasing to a gale, a prospect of misery was before us. The sails of the brig were rotten, the ropes worse, and the vessel itself exceedingly likely to leak.
Fortunately we had on board the captain of the "Sulimany  transport, to whom C, at my request, had given a passage to Macao. He is (besides being a gentlemanly well-connected young man) known to be a very good seaman. He also knew - what the rest of us did not - of the condemnation of the vessel; and, besides, saw that we were very likely to lose sails and spars, if not masts. Meantime we cracked along at a great rate among the islands to the south of the large island Lantou; from the valleys of which last puffs occasionally came down with the force of hurricanes. (...)
Our little brig, drawing but a few feet of water, was enabled to anchor at the distance of only half a mile from the landing place at Macao, instead of four or five miles off among the shipping in this dangerous roadstead. The town, which is unlike every thing I had seen before, has rather an imposing appearance from the harbour, which appearance is no doubt strengthened by the Portuguese forts that com mand the latter. Macao is, politically speaking, a very curious place. The Portuguese have a great many privileges; they have their own governor and a garrison of some 400 men, and rule themselves. 
I saw yesterday the Portuguese army, the numerous guards deducted, returning from mass at the great church. The men have by no means a despicable appearance. They are in general as dark as Mussulmen in the Carnatic: and indeed I was told that some of the recruits were actually Mussulmen. The Portuguese fair ones (or rather brown ones) seem never to stir abroad ; though they may be seen in the balconies of their houses in the cool of the evening. If you look up, they get behind the Venetians, to pretend to hide themselves, and to take a peep at you. I have not yet seen a pretty face among them. Indeed, pretty ladies seldom hide themselves: to be seen is with them even a greater pleasure than to see. The venerable fathers of the convent, with their cocked or (as C calls them) cockedup hats and long black gowns, and a lot of hooded nuns, may be seen abroad occasionally, the latter doubtless on their way to and from mass. Among these last I have seen one, or perhaps two, pretty pale faces, not more.
The English merchants here, though hospitable and friendly, cannot enjoy much society. A recent importation of English ladies has swelled the amount of these links of social hap piness to twelve, and another shortly expected will complete the baker's dozen. It is an astonishing fact (considering they are English) that these ladies are not all at daggers drawn with one another. Indeed, as the Portuguese arc too poor to associate much with the English, our fair countrywomen are obliged to keep on tolerable terms with each other - a sod and cruel necessity, no doubt. The English merchants feel very unsettled while awaiting the decision of the home govern ment respecting the permanent occupation of Hong Kong. The majority are, I think, in favour of the latter place as the seat, or rather depot, of their trade. On the other hand, some, considering the vicinity of Macao to the Canton river, dwell on the advantages of adhering to the established order of things. The fact is, the merchants are splendidly housed here, though only as renters: otherwise the superior advantages of living under their own government, and having such a harbour as that of Hong Kong, would be unanswerable arguments in favour of the latter place. (...)
Letter X. Macao, 28th Oct 1841. 
The Portuguese government has the right to try Chinese as well as Portuguese and Englishmen, and has more power than I had been led to suppose by books alluding to the subject. The Chinese controlling power is a very curious one, if I am to believe what I am told here. When the Mandarins are dissatisfied with any proceedings of the Portuguese govern ment, they issue orders to their people not to work for the Portuguese. This strike, it is said, gives the Mandarins the victory on such occasions. But as far as I can learn, collisions of that sort seldom occur nowadays. The English merchants only rent houses here : but since they have been forced to retire from Canton and to reside in this place, Macao has risen from an almost ruined to a very flourish ing condition. The Portuguese as well as Chinese thrive on British wealth and industry; and both will suffer when Macao is abandoned for Hong Kong. The English merchants in China are very hospitable, and keep up the character of merchant princes: the houses they rent here are very large, and elegantly furnished, at least those in which married ladies are found. There are no very fine buildings, architecturally speak ing, except the ruins of the ancient San Paulo church; of which, however, the front alone is standing. It was once the finest Christian church in the East. Yesterday morning I went with Dr. L to see the Casa gardens  - one of the lions of this place. It is formed out of what was once the gardens of the Dutch and English factories. It is small, and in the European style. It afforded, however, no shelter from the midday sun, and yesterday, though so late in the year, the thermometer, in the shade, stood at 8I°. We were broiled, in spite of a thin silk umbrella. The garden is such a one as almost every English or German town can boast of. The want of shade is attributed to the devas tations of the typhoons, which perform here the same part as hurricanes in the West Indies, to which the leanness of the horses used to be ascribed. 
The cave of Camoens - that in which he composed a part of the Lusiad - is naturally a picturesque object, formed by three irregular gigantic stone blocks, such as Homer's deities might have pelted each other with. One of these blocks seems to have fallen on the two others, and thus formed a cool cave with two entrances. The Portuguese, with their devices and plaster and ornaments, have spoiled its sylvan graces. To crown their absurdity, they have clapped a round summer-house on the top. Yesterday evening Mr. L took us to see Mr. Beale's aviary; and I can assure you even a matter in ornithology would have been enraptured. "We saw splendid gold and elegant Argus pheasants, and a magnificent bird of Paradise, a bird very seldom seen alive. I was most delighted with some dear little Mandarin ducks, whose wings, backs, breasts, and heads arc of different, yet sober quakcrlike colours. Of the fine arts, painting is enthroned at Macao: our countryman Cliinncry is supposed to be the greatest of Eastern painters. He almost worships Sir Ewe became good friends. He certainly paints and draws beautifully; but I cannot say whe ther he takes good likenesses. I read in a certain Indian journal the description of some scenery which was said to be " worthy of the pen of a Byron and the pencil of a Cliinncry," ajuxta-position of names which rather astonishes an Englishman. Chinese artists abound. Some - the pupils of Chinnery - are very respectable performers. Lunquah is the first; but he is gone to Canton. They take accurate likenesses, and will make copies of pointings to resemble the originals to such a degree that none but an artist can tell the difference. They don't know how to flatter yet; but English dollars will one day teach them that profitable art.
A lady at Macao was having her portrait drawn. As the work proceeded, she expressed her strong dissatisfaction at the performance. "Spose," said the painter,"you smile a little: he lookee better." 'Twas vain; for when the "pigeon" was done, the indignation of the fair one was so great and so disagreeably expressed, that the irritated artist naively exclaimed, "If handsome face no got, how handsome face can make? "English artists could teach him. (...)
Shopping in Macao is a laborious operation. Curiosities are easily procured; not so European or Eastern articles of clothing and comfort. The Chinese almost invariably take less than they ask of a foreigner, but always more than is fair. If you are polite, they are insolent; if you are cold and contemptuous, they are civil and obliging. Those, however, who know Englishmen, will generally behave respectfully, and may be civilly treated. (...)
In walking about Macao, strangers are usually armed with good aticks, as it is considered im prudent to be out late without some means of self-defence. C was once saved from being thrashed and robbed at Macao by the energetic use of his Penang lawyer, - an excellent ad vocate, who got him off safe both in limbs and pocket, and asked no fee. A Penang lawyer is made of the root of a tree that grows in the pretty island whose name it bears; and it is found of greater use in squabbles than an English lawyer - however little of a stick the latter may be. (...)

