domingo, 17 de novembro de 2019

Memórias do 10º GPM de Edward (Ted) Carter

A história do Grande Prémio de Macau está recheada de histórias. A que escolhi para hoje é a do norte-americano Edward (Ted) Carter. Participou em apenas uma corrida como piloto. Onde? Em Macau.
Descreve-a como sendo a sua "experiência mais memorável". Ainda em declarações exclusivas ao blogue Macau Antigo disse: "It was a great adventure, exciting, exotic, and fun. It was professionally run but, at the same time, informal - more like a club event than an international grand prix."
Ted Carter com o seu Brahham nº 27
Ted terminaria na 10ª posição.
Ficha técnica do Brabham - enquanto "carro histórico" - que Ted Carter comprou quando estava em Okinawa em 1963 para participar na edição desse ano do GP de Macau.
Agradecimento: A Edward G.L. Carter pela disponibilidade e cedência das imagens. 
Grelha de Partida do 10º GPM
Da esq. para a dta. na primeira fila: Dodgie Laurel, Ted Carter, Albert Poon in the Lotus 23.
Segunda fila: Steve Holland e Bill Baxter com o E-Type Jaguar (ficou em 2º).
Teddy Yip com o mesmo modelo de carro ficou em 3º.

Ted Carter e Arsenio Laurel vencedor da prova com um Lotus 22 FJ (Ford)

(...) "Getting to Macau from Hong Kong was a long, languid ferry trip interspersed with sepia-colored junks plying the sepia sea as Chinese gun boats wallowed in watch. (Today one travels First Class on Boeing-powered Jet-foils which skim this now gauntlet-less velvet water in 55 minutes.)
Macau, once Portuguese, now officially the Macau Special Administrative Region of the People's Republic of China, is an autonomous territory on the western side of the Pearl River Delta some 40 miles west-southwest of Hong Kong.
In 1963, I see it as a very cultured, un-cultured pearl. A grain-of-sand-sized colony nestled almost unnoticed in the rough oyster of China that edges the South China Sea, Macau is the mecca of all gamblers and a watering hole for many idiosyncratic characters who ride the jet streams of the world. I was here for a little more serious gambling—to challenge the best of the East in the 10th Macau Grand Prix to be held Sunday, November 17.
We had a week to prepare me and the car. The Formula Junior Class Race was to be on Saturday, the 16th. There weren’t very many actual race cars entered and, numbered 27 - very lucky to the Chinese - my Brabham BT2 was the 'dark horse' favorite; the betting was especially heavy.
I walked the 3.8-mile circuit, studying every curve and straight, every camber, angle, and elevation. It was going to be challenging. There weren’t any escape areas either, mistakes wouldn’t be forgiven.
I did a lot of practice laps – as I had learned from my walk, it’s not a simple circuit. Below is Turn 19 on the red map above – the Melco Hairpin; it is the tightest hairpin of any race track in the world. The first time I came around, I hit the apex with my rear tire. You can see the dark, round mark below.
The Class Race was more like a parade. Arsenio "Dodgie" Laurel was first in his Lotus 22 Formula Junior. I came in 2nd. My new friend, Steve Holland (who worked for Harper Ford in Hong Kong), in a Lotus 18 Ford Formula Junior, didn’t finish. Another new friend, Albert Poon, a cute Hong Kong police detective, won his class in a beautiful Lotus 23. He is now Sir Albert and is 81 years old!
Sunday, November 18, 1963 - The X Macau Grand Prix 1963
I got a good start in the 60-lap Grand Prix.
Suddenly, on the 19th lap, just past Reservoir Bend, I lost oil pressure and the engine blew! “27” didn’t turn out to be so lucky after all.
Dodgie Laurel, the son of former President Jose P. Laurel the of the Philippines, had a great start, took the lead, and held it all the way. With his victory, he became the first driver to win two consecutive Macau Grands Prix. His Lotus also became the fastest car ever on the Guia circuit when it hit a top speed of 73.38 mph mid-way through the race. The Jaguar E-types of Bill Baxter (see Chapter Two) and Teddy Yip, although four laps behind, were second and third respectively. (...)"

Excertos da biografia "The Amazing Life and Times of Edward Carter - Unique Entrepreneur".

sábado, 16 de novembro de 2019

Lazareto

Lazareto era o nome que se dava a um espaço - normalmente um edifício mas também podia ser uma embarcação) destinado às quarentenas. Ou seja, estava isolado e servia para acolher e desinfectar as pessoas e objectos afectados por uma doença epidémica ou contagiosa: lepra, cólera ou peste bubónica, por exemplo.
Macau foi diversas vezes afectada por este tipo de epidemias.
Na imagem de ca. 1900/1910 o forte de D. Maria II (o edifício mais acima) e o Lazareto, construído em 1897,  num cliché de C. Cabral incluído na colecção "Marques Pereira e Pires Marinho - colonias portuguesas".

