terça-feira, 18 de dezembro de 2018

A história do 'soldado' Lee (Chico)

A 3 de Setembro de 1963 o jornal The Canberra Times publica na página 29 um artigo com o título” Only Chinese In Macao Guard Is Boy Of 11”. Conta a história de um rapaz chinês de apenas 11 anos que foi 'adoptado' pelas tropas portuguesas estacionados no aquartelamento de Mong Há em 1963. Em primeiro lugar apresento o texto original em inglês, seguido da tradução para português.
Macao (A.A.P.-Reuter) - He is only 11 years old and just under four feet tall, yet lie stands guard over the Prison in Macao, notorious not so many years ago as a stronghold of Chinese secret societies. What is still more unusual is that Lee See-Poon is the only Chinese in the Portuguese Army.
It all began about 10 months ago when his mother worked as an amah (servant) to help support the family because his carpenter father was down with tuberculosis. Her employer was the commanding officer of the Fourth Infantry Company which recently moved to Macao to relieve the city's garrison African troops from Angola and Mozambique. Lee, whose name is by coincidence Chinese for Lisbon, caught his eye when he accompanied his mother to work. 
The officer and his men decided to "adopt" him. The result was that diminitive Lee found himself one step better than most Portuguese soldiers. He was made a second corporal and now wears a single gold stripe to show his rank. Officers and men chip in every month to pay for his clothes and food as well as some pocket money. 
In Barracks Lee now eats and sleeps in the barracks at Mong Ha fortress, which overlooks the frontier with the Chinese People's Republic, and says he enjoys the army life and comradeship. "Where else can a boy play soldier to his heart's content?" he ask'/. "With the men here, I am a real soldier and they treat me as such." 
Affectionately known among the men as "Chico" Lee is not strictly subject to army discipline. He himself takes things very seriously, rising with the men, doing exercises and performing duties of the day, which for him include sweeping the fortress grounds. 
At times, he goes off with another corporal to stand guard over Macao's civilian prison. He has with him an old Winchester rifle and he says in all seriousness: "If the prisoners try to escape, I shall shoot them." His Portuguese comrades do not like to hurt him by telling the truth: the rifle is so ancient it cannot be fired. The Army has assigned a man to teach Lee Portuguese. He has had three years' Chinese schooling but now he knows how to read and write more Portuguese than Chinese. 
Drinks Beer 
In his spare time, Lee likes playing football with the men. He shows himself as much of a man as they by drinking bottles of beer but says he does not touch wine which he finds intoxicating. As his fellow soldiers say, Lee has an old head on his young shoulders and knows that one cannot earn much money in the army. "I think when I get older I will want to learn a trade. My ambition is to go to Portugal and study in a school there," he says. 
Lee my get the chance to do just that. The fourth Company is thinking about "demobbing" Lee and sponsoring his studies in Portugal.

Tem apenas 11 anos e pouco menos de um metro e meio de altura, mas ainda guarda a prisão de Macau, notória não há tantos anos como um baluarte das sociedades secretas chinesas. O que é ainda mais incomum é que Lee See-Poon é o único chinês no Exército Português. Tudo começou cerca de 10 meses atrás, quando sua mãe trabalhou como amah (servente) para ajudar a apoiar a família porque seu pai, carpinteiro, estava com tuberculose.
O seu 'patrão' é o comandante da Quarta Companhia de Infantaria, que recentemente se mudou para Macau. Lee, cujo nome em chinês é, por coincidência, o início da palavra Lisboa, chamou a atenção do comandante quando ele acompanhou a sua mãe para trabalhar. O oficial e os seus homens decidiram "adoptá-lo". O resultado foi que Lee até ficou em melhor situação face à maioria dos soldados portugueses. Foi nomeado segundo cabo e mostra com orgulho as insígnias da sua patente. Oficiais e restantes soldados contribuem todos os meses com algum dinheiro pagar as roupas e alimentos do cabo Lee. No quartel de Mong Ha Lee come e dorme com vista para a fronteira com a República Popular da China e diz que gosta da vida do exército e da camaradagem. 
"Que mais pode um miúdo querer do que poder brincar aos soldados desta maneira?" ele pergunta. "Entre os homens eu sou um verdadeiro soldado e eles tratam-me como tal". Carinhosamente conhecido entre os tropas homens como "Chico" Lee não está sujeito à disciplina do exército. Mas ele próprio leva a vida de militar muito a sério, levantando-se na alvorada, fazendo exercícios e cumprindo as tarefas do dia, o que para ele inclui varrer o chão da fortaleza. Às vezes, sai com outro cabo para vigiar a prisão civil de Macau e leva consigo uma velha carabina Winchester. Sobre essa missão diz com toda a seriedade: "Se os prisioneiros tentam escapar, eu mato-os". Os militares que o acompanham, entram na brincadeira para não o desapontar, mas na verdade a arma é tão antiga que já não funciona. 
Para não descurar a educação de Lee o exército arranjou um professor que lhe ensina português. Lee já tem três anos de escolaridade chinesa, mas agora sabe ler e escrever mais português do que chinês. Nos tempos livres gosta de jogar futebol com os camaradas de armas. E também procura acompanhá-los quando bebem cerveja, mas diz que não toca no vinho que considera uma bebida inebriante. Como seus companheiros soldados dizem, Lee tem uma cabeça de adulto sobre os ombros jovens e sabe que não se pode ganhar muito dinheiro no exército. "Quando for mais velho quero aprender um ofício; a minha ambição é ir para Portugal e estudar", diz. E Lee pode muito bem vir a ter essa possibilidade. O comandante de Mong Há admite desmobilizar Lee e patrocinar os seus estudos em Portugal.
Artigo de João Botas, também publicado na edição de Dezembro 2018 de "A Voz", ADM, Macau.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