sexta-feira, 16 de novembro de 2018

Matchbox "Made in Macau"

Se um dia ao pegar num carrinho de brincar encontrar a expressão "Made in Macau" tem de ler este post para perceber a razão...
Os primeiros modelos (cima) e os  modelos"Made in Macau" (baixo)

Criada em 1953 no Reino Unido, a Matchbox (o nome advém do facto dos primeiros produtos serem embalados num invólucro idêntico ao das caixas de fósforos - primeira imagem), empresa de fabrico de brinquedos, tem parte da sua história ligada a Macau, quando a produção esteve instalada no território na década de 1980. (em cima um modelo produzido no território em 1988).
Nesta altura foi também aberta uma fábrica na China - para onde a produção transitou de Macau em 1992 - pelo que é relativamente fácil encontrar o mesmo modelo de brinquedo fabricado nos dois locais. Actualmente a Matchbox pertence à Mattel.
Na década de 1980 este tipo de indústria floresceu em Macau: desde as flores artificiais aos brinquedos e produtos electrónicos foram criadas 32 novas empresas só nos primeiros dois anos dessa década.

Modelo fabricado em Macau em 1981



PS: Inspirados pelas corridas do Grande Prémio de Macau, onde vivem, António Leong e Daniel Liu criaram em 2013 no território a Beemax, uma empresa que produz kits de carros de corrida. Os produtos são desenhados em Macau e construídos na China continental. Produzem cerca de 50 a 60 mil produtos/ano num total de 22 modelos diferentes.

quinta-feira, 15 de novembro de 2018

Grande Prémio: Filatelia e Numismática

Realiza-se esta semana a edição 65 do Grande Prémio de Macau. Ao longo dos anos o evento, cuja primeira edição ocorreu em 1954 - tem sido 'usado' como referência para diversas emissões filatélicas e numismáticas. Aqui ficam alguns exemplos.
 1988

2003
1978

1988

1984

quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Memórias de Álvaro de Moraes


“Macau, era, quando lá estive, entre 1949 e 1961, uma cidade cheia de encanto – pelo menos para mim (...) numa idade em que se é excepcionalmente receptivo à novidade e ao exotismo. (…) Fui como médico militar, na sequência de uma conversa, na Bijou, com um meu amigo que, sabendo da necessidade que eu tinha de começar a ganhar a minha vida e cortar o cordão umbilical familiar, ele falou, sem grandes pormenores, do exotismo daquelas paragens. Num dos repentes que às vezes me dão, fui aos Restauradores e ofereci-me como voluntário. (…)
Médico cirurgião, Álvaro Ferrão Antunes de Moraes, foi para Macau em 1949 como médico voluntário da guarnição militar do território. Em 1951 foi nomeado cirurgião militar. Em 1955, concorreu ao lugar cirurgião dos Serviços de Saúde de Macau. Durante os 12 anos que viveu em Macau, além da clínica privada (consultório de clínica geral na Travessa do Paralelo, n.º1); trabalhou ainda no Hospital de S. Rafael e na Clínica Anticancerosa Lara Reis, tendo nesta última chegado a ser o responsável máximo.
Sugestão de leitura: "Macau Memórias Década de 1950". Edição L.O. 1994.

terça-feira, 13 de novembro de 2018

"Três embaixadas europeias à China" no Museu do Oriente

Uma exposição sobre o percurso de três portugueses que, entre o século XIII e XVIII, fizeram os primeiros contactos diplomáticos entre a Europa e a China está patente no Museu do Oriente, em Lisboa, até 21 de Abril do próximo ano.
Grande Rolo Amarelo: espólio da Biblioteca Nacional

"Três embaixadas europeias à China" é o título desta iniciativa dividida em três núcleos dedicados aos representantes do Estado Português Tomé Pires e Francisco Pacheco de Sampaio, e o do Papado, o franciscano Lourenço de Portugal. 
A exposição engloba 70 peças oriundas de colecções privadas, de instituições como o Arquivo Secreto do Vaticano, a Torre do Tombo, a Biblioteca Nacional e o Museu da Farmácia, entre outras, e do próprio espólio da Fundação Oriente.
Podem ver-se, por exemplo, a bula papal de 1245 - documento original proveniente da Torre do Tombo - com a nomeação de Frei Lourenço de Portugal como embaixador ao Império Mongol, pelo Papa Inocêncio IV; a carta do Imperador Qianlong ao rei D. José I, de 1753, com quatro metros de comprimento e escrita em três línguas: manchu, português e chinês (ver imagem).
O primeiro núcleo dedicado a Frei Lourenço de Portugal, nomeado embaixador ao Império Mongol pelo Papa Inocêncio IV, em 1245. O segundo núcleo da mostra é dedicado a Tomé Pires e à sua embaixada à China, em 1517 - a primeira missão diplomática oficial de uma nação europeia à dinastia Ming . Tomé Pires foi boticário, farmacêutico e autor da "Suma Oriental", a primeira e mais completa descrição europeia quinhentista da Ásia, cujo manuscrito pode ser visto na exposição. O terceiro núcleo centra-se na embaixada de Francisco Pacheco de Sampaio ao Imperador Qianlong, da dinastia Qing, em 1752, numa altura considerada delicada para os interesses portugueses em Macau e na China. 