Existiram ainda Lazaretos em S. Lázaro (junto à igreja com o mesmo nome), na Ilha da Taipa, Ilha de D. João (Pac-Sá-Lan), na Ilha de Coloane (Ka Hó), e junto à Porta do Cerco.
A de Ká Hó é a mais recente (construída na década de 1920). E ainda hoje existem os edifícios.


 


sexta-feira, 15 de novembro de 2019

Chan Lye Choon: vencedor do GPM de 1958

O piloto natural de Singapura Chan Lye Choon estreou-se no Grande Prémio de Macau na segunda edição em 1955. Ao volante de Aston Martin DB3S com o número 9 terminou a prova em 4º lugar (foto abaixo). Três anos mais tarde voltaria a participar no GP e com o mesmo carro mas desta vez venceu a prova com 3h 40m 59s. O piloto morreu em 1984.
Singaporean Chan Lye Choon first race in Macau was in 1955 with an Aston Martin DB3S (photo above). He would be back for the 5th Macau Grand Prix driving - and winning - the same Aston Martin DB3S in November 1958. He died in 1984.
Réplica à escala 1:43 do Aston Martin que venceu o GP de 1958
Chan Lye Choon identificado no círculo a preto (nº 19) prepara-se para 'fazer' a Curva Melco no GP de 1958.
A revista Autosport na edição de 5.12.1958 titula "Aston Martin wins at Macau". O artigo inclui três fotografias onde se pode ver o Aston Martin na recta da meta, na curva Melco e o piloto de Singapura consagrado vencedor da prova.

quinta-feira, 14 de novembro de 2019

"Outre-mer portugais" na "Revue d'histoire des colonies"


Outre-mer portugais
Ouvrages sur les diverses provinces portugaises d'outre-mer


Revue d'historie des colonies
Année 1958 Volume 45 Numéro 159 pp. 288-299

Nous avons l'intention de passer en revue l'historiographie de l'Outre-Mer portugais, de 1951 à 1955. Nous avons limité notre étude aux ouvrages les plus importants et écarté les articles de revues.

e) Extrême-Orient
Macao a toujours été le centre de l'action du Portugal en Extrême-Orient. Si durant la période que nous étudions (1950-1955), aucun ouvrage de base n'a été publié sur le sujet, on peut toutefois signaler plusieurs études qui touchent, au moins de loin, cette province d'outre-mer. Relevons en particulier: A la recherche du Catay  le voyage à la Chine de Bento de Gois 1603-1607 (Lisbonne, 1954, Agence Générale d'Outre-Mer) dont l'auteur est M. Eduardo Brazão; Les Portugais au Japon (1543-1640), notes et documents (Lisbonne, Agence Générale d'Outre-Mer, 1952) Portugal et Japon. Notes d'histoire diplomatique, par Armando Martins (Lisbonne, Agence Générale d'Outre-Mer, 1955); La prima missione cattolica nel Tibet par Giuseppe M. Toscano (Parme, 1951).
Eduardo Brazâo a profité de l'année commémorative du voyage de Marco Polo en Chine pour le voyage du jésuite Bento de Gois qui, tout au début du xvne siècle, identifia la Chine du Nord avec le célèbre Catay. Le livre de G. M. Toscano raconte un autre voyage non moins célèbre, celui d'Antonio Andrade, également jésuite, qui, parti d'Agra, le 30 mars 1624, en direction du Thibet, découvrit les sources du Gange, traversa le défilé de Mana et arriva en août de la même année à Tamparang. C'est à la suite de ce voyage que fut envoyée, en 1626, la première mission religieuse au Thibet. Armando Martins passe rapidement en revue les relations diplomatiques luso-japonaises. Après la rupture de ces relations, dans la première moitié du xvne siècle, l'auteur se réfère au premier traité luso-nippon, conclu le 3 octobre 1860.
Plusieurs articles de revues nationales et étrangères abordent la question des Missions au Japon.
Il convient de signaler la parution à Macao de l'importante collection: Noticias de Macau, spécialement consacrée à l'ethnographie et à l'étude des relations culturelles entre la Chine et le Portugal. Dans cette collection nous relèverons deux ouvrages historiques: Ephémérides de Vhistoire de Macao, par Luis G. Gomes (Macao, 1954) et une réédition de la célèbre Histoire de l'Église du Japon du Père Joâo Rodrigues Tçuzzu, S. J. par Joâo do Amaral Abranches Pinto (Macao, 1954-56). Nous reviendrons dans notre prochaine chronique relative à la période 1956-1960, sur cette collection qui continue à publier des ouvrages d'un grand intérêt.