"Macao" in 1911 Encyclopædia Britannica

The Encyclopædia Britannica Eleventh Edition (1910–11) is a 29-volume reference work containing 40,000 entries. Macao is shown in Volume 17.
Palácio do Governo ca. 1900/10
"Macao (A-Ma-ngao, “Harbour of the goddess A-Ma”; Port. Macau),
a Portuguese settlement on the coast of China, in 22° N., 132° E. Pop. (1896), Chinese, 74,568; Portuguese, 3898; other nationalities, 161 - total, 78,627. 
It consists of a tongue of land 2½ m. in length and less than 1 m. in breadth, running S.S.W. from the island of Hiang Shang (Port. Ançam) on the western side of the estuary of the Canton River. Bold and rocky hills about 300 ft. high occupy both extremities of the peninsula, the picturesque city, with its flat-roofed houses painted blue, green and red, lying in the undulating ground between. The forts are effective additions to the general view, but do not add much to the strength of the place. Along the east side of the peninsula runs the Praya Grande, or Great Quay, the chief promenade in Macao, on which stand the governor’s palace, the administrative offices, the consulates and the leading commercial establishments.
The church of St Paul (1594-1602), the seat of the Jesuit college in the 17th century, was destroyed by fire in 1835. The Hospital da Misericordia (1569) was rebuilt in 1640. The Camoens grotto, where the exiled poet found leisure to celebrate the achievements of his ungrateful country, lies in a secluded spot to the north of the town, which has been partly left in its native wildness strewn with huge granite boulders and partly transformed into a fine botanical garden.
During the south-west (summer) monsoon great quantities (67 in.) of rain fall, especially in July and August. The mean temperature is 74.3° F.; in July, the hottest month, the temperature is 84.2°; in February, the coldest, it is 59°. On the whole the climate is moist. Hurricanes are frequent. Of the Portuguese inhabitants more than three-fourths are natives of Macao—a race very inferior in point of physique to their European ancestors. Macao is connected with Hong-Kong by a daily steamer. Being open to the south-west sea breezes, it is a favourite place of resort from the oppressive heat of Hong-Kong. It is ruled by a governor, and, along with Timor (East Indies), constitutes a bishopric, to which belong also the Portuguese Christians in Malacca and Singapore.
Though most of the land is under garden cultivation, the mass of the people is dependent more or less directly on mercantile pursuits; for, while the exclusive policy both of Chinese and Portuguese which prevented Macao becoming a free port till 1845-1846 allowed what was once the great emporium of European commerce in eastern Asia to be outstripped by its younger and more liberal rivals, the local, though not the foreign, trade of the place is still of very considerable extent.
Since the middle of the 19th century, indeed, much of it has run in the most questionable channels; the nefarious coolie traffic gradually increased in extent and in cruelty from about 1848 till it was prohibited in 1874, and much of the actual trade is more or less of the nature of smuggling. The commodities otherwise mostly dealt in are opium, tea, rice, oil, raw cotton, fish and silk. The total value of exports and imports was in 1876-1877 upwards of £1,536,000. In 1880 it had increased to £2,259,250, and in 1898 to £3,771,615. Commercial intercourse is most intimate with Hong-Kong, Canton, Batavia and Goa. The preparation and packing of tea is the principal industry in the town. In fishing a large number of boats and men are employed.
In 1557 the Portuguese were permitted to erect factories on the peninsula, and in 1573 the Chinese built across the isthmus the wall which still cuts off the barbarian from the rest of the island. Jesuit missionaries established themselves on the spot; and in 1580 Gregory XIII. constituted a bishopric of Macao. A senate was organized in 1583, and in 1628 Jeronimo de Silveira became first royal governor of Macao. Still the Portuguese remained largely under the control of the Chinese, who had never surrendered their territorial rights and maintained their authority by means of mandarins - these insisting that even European criminals should be placed in their hands. Ferreira do Amaral, the Portuguese governor, put an end to this state of things in 1849, and left the Chinese officials no more authority in the peninsula than the representatives of other foreign nations; and, though his antagonists procured his assassination (Aug. 22), his successors succeeded in carrying out his policy.
Although Macao is de facto a colonial possession of Portugal, the Chinese government persistently refused to recognize the claim of the Portuguese to territorial rights, alleging that they were merely lessees or tenants at will, and until 1849 the Portuguese paid to the Chinese an annual rent of £71 per annum. This diplomatic difficulty prevented the conclusion of a commercial treaty between China and Portugal for a long time, but an arrangement for a treaty was come to in 1887 on the following basis: (1) China confirmed perpetual occupation and government of Macao and its dependencies by Portugal; (2) Portugal engaged never to alienate Macao and its dependencies without the consent of China; (3) Portugal engaged to co-operate in opium revenue work at Macao in the same way as Great Britain at Hong-Kong. 