Na exposição podem ainda ver-se peças de arte chinesa do século XVIII, nomeadamente uma poncheira com imagens das feitorias de Cantão.


domingo, 11 de novembro de 2018

Macau por Adolfo D'Eça (1918)

Há 100 anos, em Novembro de 1918 a revista Illustração Portugueza publicava uma artigo de duas páginas com textos e fotos da autoria de Adolfo D'Eça. Eis a proposta para o post de hoje... uma viagem a como era Macau há um século...
Qual é o itenerario a seguir para evitar o calor intenso do verão ou para fugir á densa humidade dos mezes invernosos? E qual é o local mais proximo, para onde se ir procurar descanso para a fadiga da longa viagem. São estas as perguntas que os turistas, ao entrarem nas companhias dos vapores, em Hong-kong, costumam fazer. Macau!!... 
Eis tambem a única resposta que sempre obtéem. É que esta colonia portugueza, colonia n'uma das margens da ilha de Heung-Shan, medindo cinco kilometros no seu maior cumprimento, sobre trez na sua maior largura, oferece, pelo seu aspéto pitoresco e encantador, uma agradavel impressão áquele que a visitar pela primeira vez.
Deixando Hong-Kong n´um dos vapores comodos de 6 pés de cala, o turista, depois de 4 horas de uma travessia atravez inumeras ilhas, descobre na eminencia um dos pontos mais culminantes da peninsula, a Fortaleza da Guia, com o seu farol, que conta perto de um seculo de existencia; o primeiro farol rotativo que alumiou a navegação nos mares da China; farol construido pelo distinto macaense, que, em vida, se chamou Carlos Vicente da Rocha. No museu das Janelas Verdes, em Lisboa, deve ainda estar o farol em miniatura que serviu de molde e que foi feito pelo referido extinto. Chegada a esta altura o vapor é obrigado a reduzir o seu andamento para entrar no canal.
Avista-se então a cidade de Macau, edificada nas encostas dos montes. É de pitoresco e magnifico aspéto aquele anfiteatro subindo desde o semi-circulo de Praia Grande como em escalões pelas alpenduradas das montanhas os edificios pintados de diversas côres, destacando no meio de frondentes arvoredos e por cima de todos coroando os mais altos picos as velhas fortalezas do Monte e da Guia; o elegante e grandioso Hospital de S. Januario, o magestoso frontespicio da destruida Igreja de S. Paulo, pesada mole de maciça cantaria, adornada de estatuas de bronze em tamanho natural; a branca ermida da Senhora da Penha, residencia favorita do ultimo prelado de Macau e o magestoso Hotel de Boa Vista, hoje transformado no Liceu Nacional. 
Entrando a seguir no porto interior a vista é tambem linda, mas d'um aspéto diferente. Filas de juncos chinezes de varias dimensões ancorados em ambas as margens do rio, deixam vago um estreito caminho para a entrada e saida dos vapores da carreira. Minutos depois chega-se ao terminus de uma Viagem de 44 milhas. O vapor atraca-se ao caes, onde se efetuam o desembarque dos passageiros e a descarga das mercadorias.
O turista conduzido em automoveis ou em jerinshas (carros puxados á mão) percorre por momento algumas das estreitas ruas do bairro chinez, entra na Nova Avenida (Ribeiro d'Almeida), onde estão construidos edificios novos e elegantes, que dão uma impressão mais agradavel do que as antigas lojas avistadas logo á entrada do porto interior; ao mesmo tempo que o seu movimento comercial dá de conhecer ao forasteiro que está n'uma cidade, que, embora pequena, conta com uma população de 80 mil almas. Minutos depois encontra-se na Praia Grande a curva graciosa que de bordo atraiu a atenção do viajante: edificios grandiosos, taes como: Palacio de Justiça, Palacio do Governo, residencias de capitalistas chinezes e edifícios construídos à europeia. 
Ha varios passeios em Macau. O mais preferido pelos turistas é: a Avenida Vasco da Gama de uma extensão de 600 metros e fechado n´uma extremidade por um rico jardim cuidadosamente tratado e n´outra pelo elegante monumento dedicado a Vasco da Gama. 
Saindo d´esta Avenida percorre o viajante estradas bem lançadas e assombradas por grandes arvores até que atinge «As Portas do Cerco», portico historico onde existem lapides atestando os feitos dos dois heroes tão bem-quistos e venerandos pelos macaenses Amaral e Mesquita. 
Voltando continua o viajante o seu passeio atravessando a antiga povoação da Patane, hoje transformada em um local assás prazenteiro, até chegar á Gruta de Camões, onde, segundo a tradição, o grande poeta passou horas bem amargas para concluir a sua gigantesca obra os Luziadas. Não deixa turista algum a Cidade de Macau sem visitar as ruinas da Egreja de S. Paulo, cujo frontespicio começou a contemplar de bordo do vapor. 
Só depois de admirar estas antiguidades que atestam o dominio secular de Portugal sobre aquela possessão genuinamente portugueza é que o turista regressa a Hong-kong contente, satisfeito e bem impressionado do que viu, estudou e admirou n'essa velha cidade portugueza, que possue paginas tão brilhantes na historia das conquistas portuguezas. 
Adolfo D´Eça in Illustração Portugueza, 4 de Novembro de 1918

sábado, 10 de novembro de 2018

Inauguração do Liceu Nacional Infante D. Henrique: 2 Outubro 1958

No nº 68 do “Macau – Boletim Informativo“ de 1956, pode ler-se:
"Na presença de Sua Ex.ª o Governador, de Sua Exma. Esposa e das principais autoridades civis, militares e eclesiásticas da Província foi colocada, cerca das 11.00 horas, a primeira pedra do novo edifício destinado ao Liceu Nacional Infante D. Henrique. Assinalando o acto, o Sr. Engenheiro José dos Santos Baptista, Chefe da Repartição Provincial dos Serviços de Obras Públicas, Portos e Transportes, leu o seguinte auto: «Auto da solenidade da colocação da pedra fundamental do edifício do Liceu Nacional Infante D. Henrique que se vai erigir em comemoração do XXX Aniversário da Revolução Nacional. Aos vinte e oito dias de Maio do ano do nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo de mil novecentos e cinquenta e seis, nesta Cidade do Santo Nome de Deus de Macau, na Ásia e nos terrenos do aterro da Praia Grande, sendo Governador o Contra-Almirante Joaquim Marques Esparteiro e, na sua presença bem como do Prelado da Diocese, membros do Corpo Diplomático, Conselho de Governo , Chefes das Repartições do Estado e funcionários civis e militares, se procedeu à cerimónia da colocação da pedra fundamental do edifício do Liceu Nacional Infante D. Henrique, que se há-de erigir como recordação do XXX Aniversário da Revolução Nacional, adentro do programa do Plano de Fomento…"  