Excerto de artigo da autoria de A. da Silva Rego relativo a Macau.

quarta-feira, 13 de novembro de 2019

Discover Macau por Todd Crowell

The first time I visited Macau was to find a smuggler. Nothing as exciting as opium, gold or indentured coolies, three Macau exports before it became a gambling emporium, of course. No, my flat mate in Hong Kong wanted to bring his treasured Burmese cats into Hong Kong and he could not abide being separated from them for the six-month quarantine then in effect in the British colony.
With the help of some of his friends in the then Portuguese enclave (not a “colony”, Chinese territory under Portuguese administration) we found the animal smuggler in a shop off of the main street, Avenida de Almeida Ribeira. For a sum he was quite willing to accept the cats and smuggle them into Hong Kong on a junk.
That was the beginning of a 20-year fascination with Hong Kong’s smaller neighbor across the Pearl River Delta. Looking back I am amazed at how much Macau has changed in that time. When I first went to Macau to look for an animal smuggler, the Senate Square, the heart of old Macau, looked decidedly run down. Not today. Cars have been banned and the square has been lovingly restored. Portuguese craftsmen were brought in to make a wavy white pavement out of limestone and basalt that gives it a definite Mediterranean look.
For fourteen years (1987-2001) the australian Todd Crowell worked as a Senior Writer for Asiaweek, the leading English-language newsmagazine, published in Hong Kong by Time Warner. This position gave him a perch from which to observe the tumultuous events of modern history in East Asia, from the Tiananmen Massacre of 1989 to the handover of Hong Kong in 1997. He has published three books: Farewell, My Colony: Last Years in the Life of British Hong Kong (1998); Tokyo: City on the Edge (2001) and Discover Macau: a Guide and History, (2002) and, as a ghost writer, The Story of Legend, about China’s largest computer company. More recently he wrote Explore Macau: A Walking Guide and History.

terça-feira, 12 de novembro de 2019

segunda-feira, 11 de novembro de 2019

Centenário da Criação do Conselho de Turismo



No Boletim Oficial de 5 de Abril de 1919 é publicada a Portaria Provincial nº57 que aprova a Organização dos Serviços de Turismo sendo criado um Conselho de Turismo “junto da administração dos Portos de Macau” composto por nove elementos nomeados pelo governador Artur Tamagnini de Sousa Barbosa

domingo, 10 de novembro de 2019

Domingo, 15 Novembro de 1959

A 15 de Novembro de 1959, um domingo, Ron Hardwick, piloto de Hong Kong, ao volante de um Jaguar XKSS vencia a 6ª edição do GP de Macau com 60 voltas ao Circuito da Guia. Foi uma vitória fácil com mais de 4 minutos de vantagem sobre os opositores.
Em Novembro de 1994 Ron deu uma entrevista a Al Campbell do South China Morning Post onde recordou os momentos de glória na prova motorizada macaense.
Ron Hardwick cringes when asked about the whereabouts of the Jaguar XKSS that he drove to victory in the 1959 Macau Grand Prix.