The formal treaty was signed in the same year, and arrangements were made whereby the Chinese imperial customs were able to collect duties on vessels trading with Macao in the same way as they had already arranged for their collection at the British colony of Hong-Kong. For a short time in 1802, and again in 1808, Macao was occupied by the English as a precaution against seizure by the French."
in 1911 Encyclopædia Britannica, Volume 17 
Fortaleza da Taipa
A décima primeira edição da Encyclopædia Britannica, escrita entre 1910 a 1911, e publicada em 1911, é talvez a mais famosa edição da Encyclopædia Britannica. Tem um total de 29 volumes escritos em inglês e mais de 40 mil 'entradas'. "Macao" surge no volume 17.

domingo, 16 de dezembro de 2018

Primeiro Regulamento de Circulação de Automóveis e Bicicletas

A partir de um ofício de 1926, assinado pelo Presidente do Leal Senado e enviado ao Ministério das Colónias - em resposta a um pedido de informação - encontra-se informação preciosa sobre os primeiros tempos dos automóveis em Macau.
"O serviço de exploração por automóveis nesta província principiou em 1911, com o estabelecimento de uma garage contendo 2 automóveis de aluguel, de marca “Ford”. Esta garage, porém, teve pouca duração, pois foi devorada por um incêndio, tempos depois de sua fundação. Só mais tarde, em 1915, é que se estabeleceram outras garages".
Aprovado a 21 de Outubro de 1915 o primeiro Regulamento de Circulação de Automóveis e Bicicletas foi publicado no Boletim Oficial de 13 de Novembro desse ano.
O regulamento é bastante minucioso e inclui, por exemplo, a categoria do veículo, placa de identificação e sinalização; taxas a pagar pela inspecção; exame de condução (idade mínima de 21 anos) e condições em que seria realizado; deveres dos condutores e requisitos necessários para ser “chauffeur” profissional; limites de velocidade (15 e 7 km/hora, consoante a localização e características da respectiva rua); preços a praticar pelo aluguer; etc... 
Veja-se, por exemplo, as normas sobre as ultrapassagens e circulação pela esquerda:
"Artigo 58.° - O condutor de automóvel ou motocicleta que pretender passar para diante de outro veículo ou de pessoas que transitem a pé ou a cavalo, é obrigado a fazer sinal com a buzina.
Artigo 59.° - O automóvel ou motocicleta em trânsito deve dar a direita ao centro da rua, como está estipulado para qualquer outro veículo."
Estava em marcha uma nova realidade que veio causar muitos transtornos. A 30 de Outubro de 1916 o Presidente do Leal Senado solicita ao governador autorização para proibir o trânsito automóvel nos sítios que ficam dentro do seguinte perímetro: "Fortaleza da Barra, Avenida da República, Praia Grande, Rua do Campo, Avenida Conselheiro de Almeida, Calçada de S. Miguel, Rua entre o Hospital Chinês Heng-hu e a Nova Cadeia, Rua do Coelho do Amaral, até ao Canal de Sankio e dali até ao porto interior".
Em meados de 1916 circulavam em Macau cerca de duas dezenas de automóveis. Entre as marcas da época pontuavam a Ford, Austin, Fiat, Chevrolet, Buick, Citroen e Peugeot. 
A imprensa também ia dando eco das transformações no dia a dia da vida no território. No jornal A Colónia, em 1918, pode ler-se: "Em Macau, cuja area é muito limitada, os automóveis não são empregados no serviço de comunicação rápida entre pontos distantes, mas são usados meramente como meio de diversão, não havendo, por isso, razão para eles circularem nas ruas da cidade (...); sendo essas ruas, na sua maioria, estreitas, sinuosas e muito movimentadas, a circulação de automóveis nelas é prejudicial à comodidade e à segurança do público".
As poucas dezenas de automóveis existentes no território pertenciam maioritariamente a cidadãos chineses, nomeadamente os que utilizavam os mesmos para exploração em regime de aluguer. Entre as empresas que prestam este serviço figuram a Macao Cycle Depôt (na Praia Grande, de L. Ayres da Silva), Hingkee Auto Garage, The World Motor Car, The Far East Motor Car e Fei Hong Auto Garage.
Av. Almeida Ribeiro
Em meados da década de 1910 a tecnologia passava a estar ao serviço do público em geral. Em 1917 Pedro Leong Hingkee solicita licença para "estabelecer carreiras de automóveis para transporte de passageiros entre a Avenida Almeida Ribeiro, Bela Vista, Praia Grande e Areia Preta, pelo preço não superior a quarenta avos de pataca por cada passageiro, por mês, a contar de 23 do corrente (Janeiro, de 1917), desde as 7 horas da manhã até às 8 da noite".
Num ofício do Leal Senado (1926) pode ler-se: "Quanto ao serviço de auto-caminhões de passageiros, este se estabeleceu somente em Agosto de 1924, com 1 caminhão da marca “Ford”, sendo a lotação de 22 passageiros. Em Novembro desse mesmo ano estabeleceu-se um nova companhia e, assim, sucessivamente outras, até esta data em que o número de auto-caminhões de passageiros atinge 26, número este que, provavelmente, aumentará com as novas companhias que se estão formando."
Por esta altura, em 1926, já circulavam em Macau 122 automóveis: 42 particulares, 41 de aluguer, 29 auto-omnibus, 3 auto-caminhões de carga e 7 motocicletas.