O terreno para o Liceu ficava nos aterros da Praia Grande e compreendia uma grande área delimitada pela Rotunda Ferreira do Amaral, Avenida Dr. Oliveira Salazar, Avenida D. João IV e Avenida Infante D. Henrique. Incluía ainda um ginásio e um campo de jogos ao ar livre. O edifício ocupou uma área coberta de 2.465 metros quadrados, e o campo de jogos 4.950 metros quadrados.
A construção começou a 28 de Maio de 1956 e a inauguração deu-se a 2 de Outubro de 1958.
O Liceu em duas imagens da década de 1970

sexta-feira, 9 de novembro de 2018

Edifício do Liceu na Praia Grande: inaugurado há 60 anos


Há 60 anos (Outubro de 1958) era inaugurado o primeiro edifício construído para o Liceu de Macau na baía da Praia Grande na então denominada av. Oliveira Salazar (actual Av. Dr. Mário Soares). Neste postal pode ver-se uma fase da construção. O edifício foi demolido em 1989
A instituição foi criada em 1893 - carta de lei de 27 de Julho de 1893, assinada pelo Rei D. Carlos - e esteve 'albergada' em vários edifícios ao longo dos tempos. Desde o antigo convento de Santo Agostinho, ao hotel Boa Vista e antigo asilo dos órfãos no Tap Seac até ter uma 'casa' nova em 1958. Ali ficou até 1986, data em que foi inaugurado o Complexo Escolar.
No blogue existem vários posts sobre o Liceu. Basta selecionar a palavra no campo das 'etiquetas'.
Sugestão de leitura: "Liceu de Macau: 1893-1999", João Botas, 2007

quinta-feira, 8 de novembro de 2018

Brochura turística: "Garden City of the Orient"


 15 minutes by air from Hong Kong
4 hours by confortable ferry service
Brochura do Turismo de Macau na década de 1960 em língua inglesa; 
neste caso, usada para o mercado de Hong Kong. 

quarta-feira, 7 de novembro de 2018

Primórdios da Biblioteca Pública

A 27 de Dezembro de 1873, o Governador de Macau, Visconde de S. Januário, aprovava, pela Portaria n° 92 - publicada no "Boletim da Província de Macau e Timor" n° 52 (imagem acima), os Estatutos de uma sociedade designada por Biblioteca Macaense, instituição que tinha por objectivo "proporcionar instrucção e recreio aos seus associados por meio da leitura de livros nacionaes e estrangeiros". A associação era formada por vinte sócios proprietários-fundadores, sendo o número de subscritores sem limite. Cada sócio pagava mensalmente uma pataca para os fundos da associação, sendo esta administrada por uma comissão directiva constituída por algumas das mais importantes personalidades de Macau: P. Nolasco da Silva Júnior (Presidente), Domingos C. Pacheco (Tesoureiro), Nicásio Simões (Secretário), A. Bastos Júnior (Vogal) e Câncio Jorge (Vogal). 
O jornal "Gazeta de Macau e Timor" n° 15, de 30.12.1873 escrevia a este propósito que era de "elogiar o empenho dos bons e patrioticos macaenses, que respeitam a sua terra e desejam vela florecer e prosperar (...) applaudindo a creação de uma bibliotheca para o uso da população macaense". Durou uma década.
Assim, em 1883, o jornal "O Correio de Macau" era referenciado pelo "Echo Macaense", n° 58, de 24.05.1883, por ter publicado um "excellente artigo" a sugerir a criação ao governo de uma biblioteca pública: "Com quanto não tenhamos a esperança de que o governo tome a iniciativa n'esta obra civilizadora, nem incorra nas despezas da fundação e conservação d'uma bibliotheca, é de crêr que talvez não negue um subsidio a qualquer instituição particular d'este genero".
Sem esperança na capacidade do governo, parecia que a solução estaria nas mãos da sociedade. A propósito, refira-se que desde 1844 o Clube União possuía já alguns armários, mandados fazer para guardar os livros que iriam formar o acervo da futura biblioteca pública de Macau. Outro exemplo... O Grémio Militar, criado em 1870, tinha previsto no artigo 3º dos estatutos: "O fim da sociedade é adquirir livros nacionais e estrangeiros de assuntos militares, navais, históricos, científicos e quaisquer outros de utilidade; bem como de proporcionar aos sócios, a leitura de jornais, jogos d'armas e de todos os demais permitidos por lei: tudo para instrução e recreio dos mesmos sócios".
O jornal "O Independente", vol. IX, n° 406, de 16.07.1887, publicava um extenso artigo intitulado "Bibliotheca Publica": "Durante o governo do sr. Thomaz de Souza Roza chamamos a attenção de s. exa. para a necessidade de se fundar em Macau uma biblio-theca publica, principalmente destinada a auxiliar o exercicio das diversas profissões scientificas que aqui se exercem. Esta ideia foi bem acolhida, e chegou a re-solver-se, segundo nos constou, que se consultassem os chefes das repartições publicas acerca da escolha dos livros mais convenientes aos seus misteres; mas não se avançou um só passo mais, cremos que por causa das graves questões em que o governo provincial começou a vêr-se envolvido, e que absorviam a sua attenção. (...) "A melhor garantia que o Estado pode assegurar-se, a respeito d'um conveniente estudo da applicação por parte d'aquelles funccionarios que não podem bem desempenhar os seus deveres sem se entregarem a maduras locubrações, consiste pois na fundação d'uma bibliotheca selecta, que é cara para o bolsinho particular, mas que não demanda sacrificios aos cofres d'uma provincia". 
Em Lisboa, a 27 de Julho de 1893, o Rei D. Carlos fazia saber que as Cortes Gerais haviam decretado a Carta de Lei que reorganizava a Instrução Secundária na cidade de Macau. 
No Art°. 12 podia ler-se: "Junto ao lyceu nacional de Macau serão creados um gabinete de physica e chimica e historia natural, e uma bibliotheca, que terá o nome de 'bibliotheca nacional de Macau'. (...) O governador da província, depois de ouvir o conselho escolar, formulará o regulamento para o funccionamento da bibliotheca, por forma que possa ser frequentada, não só pelos alumnos, mas tambem pelo publico".
Estavam criadas novamente as condições para a criação de uma biblioteca pública em Macau, pelo menos na lei, porque na prática não era bem assim.
Em 1894 do orçamento total para o Liceu, apenas 100$000 reis anuais estavam destinados à biblioteca, um valor que não chegava sequer para comprar, durante um exercício, as obras consideradas essenciais para uma biblioteca. Num dos jornais locais, O Independente, podia ler-se: "Com aquella quantia tão limitada, não é facil calcular o numero de annos que seria necessario para começar a fazer-se sentir a existencia, embora modesta, de um estabelecimento cujas vantagens são tão apreciaveis. Ora nós desejavamos que a bibliotheca publica de Macau se constituisse por forma a poder ser aproveitada já por nós e nossos filhos, em vez de o ser pelos filhos e mais descendentes dos nossos netos." 