'I don't know where it is, I wish I still had that car,' said Hardwick shaking his head.
'Before the race it was forecast by so-called race experts that the Jaguar was too big, too clumsy, too everything for Macau but it did alright. I bought it from K. F. Chang before the '59 race for $18,000 and I sold it for $20,000 figuring there was no way that it could win at Macau again but it did.
'It was a good car and it would be worth a fortune today. It was one of only 13 XKSS' made by Jaguar before a fire at the factory destroyed the entire line. I tell you though, the Jaguar wouldn't have won in the '60 race if I had been allowed to enter my Cooper Climax.
'That car had a 1.5 litre engine, the same as they were using on the Formula One circuit in Europe and the organisers of Macau knew it would have given me an advantage so they disallowed it.' Listening to Hardwick reminisce about the early days of the Macau GP rattling off names of such characters as Teddy Yip, Albert Poon, Grant Wolfkill and George Baker, he said the event has drastically moved away from the original concept set-up by race founder Paul Dutoit.
'It used to be a race for locals and people in the region but now it's gone far beyond that - it's all professionals now. Macau then was something that all the drivers used to look forward to as a time to see friends, socialise and then compete in the race which for many of us was our only race of the year. Nowadays it's different. The drivers don't know each other and it's all a business.
'A lot of people in those days thought that we were really something, but compared to now those cars and that type of racing was like your grandmother going down the street to do shopping.
'All we had were street cars with maybe one or two modifications and before the race about all we did was have a tune-up and a valve grind for preparation.' Hardwick, a retired Cathay Pacific pilot, said he fell into racing almost by accident. Born and raised in Hong Kong, Hardwick, the son of a British Army captain, said he had raced motorcycles around the then undeveloped New Territories.
After buying a Triumph TR2 to drive around Europe on holiday, the service manager for Far East Motors Eddie Carvalho, winner of the initial 1954 Grand Prix, entered his car in the race without telling him.
'Eddie was a crazy guy and it was just like him to do that and at the time they were scraping to get as many people down to Macau as possible. I had been racing in a few hill climbs with the Hong Kong Motor Sport Club and done alright so I thought why not.' After finishing out of the running in the '55 race with a blown engine and missing the 1956 GP due to work commitments, Hardwick's luck in Macau started to change with the purchase of a 1957 AC Ace Bristol sports car. Over the next two years he would go on to two consecutive second-place finishes.
With his newly acquired Jaguar, Hardwick got off to a terrific start in the 1959 GP leading the pack until disaster struck at the foot of San Francisco Hill. Climbing up Hospital Hill, Hardwick noticed the race officials and members of the crowd frantically waving flags to get him to stop. An overcrowded pedestrian footbridge had collapsed onto the track injuring 21 people. The race was stopped for 90 minutes to clear the twisted bridge and assorted debris.
When the race resumed, Hardwick again got off to a great start pulling away from the rest of the pack pursued by Australian Bill Wyllie. By the halfway mark of the race, Hardwick had a comfortable lead and went on to finish a lap ahead of Wyllie. With victory almost certain, Hardwick went out with a bang in lowering the lap record by more than seven seconds. After four attempts Hardwick had finally won at Macau.

sábado, 9 de novembro de 2019

"Macau" no Boletim Geral das Colónias: Novembro 1929

Há 90 anos, a edição de Novembro de 1929 do Boletim Geral das Colónias (publicado em Portugal) foi dedicada em exclusivo a Macau.
A publicação começou por se denominar "Boletim da Agência Geral das Colónias" quando foi criada em 1924. Era o órgão oficial da acção colonial portuguesa e tinha por missão ”fazer propaganda do nosso património colonial, contribuindo por todos os meios para o seu engrandecimento, defesa, estudo das suas riquezas e demonstração das aptidões e capacidade colonizadora dos portugueses”Em 1935 passou a designar-se "Boletim Geral das Colónias" e em 1951 mudou outra vez o nome para "Boletim Geral do Ultramar". acompanhando assim a própria alteração da nomenclatura oficial.
Nesta edição dedicada a Macau incluem-se diversos artigos. Por exemplo, um de Artur Tamagnini Barbosa, governador (O Governo de Macau) e outro sobre a indústria da pesca, da autoria de César Gomes do Amaral, capitão dos portos de Macau.
Excerto:
“É uma das mais importantes (a indústria da pesca) se não a mais importante desta Colónia. Ocupando milhares de homens e representando um volume comercial de perto de 5,5 milhões de patacas, esta indústria faz de Macau o principal centro piscatório do Sul da China. Maior poderia ser a sua importância, se não fôra a pirataria, que flagela a zona marítima compreendida, entre os deltas de Si- Kiang e Chu-Kiang, precisamente a região mais abundante em peixe. Quantas vezes as pobres embarcações de pesca são abordadas por bandos de piratas armados que as despojam de tudo que possa transformar-se em dinheiro! Frequentemente travam-se lutas renhidas entre atacantes e atacados, mas em geral fica vencido o pescador, dada a sua inferioridade em meios de defesa e ataque.
O caos administrativo chinês também contribui poderosamente para a diminuição dos rendimentos desta indústria, em virtude das acções violentas e exorbitantes por parte das autoridades chinesas, que, a título de contribuição, obrigam as embarcações a pagar pesados impostos pelo pescado e o sal que transportam para a salga do peixe. Contudo, apesar destas causas que entravam um maior e possível desenvolvimento da indústria piscatória em Macau, o facto é que ela constitui, ainda assim, uma das principais fontes de riqueza da Colónia e uma receita importante para o cofre da Fazenda Provincial.
Índice:
- O Governo de Macau, por Artur Tamagnini Barbosa, Governador de Macau.
- Padroado Português no Extremo Oriente, por J. da Costa Nunes.
- Vésperas do Ano Novo Chinês, por D. Maria Ana Acciaioli Tamagini.
- A aclamação del Rei D. João IV em Macau, (subsídios históricos e biográficos) por Frazão de Vasconcelos.
- Aspectos e problemas de Macau, por João dos Santos Monteiro.
- Climatologia de Macau, por Morais Palha.
- À maneira de conto, por Félix Horta.
- Uma página para a História de Macau, por Jaime do Inso.
- Traços Impressionistas de Macau, por Bella Sidney Woolf.
- Alguns dados estatísticos sobre a colónia portuguesa de Xangai (referidos a 31 de Março de 1918), por Francisco de Paula Brito Júnior. 
- A Gruta de Camões, por Humberto de Avelar. 
- Alguns dados estatísticos sobre a colónia de Macau (lista dos governadores de Macau e datas de posse, inquérito sobre a população de Macau e suas dependências).
- Lugares selectos da Biblioteca Colonial Portuguesa (O comércio de Macau de 1863 e o princípio de associação como base do progresso) – editorial do semanário macaense TA-SSY-YANG-KUO, n.º 18, de 4 de Fevereiro de 1864.