Em 1928 as motocicletas mais do que duplicaram (7 para 18) e o total dos automóveis (particulares e de aluguer) passou de de 83 para 94. Nesta altura já várias empresas vendiam automóveis no território.
Frente ao Leal Senado. Década 1920/30. Foto Neves Catela

sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

Adolpho Loureiro in "No Oriente, de Nápoles à China"

Adolpho/Adolfo Loureiro (1836-1911), formou-se em Matemática em 1856 na Universidade de Coimbra e em Engenharia Civil em 1859. Em 1858 entrou na Escola do Exército (1858)  seguindo a carreira militar.  Neste âmbito notabilizou-se nas obras do porto de Macau recebendo do Leal Senado logo em 1884 a honra de ter o seu nome num arruamento. Foi autor de mais de duas dezenas de publicações de carácter literário e profissional sendo a mais importante a que fez tendo por base o seu diário de viagem e que intitulou "No Oriente – De Nápoles à China". Essa viagem levou-o até Macau tendo privado com nomes como Demétrio Cinatti, Capitão do Porto de Macau e Eduardo Marques, reputado sinólogo e intérprete da Procuratura dos Negócios Sínicos de Macau.
Políticamente activo, Adolfo Loureiro criticou a posição política de Portugal em Macau por altura da revolta de Cantão em Setembro de 1883, sem contudo deixar de mencionar que o seu próprio país, por falta de tratado com a China, não tinha ali cônsul para proteger o macaísta envolvido.Observador atento da realidade macaense da época,  realçou temas como o mandarinato, o sistema judicial e penal, a questão da pirataria e até a linguística, nomeadamente o patuá.
Foi Presidente das Associações dos Engenheiros, Arquitectos e Arqueólogos, assim como de diversas sociedades científicas, literárias e artísticas no país e estrangeiro. Exerceu ainda o cargo de Vice-Presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa.

Em baixo publico alguns excertos de "No Oriente, de Nápoles à China: diário de viagem", uma obra de dois volumes publicados pela Imprensa Nacional, 1896-1897, um relato da viagem do autor ao Oriente - Singapura, Hong-Kong, Macau, Cantão e Batávia - em 1883, tendo estado seis meses em Macau onde existe uma estrada com o seu nome. Fica entre a Av. Sidónio Pais e a Estrada Coelho do Amaral.
Os relatos do diários são feitos logo após a chegada do autor a Macau.
"16 de Setembro de 1883
(...) Seguimos, depois, por umas ruas bordadas de lojas de objectos velhos e entrámos no chamado "bazar chinês", bairro em parte modernamente construído, já com certa regularidade e asseio, e onde há um movimento e animação extraordinários. São ali as lojas dos objectos de proveniência da China, desde os bens sortidos armazéns e estâncias de fruta e de comestíveis até os panos, seda e ourivesaria. As ruas são limpas e alinhadas, mas estreitas. As casas, todas da mesma construção e feitio, com as lojas decoradas com grandes tabuletas douradas, onde se lêem sentenças e máximas chinas, e ornamentadas com flores e lanternas. O bulício e o burburinho são grandes e enorme a concorrência de homens e mulheres chinesas, vendo-se entre estas algumas de pés microscópios, andando dificilmente e abordoadas a um guarda-sol, conservando um difícil equilíbrio sobre aqueles pequenos pés calçados com sapatinhos de bonecas.
Havia por ali numerosas casa de jogo do fantan, que se distinguiam pela sua pintura verde e por grandes lanternas, tendo à entrada nichos e altares onde ardiam pivetes e velas, alumiando feios ídolos pintados com cores muito vivas em posições arrogantes e com dragões e feras impossíveis. As casas da lotaria de vae-seng, do pacapio e de outros jogos eram também muito frequentadas e distinguiam-se igualmente pelas grandes lanternas, tabuletas, flores e pinturas em quadros muito alongados e estreitos. É que o jogo de azar é o vício dominante do chinês e que da exploração desse vício tirámos nós o principal rendimento da colónia, arrematando o exclusivo de tais jogos. É este o caso do fim não justificar os meios..."
"18 de Setembro de 1883
(...) A Ilha Verde, pequeno cone que emerge das águas, e onde existe uma casa pertencente ao seminário ou à mitra, é um soberbo bloco de granito onde no entanto a árvore do pagode conseguiu introduzir as suas raízes pelas fendas da rocha, vestindo a penedia de um manto de verdura. Há aí, no caprichoso dos blocos graníticos e na força vegetativa daquela árvore, efeitos muito belos. Lembro-me de ver um penhasco suspenso em um árvore, que se havia introduzido por uma fenda da rocha, e que no seu crescimento o havia erguido a certa altura. Depois de jantar, a que me fez companhia o tenente Cinatti, voltámos ao porto e à Ilha Verde, onde desejava ver o espraiado da baixamar."
"19 de Setembro de 1883
(...) No meu regresso entrei no pequeno jardim público, que tinha antigamente a forma de um jardim simétrico e regular, medido e traçado a compasso, e que o meu colega Brito tentou transformar em jardim e parque moderno, à inglesa. Está muito limpo e varrido e é este o seu único mérito, tendo muito pequena área e sendo vulgares as plantas que o adornam. Um guarda e jardineiro mostra-se como a medo e oferece a figura a mais extraordinária e original que é possível imaginar. É um china, um verdadeiro china de rabicho, mas vestido de cabaia e calção encarnados! Soube depois que para aquela pitoresca toilette fora aproveitado um pano de mesa, ou uns velhos reposteiros, que havia nas Obras Públicas. Mais extravagante do que aquela figura só ali vi a de muitas plantas em vasos a que a paciência e teimosia do chinês contrafizera por muito tempo, até obrigá-las a tomarem a forma de um dragão, de uma ave, de um mandarim ou mandarina, etc... Para a semelhança ser maior, adicionavam-lhes pequenas cabeças de porcelana e olhos de vidro reluzentes. Parece que o chim se compraz em contrariar a natureza. Pois pode admitir-se uma laranjeira, um pinheiro de vinte e trinta anos de idade, vivendo em um pequeno vaso de barro?! (...)
20 de Setembro de 1883
(...) Ao pôr do sol fui ao jardim público onde tocou a banda do corpo de Polícia, por ser quinta-feira. É toda composta de indígenas de Goa, que executam muito sofrivelmente músicas clássicas, peças italianas e composições escolhidas. A concorrência era pequena, e por entre os passeantes perpassava, mefistofélio, o guarda do jardim com a sua cabaia encarnada."
"22 de Setembro de 1883 - Fui hoje, sob um calor intenso, inspeccionar os hidrómetros instalados. Às três horas da tarde dirigi-me ao da enseada de D. Maria II, acompanhado por Cinatti, Talone e Cunha. Para se chegar a este hidrómetro, assente na extremidade de uma restinga, foi mister entrar em uma pequena champana de pescador, onde o mar nos molhou a todos. Foi agradável aquele banho. Há ali um sítio encantador. Pequenas cabanas de pescadores orlam a costa. Muito próximo, sobre umas rochas cortadas a prumo e batidas pelo mar, olhando para a enseada e para as nove ilhas, fica o pitoresco pagode chinês cercado de muros pintados de amarelo e com um pequeno jardim ensombrado por alguns formosos exemplares da árvore do pagode. É esplêndida de mimo e de poesia aquela situação do modesto templo. (...)"
 "24 de Setembro de 1883 - Às cinco horas da manhã embarquei com o tenente Cinatti na lancha a vapor Macau, que se acha no porto para o serviço do governador. Dirigimo-nos à Taipa e descemos pelo canal de Coloane, passando em frente da povoação deste nome, que oferece uma perspectiva muito risonha. Neste canal desemboca a denominada Ribeira da Pedra, por onde se desvia na vazante grande massa de água do Broadway, não tanto como a que sai pelo canal da Taipa. Aquela ribeira passa ao sul da Ilha de D. João, ou de Macarira, ilha que nos pertence e que é muito acidentada e despida de vegetação. Demos a volta à ilha de Coloane, que é bonita, e subimos pelo canal da Taipa, por onde antigamente se fazia a entrada em Macau e que hoje está muito assoriado e baixo. Soprava um vento rijo e fresco e o mar estava muito encapelado, com uma vaga curta e desencontrada que imprimia à Macau movimentos sacudidos e incómodos, enxovalhando-a com a espuma e o salpico das águas (...)"


quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

"A favor dos feridos da guerra"

A propósito do centenário do armistício da primeira guerra mundial, mais um post sobre o tema e Macau com recurso a três imagens publicadas na revista "Ilustração Portugueza" em 1915.
E ainda um artigo que escrevi em 2014 publicado no Jornal Tribuna de Macau: "Marcas da Primeira grande guerra"...
1.1No final do século XIX o arquiduque austríaco Franz Ferdinand foi aconselhado pelo seu médico a mudar de ares e a viver algum tempo junto ao mar. Os problemas nos pulmões levaram-no numa volta ao mundo tendo passado por Macau em 1893. Reza a história que durante uma recepção feito pelo governador (Custódio Miguel de Borja) este perguntou ao ilustre visitante o que mais gostaria de fazer no território ao que este respondeu que adoraria assistir a uma ópera. O governador terá hesitado por alguns momentos mas pouco depois sugeriu uma visita ao Largo do Pagode da Barra onde estava em cena uma ópera cantonense intitulada 六國大封相/”Six countries conferred a Prime Minister”. Ao que parece o arquiduque não só percebeu a história (teve um tradutor ao seu lado durante a actuação) como gostou muito tendo dito até que por certo nunca mais iria ter uma oportunidade como aquela. De facto, 21 anos depois, do dia 28 de Junho de 1914, Francisco Ferdinando (herdeiro do trono austríaco) e a sua mulher, Sofia Chotek, seriam mortos num atentado na capital da província austríaca da Bósnia-Herzegovina. O episódio – que se soube logo no dia seguinte em Macau através dos serviços consulares do Império Austro-Húngaro de Hong Kong – desencadearia a “Primeira Grande Guerra”, conflito que foi de facto a primeira guerra mundial. Depois dele, o mundo mudou. Acabaram impérios, surgiram novos países…
Este ano celebra-se o centenário do início do primeiro conflito bélico à escala mundial e que causou 16 milhões de mortos.
Portugal começou por reagir à nova ordem mundial defendendo as então colónias em África, Angola e Moçambique, ameaçadas pelo exército alemão. A decisão portuguesa é publicada oficialmente em Novembro de 1914 mas só o seria no Boletim Oficial de Macau nº 5 (30 Janeiro de 1915). No texto expressa-se a autorização do Congresso da República dada ao governo português para intervir militarmente ao lado da aliada Inglaterra. Poucos meses depois do início do conflito, em Outubro o governador Carlos da Maia informa o ministro das Colónias sobre as condições de segurança, do ponto de vista militar, em que se encontrava o território.
Em 1916 entra definitivamente no conflito com o denominado Corpo Expedicionário Português responsável pelo recrutamento numa primeira fase de 30 mil soldados que viriam a ser estacionados na Flandres. Entre eles estava Lara Reis que viria a destacar-se em Macau como professor e forte impulsionador da vida cultural e artística do território nas década de 1920 e 1930. Mas do Corpo Expedicionário fizeram parte muitos soldados oriundos de Macau. A 12 de Agosto de 1914 pela Portaria nº 203 foi determinada a constituição provisória do Corpo de Voluntários de Macau. A 31 de Março de 1916 são convocadas as companhias do Corpo de Voluntários para prestarem serviço militar “em virtude da guerra com a Alemanha”.
1.2
No final da guerra estima-se que entre sete a 10 mil portugueses morreram nas trincheiras europeias, uma boa parte na Batalha de La Lys (9 de Abril de 1918).
Macau escapou à guerra de forma incólume mas não indiferente (por via da participação portuguesa) e ainda existem “marcas” que assinalam esses quatro anos mortíferos. Curiosamente, e ao contrário do que é comum encontrar-se nos registos toponímicos um pouco por todo o mundo, julgo que no território não existe nenhum exemplo.
As quermesses para angariar dinheiro e o envio de roupa para os combatentes foi motivo de notícia na imprensa publicada em Macau e Portugal naqueles anos. Logo a 15 de Janeiro de 1915 realiza-se a primeira “quermesse para angariar fundos”.