"Regni Chinensis Descriptio" (Batávia, 1639).
A mais antiga obra impressa existente no acervo documental da Biblioteca Nacional, secção do Leal Senado.
O "Echo Macaense" também fez duras críticas à penúria existente no território quanto à leitura pública, considerando Macau, apesar de ser a mais antiga possessão europeia na China, "mais retrograda do que as suas irmãs modernissimas, Hong Kong, Shanghae, e Tientsin, com respeito a uma das instituições mais civilisadoras, auxiliar indispensável do progresso intellectual de um povo, a qual é a bibliotheca publica, destinada para o uso popular". 
O Liceu Nacional de Macau viria a ser inaugurado no dia 28 de Setembro de 1894 e a Biblioteca Nacional de Macau, que lhe era anexa, viria a abrir as suas portas, algum tempo depois. Após a Sessão do Conselho Escolar de 29 de Setembro de 1895, o Governador Horta e Costa nomeou uma comissão de professores para redigir o Regulamento da Biblioteca Nacional de Macau. Mas as coisas não começaram nada bem. O próprio Liceu começou por funcionar numa sala decrépita de um decrépito edifício onde havia funcionado o Convento de Santo Agostinho, tendo sido nomeado seu guarda o Sr. Damião Maximiano Rodrigues.
Em 1897 o jornal "Echo Macaense", de 14 de Fevereiro, reproduzia uma carta de um cidadão: "infelizmente, em Macau, passaram-se longos annos sem o governo pensar em proporcionar meios adequados para a cultura e recreio intellectual da communidade. (...) A Bibliotheca Publica de Macau deve ser mantida a todo o custo [apesar de a] verba annual votada pelo governo [ser] insuficiente. A bibliotheca concorrerá poderosa-mente para a instrucção e emancipação intellectual dos habitantes..." 
Em 1898, com a criação da sub-comissão encarregada de formular o projecto dos festejos destinados a comemorar, em Macau, o IV Centenário do Descobrimento do Caminho Marítimo para a Índia, presidida por António Joaquim Basto e também composta por Arthur Tamagnini Barbosa, Manuel José da Conceição Borges, A. Talone da Costa e Silva, Augusto César de Abreu Nunes, Lu-Cau e Pedro Nolasco da Silva, esta apenas acordou em propor ao Governo que se criasse uma biblioteca pública, sob a denominação de Biblioteca Vasco da Gama. Dizia ainda esta sub-comissão que as três pequenas bibliotecas existentes em Macau -Biblioteca Nacional anexa ao Liceu, a do Clube União e a do Grémio Militar não serviam os verdadeiros interesses da população do Território, pelo que deveriam fundir-se numa só ("O Porvir", n° 13, 12.02.1898).
Curiosamente na vizinha Hong-Kong, já havia a Biblioteca Lusitana, fundada por Luciano de Carvalho e João Caetano da Cunha, a funcionar no Clube Lusitano.N'"O Reporter", de 04.04.1899, escreve-se que "a respeito da bibliotheca vem a proposito mostrar quanto podem o exemplo e a cultura intellectual do meio em que se vive (...) pois a comunidade portugueza de Hongkong tem à sua disposição uma excellente bibliotheca de bons livros enthesourados no Club Lusitano, que é o ponto de reunião habitual das pessoas mais distinctas da mesma communidade" 
Em Macau, a Biblioteca Nacional havia de continuar por mais 30 anos a acompanhar o Liceu, nas suas decrépitas instalações ("o velho pardieiro" segundo a imprensa da época) e crónica falta de verbas.
No jornal "O Progresso", de 12 de Setembro de 1915, podia ler-se, a propósito da Biblioteca, o seguinte: "Temos, pois, em Macau, também, uma biblioteca intitulada publica -Biblioteca Nacional anexa ao Liceu. Mas essa espécie de biblioteca (...) é o mesmo que não existisse. Ninguém a frequenta, nem pode frequentar, porque, além da sua pobresa bibliográfica - umas centenas de livros, sem valor, dentro de mal encaradas estantes - acha-se instalada num acanhado, desconfortável e pouco arejado compartimento do edifício liceal (...) e, finalmente, porque se de premissas se tiram conclusões, tal biblioteca ou espécie de biblioteca, ainda que continue a pavonear-se com a pomposa designação de Biblioteca Nacional, como quem diz. Biblioteca Publica, de facto nem é bem biblioteca, nem é nada publica!..." 
Em 1917 transferiram-se, liceu e biblioteca, para edifício do Hotel Bela Vista. Antes, em 1916, o Governador de Macau deu indicações para serem catalogados em separado os 400 livros que os herdeiros do intérprete e sinólogo, Pedro Nolasco da Silva, haviam oferecido à Repartição do Expediente Sínico, a fim dos mesmos virem a constituir o primeiro núcleo de uma biblioteca designada por Biblioteca Pedro Nolasco. 

Em 1924, nova mudança de instalações, desta feita para o edifício que havia servido de asilo às inválidas, no Tap Seac. (imagem acima)
Em 1922, num artigo publicado no jornal "O Liberal", a 24 de Setembro, Henrique Valdez sugeria o aproveitamento do antigo quartel de artilharia, localizado no Jardim da Flora, para ali se instalar a tão ansiada biblioteca pública e o museu da cidade: "Os investigadores, que procurassem rebuscar nos arquivos elementos para o estudo da história de Macau, encontrariam na biblioteca - se o serviço viesse a ser bem montado - tudo o que existe sobre o assunto, devidamente anotado e catalogado. E os turistas, vendo esse serviço dirigido com proficiencia, teriam mais um motivo para ir lá fóra fazer boa propaganda da Colonia e do grau de cultura dos seus habitantes. É esta propaganda de que Macau necessita, agora que, no estrangeiro, almas cheias de peçonha nos teem levantado a mais temerosa e a mais injusta campanha de descredito. (...) Nos Guias de Macau já não teremos apenas, como agora, a indicação feita ao turista de que deve ver as ruinas de S. Paulo, as casas de fantan ou a fabrica de ópio; indicar-se-á tambem que visite o grande Parque, o Museu e a Biblioteca Publica".
Finalmente, em 1927, o Leal Senado ofereceu duas salas do seu andar nobre para ali acolher condigna e definitivamente a Biblioteca. As obras iniciaram-se, em 1928, sob a direcção técnica do director das Obras Públicas, Eng. Duarte Veiga. Em Fevereiro do ano seguinte ficavam concluídas as obras, segundo o projecto da firma de arquitectos e construtores Remédios & Mylo, tendo sido contratado o empreiteiro Ao Chio para efectuar os trabalhos de acabamento. 
Chegava ao fim uma aventura ímpar mas que tinha valido a pena. A 7 de Maio de 1949, o jornal "Notícias de Macau" transcrevia um artigo publicado no "South China Morning Post" de Hong Kong, onde se elogiava a Biblioteca Pública de Macau: "(...) na Casa do Senado existe uma bela biblioteca (...) que dizem ser a reconstituição, em escala mais pequena, da célebre biblioteca do Convento de Mafra, em Portugal. A coisa mais atraente que se observa na Biblioteca de Macau é a delicada obra de talha que adicciona um aspecto agradável e tranquilo ao mais baixo dos dois andares, nos quais as estantes dos livros estão dispostas em volta de um espaço central".