sexta-feira, 8 de novembro de 2019

Maria 'Speedy' Ribeiro

Comemorou no mês passado 94 anos a primeira mulher a participar no Grande Prémio de Macau, logo na edição inaugural em 1954, sendo também a primeira mulher a ganhar uma prova no evento, em 1956.
Falo de Maria Fernanda de Menezes Ribeiro (Maria Fernanda Nolasco da Silva, nome de baptismo). Nasceu em Macau em 1924 e mudou-se na década de 1960 para a Austrália onde ainda vive desde então, tal com os cinco filhos que teve com Fernando Alberto de Menezes Ribeiro (nascido em Portugal em 1922 mas logo que dois anos foi para Macau com quem casou em Macau em 1945.
Em 1954, na Prova de velocidade-regularidade Maria ficou em 2º lugar com 85 pontos ao volante de um Vauxhall.
Na edição de 1956, a Prova de Senhoras, num total de três participantes, Maria Fenanda "fez uma brilhante prova" de acordo com o título de primeira página do jornal "Notícias de Macau" ficando em primeiro lugar ao volante de um Fiat1000TV com o número 43.

Do livro "The family history and photobiography of Fernando and Maria Fernanda de Menezes Ribeiro" escrito por Peter Grills retirei um excerto sobre a faceta 'desportiva' de Maria:
"Maria Fernanda says that from a very young age she had been fascinated by cars. This was very unusual for a girl in Macau in the 1930s, when even adult women rarely drove. She says she learnt to drive by sitting next to her father's chauffeur and watching. Soon he would let her steer the car from beside him, while he worked the gears and pedals. Certainly by the age of 12 she was able to drive. We know this because of the escapade related above, when, as Maria Fernanda recounts, she was seen driving on her own by the Macau Chief of Police. After that she was more circumspect about driving the car until she got her licence at 17.
It was not until some years later, after the family had moved to Hong Kong, however, that she began her involvement in competitive motor sport. In 1954, both Maria Fernanda and Fernando began competing in time trials in Macau, using Maria Fernanda's father's car, a Vauxhall Velox. Also about that time Fernando was involved in the establishment of the Hong Kong Vespa Club, and again both of them competed in club events – sometimes with eight-year-old Margarida riding as pillion passenger in novelty events.
Maria Fernanda's more serious involvement in motor racing began in 1956, when she competed in – and won – the first women's race at the Macau Grand Prix event. Driving a dealer-sponsored Fiat 1100 sedan, Fernanda beat women driving more fancied sports cars such as MGAs.
This did not just happen, though – for weeks before the event, which was on a hilly street-based course around the outer harbour and reservoir of Macau, Maria Fernanda practised driving around the course at speed in the early mornings. This became a regular sight, and Fernanda recalls driving by the army barracks as she practised, and being cheered on by the troops. On the race day itself, a family friend recalls that Fernando was more nervous than Maria Fernanda, and as he watched the race he was heard whispering 'Fernanda, be careful, remember the children' each lap as she drove past them. She was careful, and she went on to win. But even then, her mischievous side came out, and the Hong Kong newspaper of the next day records how, at the end of the race 'Hordes of photographers and officials rushed to the line. She drove up at speed, braking inches from them, sending the lot scurrying.'
Maria Fernanda also competed in 1958 and was hot favourite to win; however, by then the event had become better known internationally, and an American lady came from Okinawa, driving a Triumph TR3, and Maria Fernanda came second, still driving the Fiat 1100 sedan. (...)"

quinta-feira, 7 de novembro de 2019

"Hotel de Boa Vista": "Places of Interest"