Na edição de 22 de Março de 1915 a revista Illustração Portugueza apresenta duas fotografias que testemunham o contributo macaense. Na primeira imagem “grupo da sociedade elegante de Macau vendo-se entre ela as senhoras que angariaram donativos a favor dos feridos da guerra”. Na segunda imagem apresenta-se a “formatura de voluntários portuguezes em Macau por ocasião do movimento patriótico em favor dos nossos soldados expedicionários”. São cerca de 200 elementos, todos fardados e armados.
1.3-Soldados portugueses na Gruta de Camões em 1906
Na edição de 10 de Maio de 1915 apresenta uma fotografia com a seguinte legenda: “Comissão de senhoras trabalhando – no Palácio do Governo – na confecção dos artigos de agasalho destinados aos feridos da 1ª Guerra Mundial”.
Em 1917 há registo da oferta de um subsídio de 100 mil libras “oferecido à metrópole por Macau para os serviços hospitalares dos feridos de guerra e para as famílias dos mobilizados” e o envio de “objectos destinados aos soldados portugueses em campanha”. Em Janeiro de 1918 o governo de Hong Kong emite um aviso sobre a existência de bombas explosivas alemãs, camufladas, em latadas de conservas de diversos tamanhos.
Em termos de património edificado que evoca a Primeira Guerra Mundial existe o ossário no cemitério de S. Miguel e o torreão no Jardim de S. Francisco a recordar esses fatídicos anos.
Em relação a estes dois últimos há um nome que se destaca. Fernando Lara Reis, professor do Liceu e antigo combatente na 1ª guerra mundial. Em 1917, tenente e adido à recém formada estrutura da aviação militar, parte para França, integrando o Corpo Expedicionário Português. Sofre um acidente com o avião militar sendo internado no Hospital Militar de Paris. As lesões sofridas incapacitam-no para o serviço activo. É promovido a Capitão e passa à reserva em 1918. No ano seguinte chega a Macau e é aqui que vai viver até à sua morte em 1950.
1.4-Cemitério de São MiguelO ossário–monumento dos Combatentes da Grande Guerra  (de Macau) no Cemitério de S. Miguel foi inaugurado em Abril de 1938. Os restos mortais de Lara Reis foram para lá trasladados em 1954.
Já o torreão foi inaugurado em Abril de 1934, servindo primeiro como casa de arrecadação do material da Repartição Técnica das Obras Públicas no Jardim de S. Francisco. Em 1938 sofreu obras para albergar a sede da Liga dos Combatentes da Grande Guerra (fundada em Portugal em 1923), sendo Lara Reis o fundador em Macau. A inauguração ocorreu a 9 de Abril de 1939. Aquela parte do jardim chamava-se “Jardim dos Combatentes da Grande Guerra 1914-18”. Tudo isto pode ser verificado in loco.
Após o falecimento de Lara Reis, o seu principal impulsionador, a sede da Liga “viu-se transformada em sapataria, depois alfaiataria, a seguir em Estação Postal Militar”. Estes serviços estavam todos na dependência dos militares. A Estação Postal Militar 3 foi inaugurada em Fevereiro de 1963 e encerrada em Outubro de 1974. Na década de 1980 serviu de sede à Associação Recreativa dos Deficientes de Macau.
 


 Ilustração Portugueza: 22.3.1915
“Grupo da sociedade elegante de Macau, vendo-se entre ela as senhoras que angarivam donativos a favor dos feridos da guerra”
“Formatura de voluntários portuguezes em Macau por ocasião do movimento patriótico em favor dos nossos soldados expedicionários(«Clichés» do fotógrafo sr. M. Mumelga, de Hong Kong)”
Ilustração Portugueza : 10.5.1915
Palácio do Governo de Macau: Comissão de senhoras trabalhando na confecção dos artigos de agasalhos destinados aos feridos da guerra («cliché» Mumeya)”

quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

Bateria rasante 1º de Dezembro

Ca. 1910
A primitiva fortaleza de S. Francisco tinha um plano irregular, a fim de seguir os contornos da base de apoio onde estava localizada. A fortaleza sofreu alterações depois de 1775, e a mesma posteriormente edificada em 1864 tinha uma forma mais regular. Em 1872 foi desenvolvida uma fortificação costeira situada abaixo da fortaleza de S. Francisco, designada por Bateria 1.º de Dezembro, para controlar, assim, tanto a navegação entre Macau e a Taipa, como a aproximação do Porto Interior. O nome advém de ter sido nesse dia que se iniciou a construção. Fez-se também uma ligação subterrânea entre a fortaleza e a bateria. Tudo isto desapareceu nos primeiros aterros da Praia Grande na década de 1920. Ficou o muro junto ao quartel de S. Francisco que ainda hoje pode ser visto.
Ca. 1880/90