terça-feira, 6 de novembro de 2018

Cinematógrafo "Vitória": Maio de 1918

Na edição de 4 de Maio de 1918 o jornal "A Colónia" publicava este anúncio do "Cinematógrafo Vitória: a melhor casa de espectáculo" que publicitava a exibição do "magnífico e sensacional film policial de 15 episódios, em 30 partes, da afamada casa Pathé: A Sombra Protectora".


segunda-feira, 5 de novembro de 2018

Macau during World War One

During World War One, Macau's main problem was its relationship with China. This stemmed from the consequences of its internal tensions and the lack of recognition of the Portuguese borders. However, its defence was weak, mainly based on local elements.
War in Europe and Tensions in China

The impact of the Great War on Macau was rooted in the colony’s former issues: its relationship with and vicinity to
China, involving both the indefiniteness of Macau’s borders and the political agitation in China. From the beginning of the war, many Chinese refugees came from Hong Kong to Macau. At the beginning of September 1914, the governor estimated the town’s inhabitants at 120,000, many of whom were likely pirates or revolutionaries. This required more surveillance; however, military and police forces were not enough. Thus, the governor created the Volunteer Corp, with many adhesions.
Simultaneously, there was substantial unrest in southern China due to internal problems, which also impacted the colony Macau. For instance, in October 1914 authorities caught wind of a plan intending to cause trouble that was linked to Macau. They took measures to avoid it by forbidding any type of manifestation or
propaganda. Then authorities increased surveillance in the Chinese neighbourhood, contracting Chinese police and using military troops. In December 1915, when agitation increased after the proclamation of the monarchy in China, surveillance was expanded to cover the whole town. Germany declared war on Portugal in March 1916, when China was in the midst of great turmoil as a result of the newly announced monarchy. During this time, the governor of Macau feared an invasion. Now the situation was linked with the enemies in Europe: according to his information, 400 Germans lived in Guangdong and spread propaganda against foreigners. He thought this could provoke a revolt hostile to the Portuguese, as in Hong Kong, where three conspiracies were discovered. Later, more refugees, especially from Guangdong, came to Macau. Naturally, it resulted in more intensive surveillance and increased control of people entering and leaving Macau. Meanwhile, he began censoring mail and telegraph wires. However, it proved difficult to carry out due to the necessary translation of Chinese letters.
The War as a Possible Resolution of Border Disagreement
Despite the agreement between the
Portuguese and Chinese governments in 1887, Macau’s borders were not established, and instead postponed for a future agreement. However, Chinese claims, especially in Guangdong, never permitted it. Now, in October 1914, the governor sought to resolve the issue, suggesting that since Portugal supported its ally, Great Britain, it could benefit from delimiting the territory, which would end the agitation over Macau. In 1916, there were developments in this matter: while the Portuguese authorities had plans for a Pacific occupation of Lapa, one of the contested islands, Chinese forces dominated the same; there were some problems with Chinese ships in Portuguese waters, too. After that, conversations with the Guangdong government took place and its representative went to Macau.
Necessity of Troops
This situation made it necessary to deploy more troops, since the Macanese garrison was very limited and vulnerable. In response to demands to Lisbon for more forces and military equipment, the Portuguese government asked for justifications for the request. A small contingent came from
India. Thus, the solution was to transform the Volunteer Corp into active troops. In March 1916, the governor asked permission to impose police service on all Portuguese inhabitants, but the minister refused. Only in the summer of 1917 did the ministry in Lisbon consider it essential to send troops to Macau to protect the territory. However, it was very difficult to arrange transportation; in the beginning of 1918 military forces assigned to Macau were fighting in Mozambique and authorities did not permit their transfer.
Other Aspects of Local Life
As in other warring nations, inflation made it necessary to increase salaries in Macau; local markets did not have enough goods, but other aspects of the economy and finance were maintained without significant changes. Local authorities offered 30,000 pounds to the “Mother homeland”, especially to help
hospitals and soldiers’ families. To overcome students’ inability to travel to Portugal, the local high school implemented a higher level of education.
Conclusion
At the
Paris Peace Conference following the war, Portuguese delegates tried to discuss Macau’s borders, but without success. In conclusion, in spite of its distance from the war, Macau was affected to a certain degree, but was unable to use the conflict to solve pre-existing problems, which remained largely unchanged after the war.
Artigo da autoria de Célia Reis - Professora

IHC/FCSH-UNL: Instituto de História Contemporânea/Faculdade  de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa
in 1914-1918 online. International Encyclopedia of the First World War, ed. by Ute Daniel, Peter Gatrell, Oliver Janz, Heather Jones, Jennifer Keene, Alan Kramer, and Bill Nasson, issued by Freie Universität Berlin, 2016.

domingo, 4 de novembro de 2018

O Tráfico de Cules através do Porto de Macau


Desde o princípio da dinastia, os Qing tinham restringido e até proibido a partida dos chineses para o estrangeiro. Porém, esta proibição não havia sido estritamente cumprida pelas autoridades locais e os chineses tinham emigrado para além-mar, quer como mercadores, quer como artesãos e trabalhadores. Depois da Primeira Guerra do Ópio, a lei da proibição da emigração foi violada em grande escala pelas potências ocidentais. Por um lado, desde meados do século XIX, os trabalhadores chineses eram muito procurados pelos países e colónias ocidentais e recrutados agentes da emigração nos portos da costa chinesa; por outro lado, perante o direito de extraterritorialidade gozado pelos ocidentais nos portos dos tratados e as demonstrações de força militar dessas potências, as autoridades locais chinesas não dispunham de meios, a não ser recorrer à punição dos correctores chineses e repetir a antiga lei da proibição da emigração. Os mandarins evitavam, ao máximo, entrar em conflito com os ocidentais e reportar ao governo central em matéria da emigração chinesa.
A Segunda Guerra do Ópio proporcionou aos ingleses uma oportunidade de forçar o governo Qing a permitir e regular a emigração dos cules chineses.
Em 1859, durante a ocupação anglo-francesa da cidade de Cantão, o governador Bo Gui 柏貴 e, mais tarde, o vice-rei Lao Chongguang 勞崇光, por requerimento dos ingleses, permitiram a emigração chinesa por contrato. Em 1860, ainda sob a ameaça militar anglo-francesa, o governo central chinês, pelas Convenções de Pequim, permitiu o recrutamento dos trabalhadores chineses por ingleses e franceses para fora da China e o direito dos chineses a fazerem contratos com os ocidentais e emigrarem, sozinhos ou acompanhados pelas famílias. O abandono da lei secular da proibição à emigração, pelo governo chinês, fez parte das mutações que a China teve de enfrentar, perante as novas circunstâncias internacionais sem precedentes.82 Depois de admitir a emigração por contrato, o próximo passo foi regular e uniformizar esta actividade em todos os portos abertos (dos tratados). A Convenção da Emigração, de 1866, prestava várias garantias aos direitos dos cules chineses e limitava o recrutamento e o embarque dos emigrantes aos portos dos tratados, proibindo o tráfico em Macau, um porto fora da jurisdição chinesa. Porém, alguns artigos deste acordo contrariavam os interesses dos mercadores e fazendeiros ocidentais, e não foi ratificada pelos governos de Londres e de Paris. Além disso, a Grã-Bretanha, a França e Espanha pressionavam o governo Qing para modificar alguns artigos desta convenção.