Na imagem está a reprodução de uma folha de papel timbrado do "Hotel de Boa Vista". O documento é da primeira década do século 20. De forma manuscrita surgem vários "Places of Interest" (Locais de Interesse) em termos turísticos. Na época o hotel Boa Vista (renomeado em 1936 como Bela Vista) era um dos principais hotéis de estilo ocidental em Macau. 
Na publicidade de então apelidava-se como sendo "the most selected hotel in the far east".
Actualmente é a residência oficial do Cônsul de Portugal em Macau e Hong Kong.
Entre os locais da lista de atracções turística estão: The Cathedral (Sé), The Façade of St. Paul (Ruínas de S. Paulo), The Camões Garden (Jardim Camões), The Public Garden (Jardim S. Francisco), The Praya Grande, The Barrier (Porta do Cerco), The Private Chinese House, The Opium Factory (Fábrica do Ópio), The Firecracker Factory (Fábrica de Panchões), The Tobacco Factory (Fábrica de Tabaco), The Gambling House (Casa de Jogo), The Old Chinese Temple (pode ser o templo de A-Ma ou o de Kun Iam Tong), The Republic Avenue (Avenida da República).

terça-feira, 5 de novembro de 2019

Jaguar XKSS

Há 60 anos, a 15 de Novembro de 1959, Ron Hardwick ao volante de um Jaguar XKSS vencia a 6ª edição do GP de Macau com 60 voltas ao Circuito da Guia e mais de 4 minutos de avanço sobre o segundo classificado. O mesmo modelo com pequenas alterações viria a vencer a prova no ano seguinte (conduzido por Martin Redfern), por apenas 6 segundos de vantagem sobre o Porsche 550 Spider RS de Grant Wolkill.
Martin Redfern foi o vencedor do GP de 1960
Jaguar XKSS757 com o número 4 na recta da meta
Na zona do circuito junto ao Porto Exterior

segunda-feira, 4 de novembro de 2019

Arsenio “Dodgie” Laurel: 1931-1967

Arsenio “Dodgie” Laurel from Philipines was the first two-time winner of the Macau Grand Prix after finishing first in the 1962 and 1963 race (60 laps) always at the weel of a Lotus 22. He died during the Macau Grand Prix on November 19, 1967, at the age of 35. The first pilot who died during Macau Grand Prix.

Arsenio “Dodgie” Laurel, das Filipinas, foi o primeiro piloto da ganhar dois anos consecutivos o Grande Prémio de Macau depois de terminar em primeiro lugar nas corridas de 1962 e 1963 (60 voltas), sempre no salto de um Lotus 22. Seria também o primeiro piloto a morrer durante uma prova do GP de Macau. Foi 19 de Novembro de 1967, aos 35 anos. 

domingo, 3 de novembro de 2019

A história do 'soldado' Lee (Chico)