Adolfo Loureiro, no livro No Oriente, de Nápoles à China, escreve assim um testemunho da época: 19 de Setembro de 1883 - "(...) Empreguei o dia em diligências para activar os estudos, e depois de jantar dirigi-me a pé à bateria 1º de Dezembro, fortaleza que foi construída e artilhada pelo visconde de S. Januário com duas ou três Krupps que varrem ao lume de água a passagem entre Macau e a Ilha da Taipa. Goza-se dali uma vista esplêndida. Para um lado a costa recortada de restingas e rochedos graníticos; para o outro a graciosa curva da Praia Grande a terminar na Fortaleza do Bom Porto, ou Bom Parto, e, ao longe, a fechar o horizonte, uma série de ilhas, apresentando um perfil dentelado e pitoresco. A formosa enseada e todo o mar, onde cruzam numerosas lanchas chinesas iluminadas pela luz avermelhada do sol poente, rematam o harmonioso quadro."
Mais detalhes aqui

terça-feira, 11 de dezembro de 2018

Emissão de selos: 1898


 


O primeiro selo postal comemorativo foi emitido em 1898 - há 120 anos - com aquando das comemorações dos 400 anos da Viagem de Vasco da Gama, mostra as datas 1498-1898 e a caravela...


Este postal é precisamente de Abril de 1898 e quem o escreveu - de Macau para o Canadá - faz referência ao 4º centenário do caminho marítimo pela a Índia por Vasco da Gama. 


segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

Farol da Guia na imprensa estrangeira: 1865

Guia Lighthouse, dating from 1865, is the first modern western style lighthouse on the Chinese coast. Some news about that in December 1865 on foreign newspapers: Edinburgh Gazette e London Gazette.
Construído em 1865, o Farol da Guia é o primeiro farol moderno e de estilo ocidental na costa chinesa. Notícias sobre o início do funcionamento do Farol da Guia em dois jornais estrangeiros: Edinburgh Gazette e London Gazette.


"Edinburgh Gazette", 22 de Dezembro de 1865

Notice to Mariners. (No. 68.) China - South Coast. 
Revolving Light at Fort Guia, Macao. 
Information has been received at the Admiralty, that the Portuguese Government have established a light at Fort Guia, on the peninsula of Macao, south coast of China. The light is a revolving white light, placed at an elevation of about 330 feet above the mean level of the sea,.and in clear weather should be seen from a distance of 20 miles. The tower stands in about, lat. 22º 12'N., long. 113° 33' 30" east of Greenwich.
By command of their Lordships, Geo. Henry 'Richards, Hydrographer. Hydrographic.Office, Admiralty, London, 7th December, 1865.
This notice affects the following Admiralty' Charts: - China, General, No. 1262; Sheets, 1, 3; 4, Nos. 2212, 2660, 2661; Canton River, Sheet 5, No. 1739; Macao, No. 1290; Hainan Island to Macao, No. 1246: Canton River and Western Branches, No. 2563; and China Sea Index. No. 1270.

in "The London Gazette", 19 de Dezembro de 1865.

domingo, 9 de dezembro de 2018

"Annuncios": 10 Dezembro 1863

"Annuncios" publicado no Ta-Ssi-Yang-Kuo: semanario macaense d'interesses publicos locaes, litterario e noticioso, de 10 de Dezembro de 1863, edição nº 10 no primeiro ano da publicação. 

A tradução literal do título Ta-Ssi-Yang-Kuo é: "Grande Reino do Mar do Oeste". 
O primeiro número deste jornal publicou-se a 8 de Outubro de 1863. 
O fundador foi José Gabriel Fernandes, natural de Goa, e o director, António Feliciano Marques Pereira. 
Figuraram como redactores, entre outros, António Feliciano Marques Pereira, José Gabriel Fernandes, Pereira Rodrigues, Castro Sampaio, Osório Cabral de Albuquerque e José da Silva e Meireles de Távora.
Após 134 números o jornal cessou a actividade no final de Abril de 1866.

PS: O filho de António Feliciano Marques Pereira, João Feliciano Marques Pereira, inspirado neste mesmo título, viria a publicar com dedicatória à memória do seu pai, a revista “Ta-Ssi-Yang-Kuo, em 1899-1900.
J. da Silva era o editor em 1863 do jornal impresso na Travessa do Governador, nº 2
(clicar nas imagem para ver em tamanho maior)

sábado, 8 de dezembro de 2018

"Macau Antigo" em desenhos de Rita Figueira Pereira



Mais uma forma de assinalar o 10º aniversário do blogue Macau Antigo com agradecimentos à Rita Figueira Pereira.
Trabalho da autoria de Rita Figueira Pereira a quem pedi para a partir de fotos com motivos de Macau aplicar a sua arte e engenho... 
"Geralmente desenho com uma caneta ou com um pincel, à vista, normalmente ao vivo, nunca o faço por fotos, pois gosto de ter as três dimensões. Depois pinto com umas canetas de feltro e por vezes (não o faço a todos) passo-os no computador num programa que mistura as cores."