“Regulamento dos Passageiros Asiáticos e seu Transporte pelo Porto de Macau”, in Boletim da Província de Macau e Timor, 31 de Janeiro de 1874.
 


A Convenção de 1866, em vez de acabar com as irregularidades da emigração e terminar com o tráfico em Macau, produziu efeitos contrários, pois a emigração por contrato transferiu-se, quase totalmente, para Macau. Por um lado, o próprio convénio não estipulava medidas aplicáveis e eficientes para impedir o tráfico de cules em Macau; por outro lado, a Grã-Bretanha, França e Espanha não reconheciam o regulamento de 1866, outras potências ocidentais também não o cumpriam e não cooperavam com as autoridades chinesas. Mesmo os próprios funcionários chineses não observavam esse regulamento de 1866. A implementação da Convenção de 1866 parece ter sido somente um desejo do Zongli Yamen, do inspector- geral Robert Hart e, durante algum tempo, também do embaixador americano na China.
O governo Qing celebrou convenções com o Peru e a Espanha, dois dos principais recrutadores de cules em Macau, em 1874 e 1877, respectivamente. Essas duas convenções regulamentavam as condições da emigração chinesa para o Peru e Cuba. A Convenção de 1866 foi, assim, substituída. A partir daí, os países que tencionavam recrutar emigrantes chineses tinham de assinar acordos directamente com o governo chinês para regular, de antemão, todos os aspectos relevantes à emigração. O governo chinês começou, a partir dessas duas convenções, a enviar os seus representantes diplomáticos e cônsules para além-mar, com o fim de prestar protecção aos emigrantes chineses, no estrangeiro. Podemos ver as convenções com o Peru e a Espanha como resultado da recusa da Convenção de 1866 pelas grandes potências, sobretudo a Grã-Bretanha, e as suas intenções de legitimar e regular a emigração chinesa para o Peru e Cuba a partir dos portos abertos chineses e, assim, acabar com o tráfico por Macau.
Macau tinha sido um porto a partir do qual os chineses emigravam para além-mar. Antes da Guerra do Ópio, os ingleses e os portugueses recrutavam os trabalhadores chineses através de Macau para as suas colónias, nas diversas partes do mundo. A proibição da emigração não foi cumprida pelos oficiais chineses em Macau antes de 1849. Com o desenvolvimento da emigração de cules chineses neste porto, desde 1851, o governo chinês permaneceu ignorante e indiferente ao tráfico humano em Macau, durante um longo período.
“Barracoons at Macao”, Harper’s New Monthly Magazine, Junho 1864.
Desde que os funcionários alfandegários chineses foram expulsos de Macau em 1849 até 1862, o governo Qing não prestou muita atenção à questão de Macau, pois nem sabia como tratar esta questão. Depois da celebração do tratado com Portugal, o governo chinês pensava que, segundo o tratado, a China poderia continuar a nomear um oficial chinês (não um cônsul) para Macau. Porém, as duas partes contratantes não puderam chegar a um compromisso, na questão das atribuições do oficial chinês residente em Macau, pelo que o tratado de 1862 não foi ratificado.
Pela Convenção de 1866, a emigração chinesa por Macau foi declarada ilegal pelo governo chinês, visto que Macau se encontrava fora da jurisdição chinesa. A proibição da emigração por Macau foi, de facto, uma proposta de Robert Hart, o Inspector-Geral das Alfândegas.
O restabelecimento de uma autoridade chinesa em Macau podia, entre vários outros motivos, inspeccionar a emigração chinesa. Perante a recusa portuguesa de permitir a instalação de um oficial chinês, não cônsul, em Macau, Robert Hart, em 1867, planeou o ‘Projeto Emily’, peor qual a China deveria obter a jurisdição chinesa sobre Macau, através de uma compensação pecuniária aos portugueses. Em 1868, o embaixador espanhol na China, Sinibaldo de Mas, foi encarregado, pelo governo Qing, de negociar com o governo de Lisboa, neste sentido. Contudo, com o falecimento de Mas, este projecto falhou, tendo sido abandonado pelo governo chinês.
Esta pretensão dos Qing, de restabelecer uma autoridade chinesa em Macau, nunca teve oportunidade de se concretizar. Assim, não se podia realizar a supervisão da emigração chinesa, através deste oficial chinês residente em Macau.
A política das autoridades chinesas de Guangdong a propósito do tráfico de cules, em Macau, entre 1866 e a primeira metade de 1872, consistia em proibir os chineses irem para Macau, em perseguir e punir os corretores chineses, em protestar junto dos governadores de Macau através de ofícios. Antes de meados de 1872, a inspecção do transporte de cules para Macau, pelas autoridades de Guangdong, era menos eficaz e os funcionários de Guangdong foram mesmo acusados de serem cúmplices no tráfico humano. A despeito da Convenção de 1866 e das leis contra os correctores chineses elaboradas pelos vice-reis e governadores de Cantão e aprovadas pelo Zongli Yamen e pelo Conselho das Punições, o tráfico humano na província de Guangdong continuou a ser incontrolável. Por um lado, as actividades dos mercadores e navios ocidentais e os seus aliados chineses desdenhavam das leis chinesas, por outro lado, os funcionários eram impotentes e corruptos. Aliás, as potências ocidentais mostravam-se relutantes em prestar cooperação, e o governo de Macau não cumpria a sério as portarias da regulamentação da emigração, desmentindo que a emigração por Macau fosse involuntária e sem regulamentação.
Desde a segunda metade de 1872, a situação começou a transformar-se. Um elemento importante, que impulsionou o governo Qing a tomar uma posição mais dura em relação ao tráfico de cules, foi a atitude das grandes potências, os Estados Unidos da América e a Inglaterra.
Desde 1869, o cônsul americano em Xiamen, Charles le Gendre, manifestava a sua oposição contra o recrutamento de emigrantes pelos mercadores espanhóis, para Cuba. Em 1872, o embaixador americano na China, Frederick F. Low, criticava, num ofício ao Zongli Yamen, a inacção e a corrupção das autoridades provinciais do Sul da China, na inspecção da emigração, pedindo ao Yamen que mandasse observar estritamente a Convenção de 1866. O vice-rei Ruilin, tendo sido severamente censurado pelo Zongli Yamen e, também, pelo cônsul inglês em Cantão, D. B. Robertson, assim como, pela convicção de que o tráfico por Macau era criticado por muitos países ocidentais, começou a tomar medidas mais fortes e eficazes para impedir o tráfico em Macau, como sejam, inspeccionar os navios a vapor estrangeiros que navegavam entre Cantão e Macau, apreender as lorchas portuguesas que procuravam cules nas águas da costa oeste da província, expulsar os navios de cules ancorados em Huangpu e nas águas adjacentes. As acções do governo de Cantão, ao tratar dos navios ocidentais envolvidos no tráfico de cules, foram auxiliadas pelo cônsul britânico Brooke Robertson e encorajadas pela expulsão dos navios de cules, feita pelo governo de Hong Kong. À medida que o governo de Guangdong reforçava a inspecção sobre o tráfico humano e que o governo de Londres pressionava constantemente o governo de Lisboa, as medidas tomadas por este tornaram-se mais rigorosas e a emigração dos cules pelo porto de Macau foi, finalmente, abolida em Março de 1874.