A 3 de Setembro de 1963 o jornal The Canberra Times publica na página 29 um artigo com o título” Only Chinese In Macao Guard Is Boy Of 11”. Conta a história de um rapaz chinês de apenas 11 anos que foi 'adoptado' pelas tropas portuguesas estacionados no aquartelamento de Mong Há em 1963. Em primeiro lugar apresento o texto original em inglês, seguido da tradução para português.
MACAO (A.A.P.-Reuter) -  He is only 11 years old and just under four feet tall, yet lie stands guard over the Prison in Macao, notorious not so many years ago as a stronghold of Chinese secret societies. What is still more unusual is that Lee See-Poon is the only Chinese in the Portuguese Army.
It all began about 10 months ago when his mother worked as an amah (servant) to help support the family because his carpenter father was down with tuberculosis. Her employer was the commanding officer of the Fourth Infantry Company which recently moved to Macao to relieve the city's garrison African troops from Angola and Mozambique. Lee, whose name is by coincidence Chinese for Lisbon, caught his eye when he accompanied his mother to work.
The officer and his men decided to "adopt" him. The result was that diminitive Lee found himself one step better than most Portuguese soldiers. He was made a second corporal and now wears a single gold stripe to show his rank. Officers and men chip in every month to pay for his clothes and food as well as some pocket money.
In Barracks Lee now eats and sleeps in the barracks at Mong Ha fortress, which overlooks the frontier with the Chinese People's Republic, and says he enjoys the army life and comradeship. "Where else can a boy play soldier to his heart's content?" he ask'/. "With the men here, I am a real soldier and they treat me as such."
Affectionately known among the men as "Chico" Lee is not strictly subject to army discipline. He himself takes things very seriously, rising with the men, doing exercises and performing duties of the day, which for him include sweeping the fortress grounds.  
At times, he goes off with another corporal to stand guard over Macao's civilian prison. He has with him an old Winchester rifle and he says in all seriousness: "If the prisoners try to escape, I shall shoot them." His Portuguese comrades do not like to hurt him by telling the truth: the rifle is so ancient it cannot be fired. The Army has assigned a man to teach Lee Portuguese. He has had three years' Chinese schooling but now he knows how to read and write more Portuguese than Chinese.
Drinks Beer  
In his spare time, Lee likes playing football with the men. He shows himself as much of a man as they by drinking bottles of beer but says he does not touch wine which he finds intoxicating.
As his fellow soldiers say, Lee has an old head on his young shoulders and knows that one cannot earn much money in the army. "I think when I get older I will want to learn a trade. My ambition is to go to Portugal and study in a school there," he says.
Lee my get the chance to do just that. The fourth Company is thinking about "demobbing" Lee and sponsoring his studies in Portugal.
Tem apenas 11 anos e pouco menos de um metro e meio de altura, mas ainda guarda a prisão de Macau, notória não há tantos anos como um baluarte das sociedades secretas chinesas. O que é ainda mais incomum é que Lee See-Poon é o único chinês no Exército Português. Tudo começou cerca de 10 meses atrás, quando sua mãe trabalhou como amah (servente) para ajudar a apoiar a família porque seu pai, carpinteiro, estava com tuberculose.
O seu 'patrão' é o comandante da Quarta Companhia de Infantaria, que recentemente se mudou para Macau. Lee, cujo nome em chinês é, por coincidência, o início da palavra Lisboa, chamou a atenção do comandante quando ele acompanhou a sua mãe para trabalhar. O oficial e os seus homens decidiram "adoptá-lo". O resultado foi que Lee Lee até ficou em melhor situação face à maioria dos soldados portugueses. Foi nomeado segundo cabo e mostra com orgulho as insígnias da sua patente. Oficiais e restantes soldados contribuem todos os meses com algum dinheiro pagar as roupas e alimentos do cabo Lee. No quartel de Mong Ha Lee come e dorme com vista para a fronteira com a República Popular da China e diz que gosta da vida do exército e da camaradagem. "Que mais pode um miúdo quere do que poder brincar aos soldados desta maneira?" ele pergunta. "Entre os homens eu sou um verdadeiro soldado e eles tratam-me como tal". Carinhosamente conhecido entre os tropas homens como "Chico" Lee não está sujeito à disciplina do exército. Mas ele próprio leva a vida de militar muito a sério, levantando-se na alvorada, fazendo exercícios e cumprindo as tarefas do dia, o que para ele inclui varrer o chão da fortaleza. Às vezes, sai com outro cabo para vigiar a prisão civil de Macau e leva consigo uma velha carabina Winchester. Sobre essa missão diz com toda a seriedade: "Se os prisioneiros tentam escapar, eu mato-os". Os militares que o acompanham, entram na brincadeira para não o desapontar, mas na verdade a arma é tão antiga que já não funciona.
Para não descurar a educação de Lee o exército arranjou um professor que lhe ensina português. Lee já tem três anos de escolaridade chinesa, mas agora sabe ler e escrever mais português do que chinês. Nos tempos livres Lee gosta de jogar futebol com os camaradas de armas. E também procura acompanhá-los quando bebem cerveja, mas diz que não toca no vinho que considera uma bebida inebriante. Como seus companheiros soldados dizem, Lee tem uma cabeça de adulto sobre os ombros jovens e sabe que não se pode ganhar muito dinheiro no exército. "Quando for mais velho quero aprender um ofício; a minha ambição é ir para Portugal e estudar", diz. E Lee pode muito bem vir a ter essa possibilidade. O comandante de Mong Há admite desmobilizar Lee e patrocinar os seus estudos em Portugal.

sábado, 2 de novembro de 2019

Macau num mapa da antiga 4ª classe


Mapa da década 1950-60 usado no ensino primário em Portugal. Para além de serem assinalados os vários fortes e fortalezas de Macau e as ilhas é curiosa - inventada mesmo... - a denominação "Mar de Macau" para as águas que banham a península e as ilhas da Taipa e Coloane.

sexta-feira, 1 de novembro de 2019

Grande Prémio: curiosidade de 1954

No mês em que se realiza mais uma edição do Grande Prémio de Macau, tal como prometido, dá-se início a uma série de posts alusivos à prova realizada pela primeira vez em 1954.
Na estreia do Grande Prémio, a 30 e 31 de Outubro de 1954, várias zonas do Circuito da Guia eram em terra batida e paralelepípedo (calçada à portuguesa), como estas imagens testemunham.