 Casas-Museu da Taipa

sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

Calendário Brasões dos Concelhos de Portugal

Calendário muito peculiar editado em Portugal em 1987 pela Edições Cromogal - Cromos Desportivos e Culturais Lda. 
Trata-se de um exemplar da colecção "Brasões dos Concelhos de Portugal" (total de 307). O 'concelho de Macau surge inserido na "Província" de Macau. Da colecção faz ainda parte um outro 'cromo' relativo a Taipa e Coloane.
Quanto a Macau, fica-se a saber que a população é de 343 mil habitantes, algumas atracções turísticas* (Ermida da Penha, Ruínas de S. Paulo, Igreja de Santo Agostinho, Leal Senado, Palácio do Governo, Fortalezas da Barra e do Monte, Portas do Cerco, Museu, Gruta e Jardim de Camões, diversos templos chineses, floating casino), o dia feriado (24 de Junho), o nº de freguesias (5), a área ocupada pela cidade (cerca de 5 Km2) e que o orago (patrono/padroeiro) é Santo António.
O brasão apresentado é do Leal Senado. (ver 
* curiosamente não se referem outras igrejas nem, por exemplo, a Fortaleza e Ermida da Guia.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

Le Dragon Blessé / The Wounded Dragon


"Le Dragon Blessé: Impressions de voyage en Extrême-Orient" é um livro de 1936 da autoria de Francis de Croisset (1877-1937), um belga naturalizado francês que visitou a China, o Japão e Macau em 1934.
O livro teve uma edição em inglês com o título The Wounded Dragon. Neste relato de viagem o autor regista as suas impressões sobre uma viagem ao Oriente tendo visitado, entre outras, as cidades de Cantão, Nankin, Shangai, Pequim, Japão e Macau.
Do índice fazem parte: "Canton - Macao - Shanghai - Nankin - Impressions de Mandchukuo - Hsin King - Traversee du Japon". 
Macau é descrito pelo autor como "Un Monte-Carlo d'Extrême-Orient" e "la Babylone de tous les plaisirs". Ao todo são dedicadas 10 páginas ao território sobre uma estadia de fim de semana "Macau en effet, m'enchante. Ces't une ahurissante et charmante petite ville", confessa o autor que não deixa de registar que "tout le monde joue a Macao". O jogo e as diversões nocturnas encantam Francis que uma noite fica até às 6 da manhã num salão de diversões a ouvir uma banda de filipinos a tocar blues...Francis diz que a sua cicerone no território foi uma macaense de apelido Fonseca, professora que falava quatro línguas.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

Macau no Museu dos Fósforos de Tomar: 2ª parte

As sete salas do Museu dos Fósforos em Tomar 'estão divididas' por países e podem encontrar-se praticamente todos os temas: história, política e literatura mundiais, música, arte, ciência, tecnologia, desporto, religião, etc... 
O museu continua ampliando o seu acervo com a compra de novas caixas e também com recurso a doações. Actualmente, possui mais de 80.000 objetos, caixas, cartazes e rótulos de fósforos. Estima-se que o total de fósforos ronde os 2 milhões...
A vitrina dedicada a Macau situa-se logo numa das primeiras salas. Ao todo são cerca de 200 caixas de fósforos - de vários tamanhos - em exposição.
É curioso verificar que em termos de nomes escolhidos - portugueses, ingleses e chineses) para as marcas de caixas de fósforos há de tudo a um pouco; desde personagens do cinema (Superman, Mickey...), templos (Ma Kok Miu), monumentos (Ruínas de S. Paulo), Animais (dove, ram...), cultura chinesa (double eight, 77, 66...)
Marcas: Ace, OK, Hero, Rose, Três Flores, Happy, Joker, Mickey, Lighthouse, Zebra, Double Circle, Monumento, 77, Double Eight, 66, Four Aces, The Spoon, ABC, KK, Mermaid, Victory, Three Deer, Superman, The Doll, Borboleta, Visitor, Touro, Lucky, Grasshopper, Sputnik, Ma Kok Miu, Five Rams, Three Arrows, Dog, Triangle, Dove, Red Leaf, Motorcar, Pals, etc...
Marcas para exportação:
Palladium, Moçambicanos, Casa Mussane, Tam Tam, ZAH, Salvado, Happy Beira, Pamelo, GDLM Grupo Desportivo Lourenço Marques, Silva, JFS, Mata-Bicho, Justiça, etc...
São pelo menos seis o número de fábricas de fósforos que existiram em Macau:
1. Tai Kwong
2. Hong Kong Match Factory (Macau) Ltd
3. Heong Kong Tung Kei
4. Cheong Ming/Meng
5. Man Koc
6. Tung Heng/Hing
Para além do mercado interno, as caixas de fósforos produzidas em Macau destinavam-se também à exportação, sobretudo para Hong Kong, China, Filipinas, Tailândia, Singapura e, à época, as colónias portuguesas de Angola e Moçambique.
Sugestões de leitura: 
- "Catálogo das etiquetas de caixas de fósforos de Macau" de Rui de Matos e tradução de Shao Hengzhang. Porto, 1999.
- Catálogo da exposição (Esplendor Centenário) de rótulos de caixas de fósforos antigas realizada nas Casas Museu da Taipa de 30 Dezembro 2005 a 26  Fevereiro 2006. Este catálogo foi editado pelos Serviços Culturais e Recreativos do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais. A exposição apresentava mais de 1000 exemplares de rótulos de caixas de fósforos produzidos na China (do final da Dinastia Qing até ao advento da República) e rótulos das caixas de fósforos produzidos em Macau das décadas de 20 à 50 do século XX.