Excerto (conclusão) do artigo da autoria de Liu cong e Leonor Diaz de Seabra publicado no nº 55 da Revista de Cultura, ICM.

sábado, 3 de novembro de 2018

"For Refugees From Vietnam, a Catch-22 in Macao"

The continuing arrival of large numbers of Vietnamese refugees in Hong Kong and in this Portuguese colony is not limited to people from the south of Vietnam. Most of the refugees here and more than one-fifth of those in Hong Kong come from the north, which has been under Communist rule since 1954. Two distinct groups are prominent among those fleeing from the north: Roman Catholics and ethnic Chinese. Both groups benefit from the indulgent attitude of China, which grants informal transit assistance to all who flee Vietnam. At the height of Vietnam's persecution of its Chinese minority, in 1978 and 1979, China accepted 263,000 ethnic Chinese as refugees and installed them on large state farms in southern China. 

A Mixed Blessing for Refugees
This characterized China in the language of international and national refugee officials as a ''resettlement country,'' a mixed blessing from the refugees' point of view. It means that all refugees who have come through China since this mass resettlement are suspected of having already been resettled and are therefore ineligible for permanent asylum in such countries as the United States.
So far this year, Hong Kong has sent back 2,725 refugees who had been resettled on Chinese farms. ''Thirty to forty have come back, some even two or even three times,'' a Hong Kong official said. He said about 2,900 more are being held until permission is received from China to return them. Macao has no formal procedure for forcible repatriation of refugees. But last month, when the total number of refugees around a pier at Taipa had reached about 7,000, a mysterious exodus began, according to refugee officials. At least 3,000 of the men, women and children, who had been living in the most primitive conditions and fed largely by charitable organizations, are said to have returned voluntarily to China, swimming and wading across a narrow channel that separates Macao from the mainland. 
Refugees Abandon Hope
The Rev. Lancelot M. Rodrigues, the United Nations official supervising a camp for refugees whose status has been recognized, said many abandoned hope when United Nations and Macao officials told them they were ''not real refugees.'' A United Nations official in Hong Kong confirmed that refugees coming through China were being told that they had almost no chance of being accepted by resettlement countries. The United States accounts for the resettlement of about 70 percent of all Indochinese refugees. Refugee officials recognize that there is no real difference in motivation between refugees coming out of Indochina through Southeast Asian countries and those going through China. But the officials contend that the growing impatience in resettlement countries with the unceasing flow makes such categorical measures necessary. The remaining refugees at Taipa pier show no inclination to return voluntarily to China. ''We no longer want to live in a Communist country,'' said Yen Cam Mau, a 35-year-old ethnic Chinese who was born and lived in northern Vietnam. ''We want to live in a free country, that is why we left.'' 
Chinese Cite Discrimination
Mr. Mau said he fled with his wife and three children because he felt that the country of his birth had turned against him as a result of his ancestry. ''If a Chinese goes to a hospital, there is no room for him,'' he said. ''If something is stolen from me and I complain, they make believe they don't hear me. The Vietnamese who work with me get raises, I don't.'' Mr. Mau was a driver of construction equipment. He said they left Vietnam in February and headed north in a small boat. The Chinese authorities admitted them with the understanding that they would proceed toward Hong Kong, he said. But the Chinese warned them that the weather was bad and that their boat was too small. The authorities suggested that they get together with others and buy a larger, safer boat. Four families sold their bicycles and watches and bought a larger boat in a fishing village near Canton. They rowed for three days, occasionally being towed by Chinese fishing boats, and arrived at the end of June. Mr. Mau said that Chinese coastal patrols stopped the vessel, but let it proceed when they learned that the passengers came from Vietnam. 
Catholics Flee From North
Interviewed on one of the two small boats that brought them to Hong Kong from Haiphong, Vietnam's major northern port, a group of 45 fishermen and their families, all but two of them Roman Catholics, said they fled to escape from religious discrimination. A voluble woman, Mrs. Nguyen Thi Phuong, a 35-year-old mother whose eight children escaped with her, said they had wanted to leave for a long time. She said they learned from American and British broadcasts over the last two years that rescue ships picked up refugees at sea. She also showed a letter from a nephew who resettled in Britain last year. It offered exact navigational instructions on how to leave Haiphong. The Catholic refugees, most of whom wore crucifixes and religious medals around their necks, displayed a framed picture of Jesus together with a photograph of Pope John Paul II. It was very dangerous to escape from Haiphong, they said, adding that discrimination against Catholics was becoming worse at a time of increasing food shortages. ''They don't give us our ration of rice because they say if you are Catholic God will feed you,'' Mrs. Phuong said.
The refugees also complained of official pressure against bringing up their children as Catholics and discrimination in setting the quotas that each fishing boat has to deliver to the state. They said the excessively high quotas left them without enough money to send their children to school. Even though they lived on their fishing boats, they said, they lacked the money for clothes, school supplies and transport for their children.
''We don't want to be rich,'' one of the men said. ''We just want to go to any country where we can earn enough to live and send our children to school.'' Mrs. Phuong added, ''If we can't find a place anywhere, we would rather stay here and die.'' ''All depends on other countries,'' Mr. Mau said. ''We are victims and cannot decide our fate. We wait for the decision of the authorities. If they throw us into the sea, we cannot do anything.''
Artigo publicado no jornal New York Times a 17 Agosto 1981