Nesta fotografia onde R. Pennels, num Healey 100, persegue o Triumph TR2 de Ed. Carvalho pode ver-se o quanto a poeira afectava a condução dos pilotos.

quinta-feira, 31 de outubro de 2019

Macau n"Os Grandes Enigmas da Segunda Guerra Mundial

Em "Os Grandes Enigmas da Segunda Guerra Mundial", de Bernard Michal (2015), o capítulo dedicado a "Wong Kong Kit: o 'gangster' de Macau", é um dos 23 enigmas analisados. Mais precisamente o 17º pretendendo-se descobrir a identidade de um gangster sinistro que percorre as ruas de uma cidade cheia de refugiados e crianças com fome... Wong Kong Kit, assim é o seu nome. 
Excerto: "Entre todos, o mais sinistro bandoleiro que deu pelo nome de Wong Kong Kit, o qual, secundado por sua mulher, ditou leis em Macau durante alguns anos..."
O autor recorre essencialmente ao testemunho deixado por Monsenhor Manuel Teixeira.
Wong Kong Kit tinha o seu "quartel-general" numa moradia na Avenida Coronel Mesquita e residência na Av. Ouvidor Arriaga, defendida por sacos de areia e metralhadoras. Segundo Monsenhor Manuel Teixeira “Wong Kong Kit foi o verdadeiro Clyde de Macau durante a II Guerra Mundial. Era um sujeito de voz activa que tinha um complemento directo na pessoa de sua Madame Bonnie ilustre costureira, cujas mãos sanguinárias em vez de manusearem a agulha em delicadíssimos bordados empunhavam dois revólveres, que ela podia disparar tanto da esquerda para a direita como da direita para a esquerda. (…) Estes dois “gangsters” apareceram por encanto na nossa fronteira e estabeleceram a sua firma Bonnie and Clyde sob a superintendência da gendermeria japonesa (…) qual o negócio? Espionagem, pressão contra o governo português, fiscalização de arroz importado da China, impondo uma taxa sobre ele. Quais os meios com que contava? Ele transitava pelas ruas em 2 automóveis com 8 homens armados de pistola “Mauser” e revólver de calibre não inferior a 38. Tinha apoio da gendarmeria japonesa sob o comando do coronel Sawa”.

quarta-feira, 30 de outubro de 2019

Aviso à "navegação" em 1870

Capitania do Porto de Macau
O capitão do porto faz saber aos capitães dos navios que estiverem surtos ou se acharem no rio de Macau durante o espaço de tempo que medeia entre os dias 15 de Junho e 15 de Outubro que deverão ter os seus navios com os mastros e vergas de joanetes arriados ao convez durante a sua estada no porto e recommenda-lhes particular cuidado em conservarem as suas amarrações claras e os ferros da roça promptos a largar bem como em tomarem todas as precauções convenientes para maior segurança dos seus navios logo que haja indicios de máo tempo. 
Capitania do Porto de Macau, 29 de Maio de 1870 

Chama-se a attenção dos capitães de navios para as seguintes disposições do regulamento do porto:
1º Logo que os barómetros comecem a descer e que esta descida seja acompanhada de signaes atmosféricos indicadores de temporal o capitão do porto mandará içar no pontão da policia do mar e no fortim de S. Pedro a bandeira convencionada branca com um quadro vermelho no centro dando o pontão um tiro de peça.
2º Sendo de noite em lugar da bandeira serão içados perpendicularmente dois faróes de luz natural; Estes se içarão no mastro do pontão e no fortim no laes da verga dos signaes firmados também com um tiro.

terça-feira, 29 de outubro de 2019

Dois "postais máximos" de 1953

Postal máximo ou máximo postal é uma peça filatélica constituída por três elementos, em que todos eles se referem ao motivo do selo aposto no cartão. A saber: cartão-postal, selo e carimbo.
No primeiro caso (à esq) temos uma vista da Fortaleza do Monte a partir da calçada (traseiras) - actual Estrada do Visconde de S. Januário - de acesso ao Hospital S. Januário permitindo descortinar o casario da freguesia de S. Lázaro em redor da Calçada do Monte.
No segundo caso (em baixo), vê-se o Largo do Senado com a configuração da década de 1950: estátua do Coronel Mesquita, edifício Ritz, a praça de táxis e ainda o edifício dos CTT.
Os selos usados são relativos a uma emissão de 1948 denominado "Motivos Locais".
Esta série de postais máximos de 1953 não se esgota nestes dois exemplos e o resto pode ser visto aqui.
Para ver outros exemplos de "postais máximos" aqui no blogue basta utilizar o campo de pesquisa: em cima do lado esquerdo.